Portaria nº000/2000



Baixar 100.94 Kb.
Encontro08.12.2017
Tamanho100.94 Kb.



PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

GABINETE DO SECRETÁRIO



INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 01/2008
SUMÁRIO

CAPÍTULO I - JUSTIFICATIVA 1

CAPÍTULO II - AUTOMONITORAMENTO DA GLICEMIA CAPILAR 2

CAPÍTULO III - CRITÉRIOS DE INCLUSÃO 3

CAPÍTULO IV – CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO 4

CAPÍTULO V - FLUXO DE ATENDIMENTO 4

DO ATENDIMENTO MÉDICO 5

DO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM 5

DA DISPENSAÇÃO DO GLICOSÍMETRO 6

DA DISPENSAÇÃO DAS TIRAS REAGENTES 7

ANEXO I - PROTOCOLO MÉDICO 8

ANEXO II - PROTOCOLO DE ENFERMAGEM 13

ANEXO III - FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO 15

ANEXO IV - LEGISLAÇÃO 16


CAPÍTULO I - JUSTIFICATIVA


O diabetes mellitus é uma doença crônica, caracterizada pelo comprometimento do metabolismo da glicose, cujo controle glicêmico inadequado resulta no aparecimento das graves complicações que reduzem a expectativa de vida e comprometem a qualidade de vida do portador desta doença.

Um programa de cuidado integral ao diabetes mellitus deve ter como prioridades estratégicas: a prevenção primária da doença com ações sobre os fatores de risco, a detecção precoce, o tratamento adequado que permita modificar a evolução da doença, previna as complicações e melhore a qualidade de vida dos portadores.

Essas estratégias devem ser coordenadas e integradas, levando em conta tanto ações de base populacional como aquelas sobre os grupos de risco e as de características individuais; devem ser custo-efetivas e fundamentadas em evidências científicas.

A organização do cuidado integral deve estar centrada na pessoa que vive com diabetes, em sua família e incluir a comunidade; deve ser planejada levando em conta os diversos aspectos do cuidado, as circunstâncias e os recursos locais.



A abordagem terapêutica deve ser multiprofissional, incluindo a assistência farmacêutica, o monitoramento da glicemia e outros parâmetros clínicos, planejamento da atividade física e orientação dietética. A participação do paciente e seu envolvimento constante e harmonioso com a equipe de saúde são fundamentais para que as recomendações sejam seguidas e o tratamento, efetivo.

CAPÍTULO II - AUTOMONITORAMENTO DA GLICEMIA CAPILAR


Art. 1°. O automonitoramento do nível de glicose do sangue por intermédio da medida da glicemia capilar é considerado uma ferramenta importante para seu controle, sendo parte integrante do autocuidado das pessoas com diabetes mellitus insulino-dependentes, aí compreendidos os portadores de diabetes mellitus tipo 1 (DM1), diabetes mellitus tipo 2 (DM2) que usam insulina e diabetes gestacional (DG).

§ 1º. O automonitoramento da glicemia capilar não deve ser considerado como uma intervenção isolada;

§ 2º. Sua necessidade e finalidade devem ser avaliadas pela equipe de saúde de acordo com o plano terapêutico global, que inclui intervenções de mudança de estilo de vida e medicamentos;

§ 3º. Deve estar integrado ao processo terapêutico e, sobretudo, ao desenvolvimento da autonomia do portador para o autocuidado por intermédio da Educação em Saúde;

§ 4º. A indicação deve ser reavaliada e regulada a depender dos diversos estágios da evolução da doença, acordado com o paciente que deve ser capacitado a interpretar os resultados do AMGC e fazer as mudanças apropriadas nas dosagens da insulina;

§ 5º. O AMGC deve ser oferecido de forma continuada para os pacientes selecionados de acordo com circunstâncias pessoais e quadro clínico e esses devem receber suporte continuado da equipe para garantir a eficácia do processo; a instrução inicial e a reinstrução periódica a respeito da monitorização da glicemia;

§ 6º. O uso de medidores (glicosímetros) e de tiras reagentes deve ser individualizado e atender às necessidades do paciente; e

§ 7º. A amostra do sangue deve ser colhida na ponta dos dedos da mão, acessado com picada de lancetas, daí ser também chamada de glicemia em "ponta do dedo".

Art. 2°. O AMGC deve ser incentivado nos pacientes que usam insulina associado às estratégias de Educação em Saúde que visem aumentar a autonomia do portador para o autocuidado e essas ações devem ser incorporadas na rotina das unidades de saúde.

Parágrafo único. Não existem evidências científicas suficientes que o automonitoramento rotineiro da glicemia capilar nos pacientes diabéticos tipo 2 em terapia com hipoglicemiantes orais seja custo - efetivo para o  melhor controle da glicemia. Nesses casos, a glicemia capilar pode ser realizada na própria unidade de saúde por ocasião das visitas regulares de avaliação definidas pela equipe conforme protocolo instituído.

Art. 3°. A freqüência do AMGC deve ser determinada individualmente, dependente da situação clínica, do plano terapêutico, do esquema de utilização da insulina, do grau de informação e compromisso do paciente para o autocuidado e da sua capacidade de modificar sua medicação a partir das informações obtidas.

§ 1º. A freqüência diária recomendada em média deve ser três a quatro vezes ao dia.

§ 2º. Os portadores de diabetes tipo 1 e os que usam múltiplas injeções diárias de insulina podem fazer a glicemia de "ponta de dedo" 3 a 4 vezes ao dia e em horários de ocorrência de maior descontrole glicêmico permitindo ajustes individualizados da insulina.

§ 3º. A reavaliação das habilidades para o autocuidado, para o uso adequado das informações colhidas com o teste e da exatidão e precisão dos resultados oferecidos pelos glicosímetros devem ser feitas pelo menos anualmente ou quando houver discordância entre o controle glicêmico e/ou quadro clínico e as leituras obtidas.  Para isso, os resultados do teste com o glicosímetro devem ser comparados com os da glicemia em jejum de laboratório medido simultaneamente.

§ 4º. O paciente deve fazer o registro dos resultados das glicemias capilares na freqüência estabelecida pela equipe e este deve estar disponível quando dos retornos agendados e registrados nos prontuários.

CAPÍTULO III - CRITÉRIOS DE INCLUSÃO



Art.4°. Os insumos deverão ser disponibilizados aos usuários do SUS, portadores de diabetes mellitus insulino-dependentes.
§ 1º. Os usuários deverão ser moradores de Florianópolis, cadastrados no Cartão SUS, no Programa de Hipertensão e Diabetes – Hiperdia e no Cadastro Família.
§ 2º. A prescrição para o automonitoramento será feita pelos médicos da Atenção Básica ou Endocrinologistas da Rede Municipal de Saúde de Florianópolis, a qual é responsável pelo acompanhamento do usuário portador de diabetes mellitus.
§ 3º. A participação do usuário nos Programas de Educação Especial para Diabéticos, que poderá ser individual ou coletiva, também será condição de permanência do usuário neste Programa.
Parágrafo único. É condição para o recebimento do glicosímetro estar de acordo com os critérios descritos no Art.4º, bem como estar favorável com o Termo de Compromisso, o qual oficializa a responsabilidade do usuário sobre o aparelho.

CAPÍTULO IV – CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO


Art. 5°. Não mais receberão os medicamentos e insumos disponibilizados por este Programa os usuários que:

I – deixarem de residir em Florianópolis;

II – deixarem de comparecer nas consultas médica e de enfermagem, sem justificativa, por um período de no máximo 6 meses;

III – não aderirem às recomendações dos profissionais de saúde relativas às condutas terapêuticas;

IV – portaram DM gestacional, mas que não mantiverem o uso da insulina após a gestação;

V – faleceram;

VI – são diabéticos tipo 2, que fazem uso de associação de insulina e hipoglicemiantes orais, e que atingiram condição clínica estável, com baixa variabilidade nos resultados dos testes HbA1C normal ou quase normal.

Parágrafo único. Os usuários referidos no item VI têm menor necessidade de testes e pode-se considerar a devolução de suas tiras reagentes e glicosímetros. Estes pacientes deverão continuar monitorando a glicemia capilar nos Centros de Saúde e, se necessário, solicitar novamente o glicosímetro caso ocorra descompensação do quadro. Enquanto isso, estes aparelhos poderão ser aproveitados por outros pacientes mais instáveis.

CAPÍTULO V - FLUXO DE ATENDIMENTO




DO ATENDIMENTO MÉDICO


Art. 6°. O Médico da Atenção Básica ou Endocrinologista da Rede Municipal de Saúde de Florianópolis será responsável pela prescrição do glicosímetro e das tiras reagentes para o usuário que se enquadrar nos critérios de inclusão e no protocolo clínico estabelecidos por esta Normativa. O prescritor também será responsável por informar ao usuário quanto aos critérios de exclusão.

§ 1º. Cabe ao prescritor definir se o tratamento é contínuo, devendo, obrigatoriamente, registrar o termo USO CONTÍNUO ao lado do nome do medicamento ou insumo em questão.

§ 2º. As prescrições destes medicamentos ou insumos terão validade de no máximo 6 (seis) meses de tratamento, desde que o prescritor escreva na receita o prazo de validade em meses, respeitando a normativa e a legislação vigente.

§ 3º. As prescrições que não tiverem o prazo de validade especificado por escrito na receita terão validade máxima de 90 dias.

§ 4º. A validade da receita será contada a partir da data da prescrição.

§ 5º. Após a consulta, o médico deverá encaminhar o usuário para a consulta de enfermagem, conforme aviso impresso na receita gerada pelo Infosaúde.

Art. 7°. O Médico da Atenção Básica ou Endocrinologista da Rede Municipal de Saúde de Florianópolis será responsável, juntamente com a equipe de enfermagem, pelo acompanhamento do automonitoramento da glicemia capilar de cada usuário, considerando os critérios de permanência do usuário neste Programa.

Parágrafo único. Prescrições não oriundas de Médicos da Atenção Básica ou Endocrinologistas da Rede Municipal de Saúde de Florianópolis não serão válidas para a inclusão do usuário neste Programa. Neste caso, o usuário deverá ser encaminhado para consulta médica na Rede Municipal de Saúde.

DO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM


Art. 8°. A equipe de enfermagem do Centro de Saúde no qual o usuário é vinculado será responsável por providenciar e/ou atualizar os cadastros SUS, Hiperdia e cadastro Família e deverá agendar por telefone a troca/entrega dos glicosímetros por intermédio da Regional de Saúde a qual pertence.

§ 1º. A Regional de Saúde deverá verificar os horários disponibilizados pela Farmácia Escola e informar o enfermeiro a data e horário exato para que o paciente compareça na Farmácia Escola.

§ 2º. Nesta mesma consulta, o enfermeiro deverá marcar no cartão de agendamento a data e horário repassados pela Regional e apor seu carimbo com registro profissional na prescrição médica, a fim de confirmar o encaminhamento.

§ 3º. O enfermeiro irá agendar o retorno do usuário para a consulta de enfermagem, sendo este retorno dentro de 15 a 30 dias após a aquisição do glicosímetro pelo usuário.

§ 4º. A unidade informará sistematicamente a Farmácia Escola sobre os usuários que precisam das tiras reativas para glicemia capilar, mas que já possuem o glicosímetro (ex.: usuários que compraram o glicosímetro).

Art. 9°. A equipe de enfermagem será responsável, juntamente com a equipe médica, pelo acompanhamento do automonitoramento da glicemia capilar de cada usuário vinculado ao seu Centro de Saúde, bem como a verificação dos critérios de permanência do usuário neste Programa.

Art. 10°. A equipe de enfermagem deverá dispensar a quantidade de tiras reagentes conforme prescrição médica e também deverá verificar se o usuário está utilizando adequadamente as tiras reagentes e o glicosímetro.

Parágrafo único. A equipe de enfermagem deverá informar a Farmácia Escola quanto à inclusão/exclusão dos usuários neste Programa.

DA DISPENSAÇÃO DO GLICOSÍMETRO


Art. 11°. Será responsabilidade da Farmácia Escola trocar ou dispensar o aparelho glicosímetro, bem como fornecer uma orientação inicial somente aos usuários que se enquadram nos critérios de inclusão estabelecidos nesta normativa.

§ 1º. A troca/dispensação dos glicosímetros será feita somente mediante agendamento nos horários estabelecidos pela Farmácia Escola junto às Regionais de Saúde, as quais informarão os horários disponíveis aos Centros de Saúde.

§ 2º. Para receber o glicosímetro, o usuário deverá apresentar a prescrição médica, Cartão SUS com a marcação, RG e assinar um Termo de Compromisso, se responsabilizando pela integridade e devolução do aparelho.

§ 3º. Na ocasião da troca/dispensação do glicosímetro, serão fornecidos ao usuário tiras reagentes para consumo em 30 dias.

§ 4º. As lancetas e outros insumos e medicamentos serão disponibilizados pelo Centro de Saúde ao qual o usuário está vinculado.

Art. 12°. Não é aconselhado recomendar aos usuários a compra do glicosímetro, visto que a Secretaria Municipal de Saúde não se responsabilizará pela troca deste aparelho na eventual mudança do fabricante de tiras reagentes.

Parágrafo único. Caso seja verificado o descumprimento de qualquer critério de inclusão, a Farmácia Escola não fará a entrega do glicosímetro e encaminhará o usuário ao Centro de Saúde de origem.

DA DISPENSAÇÃO DAS TIRAS REAGENTES


Art. 13°. As tiras reagentes serão dispensadas pela equipe de enfermagem na ocasião da consulta mensal de enfermagem.

Art. 14°. A Farmácia Escola, juntamente com os Centros de Saúde, será responsável pela reavaliação do automonitoramento da glicemia capilar através dos Grupos de Educação Especial para Diabéticos.

Parágrafo único. A organização da distribuição de tiras reagentes, através de cotas proporcionais ao número de usuários em cada Centro de Saúde, ficará a cargo da Farmácia Escola. As cotas de tiras reativas para uso interno da unidade serão estabelecidas pela Farmácia Escola, porém, o pedido fica sob responsabilidade da unidade de saúde.

Florianópolis, 05 de dezembro de 2008.

JOÃO JOSÉ CÂNDIDO DA SILVA

Secretário Municipal de Saúde


ANEXO I - PROTOCOLO MÉDICO



PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO DA GLICEMIA CAPILAR

ATENDIMENTO MÉDICO

Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para o automonitoramento da glicemia capilar

Para que o fornecimento destes insumos seja realizado de forma segura e eficaz, fez-se necessário o estabelecimento deste Protocolo que regulamenta suas indicações e seus esquemas terapêuticos, estabelecendo mecanismos de acompanhamento de uso e de avaliação de resultados.

Este Protocolo contém de forma resumida o conceito geral do Diabetes Mellitus, critérios de diagnóstico e tratamento, os critérios de inclusão/exclusão de pacientes para o AMGC, esquema preconizado e mecanismos de acompanhamento e avaliação deste automonitoramento.

DIABETES MELLITUS
O Diabetes mellitus (DM) é uma doença caracterizada pelo excesso de glicose no sangue, podendo evoluir com disfunções e insuficiências de vários órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos. O DM pode resultar de defeito da secreção e/ou ação da insulina e, de acordo com a etiologia, pode ser classificado em:

1) Diabetes tipo 1 - Ocorre uma destruição de células β das ilhotas pancreáticas que produzem insulina, usualmente levando à deficiência absoluta deste hormônio. Na maioria dos casos há associação com autoimunidade, sendo que os marcadores da destruição imune incluem os auto-anticorpos contra as células das ilhotas, contra a insulina e contra a descarboxilase do ácido glutâmico (GAD).

2) Diabetes tipo 2 - É provocado por um defeito na secreção de insulina. Agrava-se devido ao fator concomitante de resistência à insulina. Representa 90% a 95 % dos casos. Normalmente, estes indivíduos não necessitam de insulina exógena nos primeiros anos da doença, podendo até mesmo nunca necessitar deste recurso terapêutico.

3) Outros tipos específicos de diabetes – Envolvem os defeitos genéticos das células β, os defeitos genéticos na ação da insulina, doenças do pâncreas exócrino, endocrinopatias, diabetes quimicamente induzido ou induzido por drogas, formas incomuns de diabetes imunomediado e outras síndromes genéticas, algumas vezes, associadas ao diabetes.

4) Diabetes gestacional - É definido como qualquer grau de intolerância à glicose com início ou primeira detecção durante a gravidez.

Os sintomas clássicos de diabetes são: poliúria, polidispsia, polifagia e perda de peso. Outros sintomas que levantam a suspeita clínica são: fadiga, fraqueza, letargia, prurido cutâneo e vulvar, balanopostite e infecções de repetição. Algumas vezes o diagnóstico é feito a partir de complicações crônicas como neuropatia, retinopatia ou doença cardiovascular aterosclerótica, ou mesmo complicações agudas como a cetoacidose diabética.

Atualmente, o diagnóstico da doença, exceto em gestantes, é feito através de glicemias de jejum (GJ) ≥ 126mg/dL, glicemia ao acaso ≥ 200mg/dL associada a sintomas clássicos ou glicemia ≥ 200mg/dL 120min após a administração de 75g de glicose, durante o Teste Oral de Tolerância à Glicose (TOTG). Para a confirmação diagnóstica, entretanto, estes testes devem ser confirmados com uma segunda dosagem. O uso da Hemoglobina Glicada (A1c) para o diagnóstico da doença não é recomendado até o momento.

O objetivo do tratamento é a prevenção das complicações micro e macrovasculares através do controle glicêmico próximo ao estado euglicêmico. O plano terapêutico deve envolver dieta, atividade física, hipoglicemiantes orais e/ou insulina. As abordagens fundamentais para avaliar o controle glicêmico são: a medida da glicemia de jejum, a medida da Hemoglobina Glicada (A1c), teste que reflete os níveis médios de glicemia nas últimas oito a doze semanas e o automonitoramento da glicemia capilar (AMGC). 

As metas a serem alcançadas, para diabéticos não gestantes, são: glicemia de jejum entre 90 e 130 e A1c igual ou menor que 7,0%. Metas menos rígidas da A1c podem ser apropriadas para pacientes com história de hipoglicemias severas, expectativa de vida limitada, crianças, indivíduos com múltiplas comorbidades e naqueles com diabetes de longa data e com complicações microvasculares mínimas ou estáveis.

O seguimento dos pacientes com DM inclui a participação nos grupos educativos, consultas médicas e de enfermagem, realização de exames laboratoriais periódicos e o monitoramento da glicemia capilar nos serviços de saúde ou em domicílio, através do Automonitoramento da Glicemia Capilar (AMGC).

O automonitoramento da glicemia capilar (AMGC) é considerado uma ferramenta importante para o controle do DM, sendo parte integrante do autocuidado das pessoas com diabetes mellitus insulino-dependentes, aí compreendidos os portadores de diabetes mellitus tipo 1 (DM1), diabetes mellitus tipo 2 (DM2) e diabetes gestacional (DG) que usam insulina. Os resultados do AMGC podem ser úteis na prevenção da hipoglicemia, na detecção de hipo e hiperglicemias não sintomáticas, no ajuste da conduta terapêutica medicamentosa e não medicamentosa e pode ainda, funcionar como um fator educativo.

No entanto, o automonitoramento da glicemia deve ser utilizado de maneira inteligente, com efetividade de custo e com a freqüência de testes indicada para cada condição clínica em especial. Uma crítica manifestada por alguns trabalhos da literatura internacional é a inércia do paciente em termos de não saber como proceder diante dos resultados do automonitoramento. De fato, sem uma adequada educação em diabetes e sem uma orientação prática sobre o que fazer com os resultados dos testes, o automonitoramento perde o seu sentido. Portanto, o AMGC não deve ser considerado como uma intervenção isolada, fazendo parte de um plano terapêutico global, que inclui intervenções de mudança de estilo de vida e medicamentos.

O desconhecimento dos médicos e dos pacientes sobre as indicações específicas e os benefícios potenciais do AMGC, a recusa do paciente em realizar a freqüência necessária de testes para evitar as punções digitais (picadas de dedo) e o custo do AMGC, principalmente para os pacientes que necessitam um maior número de testes diários e que não dispõem de nenhum tipo de cobertura para esses insumos, são fatores que impedem uma utilização mais ampla desse recurso diagnóstico quando clinicamente justificado.

Os melhores horários para a realização dos testes são os horários de maior descontrole glicêmico:

1) Testes pré-prandiais: antes do café da manhã, do almoço e do jantar;

2) Testes pós-prandiais: 2 horas após o café da manhã, o almoço e o jantar;

3) Hora de dormir;

4) Madrugada (2- 3 horas da manhã).

Alguns estudos apontam que a medida 2 horas após o almoço é a que melhor está correlacionada com o controle glicêmico, mais do que a glicemia de jejum.

Para a maioria dos pacientes com DM tipo 1 e DG em uso de insulina, a AMGC é recomendada 3 ou mais vezes ao dia. Para os pacientes com DM tipo 2 em uso de insulina, entretanto, não há estudos que ditem a frequência e horários ideais, devendo o controle ser realizado da melhor forma para atingir as metas glicêmicas. Segue uma tabela com sugestão para freqüência de testes de acordo com algumas situações clínicas específicas:




Número de testes/dia

Situação Clínica

4 a 6 testes por dia, até o alcance das metas preestabelecidas

- Início do tratamento com insulina;

- Ajuste da dose de insulina;

- Estresse clínico e cirúrgico (infecções, cirurgias, etc.)


2 a 4 testes por dia, em diferentes horários

- Tipo 1 ou tipo 2 com insulinização plena;

- Utilização de insulinas de ação rápida conforme glicemia capilar;

- Terapia com drogas diabetogênicas (corticosteróides,imunossupressores etc.);

- HbA1C elevada com glicemia de jejum normal.



1 a 2 testes por dia, em diferentes horários

- Tipo 1 com tratamento insulínico estável;

- Tipo 2 em uso de antidiabéticos orais + insulinização parcial.


O esquema proposto acima deve servir apenas como marco referencial, sendo que caberá ao profissional de saúde definir a freqüência e os horários dos testes de glicemia mais adequados para cada paciente. Testes adicionais devem ser realizados na ocorrência de certas situações clínicas, tais como doenças agudas intercorrentes, alterações no tratamento, pacientes com falta de percepção da hipoglicemia ou episódios de hipoglicemias graves.

Para os diabéticos que usam insulina e praticam exercício, o AMGC antes, durante e, especialmente, duas horas após o exercício pode contribuir para  estabelecer o nível de resposta à atividade física. Essa informação pode ser usada para fazer ajustes nas doses e/ou na ingestão de carboidratos e evitar alterações glicêmicas significativas, sobretudo a hipoglicemia.

Os valores que se esperam encontrar no AMGC realizados em glicosímetros que se utilizam do plasma para determinação da glicemia capilar são:



    • Glicemia de jejum entre 90 e 120mg/dl;

    • Glicemias pré-prandiais até 140mg/dl;

    • Glicemias pós-prandiais até 180mg/dl.

Diabéticos tipo 2 em uso de associação de insulina e hipoglicemiantes orais que atingiram condição clínica estável, com baixa variabilidade nos resultados dos testes, HbA1C normal ou quase normal, têm menor necessidade de testes e pode-se considerar a devolução de suas fitas reagentes e glicosímetros para os serviços de saúde. Estes pacientes deverão continuar monitorando a glicemia capilar nos Centros de Saúde e, eventualmente solicitar novamente o glicosímetro caso ocorra descompensação do quadro. Enquanto isso, estes aparelhos poderão ser aproveitados por outros pacientes mais instáveis.

Para fazer jus a esse benefício, é absolutamente necessário que o paciente assuma as responsabilidades que lhe cabem. A falta de adesão do paciente às recomendações dos profissionais de saúde relativas às condutas terapêuticas medicamentosas e não medicamentosas é motivo suficiente para a interrupção do fornecimento do benefício.



Os profissionais de saúde devem estar atentos, também, ao número de tiras reagentes que o paciente efetivamente tem feito uso, evitando prescrições desnecessárias.

Elaboração:


Ligia de Almeida Gama (Médica de Família e Comunidade)

Suzana Schuster (Médica Endocrinologista)

Gustavo Diniz Ferreira Gusso (Médico de Família e Comunidade)

Hygnas Goulart (Médico Endocrinologista)




ANEXO II - PROTOCOLO DE ENFERMAGEM



PROGRAMA DE AUTOMONITORAMENTO DA GLICEMIA CAPILAR

ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM
Durante o atendimento aos usuários cadastrados no Programa de AMGC, deverá ser aplicado o Processo de Enfermagem, contendo o histórico de enfermagem, exame físico, diagnóstico e prescrição de enfermagem.

O Histórico de Enfermagem compreende a história familiar; situação cultural, sócio-econômico, grau de instrução, gregária (trabalha, descendência, com quem vive, quem cuida...); estilo de vida: (hábitos alimentares, eliminações, hábitos de higiene, sexualidade, práticas de atividades física, fatores de risco para estresse, lazer, vida social, tabagismo, etilismo, dependência química, etc); doenças prévias; co-morbidades; sinais/sintomas; tratamento medicamentoso (utilização, posologia, adesão e reações adversas) e condições para o auto cuidado (lúcido, orientado, nível de compreensão, independente, etc).

O Exame Físico inclui avaliação céfalo caudal (atentar cavidade oral, integridade da pele, membros inferiores e pés), peso, altura, circunferência abdominal, IMC (Índice de Massa Corporal), sinais vitais, teste de glicemia capilar e sensibilidade de extremidades.

Os diagnósticos de enfermagem mais comuns para o paciente diabético compreendem: risco para déficit ou comprometimento de volume de líquidos relacionado à poliúria e desidratação; nutrição alterada mais do que as necessidades corporais relacionadas à ingestão excessiva em relação às necessidades metabólicas (obesidade, desequilíbrio na ingestão de calorias, ingestão excessiva de sódio, ingestão insuficiente de potássio e desequilíbrio hídrico); risco de lesão relacionado aos efeitos da insulina; déficit de conhecimento relacionado a informações sobre o auto cuidado para o diabetes, comprometimento físico e fatores sociais; risco para intolerância à atividade física relacionado ao medo de fraquezas e desmaios; ansiedade relacionada à perda do controle e medo das complicações; risco para integridade da pele prejudicada relacionada à redução da sensibilidade e da circulação para as extremidades inferiores; risco para padrão de sono prejudicado relacionado à ansiedade e fadiga; risco para infecção relacionado à doença crônica; comprometimento da atividade física (sedentarismo, exercício físico irregular ou impróprio); inaderência ao acompanhamento médico; inaderência a terapia medicamentosa (uso irregular); risco para disfunção neurovascular periférica (pé diabético); risco para alterações sensoriais (tato, visão, paladar).

Nas consultas subseqüentes deverá ser seguido o sistema de Evolução de Enfermagem (SOAP):

S: Motivo da consulta, se faz tratamento, potencialidades e limitações, efeitos adversos da terapêutica, aprendizado sobre AMGC, queixas atuais, doenças intercorrentes, alterações dos hábitos alimentares, sono e repouso, sexualidade, tabagismo, etilismo, atividades físicas, atividades de lazer, família, condições para o auto cuidado e resgate das informações da última consulta.

O: Avaliação céfalo-caudal, verificar pressão arterial, freqüência cardíaca, freqüência respiratória, HGT, peso, estatura, IMC; avaliar circunferência abdominal (acima de 100cm para homens e acima de 90cm para mulheres); observar condições da pele: avaliar locais de aplicação de insulina (rodízio); avaliar edema e realizar exame de membros inferiores e pés.
A: Análise das intercorrências encontradas no S ou O.

P:

Prescrição de enfermagem.


Registro no sistema Weed - formato SOAP:

A consulta de enfermagem será sempre mensal, intercalada com a consulta médica trimestral. A consulta e o acompanhamento poderá ser individual ou coletivo, a critério de cada Centro de Saúde. Quando for realizada em grupo deverá se adaptar aos critérios da consulta individual, porém priorizando as necessidades evidenciadas e tendo em vista que o acompanhamento é contínuo.

Elaboração:
Cilene F. Soares (Enfermeira)

Fernanda Vieira (Enfermeira)

Laura Castillo (Enfermeira)

Patrícia Martins (Enfermeira)


ANEXO III - FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO


Fluxograma para a entrega de glicosímetros:

Usuário

Médico da Atenção Básica ou endocrinologista da Rede Municipal


Outros médicos




Consulta de enfermagem no Centro de Saúde



Farmácia Escola (PMF/UFSC)




Fluxograma para entrega de tiras reagentes:

Usuário

Médico da Atenção Básica ou endocrinologista da Rede Municipal


Outros médicos




Consulta de enfermagem no Centro de Saúde

Fluxograma para o acompanhamento dos usuários:

Usuário

Consulta de enfermagem no Centro de Saúde



Médico da Atenção Básica ou endocrinologista da Rede Municipal

Farmácia Escola (PMF/UFSC)




Farmácia Escola

(Grupos de Educação Especial para Diabéticos)




ANEXO IV - LEGISLAÇÃO




LEI Nº 11.347 -  DE 27 DE SETEMBRO DE 2006 – DOU DE 28/9/2006

Dispõe sobre a distribuição gratuita de medicamentos e materiais necessários à sua aplicação e à monitoração da glicemia capilar aos portadores de diabetes inscritos em programas de educação para diabéticos.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o  Os portadores de diabetes receberão, gratuitamente, do Sistema Único de Saúde - SUS, os medicamentos necessários para o tratamento de sua condição e os materiais necessários à sua aplicação e à monitoração da glicemia capilar. 

 § 1o  O Poder Executivo, por meio do Ministério da Saúde, selecionará os medicamentos e materiais de que trata o caput, com vistas a orientar sua aquisição pelos gestores do SUS. 

§ 2o  A seleção a que se refere o § 1o deverá ser revista e republicada anualmente ou sempre que se fizer necessário, para se adequar ao conhecimento científico atualizado e à disponibilidade de novos medicamentos, tecnologias e produtos no mercado. 

§ 3o  É condição para o recebimento dos medicamentos e materiais citados no caput estar inscrito em programa de educação especial para diabéticos. 

 Art. 2o  (VETADO) 

 Art. 3o  É assegurado ao diabético o direito de requerer, em caso de atraso na dispensação dos medicamentos e materiais citados no art. 1o, informações acerca do fato à autoridade sanitária municipal. 

 Parágrafo único.  (VETADO) 

 Art. 4o  (VETADO) 

 Art. 5o  Esta Lei entra em vigor no prazo de 360 (trezentos e sessenta) dias, a contar da data de sua publicação.

 Brasília,  27  de setembro de 2006; 185o da Independência e 118o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Márcio Thomaz Bastos

Guido Mantega

Jarbas Barbosa da Silva Júnior

PORTARIA Nº 2.583 DE 10 DE OUTUBRO DE 2007

Define elenco de medicamentos e insumos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, nos termos da Lei nº 11.347, de 2006, aos usuários portadores de diabetes mellitus.

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, e

Considerando a Lei nº 11.347 de 27 de setembro de 2006, que dispõe sobre o fornecimento de medicamentos e materiais necessários à sua aplicação e monitoramento da glicemia capilar, em especial o citado no § 1º do artigo 1º;

Considerando a Portaria nº 2.475/GM, de 13 de outubro de 2006, que aprova a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME 2006;

Considerando a Portaria nº 204/GM, de 29 de janeiro de 2007, que regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle;

Considerando a responsabilidade da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios na implementação e financiamento dos programas e ações do Sistema Único de Saúde; e

Considerando a pactuação da Comissão Intergestores Tripartite, de 27 de setembro de 2007,

RESOLVE:
 


Art. 1º  Definir o elenco de medicamentos e insumos que devem ser disponibilizados na rede do Sistema Único de Saúde, destinados ao monitoramento da glicemia capilar dos portadores de diabetes mellitus, nos termos da Lei Federal nº 11.347, de 2006.

I - MEDICAMENTOS:

a) glibenclamida 5 mg comprimido;

b) cloridrato de metformina 500 mg e 850 mg comprimido;

c) glicazida 80 mg comprimido;

d) insulina humana NPH - suspensão injetável 100 UI/mL; e

e) insulina humana regular - suspensão injetável 100 UI/mL.

II - INSUMOS:

a) seringas com agulha acoplada para aplicação de insulina;

b) tiras reagentes de medida de glicemia capilar; e

c) lancetas para punção digital.

Art. 2º  Os insumos do inciso II do artigo 1º devem ser disponibilizados aos usuários do SUS, portadores de diabetes mellitus insulino-dependentes e que estejam cadastrados no cartão SUS e/ou no Programa de Hipertensão e Diabetes - Hiperdia.

§ 1º  As tiras reagentes de medida de glicemia capilar serão fornecidas mediante a disponibilidade de aparelhos medidores (glicosímetros).

§ 2º  A prescrição para o automonitoramento será feita a critério da Equipe de Saúde responsável pelo acompanhamento do usuário portador de diabetes mellitus, observadas as normas estabelecidas no Anexo a esta Portaria.

§ 3º  O fornecimento de seringas e agulhas para administração de insulina deve seguir o protocolo estabelecido para o manejo e tratamento do diabetes mellitus contido no nº 16 da série "Cadernos da Atenção Básica - Ministério da Saúde, disponível em versões impressa e eletrônica no endereço http://dtr2004.saude.gov.br/dab/documentos/cadernos_ab/documentos/abcad16.pdf.

Art. 3º  Os usuários portadores de diabetes mellitus insulino-dependentes devem estar inscritos nos Programas de Educação para Diabéticos, promovidos pelas unidades de saúde do SUS, executados conforme descrito:

I - a participação de portadores de diabetes mellitus pressupõe vínculo com a unidade de saúde do SUS responsável pela oferta do Programa de Educação, que deve estar inserido no processo terapêutico individual e coletivo, incluindo acompanhamento clínico e seguimento terapêutico, formalizados por meio dos devidos registros em prontuário;

II - as ações programáticas abordarão componentes do cuidado clínico, incluindo a promoção da saúde, o gerenciamento do cuidado e as atualizações técnicas relativas a diabetes mellitus;

III - as ações devem ter como objetivos o desenvolvimento da autonomia para o autocuidado, a construção de habilidades e o desenvolvimento de atitudes que conduzam à contínua melhoria do controle sobre a doença, objetivando o progressivo aumento da qualidade de vida e a redução das complicações do diabetes mellitus.

Art. 4º  A aquisição, a distribuição, a dispensação e o financiamento dos medicamentos e insumos de que trata esta Portaria são de responsabilidade da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, conforme pactuação Tripartite e as normas do Componente Básico da Assistência Farmacêutica.

Art. 5º  Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

José Gomes Temporão 








Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande