Tudo por fama, glória e dinheiro



Baixar 6.27 Kb.
Encontro05.01.2018
Tamanho6.27 Kb.


Tudo por fama, glória e dinheiro

Em 23 de abril de 1984, uma descoberta atraiu a atenção até mesmo de quem não se interessa por ciência. Em Bethesda, cidade no estado americano de Maryland, o Instituto Nacional de Saúde anunciou que o vírus da Aids havia sido isolado pelo doutor Robert Gallo. Em 28 de maio do ano seguinte, os americanos registraram a patente do método de diagnóstico dos anticorpos por meio de exame sorológico. O problema é que o mesmo anúncio tinha sido feito, em 1983, pelo francês Luc Montagnier, do Instituto Pasteur de Paris. Começava, então, uma briga, por fama, glória e dinheiro, repleta de idas e vindas.


De acordo com Montagnier, Gallo fizera seus estudos com amostras enviadas da França. Gallo negou. O francês, então, alegou ser possível que o americano não tivesse roubado a descoberta intencionalmente, apenas se precipitado ao divulgar os resultados de suas pesquisas. A longa briga envolveu periódicos científicos, como a revista Nature, em mais um capítulo intrincado, numa discussão que durou dez anos.
Em 1985, o Instituto Pasteur iniciou um processo judicial contra seu congênere americano, pelo direito à patente do método de diagnóstico, que tentava registrar nos Estados Unidos desde 1983 e do qual havia perdido a prioridade. Gallo foi acusado de falsificar suas pesquisas para patentear o método de diagnóstico, que rende milhões de dólares em royalties. Em 1987, a querela ainda perdurava, e Montagnier e Gallo insistiam em reivindicar os direitos sobre a descoberta. Naquele ano, fariam um acordo, assinado também pelos presidentes dos Estados Unidos e da França, para serem declarados co-descobridores e dividirem os US$ 6 milhões anuais em direitos.
O acordo foi desfeito, em dezembro de 1992, depois de o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos julgar que Gallo mentira para tirar todo o mérito do trabalho de Montagnier. No ano seguinte, o Escritório para a Integridade das Pesquisas, ao qual caberia decidir se Gallo responderia pela acusação, considerou as provas insuficientes, aceitando a argumentação de que não ocorrera má-fé ou fraude. Na verdade, o americano foi salvo por um terceiro personagem, Mikulas Popovic. O tcheco, que trabalhava no mesmo laboratório de Gallo, era alvo de um processo paralelo, acusado de ser o principal fraudador das pesquisas. Posteriormente, o Departamento de Saúde admitiu que o processo contra Popovic foi conduzido de forma apressada e que não existiam evidências para incriminá-lo. Por não conhecer perfeitamente o idioma inglês, ele teria cometido erros de linguagem. Finalmente, em 1994, as autoridades americanas admitiram que a primazia da descoberta era dos franceses.

Fonte


TUDO por fama, glória e dinheiro. O Globo. Rio de Janeiro, n. 30, 1999. Globo 2000, p. 702.






Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande