Resumo do Seminário



Baixar 26.82 Kb.
Encontro24.10.2017
Tamanho26.82 Kb.

Resumo do Seminário

SEMIOLOGIA DO ABDOME – INSPEÇÃO E PALPAÇÃO”



Não tem ausculta e percussão

Limites do abdome:

Interiormente

- acima: pelo diafragma que o separa do tórax (linha na altura da 6ª cartilagem costal)

-abaixo: pelo estreiro superior da bacia, que é continua com a cavidade pélvica

Externamente:

-superior: por uma linha desde o apêndice xifóide, seguindo pela reborda costal, até T12

-inferior: linha desde a sínfise púbica, passando pelo ligamento inguinal, crista ilíaca e terminando em L5.


Dor referida: é profunda e projeta-se à distância. É a projeção, na superfície, de uma dor visceral e seria explicada pela convergência de estímulos sobre o mesmo local que recebe estímulos provenientes da pele. E como a projeção cerebral das vísceras é relativamente pequeno, o cérebro interpretaria erroneamente o local da dor, sentindo-a como se fosse originada na área superficial.

Dor irradiada: é superficial e profunda, conseqüência da irritação direta de um nervo sensitivo ou misto. É sentida exatamente no território correspondente à raiz nervosa estimulada.


Fundamentos técnicos:

- a posição ideal do paciente a ser examinado é o decúbito dorsal, com a cabeceira ligeiramente fletida, apoiada sobre travesseiro baixo. Os braços devem se posicionar paralelos ao tronco, e as pernas distendidas ou ligeiramente fletidas.

- o ambiente deve inspirar tranqüilidade e oferecer conforto.

- antes de iniciar o exame físico, o examinador deve certificar-se da temperatura de suas mãos. Se muito frias, necessitam ser aquecidas para evitar a indução de reflexos.

- as unhas do examinador devem estar bem aparadas para não traumatizarem a pele do paciente.
INSPEÇÃO

No processo de inspeção são observadas as alterações da superfície cutânea, forma e volume do abdome. Destaca-se os seguintes temas:

- tipo de abdome – globoso, escavado, atípico ou bradaquio (indivíduo com ascite)

- abaulamentos e retrações – isto deve ser feito no mesmo nível que o paciente, numa visão latero-lateral ou infero-superior. Pode indicar tumorações ou consequências tardias de intervenções cirúrgicas ou de traumas abdominais

- espessura da parede abdominal; estrias e cicatrizes

- posicionamento da cicatriz umbilical

- alterações da pele:

1) manchas

2) padrão dos pêlos – pode haver alteração no padrão de distribuição dos pelos, devido a distúrbios hormonais, por exemplo: no homem, perde-se o padrão losangular.

3) herpes zoster

4) circulação colateral (tipo cava inferior, tipo portocava)

5) equimoses: peri-umbilicais (sinal de Cullen), flancos (sinal de Grey-turner)

- movimentos respiratórios – alterações da expansibilidade respiratória permitem distinguir afecções agudas torácicas e abdominais

- movimentos intestinais – peristaltismo visível em pacientes magros com abdome flácido pode ser normal. Peristaltismo visível em abdome rígido pode indicar obstrução (ondas de Kussmal).

- hérnias – os pontos fracos propensos ao aparecimento são: linha alba, porção supra-umbilical, linha semi-lunar, cicatriz umbilical e regiões inguinais. Deve se solicitar ao paciente que após inspirar profundamente, tente soprar com a boca fechada ou sobre o dorso da mão, o que vai aumentar a pressão intra-abdominal e facilitar o aparecimento de hérnias.

OBS: hérnias paraumbilicais são frequentes em obesos, e as infecções com secreção fétida, em umbigos fundos

- quaisquer outras anormalidades detectáveis

PALPAÇÃO


Constitui a fase mais imporanta no exame físico do abdome, colhe-se informações a cerca da parede, do conteúdo e da tensão abdominal. Geralmente ocorre com o paciente em decúbito dorsal e o médico posicionado do lado direito do paciente*. Para fins didáticos acaba sendo dividida em superfical e profunda.
- Técnicas

A palpação pode ser mono ou bimanual e mono ou bidigital. De um modo geral, a palpação monomanual é utilizada para avaliar a parede, e a bimanual para avaliar o conteúdo abdominal. Para a palpação bimanual as duas mãos podem atuar de modo ativo ou uma ativa e a outra passiva. Quando ativas, as extremidades distais dos deos devem formar uma linha reta. Geralmente, utiliza-se a técnica das mãos sobrepostas para apalpar vísceras em pacientes obesos.


- SUPERFICIAL

Tem como objetivo avaliar a sensibilidade, a integridade anatômica e o grau de tensão abdominal.


- PROFUNDA

Tem como objetivo palpar o conteúdo abdominal. Sua execução pode pode ser limitada por fatores como: obesidade, ascite, dor, contratura voluntária e involuntária dos músculos parietais e distensão abdominal.


Peritonite

- Sinal de Blumberg – pressiona-se a parede abdominal lentamente, assim, o peritônio parietal acaba encostando no visceral, faz então uma rápida descompressão, se houver peritonite ou qualquer outra inflamação, o paciente reclama de dor. Geralmente quando se tem peritonite, o abdome é denominado abdome em tábua, devido a maior rigidez na qual se encontra.


Fígado

- Manobra de Mathieu-Cardarelli – o examinador posiciona-se a direita do tórax do paciente com as costas voltadas para seu rosto. A seguir coloca as mãos paralelas sobre o hipocôndrio direito do paciente e com as extremidades dos dedos fletidos, formando garras, tenta palpar o fígado durante a inspiração profunda

- Manobra de Lemos Torres – Com a mão esquerda colocada sobre a região lombar direita do paciente apoiando as duas últimas costelas, o examinador traciona o fígado para a frente e com a mão direita espalmada sobre a parede anterior do abdome, tenta palpar a borda hepática, durante a inspiração profunda, com as falanges distaisdos dedos indicador e médio. Uma variante desta técnica consiste em imprimir com a mão direita pequenos golpes na parede anterior do abdome visando impulsionar o fígado de encontro ao plano posterior, de modo que a mão golpeia poderá percebê-lo por ocasião de seu retorno a posição original.

- Borda do Polegar – o examinador coloca a mão esquerda sobre o ângulo costolombar direito do paciente, ficando o polegar na face anterior do abdome de modo a formar uma pinça. A seguir solicita o paciente que inspire profundamente e tenta palpar a borda hepática com o polegar.

- Hepatimetria – deve-se fazer a percurssão desde os primeiros espaços intercostais, e ir em direção a margem inferior do gradil torácico, quando ocorre mudança do som atimpânico para o maciço, indica-se aonde começa o fígado. Marca-se esse ponto, e faz-se uma linha imaginária ao longo da linha hemiclavicular ate o ponto onde se encontra a borda inferior do fígado, vista nas manobras acima. Normalmente, varia de 6 a 12 cm.

Vale lembrar que muitas vezes em caso de enfisema pulmonar, o pulmão acaba hiperinsuflando e com isso promove o abaixamento do fígado, então não é porque se palpa o fígado a um nível mais abaixo do normal, que signfica hepatomegalia. Deve-se sempre fazer a hepatimetria.


Vesícula Biliar

- mesmas técnicas que o fígado

- Sinal de Couvosier Terrier – a vesícula encontra-se dilatada, apalpavel e não dolorosa. Quando o examinador a palpa, tem-se esse sinal. Esse sinal indica uma possível tumoração da cabeça do pancreas ou da papila de Water.

- Sinal de Murphy – o examinador faz pressão sobre o ponto cístico durante a inspiração profunda. O ponto cístico esta no ponto médio da cicatriz umbilical até o rebordo costal ou na linha M clavicular e lateral ao reto abdominal (corresponde ao mesmo ponto). É indicativo de inflamação na vesícula biliar.


Baço

- somente palpável em casos de patologia, esplenomegalias, quando atinge duas ou três vezes o tamanho normal.

- Paciente em Decúbito Dorsal – o examinador a direita do paciente traciona com a mão esquerda a face póstero-lateral e inferior do gradil costal, deslocando-a em sentido anterior. Com a mão direita disposta abaixo da margem costal esquerda, comprime em direção ao hipocôndrio esquerdo tentando perceber o baço durante a inspiração profunda.

- Paciente em Posição de Shuster – mesmo procedimento que o anterior, porém o paciente se encontra deitado lateral com a face para o examinador, os braços fletidos sobre a cabeça, a perna direita extendida e a esquerda flexionada. Deve ser durante a inspiração, baço desce um pouco. Essa técnica facilita a palpação pois a ação da gravidade desloca o rim pra direita e pra diante.


Apendicite

- Ponto de Mac-Burner – corresponde a inserção do apendice no ceco, esta na junção lateral e media da linha entre a espinha iliaca antero-superior e o umbigo. É realizado o sinal de Blumberg, e o paciente acusa intensa dor.


Lojas Renais

- geralmente não são palpáveis em adultos, entretanto o pólo inferior do rim direito, que se situa numa posição inferior ao contralateral, pode ser palpado especialmente em pacientes magros, do sexo feminino.

- coloca-se a mão esquerda no ângulo costovertebral, na transição entre o hipocôndrio direito e flanco direito e a mão direito na superfície anterior, faz-se uma pinça. Para palpar o rim esquerdo realiza manobra semelhante, apenas modificando as posições das mãos.

- o examinador pode fazer alguns toques para cima com a mão esquerda, e tentar sentir o rim sobre o efeito desses toques com a mão direita.

- ocasionalmente, a palpação pode ser facilitada com o paciente em decúbito lateral. Nessa posição, o rim contralateral, em alguns pacientes, torna-se mais medial, e numa posição mais inferior, e dessa maneira mais acessível a palpação.

- o rim esquerdo palpavel é sempre patológico, já o direito pode ser ou não, pois o direito é mais baixo que o esquerdo devido a sua relação com o fígado.

- outras massas retroperitoneais como tumores e lesões, podem ser palpadas com o uso dessa técnica.
Aorta abdominal

A aorta abdominal deve ser palpada bimanual na linha média do abdome desde o epigástrio a região infra-umbilical. Massa pulsátil superior a 3,0cm sugere aneurisma de aorta abdominal.

 

Intestino



 

Intestino delgado: Em condições normais, não é palpável. É possível a percepção de estruturas tubulares, em casos de distensão de alças ou ascites.

 

Ceco: Palpação feita a direita do paciente. Técnica bimanual. Durante a expiração, aprofunda-se as mãos ao nível da cicatriz umbilical. Sem deprimir com força, desliza-se obliquamente de cima para baixo e de dentro para fora até atingir a arcada inguinal.



 

Cólon Ascendente: Palpação feita a direita do paciente. Técnica monomanual. Com a mão esquerda sob o flanco direito comprime-se a massa muscular da região lombar externa aproximando-a da parede anterior do abdome. Durante a expiração, aprofunda-se a mão direita próximo a cicatriz umbilical e desliza-se de dentro para fora, transversalmente ao cólon.

 

Cólon transverso: Técnica Bimanual. Essa porção do intestino grosso não tem posição fixa, portanto, a palpação profunda deslizante deve começar no epigástrio e seguir em direção a região pélvica até que se encontre uma estrutura cilíndrica disposta no sentido transversal do abdome.



 

Cólon descendente: Palpação feita a esquerda do paciente. A técnica é a mesma utilizada na palpação do cólon ascendente, porém, inverte-se as mãos.

 

Sinal do Obturador: Paciente em decúbito dorsal e examinador a direita do paciente. Flexiona-se o joelho paciente, levanta e gira internamente a perna direita. Sinal positivo também sugere apendicite aguda.



 

Sinal de Rosving: Palpação profunda e contínua do quadrante inferior esquerdo vai produzir dor intensa na fossa ilíca direita sugerindo apendicite aguda.

Cólon sigmóide: Palpação feita a esquerda do paciente. A técnica é a mesma utilizada na palpação do ceco.

 

Sinal do Psoas: Paciente em decúbito dorsal e examinador a direita do paciente. Pede-se para paciente levantar a perna contra a resistência fornecida pelo examinador. Sinal do psoas positivo pode ser um indicativo de apendicite aguda.



 


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande