Parecer da Comissão de Obras ao Projeto 155/98



Baixar 24 Kb.
Encontro08.10.2019
Tamanho24 Kb.



COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE


PROJETO DE LEI No 26/2009

PARECER DEFINITIVO:


RELATÓRIO

De iniciativa do Prefeito em exercício José Roque Neto, o Projeto de Lei no 26/2009 desafeta de uso comum do povo e/ou especial a área de terras com 22.357,76m², da subdivisão do Lote 40-E da Gleba Ribeirão Cambé, de domínio do Município, e autoriza o Executivo a doá-la à Fundação Nacional do Índio – Funai, mediante prévia avaliação, com a finalidade de desenvolvimento de políticas de apoio aos indígenas e reflorestamento com espécies nativas nas áreas de declive.

Nos termos do projeto, a falta de cumprimento do disposto nesta lei ou a modificação da finalidade da doação farão o imóvel, com todas as benfeitorias e instalações nele introduzidas, reverter automaticamente e de pleno direito ao domínio do Município, as quais, como parte integrante daquele, não darão direito a nenhuma indenização ou compensação.

O autor, em sua justificativa ao projeto, expõe:


A Fundação Nacional do Índio – Funai, através da Administração Executiva Regional de Londrina, solicita desta municipalidade a doação do referido imóvel com a finalidade de desenvolvimento de políticas de apoio aos indígenas e reflorestamento com espécies nativas nas áreas de declive.

O local é ambientalmente favorável ao desenvolvimento de políticas de apoio aos indígenas que buscam a sede neste Município no intuito de comercializarem seus produtos artesanais, garantindo-lhes o mínimo de segurança e acolhimento.”


VOTO DA COMISSÃO

Com relação à iniciativa da proposta, diz a Lei Orgânica do Município de Londrina, em seu artigo 77, § 2o, que cabe ao Prefeito a administração dos bens municipais, respeitada a competência da Câmara quanto àqueles destinados a seus serviços.

Estabelece também, no § 1o desse artigo, que os bens municipais destinar-se-ão prioritariamente ao uso público, assegurado o respeito aos princípios e às normas de proteção ao ambiente e ao patrimônio histórico, cultural e arquitetônico, e garantindo o interesse social.

Prevê também, em seu artigo 78, que a alienação de bens municipais, subordinada à existência de interesse público devidamente justificado, obedecerá às normas gerais de licitação, instituídas por lei federal.


Neste sentido, a Lei Federal no 8.666/93 (que instituiu normas para licitações e contratos da Administração Pública) estabelece, em seu artigo 17, que a alienação de bens da Administração Pública, subordinada à existência de interesse público devidamente justificado, será precedida de avaliação e obedecerá às seguintes normas:
I – quando imóveis, dependerá de autorização legislativa para órgãos da administração direta e entidades autárquicas e fundacionais, e, para todos, inclusive as entidades paraestatais, dependerá de avaliação prévia e de licitação na modalidade de concorrência, dispensada esta nos seguintes casos:

...
b) doação, permitida exclusivamente para outro órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera de governo, ressalvado o disposto nas alíneas “f” e “h” (redação da MP 335, de 23 de dezembro de 2006 e da Lei no 11.481, de 31 de maio de 2007);

...”

Isto posto, anotamos que o presente projeto atende aos dispositivos da Lei Federal no 8.666/93, com a redação dada pela Lei Federal no 11.481/2007, visto que:


I - a doação se destina a outro ente da administração pública;
II – foi anexado ao processo o Laudo no 179/2008, da Comissão Permanente de Avaliação de Bens do Município, cujos membros avaliaram o imóvel a ser doado, com 22.357,76m², localizado na Gleba Ribeirão Cambé, sem benfeitorias, em R$ 126.800,00 (cento e vinte e seis mil e oitocentos reais).
Entretanto, considerando que o projeto em análise foi encaminhado a esta Casa em um período de transição administrativa, esta Comissão requereu, em parecer prévio, que fosse solicitada a manifestação do Prefeito eleito, Homero Barbosa Neto, após a sua posse, que ocorreu em 1o de maio do corrente, a fim de que este, dentro do prazo regimental de 30 dias, avaliasse o interesse da Administração Municipal na doação da área ora proposta, por meio deste projeto de lei, à Fundação Nacional do Índio – Funai, para a implantação no local de abrigo temporário aos indígenas de Londrina e região.

Em atenção ao solicitado por esta Comissão, o Secretário de Governo do Município, José do Carmo Garcia, encaminhou cópia do parecer exarado pela Secretária Municipal de Assistência Social, Jaqueline Marçal Micali, a qual assim se manifestou sobre o projeto em tela:


Tendo recebido remessa dessa Secretaria de Governo do Ofício no 1429-DL, da Câmara Municipal de Londrina, o qual traz a solicitação de análise e parecer por esta Secretaria Municipal de Assistência Social acerca da proposta do Projeto de Lei no 26/2009, que dispõe sobre a doação de terras com 22.357,76m², da subdivisão do Lote no 40-E, da Gleba Ribeirão Cambé, informamos que não há óbice quanto à referida doação, sendo louvável tal iniciativa.
A Secretaria Municipal de Assistência Social esclarece que tem coordenado e desenvolvido um programa de Atendimento aos Indígenas da Reserva Apucaraninha desde 1993, na perspectiva multidisciplinar para a inclusão social e melhoria na qualidade de vida a todas as famílias da referida terra indígena.
A doação do terreno para a Fundação Nacional do Índio – Funai – Londrina é de extrema importância e tem como finalidade o atendimento e abrigamento das famílias indígenas que vêm a Londrina para o comércio informal de artesanato oriundos das terras indígenas de Apucaraninha, São Jerônimo da Serra, Barão de Antonina e Mococa para que estes não fiquem acampados à beira da rodovia e praças públicas.
A doação do terreno trará à Funai a responsabilidade sobre o acompanhamento das famílias na cidade. O espaço solicitado será para atender os indígenas com critérios definidos de vinda e permanência na cidade.
Para tanto, informamos que a Secretaria Municipal de Assistência Social, junto com o Ministério Público, assinará com a Funai um Termo de Ajuste de Conduta sobre o uso do espaço e as atribuições institucionais e, principalmente, sobre a questão das crianças indígenas em situação de risco e vulnerabilidade nos semáforos da cidade.”

Assim, diante da manifestação do Executivo Municipal, por meio da Secretária de Assistência Social, Jaqueline Marçal Micali — favorável à doação da área proposta e à implantação, no local, de abrigo temporário para atendimento aos indígenas de Londrina e região — e ainda diante da informação de que a Secretaria Municipal de Assistência Social, junto com o Ministério Público, assinará com a Funai um Termo de Ajuste de Conduta sobre o uso do espaço e as atribuições institucionais e, principalmente, sobre a questão das crianças indígenas em situação de risco e vulnerabilidade nos semáforos da cidade, emitimos parecer favorável à proposta, em que pese a ausência, no processo, dos termos desse Termo de Ajustamento de Conduta, com a definição das responsabilidades de cada parte envolvida no processo.



SALA DAS SESSÕES, 2 de junho de 2009.

Rodrigo Gouvêa Roberto da Farmácia do Vivi Paulo Arildo


PRESIDENTE/RELATOR VICE-PRESIDENTE MEMBRO

mags


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande