Paulo ganem souto



Baixar 3.67 Mb.
Página19/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   58

AVALIAÇÃO CLÍNICA


Identificação/caracterização dos fatores de risco e sinais de alerta para câncer de próstata

  • Encaminhar com relatório para avaliação especializada – urologista – acompanhamento concomitante na UBS

  • Caso a UBS/profissionais estejam habilitados e capacitados a realizar avaliação urológica: fazer toque retal + solicitação de PSA (antígeno prostático específico)

  • Orientar retorno após resultado do PSA.

PSA < 4, 0 ng/dl ;

Ao toque retal próstata normal



PSA > 4, 0 ng/dl e/ou alteração do toque retal e/ou fatores de riscos aumentados

Monitoramento anual na UBS/USF



Solicitar USG transretal da próstata e encaminhar ao serviço especializado / urologia com relatório;

Manter acompanhamento concomitante na UBS.



OBSERVAÇÃO




  • Para realização de o PSA orientar :

- não realizar atividade sexual, não andar a cavalo ou bicicleta durante os 5 dias que antecedem a dosagem sanguínea;




  • Só realizar o PSA 5 dias após o toque retal e/ou realização de USG transretal da próstata;




  • Não necessita de jejum;






ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE LEUCEMIA


Queixa: palidez, sangramentos, febre, infecções de repetição, dor óssea.



Exame físico: palidez, adenopatia, petéquias, equimoses, aumento do baço e figado.

Anemia (normocromica, normocítica), diminuição de plaquetas, aumento oudiminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos


Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório




Hemograma com plaquetas

Rx de torax

Aumento/ alargamento do mediastino







CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO

Dor abdominal recidivante e/ou massa abdominal palpável


Aumento do baço e fígado aumento dos gânglios



  • Massa abdominal isolada com ou sem dor

  • Sintomas gastrointestinal ou geniturinário

  • Cushing

  • Feminização

  • Virilização

Hemograma com plaquetas sorologias (cmv, EBV, rubéola, toxoplasmose)

Raio x abdomen pa/perfil

USG abdominal



Anemia, aumento de plaquetas, aumento ou diminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos

Neoplasia intra-abdominal?


Encaminhar para unidade de referência de infectologia com relatório


A
Infecção por cmv, EBV, rubéola, toxoplasmose)?

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório




Tumor intra-abdominal
Tumor retro-peritonial

Sorologias positivas (IGM)


BORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM MASSA ABDOMINAL

CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO


ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE LESÃO ÓSSEA





  • Raio x local

  • Hemograma com plaquetas

  • Vhs, fosf. alcalina

Dor óssea (de repouso, crônica, localizada), aumento do volume local, impotência funcional, sinais inflamatórios ou fratura patológica.



Lesão óssea única, localizada, bem delimitada.

Rarefação óssea associada a sintomas gerais (febre, aumento dos gânglios, aumento do baço e fígado

Lesão lítica com reação periosteal ou lesão esclerozante

Lesão lítica sem reação periosteal com ou sem sintomas gerais

Lesão benigna ?

Anemia, aumento de plaquetas, aumento ou diminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos

Tumor ósseo maligno ?

Neoplasia óssea?

Encaminhar para o serviço de ortopedia com relatório

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório



CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO

ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE TUMOR DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL



  • Sinais aumento da pressão intra-craniana (cefaléia, vômitos sem pródromos, papiledema), sem febre




  • Sinais neurológicos de localização / déficit motor




  • Paralisia de nervos cranianos




  • Alteração da marcha (ataxia)






Tumor do sistema nervoso central ?

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório



ANEMIA FALCIFORME

Doença falciforme: Termo genérico para caracterizar um grupo de desordens genéticas, em que existe o predomínio de hemoglobina S, capaz de alterar a forma da hemácia (em foice ou falcização). Compreende as Hb SC, S talassemias, SD entre outras ou seja existe heterozigose com presença de Hb S.
Anemia falciforme: Patologia apresentada por portadores da hemoglobina SS caracterizada por hemácias em forma de foice, e como conseqüências a maior adesão dessas hemácias nos vasos sanguíneos, causando obstrução (crises dolorosas, edema de mãos e pés), maior tendência à hemólise casando palidez e icterícia, além de maior probabilidade de adquirir infecções. Homozigose paraH b S.
Traço falciforme: Caracteriza indivíduos portadores de um gene normal para hemoglobina (HbA) e outro anormal (HbS).São assintomáticos na maioria dos casos. Não são indicadas profilaxia infecciosa e terapia com folatos. Filhos de duas pessoas com traço falciforme podem nascer com anemia falciforme, daí a importância de fazer a eletroforese do parceiro.


O TESTE DO PEZINHO É IMPORTNTE PARA A DETECÇÃO PRECOCE:

  • ANEMIA FALCIFORME;

  • FENILCETONÚRIA;

  • HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO.


Principais sintomas: Variam de indivíduo para indivíduo. Os sintoma costumam aparecer após os seis meses de idade.

Crises de dor: Freqüente nos ossos e articulações. Tem duração variável e geralmente estão associadas ao tempo frio, infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gravidez ou desidratação.

Icterícia: Sinal freqüente da doença. Diagnóstico diferencial com hepatite.

Síndrome mão-pé: Ocorre em crianças pequenas, causando inchaço, dor e eritema em mãos e pés, pode ser o primeiro sinal da doença.

Infecções: Maior predisposição nos portadores de doença falciforme, principalmente pneumonias e meningite. Devem ser dados vacinas especiais para prevenir as complicações (vide tabela em anexo).

Úlcera de perna: Geralmente próxima aos tornozelos, a partir da adolescência.Podem levar anos para cicatrização completa, se não forem bem cuidadas no início. Para prevenir, os pacientes devem usar meias grossas e sapato de cano longo, manter a pele hidratada e evitar traumas.

Seqüestro esplênico:Palidez e aumento repentino do baço. Trata-se de uma emergência. Ocorre mais freqüentemente em menores de 5 anos e pode levar a óbito se não tratado de imediato.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   58


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande