Paulo ganem souto


CASO CONFIRMADO DE LEISHMANIOSE VISCERAL



Baixar 3.67 Mb.
Página24/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   58

CASO CONFIRMADO DE LEISHMANIOSE VISCERAL




LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA - LT
EPIDEMIOLOGIA:
No Brasil tem sido encontrado em todos os estados, constituindo, portanto, uma das afecções dermatológicas que merece maior atenção, devido à magnitude da doença, assim como o risco da ocorrência de deformidades. A LT é também conhecida como “Ferida Brava” e “Úlcera de Baurú”.
MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA:

  • Diagnóstico precoce e tratamento imediato dos casos. Toda pessoa que apresentar ferida de difícil cicatrização deverá procurar a Unidade Básica de Saúde ou Unidade de Saúde da família, para a realização do exame específico e tratamento;




  • Realizar investigação epidemiológica em situações específicas visando determinar se a área é endêmica ou se é um novo foco, se o caso é autóctone ou importado;




  • Medidas de proteção individual: uso de mosquiteiros simples, telas finas em portas e janelas, evitar freqüência na mata, principalmente no horário do crepúsculo, sem uso de roupas adequadas, boné, camisas de manga comprida, calças compridas e botas, além do uso de repelentes;




  • Atividades educativas: de acordo com o conhecimento dos aspectos culturais, sociais, educacionais, condições econômicas e percepção de saúde de cada comunidade. Saneamento ambiental.


LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA – LT / FLUXOGRAMA


Pápulas que evoluem para úlceras com bordas elevadas e fundo granuloso. Também podem manifestar-se como placas verrucosas, papulosas, nodulares, localizadas ou difusas. Podem ser únicas ou múltiplas e são indolores

Exame parasitológico direto (esfregaço ou raspado da lesão); ou

Exame histopatológico (biopsia da lesão); ou

Reação de Montenegro – IRM.


Confirmado diagnóstico

· Tratamento com antimonial pentavalente – glucantime;

· Orientar sobre: medidas de controle e possíveis efeitos colaterais da medicação;

· Notificar e investigar 100% dos casos, visando identificar novos focos da doença.
Marcar retorno para 3 meses para reavaliar se houve cicatrização da ferida, se não houver, repete-se a série de 30 dias e, se ainda assim não houver cicatrização, encaminhar para unidade de referência com relatório.





DOENÇA DE CHAGAS

EPIDEMIOLOGIA:

A doença de Chagas afeta indistintamente homens e mulheres, mas é sempre mais grave no sexo masculino. Além da morte por alterações cardíacas, que muitas vezes é súbita e precoce (ocorre entre 30 e 50 anos) a doença provoca baixa produtividade, elevada taxa de aposentadoria, absenteísmo e elevados gastos médico-hospitalares.



DEFINIÇÃO DE CASO

FORMA AGUDA


 Caso suspeito:

  • Toda pessoa, residente em área, onde se caracterize como provável de estar infestada por triatomíneo, e que apresente sinal de Romaña ou chagoma de inoculação;

  • Toda pessoa, residente em área de transmissão ativa da doença, que apresente febre com mais de uma semana de duração;

  • Toda pessoa com febre, que tenha sido submetido à transfusão de sangue ou hemoderivados, sem o devido controle de qualidade destes insumos.

 Caso confirmado:

  • Todo caso suspeito, em que se encontre o T. cruzi em sangue periférico.



FORMAS CRÔNICAS


 Caso suspeito:

Clínica de miocardiopatia ou mega (esôfago ou cólon), preferencialmente de pacientes de área endêmica sem confirmação sorológica.

 Caso confirmado:


  • Indeterminada: indivíduo que apresente duas ou mais sorologias positivas, ou xeno diagnóstico positivo, para T. cruzi, sem manifestações clínicas.

  • Cardíaca: indivíduo que apresente duas ou mais sorologias positivas e/ou xeno diagnóstico positivo para T. cruzi, com manifestações clínicas de miocardipatia chagásica.

  • Digestiva: Indivíduo com duas ou mais sorologias positivas e/ou xeno diagnóstico positivo para T. cruzi, que apresente algum tipo de mega - esôfago ou cólon.

  • Mista: indivíduo com duas ou mais sorologias positivas e/ou xeno diagnóstico positivo para T. cruzi, que apresente algum tipo de mega (esôfago ou cólon), e manifestações de miocardiopatia.

  • Congênita: recém nascido, filho de mãe chagásica, com hepatoesplenomegalia, parasito no sangue periférico, e/ou reações sorológicas que detectam IgM positivas.



EXAMES LABORATORIAIS:

Métodos Imunológicos:

Parasitológico:

  • Hemaglutinação indireta;

  • Exame a fresco;

  • Imunofluorescência;

  • Gota espessa;

  • ELISA para Chagas

  • Esfregaço corado.




DOENÇA DE CHAGAS – FORMA AGUDA / FLUXOGRAMA


Caso Suspeito

Caso Confirmado

Avaliação clinica:

Febre, mal-estar geral, cefaléia, astenia, hiporexia, edema, hipertrofia de linfonodos, freqüentemente ocorre esplenomegalia, às vezes, agrava-se numa forma meningoencefálica, principalmente nos primeiros meses ou anos de vida. Quando existe porta de entrada aparente, ela pode ser ocular (sinal de Romaña) ou cutânea (chagoma de inoculação).



  • Encaminhar com relatório para internação visando instituir tratamento específico;

  • Realizar notificação e investigação ;

  • Realizar pesquisa entomológica no domicílio e área de residência do caso, visando medidas de controle de população de triatomíneos, junto à equipe de vigilância epidemiológica;

  • Realizar atividades educativas;

  • Avaliar a necessidade de articular ações intersetoriais para melhorias habitacionais.

Acompanhamento concomitante com a unidade de referência

SINAL DE ROMAÑA: edema bipalpebral, que às vezes se expande à face, elástico indolor, de início geralmente brusco, coloração róseo violácea das pálbebras, congestão conjuntival, enfartamento satélites, e com menos freqüência, secreção conjuntival e dacrioadenite.
CHAGOMA DE INOCULAÇÃO: formação cutânea, ligeiramente saliente, arredondada, eritematosa, dura, incolor, quente e circundada por edema elástico, assemelhando-se a um furúnculo que não supura, mas que às vezes pode exulcerar. É acompanhado de linfonodos satélites.

Sorologia negativa

Investigar outras causas

Solicitar exames laboratoriais

ESCABIOSE / FLUXOGRAMA



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande