Paulo ganem souto



Baixar 3.67 Mb.
Página39/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   35   36   37   38   39   40   41   42   ...   58

Intermitente


Sintomas

  • < 4 dias por semana;

  • ou < 4 semanas

Leve


  • Sono normal;

  • Atividades diárias, esportivas e de recreação, normais;

  • Atividades normais na escola e no trabalho;

  • Sem sintomas incômodos.

Moderada - Severa


Um ou mais itens

  • Sono anormal;

  • Interferência com atividades diárias, esportivas e de recreação;

  • Dificuldades na escola e no trabalho;

  • Sintomas incômodos.


Tratamento farmacológico da Rinite


GRAVIDADE

TRATAMENTO

Intermitente leve

Anti-histamínico oral

Intermitente moderada/grave*

Corticosteróide nasal

Persistente leve

Anti-histamínico oral ou Corticosteróide nasal

Persistente moderada/grave**

Corticosteróide nasal


RINITE ALÉRGICA – FLUXOGRAMA/CONTINUAÇÃO


Controle ambiental: evitar a exposição aos alérgenos e/ou irritantes mais freqüentes: poeira domiciliar, pelos de animais domésticos, carpetes, fumaça de cigarro, perfumes, gases, dentre outros;

Reavaliação dos sintomas em quatro semanas:


  • Reduzir a dose se houver melhora clínica ou suspender o tratamento se assintomático.

  • Reiniciar tratamento se recorrência de sintomas.

* Se necessário depois de uma semana de tratamento Anti-histamínico H1 orais e ou corticosteróide orais poderão ser acrescentados por poucos dias.

** Se os sintomas forem muito intensos acrescentar Anti-histamínico H1 oral e/ou corticosteróide oral por poucos dias, no início do tratamento.

CRISE CONVULSIVA


INTOXICAÇÃO MEDICAMENTOSA


FEBRIL

ENCEFALOPATIA HEP[ATICA

DOEN:A VASCULAR CEREBRAL


DOEN:AS DEGENERATIVAS


ECLAMPSIA


EPILEPSIA


ENCEFALOPATIA HIPERTENSIVA


INTOXICAÇÃO EXÓGENA


ALTERAÇÕES METABÓLICAS


DISTÚRBIOS BIOQUÍMICOS / ELETRÓLITICO


SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA


ANOMALIAS CONGÊNITAS


TRAUMATISMO CRANIANO


INFECÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL


TUMOR CEREBRAL



CRISE CONVULSIVA / FLUXOGRAMA


Convulsão: perda da consciência acompanhada de movimento tônicos-clônicos involuntários, apnéia seguida de hiperventilação, hipersialorréia, abertura de esfíncter, com duração de até 1 minuto cada crise.

CRISE CONVULSIVA?

Nos pacientes epilépticos, ver adesão ao tratamento

• Em criança com febre, ver algoritmo de evento adverso pós-vacinal - convulsão

• Manter vias aéreas permeáveis

• Proteger o paciente de lesões traumáticas e promover privacidade

• Oxigenoterapia, s/p

• Acesso venoso

• Administrar anticonvulsivante, Benzodiazepínico lentamente, até cessar a crise.

• Após a crise, verificar lesões na língua ou quebra de dentes

• Verificar sinais vitais

• Realizar glicemia capilar, se < 70 mg/dl (ver algoritmo de emergência em diabetes – hipoglicemia)

• Se persistir a crise, considerar hidantalização

Encaminhar para serviço de referência, com relatório



Transferir para hospital de referência, com relatório.

CRISE CONVULSIVA?

Relato de convulsão seguido de estado

pós-ictal (torpor, sonolência, cansaço, confusão), recidivante ou não.



EPILEPSIA

EPIDEMIOLOGIA E CONCEITO:
É mais comum em crianças menores de dois anos de idade e em idosos com mais de 65 anos. Há um discreto predomínio no sexo masculino. A epilepsia é duas vezes mais freqüente em paises subdesenvolvidos, portanto influenciados por fatores sócio-econômicos. É um distúrbio cerebral crônico, de várias etiologias, caracterizado por crises epilépticas recorrentes e espontâneas.

ETIOLOGIA:
Em relação à etiologia, as epilepsias podem ser idiopáticas, criptogênicas e sintomáticas.

As idiopáticas apresentam a base genética. As criptogênicas são as que, embora presuma comprometimento orgânico, não é possível esclarecer a etiologia, pois os exames principais são normais. As sintomáticas são epilepsias em que a causa é conhecida, detectando-se uma lesão estrutural nos exames de imagem que pode ser devida a fatores congênitos, como as malformações do SNC, ou adquiridos, como vasculares, tumorais, infecciosos ou parasitários.



CLASSIFICAÇÃO DE CRISES EPILÉPTICAS:


  • Parciais – se manifestam através de crises parciais ou secundariamente generalizadas e decorrem de uma disfunção localizada da excitabilidade neuronal. As crises parciais podem ser simples, quando a consciência é preservada, e complexa, com perda de consciência.

  • Generalizadas – se manifestam através de crises generalizadas nas quais as descargas neuronais acometem simultaneamente múltiplas áreas corticais nos dois hemisférios cerebrais.


EPILEPSIA / FLUXOGRAMA


  • Reações motoras: Movimentos anormais, geralmente cloniais, em regiões do corpo como mão, pé e face;

  • Reações somatossensitivas: que se manifestam por sensações anormais, como agulhadas ou formigamento em determinada parte do corpo; Reações sensoriais simples: sensações simples que podem ser visuais (luzes coloridas), auditivas (zumbido, ruídos), olfatórias (odores desagradáveis), gustativas (gosto ruim) e vertiginosas;

  • Reações sensoriais complexas: em que são referidas alucinações estruturadas, como ver pessoas e cenas, ouvir músicas;

  • Autonômicas: que se manifestam por vômitos, palidez ou enrubescimento facial, sudorese, piloereção, dilatação pupilar, incontinências esfincterianas.

Epilepsia?

Avaliação Clínica e relato de outros episódios ou doença conhecida

Sim

Não

Investigar outras causas/ ver algoritmo específico de crise convulsiva.

Iniciar tratamento



ENCAMINHAR PARA UNIDADE DE REFERÊNCIA COM RELATÓRIO:
Novo episódio de convulsão 30 dias após início do tratamento ou episódios recorrentes.

Relato de Diarréia Aguda (< 15 dias de duração)



+

Fezes muco-sanguinolenta, sinais de toxemia, desnutrição severa, co-morbidade

Avaliar estado de hidratação

Ativo, alerta, presença de lágrima, sem sede, turgor e elasticidade normais, pulso cheio, enchimento capilar normal, normotenso, fluxo urinário normal, mucosas úmidas


Irritado, intranqüilo, olhos fundos, ausência de lágrimas, sede intensa, turgor e elasticidade diminuídos, pulso rápido e débil, enchimento capilar diminuído, hipotenso, mucosas ressecadas, fluxo urinário diminuído



Hipoativo, sonolento, torporoso, comatoso, olhos muito fundos, encovados e secos, ausência de lágrima, dificuldade ou incapacidade de ingesta, turgor e elasticidade da pele e enchimento capilar muito diminuídos, pulso muito débil ou ausente, sem fluxo urinário

Reposição de líquidos oral (Plano B – TRO)

Instalar reidratação

EV conforme necessidade (Plano C)


• Oferecer líquidos adicionais para prevenir a desidratação (Plano A)

• Orientar manter alimentação habitual

• Orientar reavaliação se: piora da diarréia, vômitos repetidos, muita sede, não consegue beber, febre, sangue nas fezes

• Avaliar a necessidade de prescrever antibióticos.

Com estabilidade hemodinâmica, hidratado,

com diurese presente



Instalar

reidratação (Plano C)

EV rápida

COM DESIDRATAÇÃO?



Notificar, s/n Investigação clínica, epidemiológica e sanitária.

Transferir para hospital de referência, com relatório.


SEM DESIDRATAÇÃO?



COM DESIDRATAÇÃO GRAVE?

SIM

NÃO
D IARREIA AGUDA / FLUXOGRAMA



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   35   36   37   38   39   40   41   42   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande