Área de Odontologia Social


Prótese Buco Maxilo Facial



Baixar 416.18 Kb.
Página6/6
Encontro24.10.2017
Tamanho416.18 Kb.
1   2   3   4   5   6

Prótese Buco Maxilo Facial

1.Introdução à Prótese Buco Maxilo Facial1.1.Responsabilidade da Odontologia frente à Prótese Buco Maxilo Facial. 1.2.Conceito: Estudo clínico e reabilitação protética das malformação congênitas, mutilações traumáticas ou patológicas e distúrbios de desenvolvimento maxilo faciais. 1.3.Especialidade odontológica reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia.1.4.Malformação congênitas do lábio e ou palato- Síndromes.1.5.Câncer da cabeça e pescoço - câncer bucal: Emanoterapia e Cirúrgica oncológica.1.6.Implantes para fixação de próteses bucais e faciais. 1.7.Suporte para a Cirurgia e Traumatologia Maxilo Faciais. 1.8.Luxação tempo-mandibular 1.9.Distúrbios de desenvolvimento maxilo faciais - anquilose têmporomandibular. 1.10.Tratamento através da Prótese Buco Maxilo Facial: optativo/último recurso. 2.Malformação do lábio e do palato.2.1.Introdução: malformações crânio faciais2.2.Conceito: fendas de palato primário e fendas de palato secundário.2.3.Embriologia: formação da face e das estruturas intrabucais.2.4.Patogenia das fendas lábio-palatinas.2.5.Etiologia das malformações: fatores genéticos e fatores mesológicos.2.6.Incidência: raça, sexo, localização, lateralidade, idade dos pais e clima.2.7.Distúrbios: estéticos, funcional e psíquico.2.8.Classificação: Dawis e Richie, Veau, Fogh Andersen, Kernahan e Stark, Villar Sancho e Spina.2.9.Tratamento: equipe multiprofissional2.10.Tratamento: odontológico, odontopediátrico e protético buco-maxilo-facial (precoce e tardio).3. Biomateriais3.1.Conceito: São materiais naturais ou artificiais, que substituem total ou parcialmente estruturas vivas ou ainda, dispositivos biomédicos que aumentam ou substutuem uma função natural.3.2.Ciência dos Biometariais: É a ciência que estuda as propriedades dos tecidos e órgãos, estuda interação entre os biomateriais e os tecidos, desenvolvem e caracteriza os materiais que podem ser usados para medir, restaurar ou melhorar funções biológicas. 3.3 Materiais disponíveis: polímeros não degradáveis; polímeros degradáveis ou reativos; adesivos poliméricos teciduais; metais; cerâmicas e vidros;carbonos; materiais biológicos4. Prótese nas grandes perdas da maxila 4.1.Introdução4.2.Conceito4.3. Etiologia: traumática e cirurgicas4.4. Divisão: quanto à extensão e quanto à localização da perda(parciais, anteriores, lateriais, unilaterais e bilateriais4.5.Totais: unilaterais e bilateriais4.6. Distúrbios: funcionais (fonação, mastigação, deglutição, respiração, olfação e visão)4.7. Estéticos: defeitos cicatriciais, depressão geniana, ectrópio da pálpebra inferior, edema, perdas tissulares, ósseas e músculo cutâneas.4.8. A prótese nas perdas cirúrgicas: prótese imediata, prótese tardia, redutora, reparadora.4.9. Confecção: Moldagem, porção inter cavitária, porção basal4.10.Retenção: 4.11.Prótese Conjugada5.Próteses nas grandes perdas Mandibulares5.1. Introdução; 5.2.Conceito; 5.3. Evolução; 5.4.Oportunidade; 5.5.Estudo Clínico: etiologia, divisão, distúrbios; 5.6.Tratamento: imediato, cirúrgico, autógeno, alógeno, tardio; 5.7.Prevenção6.Implantes em Prótese Buco Maxilo Facial6.1.Introdução; 6.2.Conceito: Osteo-integração; 6.3.Planejamento Prótetico ; 6.4.Considerações Cirúrgicas; 6.5.Áreas de fixação de implante; 6.5.1.Intra-oral; 6.5.2.Extra-oral; 6.6.Avaliação clínica; 6.7.Paciente irradiado; 6.8.Paciente em crescimento; 6.9.Vantagens das Próteses Implanto-suportadas7.Moldagens e Modelos em PBMF7.1.Moldagens intra-orais; 7.1.1.Comunicações oro-nasais.; 7.1.2.esfíncter velofaríngeo; 7.1.3.região intra-cavitária; 7.1.4.Moldagem segmentada em microstomia; 7.2 Moldagens extra-orais; 7.2.1.Cavidade anoftálmica: técnicas e materiais empregados; 7.2.2.Faciais: totais e parciais: regiões faciais técnicas e materiais empregados; 7.3.Modelos - confecção e materiais empregados8. Próteses faciais - epíteses8.1.Introdução: tratamento plástico-cirúrgico, tratamento aloplástico.; 8.2. Conceito: perdas do revestimento músculo-cutâneo, perdas do esqueleto de suporte; 8.3.Oportunidade: próteses temporárias, próteses reparadoras; 8.4. Modalidades de próteses faciais restauradoras:; 8.4.1. Próteses para órgãos impares: prótese nasal e labial.; 8.4.2. Próteses para órgãos pares: prótese auricular e óculo-palpebral.; 8.4.3. Prótese para grandes perdas da face; 8.5.Etiologia: patológica e traumática; 8.6.Distúrbios: funcionais, estéticos e psíquicos; 8.7.Materiais empregados na confecção das epíteses - requisitos de um material ideal (Bulbulian): materiais flexíveis, materiais rígidos; 8.8.Técnica de confecção das epíteses: noções de antropometria, biotipologia e cartografia facial; 8.9.Meios de retenção das próteses faciais: Colagem, cirúrgico-protético, mecânicos, retenção anatômica; 8.10. Desenvolvimento atual.9.Próteses faciais - anaplerose9.1.Introdução: prótese ocular em resina acrílica; 9.2.Conceito: perdas parciais ou perdas totais do globo ocular; 9.3.Objetivos: restabelecer a estética, prevenir o colapso palpebral, proteger contra agentes externos, secreção e escoamento do fluxo lacrimal, impedir a perda da tonicidade muscular; 9.4.Considerações anatômicas: globo ocular, músculos, fáscia do bulbo, aparelho lacrimal; 9.5.Etiologia: congênita e adquirida (traumatismos e patológicas); 9.6.Intervenções cirúrgicas para a remoção do globo ocular: evisceração e enucleação; 9.7.Técnica de confecção da prótese ocular individualizada; 9.8.Recomendações ao paciente quanto à prótese, quanto à utilização da prótese e manutenção cavidade anoftálmica10. Prótese complementar da terapia de radiação - prótese radífera10.1. Introdução: ortovoltagem - megavoltagem ; 10.2. Modalidades terapêuticas - cirúrgicas, actinica, medicamentosa, imunológica, criocírugica; 10.3.Tratamento emanoterápico direto (por contato com RX, por moldagem de radium, por agulhamento intersticial) pericutâneo energia eletrica, substãncias radioativas); 10.4.Objetivos: programa de atenção estomatológica aos pacientes irradiados; 10.5. Alterações teciduais; 10.6.Procedimentos pré-radioterápicos; 10.7.Procedimentos trans-radioterápicos; 10.8.Procedimentos pós-radioterápicos; 10.9. Próteses radíferas: Portadoras ou contensoras, localizadoras ou orientadoras, afastadoras e protetoras; 10.10.Considerações finais: Conscientização por parte dos elementos da área de saúde, educação dos pacientes para os cuidados necessários11. Recursos da Prótese Buco Maxilo Facial nas Constricções maxilo-mandibulares11.1.Introdução: Transtornos banais até deformidades de grave consequência.; 11.2.Modalidades: Constricção de origem muscular cicatricial e articular.; 11.3.Constricção de origem muscular: Conceito: Trismo; 11.3.1. Divisão: Origem inflamatória e origem psiquica.; 11.3.2 Etiologia: Inflamações no próprio músculo ou nos tecidos vizinhos aos planos musculares; 11.3.3 Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.3.4 Tratamentos: psiquico e mecanoterápico, agentes físicos, medicamentoso; 11.4 Constricção de origem cicatricial; 11.4.1.Conceito: Cicatrizes; 11.4.2 Divisão: Quanto localização e quanto a espessura; 11.4.3.Etiologia: Ferimentos, queimaduras, entidades patológicas; 11.4.4.Diagnóstico: Anamnéses, exame clínico e exame radiográfico; 11.4.5.Tratamento: Cirúrgico, mecanoterápico ou cirúrgico mais mecanoterápico; 11.4.6.Constricções por consolidação óssea extra articulares.; 11.5.Constricção de origem articular:; 11.5.1.Conceito: Afecções da articulação têmporo-mandibular; 11.5.2.Modalidades: Artrite e Anquilose da ATM.; 11.5.3.Artrite da ATM:; 11.5.3.1.Conceito: Afecções de origem infecciosa ou traumática; 11.5.3.2.Divisão: Aguda ou Crônica; 11.5.3.4.Etiologia: Artrite aguda infecciosa e traumática; 11.5.3.4.Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.5.3.5.Tratamento: Mecanoterápico, cirúrgico e medicamentoso; 11.5.4. Anquilose da ATM: 11.5.4.1.Conceito: Perda dos movimentos da ATM.; 11.5.4.2.Divisão: Anquilose fibrosa ou óssea, unilateral ou bilateral, congênita ou adquirida; 11.5.4.3.Anatomopatológico: Anquilose falsa ou verdadeira; 11.5.4.4.Etiologia: Complicações de artrites infecciosas ou traumáticas; 11.5.4.5. Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.5.4.6.Tratamento: Cirúrgico, mecanoterápico e cirúrgico mais mecanoterápico.12. Recursos da Prótese Buco-Maxilo-Facial nas luxações da ATM.12.1.Introdução: causas bizarras, ação do próprio cirurgião-dentista; 12.2.Conceitos: luxação - sub-luxação; 12.3.Anatomia da ATM; superficies articulares, disco articular, cápsula articular, ligamentos e músculos; 12.4.Dinâmica da luxação: luxação do côndilo a posição extra-articular; 12.5. Classificação: tipo de luxação, direção e lado; 12.6.Ocorrência: fatores mecânicos e espasmos musculares; 12.7.Incidência: idade, sexo, freqüência; 12.8.Etiologia: causas predisponentes, eficientes e psicológicas; 12.9.Diagnóstico: quando clínico e palpação; 12.10.Tratamento: clássico, Watson, Jones, Atterbury, cirúrgico e agentes esclerosantes; 12.11.Cuidados posteriores: ataduras, aparelho contensor extra-oral.13. Prótese Buco Maxilo Facial frente a Odontologia Desportiva13.1 Introdução: é de vital importância a prevenção e manutenção da saúde bucal. dos atletas.13.2 Conceito: estudo e planejamento da condição buco dentário de atletas; 13.3. Objetivos: possibilitar melhor performace dos atletas nas mais diversas modalidades esportivas; 13.3.1. Análise da condição bucal; 13.3.2. Indicação de tratamentos: pré competição, pós competição; 13.3.3. Prevenção: protetores buco dentários tipos de protetores indicação para as diferentes modalidades esportivas confecção dos diferentes tipos de protetores buco dentários; 13.3.4. Estudo das fraturas e recursos protéticos; 13.3.5. Tratamento.
BENOIST, M. Reabilitation et Prothése Maxillo-Faciales. Julien Prelat, Ed., 1978, p. 437.CHALLIAN, V.A. et alli Maxillofacial prothetics. Baltimora. Willians & Wilkins, 1971, 456p.CESCHINI, J.R. O implante na reabilitação bucal. Panamed editorial, 535p. 1984.FONSECA, E.P. Prótese Ocular, São Paulo, Panamed. Editorial.PSAUME, M. et BOUTROUX, L. Restauration et prosthesis maxillo-faciales, Paris, Masson, 1950, p. 136-323.RAHN, A & BOUCHER, I.J. Maxillofacial prosthetics: principles: and concept. Philadelphia, Sauders, 1970, 266p.RAMFJORD, S. & ASH, M.M. Oclusão. 3a. ed., Rio de Janeiro, interamericana, p 6-11, 189, 1984.REZENDE, J.R.V.; OLIVEIRA, J.A.P. & DIAS, R.B. Prótese Buco Maxilo-Facial. Conceitos básicos e práticos de laboratório. Sarvier, São Paulo, 1986.RIES CENTENO, G.A. Cirurgia bucal. Buenos Aires, Ataneo, p. 208-402, 1968.ROCHA, R.G.F. Moldagem da face com gesso. Tese Doutorado, Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, 1965.SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE REABILITAÇÃO DA FACE E DE PRÓTESE BUCO-MAXILO FACIAL. 1o., São Paulo, 4-7 setembro. 1977./Anais./ São Paulo, Fundação "Centro de Pesquisa de Oncologia, 1977, p. 277.
Traumatologia

1. Introdução á Traumatologia-Maxilo-Facial. 1.1. Conceito: a Traumatologia Maxilo-Facial como especialidade cirúrgica. 1.2. Histórico e evolução da Traumatologia Maxilo-Facial. 1.3. Área de atuação do Cirurgião-Traumatologista Maxilo Facial. 2. Estudo da arquitetura do esqueleto facial. 2.1. Conceitos: arcos, pilares e vigas. 2.2. Descrição das trajetórias de força de resistência e fragilidade da maxila e mandibula. 3. Estudo clínico e tratamento das fraturas mandibulares. 3.1. Introdução: caracteristicas clínicas das diferentes fraturas da mandibula. 3.2. Sintomatologia específica das fraturas mandibulares da sínfise, corpo, ângulo, apófise coronóide e côndilo. 3.3. Seleção e escolha da forma de tratamento para fraturas da mandibula. 3.4. Tratamento ortopédico: métodos de contenções maxilo mandibulares. 3.5. Tratamento cirúrgico: estudo dos diferentes tipos de osteossinteses e materiais empregados. 3.6. Princípios básicos do tratamento imediato. 4. Estudo clínico e tratamento das fraturas do esqueleto facial. 4.1. Introdução: características clínicas das fraturas do esqueleto fixo da face. 4.2. As fraturas do maxilar: Le Fort, classificações e sinonimia. 4.3. Diagnóstico clínico-radiográfico e tratamento das fraturas de Le Fort. 4.4. As fraturas do malar e arco zigomático: diferenciação de fratura de disjunção e classificação das diferentes fraturas. Dignóstico clínico-radiográfico e tratamento. 4.5. Fratura dos ossos próprios do nariz: diagnóstico clínico-radiográfico e tratamento. 4.6. Métodos cirúrgicos e ortopédicos de tratamento das fraturas do esqueleto fixo da face: osteossintese manobras incruentas e tipos de contenção utilizadas. 5. Estudo clínico e tratamento do trauma dento-alveolares. 5.1. Introdução: aspectos psicológicos do traumatismo dentário. 5.2. Classificação das fraturas dentárias envolvendo a coroa e a raiz dentária. Reparação pulpar frente ao traumatismo dentário. 5.3. Luxação dentária: diagnóstico clínico e princípios do tratamento. Contenções utilizadas e acessíveis ao odontologista. 5.4. Exofoliação traumática: medidas iniciais do tratamento, condutas de urgência. Contenção e prognóstico. Informação e prevenção dirigida aos pais e acompanhantes. 5.5. Fraturas dento-alveolares envolvendo 2 ou mais dentes. Diagnóstico clínico - radiográfico e medidas iniciais do tratamento, conduta definitiva. 6. Estudo clínico e tratamento das sequelas advindas aos traumatismos maxilo-faciais. 6.1. Introdução: conceito de sequelas e o porquê de sua ocorrência. 6.2. Fatores determinantes do aparecimento das sequelas: prímario e secundário. 6.3. Tipos de sequelas e planejamento cirúrgico-protético do tratamento. 6.4. Prevenção das sequelas de origem traumática. 7. Estudo clínico e tratamento dos ferimentos do tegumento facial. 7.1. Introdução: conceito de ferimentos simples e complexos. 7.2. Definição de enxertos e retalhos e sua aplicação nos diversos traumas faciais. 7.3. Biologia na reparação dos tecidos: cicatrização por primeira e segunda intenção. 7.4. Medidas de urgências no ferimento da face: a antissepsia das lesões. Materiais comumente usados nas suturas faciais e endo-bucais. 8. Estudo clínico e tratamento das disfunções da ATM. 8.1. Introdução: histórico, evolução do diagnóstico e tratamento das disfunções da ATM. 8.2. Mecanismo de desenvolvimento da disfunção: aspectos oclusais, musculares e psicológicos como fatores múltiplos na etiologia da doença. 8.3. Tratamento da fase aguda: utilização de placas de mordida. Relação entre o odontologista, o fonoaudiólogo, o psicólogo e o fisioterapeuta. 8.4. Tratamento definitivo das disfunções: medidas oclusais protéticas ou ortodônticas necessárias para o equilibrio da oclusão. 9. Atendimento inicial ao politraumatizado. 9.1. Avaliação inicial do politraumatizado. 9.2. Atendimento pré-hospitalar. 9.3. Atendimento hospitalar. 9.4. Noções básicas do ATLS. 9.5. Demonstração prática com o grupo de resgate do Corpo de Bombeiros de São Paulo. 10. Estudo clínico e tratamento da fratura do côndilo. 10.1. Introdução e conceitos. 10.2. Classificação. 10.3. Diagnóstico clínico e radigoráfico. 10.4. Tratamento: ortopédico, ortopédico funcional e cirúrgica. 10.5. Medidas pós-operatórias. 10.6. Sequelas.
1. APRILE, H; FIGUN, M. I. Anatomia Odontológica. 3a. Edição, Livraria El Ateneu, Buenso Aires, 1960. 2. BARROS, J.J.; SOUZA, L.C.M. Traumatismo buco-Maxilo-facial. São Paulo, ROCA, 1993, 418p. 3. BARROS, J.J.; SOUZA, L.C.M. Traumatismo buco-Maxilo-facial. São Paulo, ROCA, 2000, 455p. 4. BARROS, J.J.; RODES, S.M. Tratamento das Disfunções Craniomandibulares ATM. Editora Santos, 1995. 5. CONVERSE, J.M.; WAKNITA, F.W. External skeleton fixation in fracturas oif the mandibular angle. J Bone & Joint Surg., n.24, p.154-160, Jan. 1942. 6. CHIARUGI, G. Instituizioni di Anatomia Dll"Uomo. v.1, Sattima Edizione - Societá Editrico Libraria Milano, 1948. 7. CRONA-LARSSON, G. & NOREN, J.G. Luxation injuries to permanent teeth: a retrospsective study of etiologicval factors. Endodont dent Traumat, v.5, n.4, p.176-179, Aug. 1989. 8. DINGMAN, R.O. & MATVIG, P. Cirurgia das fraturas faciais. Philadelphia, Editora Santos, 1983, p.376. 9. FONSECA, R.J. & WLAKER, R.V. Oral and maxillofacial trauma. Philadelphia, Aunders, v.1, 650p., 1991. 10. GRAZIANI, M. Traumatologia Maxilo Facial. Rio de Janeiro, Guanabara - Koogan, 1982, p.245. 11. GRAZIANI, M. Cirurgia Buco Maxilo Facial. Rio de Janeiro, Guanabara - Koogan, 1976, p.676. 12. PSILLAKIS, J.M.: ZANINI, S.A., MÉLEGA, J.M.: COSTA, E. A. & RUZ, R.L. Cirurgia craniomaxilofacial. Rio de Janeiro, Medsi, 1987, p.643. 13. ROWE, W.L.; KILLEY, H.C. Fracturas of the facial skeleton, 2a. Ed. Edinburg & Livingstone, p.205, 1970. 14. ROWE, N.L.; WILLIANS, J.L. Maxillofacial injuires, 2ª ed., church, 1985. 15. SICHER, H.Y. & TANDLOR, J. - Anatomia para dentistas. Ed. Labor S.A. 16. ZIDE, M.F. & KENT. J.W. Indications of open reductions of mandibular condyle fractures. J oral Maxillofac Surg, n.41, p.89, 1983






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande