Universidade estadual de campinas


Instituto de Estudos da Linguagem



Baixar 3.62 Mb.
Página11/80
Encontro24.10.2017
Tamanho3.62 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   80

Instituto de Estudos da Linguagem

A032

ESTUDO DAS SEMIOSES CO-OCORRENTES NO TRABALHO DE EXPRESSÃO TEATRAL COM AFÁSICOS


Juliana Pablos Calligaris (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Edwiges Maria Morato (Orientadora), Instituto de Estudos da Linguagem - IEL , UNICAMP
O desenvolvimento do Programa de Expressão Teatral junto ao Centro de Convivência de Afásicos (CCA), visa a contribuir para a ampliação dos parâmetros de expressividade e de comunicação (verbal e não verbal) dos participantes afásicos do Centro, que está vinculado ao Laboratório de Neurolingüística do Instituto de Estudo da Linguagem da Universidade de Campinas. O presente projeto de pesquisa, dentro deste contexto, focalizou até agora, em sua primeira etapa, a co-ocorrência de semioses (linguagem, expressão corporal, gestos fisionômicos, dança, etc.) em meio às atividades ali desenvolvidas. Tais semioses podem ser observadas, pois, a partir da interação de universos distintos e solidários de significação. Em uma etapa seguinte, e para tal seria de fato necessário uma prorrogação da presente pesquisa, pretende-se não apenas adensar a análise prevista originalmente, mas também: 1. criação de uma metodologia de trabalho teatral com afásicos; 2. observação, descrição e análise das semioses que ocorrem nas atividades desenvolvidas pelo Programa de Expressão Teatral; 3. levantamento de um corpus expressivo em relação aos resultados, com vistas à elaboração de um vídeo intitulado “espetáculo-documento”. É basicamente em função dos dois últimos momentos que se solicita a prorrogação da pesquisa em andamento.

Afasia - Teatro - Semiose



Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

A033

EXPERIENCIA DE UM DANÇARINO-EXECUTANTE EM COREOTOPOLOGIA


Andreia Ferreira Yonashiro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Adolfo Maia Jr. (Orientador), Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica - IMECC, Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A partir dos resultados do projeto de pesquisa anterior da aluna intitulado “Gesto Interativo na Arte do Movimento”, foi realizada uma análise do vocabulário básico (um elenco de movimentos simples e significativos) existentes na peça Elementaridades, o que resultou na produção de um processo em arte com qualidades físicas e materiais segundo necessidades contemporâneas. Com a aplicação prática da nossa pesquisa, pudemos aprofundar o estudo dos conceitos teóricos e realizar uma série de experimentos, os quais, do ponto de vista pedagógico e cinesiológico, possibilitaram um primeiro estudo artístico. Esta pesquisa atingiu seu objetivo através da criação de uma particular Coreotopologia, de uma obra de Arte do Movimento sob título Eólitos, idealizada pela Profa. Joana Lopes (IA/ GITD/NICS). Nesta obra as características dinâmicas do espaço (que definem a Coreotopologia) são modificadas e percebidas pelo dançarino-executante espontaneamente através de seu movimento quando este ocorre em determinadas regiões do espaço. Com estes resultados encontrados foi possível verificar as articulações entre a física e a dança a partir da experiência do dançarino-executante, abrindo como possibilidade futura uma continuidade da pesquisa na área da Arte e Ciência.

Arte do movimento - Coreotopologia - Coreografia








PROJETOS DA ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS




CBMEG - Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética

B034

DETECÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA DUPLICAÇÃO DO GENE TRNAILE NA REGIÃO CONTROLE DO DNAMT DE MOSCAS CAUSADORAS DE MIÍASES (DIPTERA: CALLIPHORIDAE)


Gustavo Turqueto Duarte (Bolsista PIBIC/CNPq), Ana Carolina Martins Junqueira, Tatiana Teixeira Torres e Profa. Ana Maria Lima de Azeredo-Espin (Orientadora), Instituto de Biologia - IB e Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
A família Calliphoridae, formada por moscas causadoras de miíases, apresenta grande importância econômica, médica, sanitária e forense. Similaridades ecológicas e morfológicas dificultam a identificação de espécies, principalmente durante os estágios larvais. O DNA mitocondrial (DNAmt) vem sendo muito utilizado na caracterização da variabilidade genética, possibilitando a identificação precisa de califorídeos. A região controle (RC) representa a maior porção não-codificadora do genoma mitocondrial, com alto conteúdo de bases A e T em insetos. Dividida em duas diferentes subregiões – domínio A, com blocos conservados de seqüência; e domínio B, hipervariável – a RC pôde ser recuperada em duas reações separadas de PCR em doze espécies de califorídeos. A análise de suas seqüências mostrou uma duplicação completa do gene tRNAIle após o domínio B de cinco espécies do gênero Chrysomya: C. albiceps, C. bezziana, C. putoria, C. megacephala e C. rufifacies. A duplicação do tRNAIle pode ser usada como marcador molecular para o gênero Chrysomya, uma vez que não foi reportada para outros gêneros de Calliphoridae. A caracterização da RC permitirá uma avaliação de seu potencial como marcador molecular para estudos evolutivos bem como para a identificação de espécies.

DNAmt - Calliphoridae - Região controle

B035

CARACTERIZAÇÃO DO ITS2 DO rDNA EM MOSCAS CAUSADORAS DE MIÍASES (DIPTERA: CALLIPHORIDAE)


Marco Antonio T. Marinho (Bolsista FAPESP), Ana Carolina Martins Junqueira e Profa. Dra. Ana Maria Lima de Azeredo-Espin (Orientadora), Instituto de Biologia - IB e Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
As moscas da família Calliphoridae (Diptera) compreendem um grupo de grande importância médica, veterinária, econômica e forense por englobarem indivíduos causadores de miíases. Os marcadores moleculares vêm sendo amplamente empregados na avaliação da variabilidade genética intra e interespecífica, diagnóstico espécie-específico e inferências filogenéticas de espécies de califorídeos. O ITS2 é uma seqüência não codificadora localizada entre as sub-unidades 5,8S e 28S do rDNA, apresentando múltiplas cópias no genoma. O ITS2 foi seqüenciado automaticamente para 12 espécies de califorídeos após amplificação via PCR e clonagem. A análise comparativa das seqüências indica a existência de uma sub-unidade ribossomal 2S que divide o ITS2 em duas regiões: ITS2a com ~30pb e ITS2, que varia de ~290pb a ~350pb para as espécies já analisadas. A variação nucleotídica do ITS2 entre os califorídeos e a comparação da estrutura secundária formada no processamento do rRNA, contribuirão para a caracterização de regiões variáveis e conservadas ao longo da molécula e para a avaliação desta região como um marcador molecular eficiente para estudos genético-evolutivos em Calliphoridae.

Calliphoridae - ITS2 - Marcadores moleculares

B036

AMPLIFICAÇÂO HETERÓLOGA EM COCHLIOMYIA MACELLARIA UTILIZANDO PRIMERS DESENVOLVIDOS PARA C. HOMINIVORAX (DIPTERA: CALLIPHORIDAE)


Priscila Carrara (Bolsista FAPESP), Tatiana Teixeira Torres e Profa. Dra. Ana Maria Lima de Azeredo-Espin (Orientadora), Instituto de Biologia - IB e Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
A espécie Cochliomyia macellaria (Fabricius) é uma mosca nativa de hábitos necrobiontófago e hemisinantrópico, de importância médico-veterinária e forense. A partir de 1970, com a introdução do gênero Chrysomya no Brasil, C. macellaria teve seu nicho ocupado por estas outras espécies. Devido à importância ecológica, sanitária e forense deste califorídeo, é necessário acompanhar sua dinâmica populacional, verificando os efeitos causados pela introdução destas espécies invasoras. Vários marcadores genético-moleculares já foram utilizados em populações naturais de C. macellaria, detectando uma baixa variabilidade. Neste estudo, foi utilizada uma nova classe de marcadores moleculares, os microssatélites, que são codominantes e altamente polimórficos. O isolamento de microssatélites é trabalhoso e custoso, sendo uma boa alternativa utilizar “primers” já desenvolvidos para espécies próximas à espécie de interesse. Neste estudo, 30 pares de “primers” desenvolvidos para a C. hominivorax (Coquerel) foram utilizados para amplificar regiões heterólogas em C. macellaria. Dos 30 locos analisados, 17 foram amplificados com sucesso em amostras de C. macellaria. O potencial destes locos em estudos populacionais será avaliado permitindo a realização de estudos para acompanhar a dinâmica populacional de C. macellaria.

Cochliomyia macellaria - Microssatélites - Amplificação heteróloga

B037

CLONAGEM E EXPRESSÃO DE EPÓXIDO HIDROLASE DE ASPERGILLUS NIGER


Camilia Aoyagui dos Santos (Bolsista FAPESP), Caroline Takita Levy (Bolsista PIBIC/CNPq), Profa. Dra. Anita J. Marsaioli, Instituto de Química - IQ, UNICAMP e Profa. Dra. Anete Pereira de Souza (Orientadora), Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
Há uma tendência mundial crescente no sentido da aplicação de biocatalisadores das mais diversas fontes, tais como células vegetais, células de mamíferos e microrganismos em processos industriais. O fungo Aspergillus niger representa uma destas fontes enzimáticas, em especial da epóxido hidrolase, enzima altamente enantiosseletiva. É empregada na produção de epóxidos e/ou dióis vicinais enantiopuros que são utilizados na elaboração de substâncias biologicamente ativas e de interesse econômico. Neste trabalho, foi realizada a extração do DNA genômico de uma linhagem brasileira para a identificação do gene hyl1, responsável pela expressão da epóxido hidrolase (EH). Para tal estão sendo realizadas amplificações de DNA da seqüência do gene EH, por meio da técnica de PCR, baseada na sequência do gene presente na linhagem LCP 521. Após confirmação da existência do gene, a enzima será produzida através de sua clonagem (a partir do cDNA) em vetores do sistema pET e transformação em linhagens de expressão da bactéria Escherichia coli.

Clonagem - Expressão - Epóxido hidrolase

B038

CLONAGEM E EXPRESSÃO DE EPÓXIDO HIDROLASE DE ASPERGILLUS NIGER


Camilia Aoyagui dos Santos (Bolsista FAPESP), Caroline Takita Levy (Bolsista PIBIC/CNPq), Profa. Dra. Anita J. Marsaioli, Instituto de Química - IQ, UNICAMP e Profa. Dra. Anete Pereira de Souza (Orientadora), Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
Há uma tendência mundial crescente no sentido da aplicação de biocatalisadores das mais diversas fontes, tais como células vegetais, células de mamíferos e microrganismos em processos industriais. O fungo Aspergillus niger representa uma destas fontes enzimáticas, em especial da epóxido hidrolase, enzima altamente enantiosseletiva. É empregada na produção de epóxidos e/ou dióis vicinais enantiopuros que são utilizados na elaboração de substâncias biologicamente ativas e de interesse econômico. Neste trabalho, foi realizada a extração do DNA genômico de uma linhagem brasileira para a identificação do gene hyl1, responsável pela expressão da epóxido hidrolase (EH). Para tal estão sendo realizadas amplificações de DNA da seqüência do gene EH, por meio da técnica de PCR, baseada na sequência do gene presente na linhagem LCP 521. Após confirmação da existência do gene, a enzima será produzida através de sua clonagem (a partir do cDNA) em vetores do sistema pET e transformação em linhagens de expressão da bactéria Escherichia coli.

Clonagem - Expressão - Epóxido hidrolase

B039

MODELAGEM POR HOMOLOGIA DA ENZIMA CMP QUINASE DE ACIDITHIOBACILLUS FERROOXIDANS


Marcos T. dos Santos (Bolsista FACTE), Lúcio F. C. Ferraz, Fernanda C. Reis e Prof. Dra. Laura M. M. Ottoboni (Orientadora), Paula K. Falcão e Goran Neshich - (EMBRAPA), Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
A. ferrooxidans é uma bactéria Gram-negativa de grande importância econômica, envolvida na biolixiviação de metais. A biolixiviação pode ser afetada por vários fatores, dentre eles, alterações no pH ótimo de cultivo da bactéria (pH 1,8). Curvas de crescimento e experimentos de respirometria mostraram que tanto o crescimento quanto o consumo de oxigênio são afetados quando a bactéria é cultivada em pH 1,2 e 3,0. A análise da expressão diferencial de genes através de RAP-PCR, utilizando RNA isolado de células cultivadas em diferentes pHs, permitiu o isolamento de um cDNA com expressão mais acentuada em pH 1,8. A seqüência deste cDNA apresentou similaridade com o gene cmk que codifica uma Citosina Monofosfato Quinase (CMP quinase). Esta enzima é essencial para o crescimento da bactéria, pois está envolvida na síntese de ácidos nucléicos. A seqüência completa do gene foi obtida com base no genoma não anotado de A. ferrooxidans ATCC23270 (www.tigr.com). Uma busca por estruturas que poderiam ser utilizadas na modelagem desta proteína foi realizada contra um banco de dados de estruturas de proteínas. Como resultado obtivemos duas estruturas, uma CMP quinase complexada com substrato e outra em sua forma livre (identidade > 55%). Utilizando o programa de modelagem MODELLER foram obtidos dois modelos 3D da proteína. A análise estrutural destes modelos com o objetivo de entender o funcionamento desta enzima está sendo feita com o auxílio do programa Gold STING. As diferenças estruturais observadas numa primeira análise entre os dois modelos são resultado da presença do substrato.

Expressão diferencial de genes - Modelagem molecular - CMP quinase

B040

ESTUDO MOLECULAR DOS GENES FMR1 E DIAPH2 EM PACIENTES BRASILEIRAS COM MENOPAUSA PRECOCE SECUNDÁRIA IDIOPÁTICA


Ana Carla Mesquita (Bolsista PIBIC/CNPq), Fernanda Borchers Coeli e Profa. Dra. Maricilda Palandi de Mello (Orientadora), Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
Inúmeras são as causas de menopausa precoce (MP), destacando-se as adquiridas como radioterapia, doenças auto-imunes e infecciosas. Entre as de origem genética destacam-se as disgenesias gonadais com ou sem síndrome de Turner. No entanto, alguns genes no cromossomo X têm sido implicados na determinação ovariana. Foi feito um levantamento no arquivo nosológico da Ginecologia Endócrina do CAISM – UNICAMP e identificados os casos sem etiologia definida para MP. As pacientes foram convidadas a participar e 17 entraram no estudo. O objetivo foi analisar os genes FMR1 e DIAPH2, nos casos selecionados. A análise gene FMR1 foi feita pela avaliação do número de repetições da trinca nucleotídica CGG presente na região 5’ não traduzida do gene presente em Xq27.3. A variação no número de repetições CGG é avaliada por Southern blot produzido com as enzimas EcoR I, Pst I ou com digestão dupla com as enzimas EcoR I e Eag I. Até o momento, 3 pacientes demonstraram fragmentos com tamanhos acima do normal. Embora estes resultados devam ser confirmados futuramente, indicam que essas pacientes podem ser portadoras da pré-mutação no gene FMR1. Portanto, os achados demonstram que em nossa casuística temos que cerca de 18% dos casos podem estar relacionados ao aumento das repetições CGG no gene FRM1, que é um valor inesperadamente alto, se comparado ao que se encontra na literatura (3-15%).

Menopausa precoce - Cromossomo - Gene

B041

ANÁLISE DO GENE DMRT1 EM FAMÍLIA COM 3 INDIVÍDUOS DE CARIÓTIPO 46,XY PORTADORES DE DISGENESIA GONADAL


Tammy Mazzeo Castro (Bolsista PIBIC/CNPq), Fernanda Borchers Coeli e Profa. Dra. Maricilda Palandi de Mello (Orientadora), Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética - CBMEG, UNICAMP
O sexo masculino em mamíferos é determinado pela expressão do gene SRY presente no cromossomo Y, mas genes presentes em cromossomos autossômicos também são importantes no processo. O gene DMRT1 humano se localiza no braço curto do cromossomo 9 e deve ter importância no desenvolvimento sexual masculino, já que deleções de 9p causam disgenesia gonadal. O objetivo deste trabalho foi analisar do ponto de vista molecular uma família (n=8) em que 3 filhos de cariótipo 46,XY possuem disgenesia gonadal pura (n=1) e parcial (n=2). Todos indivíduos 46,XY são portadores da mutação R30I no gene SRY. Para entender melhor a variação fenotípica demonstrada por estes indivíduos estudamos o gene DMRT1. Foram utilizadas técnicas de PCR, sequenciamento automático e digestão com enzima de restrição para investigação de possíveis variações nucleotídicas. Foram identificadas duas variações, no éxon 1 em todos os indivíduos e no éxon 2 no portador de disgenesia gonadal completa. A continuação deste estudo poderá confirmar o envolvimento destas variações com os diferentes fenótipos presentes na família em questão.

Determinação sexual - Gene DMRT1 - Disgenesia gonadal






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   80


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande