Oficio gakn – 64/07 Florianópolis, 28 de fevereiro de 2007



Baixar 19.32 Kb.
Encontro29.12.2017
Tamanho19.32 Kb.



PROJETO DE LEI 0168.2/2012

Institui a Campanha Estadual de Conscientização e Combate à Automedicação, e dá outras providências.

Art.1º Fica instituída no Estado de Santa Catarina a Campanha Estadual de Combate à Automedicação.

Art. 2º Toda primeira semana de Abril será realizada a "Semana de Conscientização e Combate à Automedicação", onde ocorrerão, entre outros, os seguintes eventos: palestras de esclarecimento para a população; Propaganda em rádio e TV; Distribuição de folhetos informativos e explicativos na Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor – PROCON, na rede pública de ensino e de saúde.

Parágrafo único - Os eventos descritos neste artigo não estão limitados à "Semana de Conscientização e Combate à Automedicação", podendo os mesmos ser realizados a qualquer tempo.

Art. 3º Na execução desta lei, o Poder Público poderá firmar convênios e parcerias com entidades afins.

Art. 4º - O Poder Executivo regulamentará a presente Lei no prazo de 90 (noventa) dias, a contar da data de sua publicação.


Art. 5º As despesas decorrentes da implantação desta Lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 6º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Palácio Barriga Verde (SC), sala das Sessões, em.

Kennedy Nunes

Deputado Estadual - PSD

JUSTIFICATIVA

A Automedicação é a administração de medicamentos sem orientação ou prescrição médica. No Brasil, ela é bastante comum. Não é raro encontrar alguém utilizando o mesmo remédio que o irmão ou vizinho tomou em caso, por exemplo, de gastrite, hipertensão, tratamento da obesidade, etc...

Prática comum no cotidiano das pessoas, a automedicação é a terceira causa de internação por alergia ou intoxicação aos medicamentos. Os principais vilões são os antiinflamatórios, analgésicos e antibióticos, alguns vendidos livremente sem receita médica.

Sem condições financeiras de adquirir um plano de saúde ou procurar um médico particular, e encurralado pela ineficiência do sistema público de saúde que, geralmente, não resolve o problema em tempo hábil, as pessoas partem para o uso de medicamentos indicados por leigos. Porém, o baixo poder aquisitivo da população não explica, por si só, o fenômeno da automedicação, já que ela ocorre também nas camadas mais privilegiadas da sociedade. Várias outras hipóteses convergem na tentativa de explicar as causas desse comportamento. O estudo mostra que, se o paciente ficar satisfeito com o remédio, continuará comprando sem voltar ao médico

O alergologista Pedro Carneiro explica que, no Brasil, vários remédios, até mesmo antibióticos, são vendidos sem receita. "Além disso, tem o famoso 'boca-a-boca', em que alguém indica o remédio aos amigos e familiares. (...)

A conduta de se automedicar, embora muitas vezes seja explicada pela economia que se faz, pode sair mais cara, pois os remédios podem agravar doenças, mascarar sintomas e provocar efeitos colaterais danosos como, por exemplo, a intoxicação causada por alergia ao remédio.

No Brasil, por exemplo, a intoxicação por medicamentos é comum. Dados do Centro de Assistência Toxicológica (CEATOX) da Universidade de São Paulo (USP) apontam que dos 3211 casos de intoxicação registrados em 1998, 40% foram provocados por medicamentos.

Pedro Carneiro explica que a automedicação pode trazer sérios danos à saúde. "Vários são os riscos que se corre: o paciente pode ter alergia ao medicamento, o fármaco pode fazer com que as bactérias se tornem imunes ao mesmo e se o paciente possuir alguma doença que não tenha conhecimento, o problema pode ser agravado" (...).

(...) “Seja por questões financeiras ou pelo hábito de tentar solucionar os problemas de saúde corriqueiros, tomando por base a opinião de algum conhecido mais próximo, a automedicação é uma realidade e precisa de atenção especial. Por trás deste ato, aparentemente tolo e sem conseqüências, está um problema em potencial para a saúde. Portanto, é necessário alertar a todos que a administração de medicamentos errados ou, ainda, em dosagens inadequadas pode trazer conseqüências trágicas, que vão desde a indução à dependência até a intoxicação”.

Fonte de Informação: http://www.pedrocarneiro.com.br/automedicacao.htm

A proposta em questão institui campanha e nesse sentido visa fortalecer o processo educativo, fornecendo informações importantes para os cuidados com a saúde e os riscos da automedicação. Somente o processo educativo pode quebrar o ciclo da automedicação e confiar os cuidados à saúde aos profissionais específicos.

Nesse passo, o presente projeto pretende criar mecanismos de informação à população, alertando para os riscos da automedicação, motivo pelo qual conto com o apoio de meus Pares para sua aprovação.


Kennedy Nunes

Deputado Estadual - PSD















PALÁCIO BARRIGA-VERDE

Rua Doutor Álvaro Müllen da Silveira, 310 - Centro



88020-900 - Florianópolis - SC - Gabinete
www.alesc.sc.gov.br



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande