Questões Preparatórias



Baixar 322.51 Kb.
Página1/7
Encontro21.10.2017
Tamanho322.51 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

Rinossinusites e suas Complicações Seminários ORL HCFMUSP-2015

Questões Preparatórias


  1. Como é feito o diagnostico das Rinossinusites?

  2. Qual o tratamento proposto para os diferentes tipos de Rinossinusites?

  3. Quando devemos iniciar o tratamento com antibioticoterapia?

  4. Quando devemos indicar procedimento cirúrgico nos casos de Rinossinusites?

  5. Quais as principais complicações associadas as Rinossinusites?


Rinossinusite Aula Teórico - Prática
Rinite alérgica:

  • Diagnóstico clínico

  • História, antecedentes pessoais e familiares de atopia

  • Exame físico – Palidez de mucosa nasal

  • Respirador bucal

  • Pesquisa de IgE específica positiva (Teste cutâneo / RAST




  • Tratamento clínico

  • Higiene

  • ambiental

  • lavagem nasal

  • Farmacoterapia

  • sintomáticos

  • anti-histamínicos; descongestionantes; anti-leucotrienos; anticolinérgicos

  • “preventivos” / antiinflamatórios

  • cromoglicato dissódico; corticosteróides; anti-IgE

  • Imunoterapia


Rinossinusite

  • Sintomas Clínicos

  • Obstrução / congestão nasal

  • Secreção nasal purulenta anterior / posterior

  • Anosmia / hiposmia

  • Cefaléia / pressão facial




  • Aguda (sintomas por até 12 semanas):

  • Streptococcus pneumoniae

  • Haemophilus influenzae

  • Moraxella catarrhalis

  • Outros estreptococos

  • Anaeróbicos

  • Staphylococcus aureus




  • Crônica (sintomas por mais de 12 semanas):

  • Aeróbicos

  • Staphylococcus aureus

  • Staphylococcus coagulase negativo



  • Anaeróbicos




  • Tratamento medicamentoso

  • Aguda:

  • Amoxicilina

  • Amoxicilina + Clavulanato

  • Cefprozil

  • Cefpodoxime proxetil

  • Acetil Cefuroxime

  • Claritro / Eritro / Azitromicina

  • Sulfametoxazol / trimetoprim

  • Gatifloxacina

  • Levofloxacina

  • Moxifloxacin

  • Ceftriaxone

  • Crônica

  • Amoxilina + Ac Clavulânico

  • Sultamicilina

  • Clindamicina

  • Metronidazol




  • Pesquisa diagnóstica

  • Aguda – pesuisa diagnóstica

  • evolução de quadro inflamatório agudo

  • Rinites

  • Corpo estranho

  • Poluentes ambientais

  • outros




  • Crônica - Pesquisa diagnóstica:

  • Teste cutâneo de hipersensibilidade

  • Na+ / Cl- no suor

  • Imunoglobulinas

  • Biópsia e microscopia eletrônica

  • EDA / Laringoscopia

  • Tomografia computadorizada de seios paranasais




  • Tratamento clínico coadjuvante

  • Lavagem nasal

  • Solução isotônica

  • Solução hipertônica

  • Descongestionantes

  • Anti-histamínicos

  • Corticosteróides

  • Tópicos

  • sistêmcios




  • Tratamento cirúrgico

  • complicações

RINOSSINUSITES E SUAS COMPLICAÇÕES

  1. INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES



Rinossinusite é todo processo inflamatório da mucosa de revestimento da cavidade nasal e dos seios paranasais. Esta resposta inflamatória representa uma reação a um agente físico, químico ou biológico (bacteriano, fúngico ou viral), como também pode ser decorrente de mecanismos alérgicos. O termo rinossinusite é atualmente consensual, pois dificilmente existe inflamação do seio paranasal sem acometimento da mucosa nasal1.


Segundo o EPOS (European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps), a rinossinusite em adultos se define como: inflamação do nariz e dos seios paranasais caracterizada por dois ou mais dos seguintes sintomas, sendo obrigatória a presença de um dos dois primeiros:

  • Obstrução/bloqueio/congestão nasal

  • Descarga nasal (gotejamento nasal anterior/posterior)

  • Dor ou pressão facial

  • Diminuição ou perda do olfato

A definição de rinossinusite para uso em estudos epidemiológicos e para prática clínica tem como base a sintomatologia sem exame otorrinolaringológico e/ou radiológico.

Sinais endoscópicos que pode ser encontrados são:

- Pólipos e/ou

- Secreção mucopurulenta, principalmente do meato médio e/ou

- Edema/obstrução mucosa, principalmente do meato médio.. Além disso, pode haver alterações na TC, como alterações mucosas no complexo ostiomeatal ou nos seios paranasais.

Em crianças, a definição se difere apenas nos sintomas, que devem ser 2 ou mais dos seguintes, sendo a presença de um dos dois primeiros obrigatória:



  • Obstrução / congestão nasal

  • Rinorréia anterior/posterior

  • Dor facial

  • Tosse

  1. FISIOPATOLOGIA

A patogênese da rinossinusite é multifatorial e envolve uma complexa interação entre mecanismos de defesa do hospedeiro e o agente agressor. Existem três fatores fundamentais na fisiologia normal dos seios paranasais: a qualidade das secreções nasais, a função ciliar e a patência dos óstios1.

  1. O muco é constituído primariamente por mucoglicoproteínas, imunoglobulinas (IgA e IgE), além de lisozimas e lactoferrinas. A inflamação estimula a conversão de células ciliadas para Goblet cells, tornando o muco mais espesso e conseqüentemente dificultando sua remoção e facilitando o crescimento bacteriano.

  2. O transporte mucociliar funciona como uma barreira para a infecção. A interrupção deste transporte é um importante fator na patogênese da rinossinusite. Uma vez que partículas ou corpos estranhos penetram nos seios paranasais, o sistema de clearance mucociliar drena para os óstios naturais dos seios em conseqüência da ação coordenada do batimento ciliar, que em condições normais encontra-se maior que 700 batimentos/minuto. Durante um processo inflamatório, o clearance mucociliar encontra-se comprometido, pois além da secreção nasosinusal tornar-se mais espessa, o batimento ciliar decai para menos de 300 por minuto.

  3. O tamanho do óstio sinusal varia para os diferentes seios paranasais, podendo ser tão pequeno quanto 1 a 2 mm. A patência desses óstios parece ser um dos principais fatores na patogênese das rinossinusites. A obstrução do óstio sinusal, parcial ou completa, resulta em estagnação de secreções, queda do pH e da tensão de oxigênio dentro do seio, favorecendo o crescimento bacteriano. Como o diâmetro do óstio do seio etmoidal é o menor, este seio torna-se um dos mais susceptíveis a infecção. Qualquer evento que obstrui as células etmoidais anteriores pode resultar numa inflamação suficiente para envolver o infundíbulo etmoidal (via comum de drenagem dos seios paranasais anteriores) e conseqüentemente acometer os seios frontal e maxilar.





  1. Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande