Paulo ganem souto


MANEJO DAS INFECÇÕES CONGÊNITAS E PERINATAIS / CONTINUAÇÂO



Baixar 3.67 Mb.
Página34/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   30   31   32   33   34   35   36   37   ...   58



MANEJO DAS INFECÇÕES CONGÊNITAS E PERINATAIS / CONTINUAÇÂO

PATOLOGIA


FATORES DE RISCO

QUADRO CLÍNICO

LABORATÓRIO

TRATAMENTO

ACOMPANHAMENTO

Toxoplasmose

Mãe com histó-ria de contato com locais con-taminados, com fezes de gatos, ingesta de leite não pausteri-zado, ingestão de carne mal cozida, contato com carne ou ovos crus.

Viragem sorológica na gestação.

70% das crianças são assinto-máticas ao nascimento; podem apresentar coriorretinite, convulsão, micro ou hidrocefalia, febre, hipo-termia, calcificações cranianas, hiperproteinorraquia, ,hepatoesplenomegalia, ictericia,apnéia ou taquipnéia, linfoadenomegalia, vômitos, diarréia, pneumonite, diátese hemorrágica, rash cutâneo, catarata, glaucome, microftalmia. Mais raramente hidr-opsia fetal, retardo mental e miocar-dite. A forma subclínica é a mais comum com história materna, soro-logia positiva no RN, alterações leves no líquor e posteriormente seqüelas oculares e neurológicas.


Imunofluorescência indireta IgG seriada


ELISA IgM por captura

IgG quantitativo, parear título da criança com título materno (se título da criança superior ao materno considerar toxoplasmose congênita)

Líquor: aumento da celularidade e da proteína

Raios-X de ossos do crânio

Ultrassom transfonta-nela

TC de crânio

Oftalmoscopia e áudio-metria.

Obs: as sorologias do binômio mãe/bebê de-vem ser colhidas no mesmo dia e no mesmo laboratório, o mais pré-coce possível.


Sulfadianzina e pirime-tamina associado ao ácido folínico durante todo o primeiro ano de vida. Quando há comprome-timento do SNC e/ou ocular fazer uso de Prednisona oral, por quatro semanas.

Sulfadiazina: 100 mg/kg/dia, VO, 6/6h

Pirimetamina: 1 mg/kg/dia, VO, 12/12h

Acido folínico: 5 a 10 mg mg três vezes na semana

O tratamento específico deve ser iniciado nos casos sob risco mas ainda sem diagnóstico até haver o necessário esclareci-mento.


Fazer puericultura, esquema vacinal de rotina, orientações sobre sinais clínicos de toxoplasmose

e busca ativa para todas as crianças suspeitas, em investigação ou confirma-das de toxoplasmose congênita;

Em relação aos casos suspeitos:

Fazer visita precoce ao RN e agendar exame pediátrico na UBS (Unidade Básica de Saúde) o mais breve, se pos-sível na maternidade; A UBS deve solici-tar IgG e IgM por captura para toxo-plasmose da mãe e do Rn o mais breve possível. Encaminhar para consulta com oftamologista para realização de fundos-copia.

Encaminhar para avaliação com infec-tologia pediátrica para o 30º dia de vida;

Monitorar uso adequado da medicação dos RN suspeitos de mães com toxo-plasmose gestacional confirmada.



Em relação aos casos em investigação:

Só suspender o tratamento depois que for afastado a possibilidade de toxoplas-mose congênita. Deverá ser acompanha-do pelo infectologista desde o nascimento até alta após ser afastada a doença.



Em relação aos casos confirmados:

Fazer visita domiciliar bimestral nos lactentes confirmados; Monitorar uso da medicação, comparecimento às consultas de infectologia e eventuais intercorrên-cias;

Na detecção de sinais de coriorretinite ou uveíte em atividade, associar corticoide ao tratamento

MANEJO DAS INFECÇÕES CONGÊNITAS E PERINATAIS / CONTINUAÇÂO

PATOLOGIA


FATORES DE RISCO

QUADRO CLÍNICO

LABORATÓRIO

TRATAMENTO

ACOMPANHAMENTO

Rubéola/ Síndrome da rubéola congênita

Gestante soronegativa, em contato com o agente viral.


Apenas 50% tem manifestações ao nascer. Pode ocorrer restrição do crescimento intra-uterino, cardio-patia congênita (PCA, estenose pulmonar),surdez neurossensorial, catarata, glaucoma, púrpura; na forma aguda ocorrem adenite, hepa-toesplenomegalia, icterícia, lê-sões ósseas, encefalite, meningite, mio-cardite, lesões oculares, anemia, plaquetopenia; manifestações tardi-as: déficit neurológico, defeitos de audição, autismo, retardo psico-motor, doenças da tireóide, diabetes mellitus.


Isolamento viral em uri-na, conjuntiva, líquor, nasofaringe

Inibição da hemaglut-inação

ELISA IgM por captura e IgG quantitativa da mãe e do bebê.

Obs: as sorologias do binômio mãe/bebê de-vem ser colhidas no mes-mo dia e no mesmo laboratório.

Líquor(hiperproteinorraquia)

Avaliação oftalmológica, cardiológica e áudioló-gica, US transfontanela, Tc de crânio

Nenhum específico. O pa-ciente deve ser acom-panhado por uma equipe multidisciplinar capaz de oferecer um maior suporte às possíveis seqüelas.


Citomegalovírus

Gestante com IgM positivo na gestação e gestante soronegativa

(IGM e IGG)

Apenas 10% tem manifestações clínicas sendo que 20 a 30% deste grupo apresenta doença grave. . Podem ocorrer baixo peso, premar-turidade, macro ou microcefalia, icterícia, coriorretinite, hepatoesple-nomegalia, pneumonia, hepatite, petequias, trombocitopenia, calcifi-cações cerebrais periventriculares, surdez neurossensorial, seqüelas neurológicas.O CMV está rela-cionado a anomalias do trato digestivo, genito-urinário e músculo –esquelético.


Cultura de urina, PCR no sangue e/ou urina, ELISA IgG quantitativo e IgM por captura do binô-mio mãe/bebê, teste de avidez para IgG, líquor, US transfontanela, oftal-moscopia, audiometria, hemograma,

Raio X de crânio,

TC de crânio

Obs: as sorologias do binômio mãe/bebê devem ser colhidas no mesmo dia e no mesmo laboratório.

Suporte clínico

Quando houver envolvi-mento do SNC e/ou ocular, pneumonite, vire-mia grave ou hepatite encaminhar para unidade de referência para uso de antivirais




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   30   31   32   33   34   35   36   37   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande