O papel fisiológico do intestino grosso na absorçÃo de água, eletrólitos e outras substâncias



Baixar 26.82 Kb.
Encontro15.11.2017
Tamanho26.82 Kb.

O PAPEL FISIOLÓGICO DO INTESTINO GROSSO NA ABSORÇÃO DE ÁGUA, ELETRÓLITOS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS
Micherlayne Even Oliveira Limeira(1), Rosália do Nascimento Silva(1), Temilce Simões de Assis(2), Rita de Cássia da Silveira e Sá(3), Rachel Linka Beniz Gouveia(3,4),

Centro de Ciências da Saúde/Departamento de Fisiologia e Patologia



RESUMO

O Sistema Digestório é um dos principais conteúdos abordados nos plantões de dúvidas. A falta de compreensão dos alunos sobre alguns aspectos primordiais referentes ao cólon resultou na escolha do tema abordado por este trabalho. Em vista disso, foi confeccionado um banner que demonstrava o papel do intestino grosso no processo absortivo de água e outros elementos para atuar como ferramenta facilitadora durante as atividades da monitoria. O intestino grosso é um órgão essencialmente de absorção onde é realizada a seleção do que deve ser aproveitado ou excretado pelas fezes. A mucosa do intestino grosso, como a do intestino delgado, tem uma capacidade elevada de absorver ativamente sódio, e a diferença de potencial elétrico gerado pela absorção do sódio promove absorção de cloreto. A absorção destes íons cria um gradiente osmótico através da mucosa do intestino grosso, o que por sua vez, leva à absorção de água. Alterações nessa absorção podem resultar em distúrbios como a diarreia. A explicação do tema mediante recurso visual torna-se mais eficiente, funcionando como um apoio para os plantões de dúvidas executados ao longo do período.



Palavras-chave: intestino grosso; absorção; Fisiologia.
(1) Monitor Voluntário, (2) Orientadora, (3) Professoras colaboradoras, (4) Coordenadora do Projeto
INTRODUÇÃO

A monitoria estabelecida no Departamento de Fisiologia e Patologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) trata-se de um serviço de apoio pedagógico oferecido aos alunos com o objetivo de aprofundar conteúdos, bem como auxiliar na solução das dificuldades apresentadas em relação à matéria trabalhada em sala de aula. Ela permite a diversificação e aperfeiçoamento das aulas práticas, possibilitando uma maior assimilação dos conteúdos teóricos debatidos em sala de aula.

Dentre os conteúdos abordados na disciplina de Fisiologia Humana pode-se destacar o Sistema Digestório como um dos principais conteúdos de abordagem nos plantões de dúvidas e as implicações de suas características anatomo-fisiológicas para a compreensão das etapas de condução dos nutrientes até as células. Tomou-se por base as questões mais frequentemente apresentadas pelos estudantes, assim como percepção dos monitores da compreensão limitada dos alunos sobre alguns aspectos primordiais referentes ao cólon para a escolha do tema abordado por este trabalho. Neste contexto, foi desenvolvida uma atividade didática, envolvendo o papel do intestino grosso no processo absortivo de água e outros elementos explicando como a alteração celular destas células intestinais modifica a fisiologia normal desse órgão. Em virtude das características peculiares da fisiologia do cólon e das necessidades de recursos pedagógicos para que se alcançasse a compreensão da teoria aplicada em sala de aula, foi confeccionado um banner que demonstrava o papel do intestino grosso no processo absortivo para atuar como ferramenta facilitadora durante as atividades da monitoria.
Digestão e absorção no trato gastrointestinal
O ser humano, assim como todos os seres heterotróficos, possui a necessidade de obtenção de alimentos para a nutrição orgânica e manutenção da vida. A partir da ingestão do alimento começa o processo da digestão, que se inicia na boca e continua no estômago e intestinos onde seus resíduos serão transformados em matéria fecal para excreção pelo reto. É durante a digestão que ocorre a absorção dos nutrientes que em seguida serão lançados à corrente sanguínea e distribuídos para todas as células. Sem a participação do trato gastrintestinal (TGI) não haveria como a nutrição do organismo humano ser alcançada de maneira natural, tornando-se explícita a importância do Sistema Digestório.

O intestino grosso é a porção final do trato gastrintestinal e está dividido em ceco, colo (ascendente, transverso, descendente e sigmoide) e reto (ver figura 1). Cerca de 1,5 L de quimo passam normalmente através da válvula ileocecal para o intestino grosso a cada dia e menos de 0,1 L de líquido são excretados nas fezes. Grande parte da absorção ocorre na metade proximal do cólon, o que confere a esta porção o nome de cólon absortivo, enquanto o cólon distal funciona principalmente no armazenamento das fezes até o momento propício para a sua excreção e, portanto, é denominado cólon de armazenamento.






Figura 1 - Anatomia do intestino grosso. FONTE: Silverthorn, 2010.
É sabido que nenhuma digestão significativa de moléculas orgânicas acontece no intestino grosso. No entanto, inúmeras bactérias que habitam o cólon degradam uma quantidade significativa de carboidratos complexos e proteínas não digeridas por meio da fermentação. As bactérias colônicas também produzem quantidades significativas de vitaminas absorvíveis, principalmente a vitamina K.

O intestino grosso é um órgão essencialmente de absorção, onde é realizada a seleção do que deve ser aproveitado ou excretado pelas fezes, o acúmulo excessivo do material fecal pode favorecer a absorção de substâncias prejudiciais ou mesmo tóxicas, como metais pesados, que adquirimos através da alimentação e que são enviados à circulação sanguínea provocando os mais diferentes distúrbios, inclusive comportamentais, como irritabilidade. Nos casos de constipação onde o movimento lento das fezes, contribui para que grandes quantidades de fezes ressecadas e endurecidas se acumulem no cólon descendente, há um grande risco de acontecer essa absorção.

A mucosa do intestino grosso, como a do intestino delgado, tem muitas criptas de Lieberkühn, no entanto, ao contrário do intestino delgado não há vilos. Elas consistem basicamente em células mucosas que secretam apenas muco. O muco no intestino grosso protege a parede intestinal contra escoriações, além de proporcionar um meio adesivo para o material fecal. Ademais, protege a parede intestinal da intensa atividade bacteriana que ocorre nas fezes e funciona como uma barreira aos ácidos formados nas fezes. Sempre que um segmento do intestino se torna intensamente irritado, a mucosa secreta quantidade de água e eletrólitos além do mucoso viscoso e alcalino normal. Isto serve para diluir os fatores irritantes e causar o movimento rápido das fezes em direção ao ânus. O resultado é a diarreia com perdas de grandes quantidades de água e eletrólitos. Além da função de conduzir e eliminar os resíduos alimentares não digeridos provenientes do intestino delgado, o cólon participa da manutenção da homeostase dos líquidos e eletrólitos. As células da mucosa colônica têm uma capacidade elevada de absorver ativamente sódio, e a diferença de potencial elétrico gerado pela absorção do sódio promove absorção de cloreto. A absorção destes íons cria um gradiente osmótico através da mucosa do intestino grosso, o que por sua vez, leva à absorção de água.

A diarreia é um exemplo de disfunção proveniente de alterações na absorção de líquidos pelo intestino. De acordo com a estrutura anatômica envolvida, a diarreia pode ser alta (quando atinge estômago e intestino delgado) ou baixa quando afeta o cólon, reto e ânus. A diarreia acontece como um mecanismo de defesa onde o intestino precisa eliminar substâncias nocivas ao organismo. Porém, com a requisição excessiva de água das células um de seus efeitos nocivos é a desidratação. Os efeitos sistêmicos da diarreia aguda são depleção de sódio e água, depleção de potássio provocando debilidade muscular transtornos no ritmo cardíaco, alteração do equilíbrio ácido-básico com diminuição do bicarbonato, acidose metabólica e diminuição da tensão arterial, taquicardia entre outros. Estes distúrbios são ocasionados pela incapacidade do cólon de armazenar o material fecal pelo tempo adequado afim de que haja a correta assimilação do conteúdo de água e eletrólitos pelos colonócitos, essa perda da função ocorre devido ao rápido trânsito intestinal estimulado pelos movimentos peristálticos e reflexos superexcitados (ver figura 2).

Os quadros de diarreia podem ter diferentes causas como a atividade de patógenos, doenças crônicas (doença de Crohn e as colites) deficiência enzimática (como a intolerância à lactose) e também pelo uso de medicamentos como antibióticos.


Semi-

pastoso

Pastoso

Semi-


líquido



O comprometimento da

motilidade causa maior

absorção, e as fezes duras no

cólon transversal

causam constipação

Líquido

Semi-

sólido


Válvula

ileocecal

O excesso de motilidade causa menor absorção e diarreia ou fezes moles

Sólido


Figura 2 - Esquema do processo absortivo no cólon e as características de cada segmento. FONTE: Guyton, 2006.

Quaisquer que sejam os distúrbios que comprometam a atividade fisiológica do cólon têm a capacidade de afetar todo o equilíbrio do organismo e consequentemente a qualidade de vida dos indivíduos afetados. As funções desempenhadas neste órgão complementam o processo da digestão desenvolvida pelo estômago e intestino delgado, portanto, ainda que não seja o principal local de absorção dos nutrientes, sua integridade garante ao organismo humano sua plena funcionalidade.


CONCLUSÃO

O tema discorre sobre a integração entre as partes do TGI e as suas funções. O intestino grosso tem, aparentemente, uma função menor, primordialmente excretória, entretanto a perda da sua funcionalidade é refletida em uma série de alterações que afetam o organismo como um todo. Constatou-se que a explicação do tema mediante recurso visual tornava a compreensão mais eficiente. As ilustrações serviam para auxiliar no entendimento das questões onde apenas a abordagem teórica não se apresentava suficiente, sendo, portanto um apoio para os plantões de dúvidas executados ao longo do período.



REFERÊNCIAS
GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

REIS, N. T.. Nutrição clínica – Sistema digestório. Rio de Janeiro: Rubio, 2003.

SILVERTHORN, D. U. Fisiologia Humana: Uma abordagem Integrada. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PÓVOA, H. O cérebro desconhecido: Como o sistema digestivo afeta nossas emoções, regula nossa imunidade e funciona como um órgão inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.




Catálogo: enex -> XVENID -> Monitoria%202013 -> CCS
CCS -> Vivências da Monitoria de Odontologia em Saúde Coletiva: a importância na realização de Levantamentos Epidemiológicos
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico virtual do sistema tegumentar
CCS -> Experiências da monitoria de radiologia odontológica I
CCS -> DiferenciaçÃo histológica entre a ossificaçÃo endocondral e intramembranosa: preparaçÃo de material didático para a monitoria
CCS -> Tecidos epiteliais de revestimento
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico digital do sistema muscular como instrumento facilitador do processo ensino-aprendizagem
CCS -> ProduçÃo de um pôster exploratório do tecido epitelial glandular colaborando para o processo ensino-aprendizagem
CCS -> A importância do estudo anatômico do sistema muscular na homeostase corporal e tratamento das doenças musculoesqueléticas


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande