Universidade estadual de campinas



Baixar 3.62 Mb.
Página30/80
Encontro24.10.2017
Tamanho3.62 Mb.
1   ...   26   27   28   29   30   31   32   33   ...   80

Instituto de Biologia

B212

PROJETO VIVEIRO MEDICINAL - A ETNOFARMACOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL


Patrícia de Sousa Oliveira (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Alba Regina Monteiro de Souza-Brito (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Os usos potenciais dos recursos vegetais, embora muito discutidos, ainda necessitam ser inventariados. A etnofarmacologia procura agregar conhecimento científico aos conhecimentos populares acerca dos usos medicinais dos recursos naturais. Esse diálogo entre a ciência e as tradições populares colabora na busca pelo uso sustentável da natureza agregando qualidade de vida às populações. O Projeto Viveiro Medicinal procurou valorizar o conhecimento sobre a flora medicinal, resgatar a história de seus usos e promover noções de cuidado com a saúde, utilizando a etnofarmacologia como ferramenta no desenvolvimento de um programa de Educação Ambiental. O público alvo do projeto foram alunos do Ensino Fundamental, de duas escolas do município de Sumaré-SP. Foram realizadas entrevistas com os pais dos alunos, as quais forneceram informações sobre os aspectos sócio-econômicos e os conhecimentos etnofarmacológicos da população. Os dados obtidos foram utilizados para compor um perfil etnofarmacológico das comunidades e orientaram atividades pedagógicas que visavam a valorização do conhecimento tradicional e a disponibilização de informações das pesquisas realizadas com plantas medicinais, de forma adequada à comunidade. A partir destes dados também pôde ser construído um viveiro de plantas medicinais no espaço escolar, que além de transformar o ambiente da escola, pôde servir como fonte de obtenção de plantas e mudas para a comunidade.

Plantas medicinais - Etnofarmacologia - Educação ambiental

B213

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERFIS DE CITOCINAS DO AMBIENTE UTERINO ENTRE GESTAÇÃO NORMAL E ALTERADA INDUZIDA PELA LESÃO EMBRIONÁRIA


Karina Y. Degaki (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Áureo T. Yamada (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O paradoxo do grande acúmulo de linfócitos Natural Killer no útero (uNK) durante a gestação e a sua quiescencia na resposta imune inata é um grande enigma da imunologia da reprodução. No presente estudo, foi utilizado o modelo da lesão embrionária induzida mecanicamente para avaliar o balanço das citocinas e mediadores relacionados com a possível atividade citolítica das células uNK em camundongos. Foram coletados sítios de implantação embrionária normal no 8º dia de gestação e de animais após 15’, 30’e 60’ da lesão embrionária para análises morfológicas e expressão de IFN, TNFα, IL-15, IL-2, perforina e granzimaA pela técnica de RT-PCR. A perda do conteúdo dos grânulos pelas UNK e hemorragias observadas morfologicamente nos sítios embrionários lesionados, poderiam ser resultantes da liberação dos mediadores citolíticos perforina e granzimaA, ou das citocinas IFN eTNFα pelas uNK. Não foram constatados aumentos da expressão imediata e generalizada destes genes, exceto pelo o pico de perforina no período de 30 minutos pós-lesão e o significativo aumento na expressão do IFNγ em 60 min pós-lesão. Estes aumentos específicos sugerem o envolvimento direto das células uNK com o incremento da capacidade citolítica destas células e com a alteração da imunomodulação do ambiente uterino em gestação comprometida mediado pelo IFN.

Imunologia da reprodução - Natural Killer uterinas - Citocinas

B214

TERMODINÂMICA DA DESNATURAÇÃO DO VÍRUS DO MOSAICO DO TABACO (TMV) POR AGENTES DESNATURANTES


Ayana de Brito Martins (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Carlos Francisco Sampaio Bonafé (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O estudo do processo de desnaturação é fundamental para a compreensão dos mecanismos que mantêm a estabilidade da estrutura protéica. O vírus do mosaico do tabaco (TMV) (PM = 40 x 106 Da, 2130 subunidades idênticas de proteínas capsídicas) é um importante modelo de dissociação e desnaturação de subunidades. Foram feitas medidas espectroscópicas de espalhamento de luz e fluorescência em alta pressão e na presença de agente desnaturante, hidrocloreto de guanidina (GnHCl), em diferentes concentrações para permitir a realização de análises termodinâmicas do processo de desnaturação. Foi detectado que o GnHCl induz agregação no TMV, seguida de precipitação ao longo do tempo. O aumento da pressão induziu a desnaturação do TMV em concentrações subdesnaturantes de GnHCl, como observado quando se utiliza uréia, havendo reversão parcial do processo mediante retorno à pressão atmosférica. Considerando a ocorrência de dissociação total na qual a ordem de reação (x) é igual a 2130, foram calculados a variação de energia livre de Gibbs de desnaturação ( = 823,52 kJ por mol de TMV) e a estequiometria de ligação do GnHCl (nden = 9,2 moléculas/subunidade do TMV). Para x > 10 foram obtidos valores de nden similares. Apoio: PIBIC/CNPq e FAPESP

Desnaturação - Termodinâmica de proteínas - Vírus

B215

DESENVOLVIMENTO DE ANIMAÇÕES COMPUTACIONAIS PARA APLICAÇÃO NO ENSINO DE NEUROFISIOLOGIA


Patricia Cristina Silveira e Prof. Dr. Cláudio Antonio Barbosa de Toledo (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A presença de tecnologias da informação, incorporadas as inovações tecnológicas nos processos educacionais, só tem valor se contribuírem para a melhoria da qualidade no ensino e aprendizagem. O avanço tecnológico e a visualização científica permitem simulações de representações virtuais de diversos processos, sobretudo no campo da neurociência, robótica, genética, astronomia e bioquímica. O desenvolvimento de uma metodologia de ensino baseada em animações/simulações por computador, dentro da neurociência, permite imitar graficamente os mecanismos ou circuitos como se fossem reais. A visualização científica pode apoiar e tornar mais ágio o processo e científico, observando fenômenos que não poderiam ser estudados sem o auxílio do computador e dos recursos visuais associados. No ensino da neurofisiologia, um tópico básico como Potencial de Membrana (e Potencial de Ação) torna-se desafiador para o docente explicar de forma didática e compreensível para o aluno esse evento complexo, sendo este tópico o primeiro a ser escolhido para ser desenvolvida uma animação. Para a produção de simulações, foi utilizado o programa Macromedia Flash, por ser uma das melhores ferramentas vetoriais do mercado para o desenvolvimento de animações e por possuir recursos avançados com grande potencial de interatividade. Adicionalmente é uma preparação inicial para introduzir essa ferramenta ao graduando como futuro profissional da educação aplicada ao ensino de neurociências.

Neurofisiologia - Potencial de membrana - Animação

B216




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   26   27   28   29   30   31   32   33   ...   80


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande