Normas da disciplina de prótese buco maxilo facial



Baixar 96.52 Kb.
Encontro24.10.2017
Tamanho96.52 Kb.

U
niversidade de São Paulo


Faculdade de Odontologia

Departamento de Cirurgia, Prótese e Traumatologia Maxilo Faciais

Disciplina de Prótese Buco Maxilo Facial



NORMAS DA DISCIPLINA DE PRÓTESE BUCO MAXILO FACIAL

A disciplina de Prótese Buco Maxilo Facial é ministrada dentro de um conteúdo teórico/prático e clínicas para o qual foram programadas aulas teóricas e práticas laboratoriais com o objetivo de proporcionar ao aluno informações das lesões passíveis de reparação por esta especialidade.

O Curso encontra-se dividido em três módulos, ao final de cada um deles, será realizada uma prova teórica com matéria cumulativa e emitida uma média ponderada onde:
Prova teórica X 6 + média prática X 4

10
A matéria para as provas é cumulativa ao longo dos módulos, constituindo dos assuntos das aulas teóricas e práticas laboratoriais ministradas desde o inicio do curso.

Ao final de cada aula prática, e/ou clínica ou término de cada assunto, será atribuída uma nota correspondente ao trabalho executado.


NOTAS: A nota final será obtida pela média aritmética das notas dos módulos.
FALTAS: Ao aluno que faltar na aula prática de laboratório e/ou clínica será atribuída nota zero, e o mesmo deverá repor o trabalho em andamento (quando o assunto comportar mais de uma aula), executando o seguimento dos trabalhos no laboratório de aula prática.

Em caso de convocação jurídica, militar, pela diretoria da Faculdade, gravidez ou doença infecto-contagiosa o interessado(a) deverá apresentar atestado comprobatório e os trabalhos práticos que foram executados no período.

Outras modalidades de atestados ou justificativas não serão aceitas.
FOTOGRAFIA: É obrigatório a entrega junto à Secretaria da Disciplina de uma foto 3x4 recente.
CALENDÁRIO: É estabelecido um cronograma das aulas teóricas e praticas a serem desenvolvidas durante o curso, devendo o aluno se apresentar dentro do horário estabelecido e, portanto todo material solicitado para a execução dos trabalhos laboratoriais.
BIBLIOGRAFIA: Rezende JRV, Oliveira JAP, Dias RB. Prótese Buco-Maxilo-Facial – Conceitos básicos e praticas de laboratório. São Paulo, Sarvier, 1986. Fonseca EP. Prótese Ocular. São Paulo: Panamed, 1987, 1970. Rezende JVR. Fundamentos da Prótese Buco-Maxilo-Facial São Paulo: Editora Sarvier, 1997. 212p.
INTRODUÇÃO À PRÓTESE BUCO MAXILO FACIAL
1. Responsabilidade da Odontologia frente à Prótese Buco-Maxilo-Facial.

2. Conceito: Estudo clínico e reabilitação protética das malformações congênitas, mutilações traumáticas ou patológicas e distúrbios de desenvolvimento maxilo faciais.

3. Especialidade odontológica reconhecida pelo C.F.O. (Conselho Federal de Odontologia) e recomendada, o seu ensino, pela ABENO (Associação Brasileira de Ensino Odontológico).

4. Malformações congênitas do lábio e ou do palato - Síndromes.

5. Câncer da cabeça e pescoço - câncer bucal: Tratamento através da Emanoterapia ou Radioterapia e Cirurgia oncológica.

6. Implantes osseointegrados para fixação de próteses bucais e faciais.

7. Suporte para a Cirurgia e Traumatologia Maxilo Faciais

8. Luxação da ATM.

9. Distúrbios de desenvolvimento: anquilose têmporo-mandibular

10. Tratamento através da Prótese Buco-Maxilo-Facial: optativo/último recurso.




PRÓTESE OCULAR - TÉCNICA DE CONFECÇÃO

1. Exame do paciente

2. Documentação

3. Moldagem da cavidade anofatálmica

3.1. Material e instrumental

3.2. Posição do paciente

3.3. Posição do coto muscular

3.4. Moldagem propriamente dita

3.5. Retirada do molde

4. Inclusão do molde em mufla

5. Confecção da íris

5.1. Íris pintada

5.1.1. Disco de Papel

5.1.2. Pintura do disco de papel

5.1.3. Obtenção da pupila

5.1.4. Disco e calota de resina acrílica

5.1.5. Inclusão do conjunto em mufla

5.1.6. Fixação do papel pintado sobre o disco de resina

5.1.7. Condensação da resina de lenta polimerização

5.1.8. Acabamento

5.2. Íris obtida a partir de uma prótese de estoque

5.3. Íris de estoque

6. Elaboração da ceroplastia da esclera

6.1. Perfuração do contra-molde

6.2. Escultura da face anterior

6.3. Centralização da íris

6.4. Vazamento da contra-mufla

7. Inclusão do conjunto em contra-mufla

7.1. Inclusão da mufla

7.2. Retenção para o botão da íris na contra-mufla

7.3. Remoção da cera e condensação da resina correspondente a esclera

7.4. Polimerização, desinclusão, acabamento e polimento

8. Caracterização cromática e estrutural da esclera

8.1. Manchas e vasos

9. Camada transparente final

(mufla da moldagem e contra-mufla da camada externa)

9.1. Condensação da resina incolor de lenta polimerização

9.2. Polimerização, desinclusão, acabamento, e polimento final

10. Colocação no paciente

11. Recomendações ao paciente

11.1. Quanto a prótese

11.2. Quanto a cavidade



MOLDAGEM E MODELO FACIAL
I. Conceito: face; moldagem; modelo.

II. Moldagem facial – técnica convencional de posição do material de moldagem.

1. Deformação tecidual: posição do paciente; musculatura cuticular / conduta.

2. Tamponamento; contenção do campo; manutenção da respiração.

3. Material:

3.1. camada de precisão - hidrocolóide irreversível

- variação da proporção água/pó

- espessura; retenção da camada de reforço

3.2. camada de reforço - gesso Paris

- acelerador do tempo de presa

4. Remoção da moldagem

5. Modelo facial – gesso pedra

III. Moldagem facial – técnica com moldeira termoplástica

1. Confecção da moldeira individualizada.

2. Manutenção da respiração.

3. Material: hidrocolóide irreversível.

IV. Regiões faciais: auricular; óculo palpebral, nasal; mentoniana; hemi-face.

1. Variação técnica – moldagem com seringa.

2. Órgão impar (região mediana); órgão par.

PRÓTESE BUCO-MAXILO-FACIAL FRENTE A ODONTOLOGIA DO ESPORTE

1. Introdução: é de vital importância a prevenção e manutenção da saúde bucal dos atletas.

2. Conceito: estudo e planejamento da condição buco dentária de atletas.

3. Objetivos: possibilitar melhor performance dos atletas nas mais diversas modalidades esportivas.

4. Análise da condição bucal.

5. Indicação de tratamentos: ● pré competição

● pós competição

6. Prevenção: ● protetores buco dentários:

● tipos de protetores

● indicação para as diferentes modalidades esportivas

● confecção dos diferentes tipos de protetores buco dentários

7. Traumas orofaciais na prática de esportes.

8. Estudo das fraturas e recursos protéticos

9. Tratamento




BIOMATERIAIS

1. Conceito: Um biomaterial é um material natural ou artificial (sintético) que substitui todo ou uma parte de uma estrutura viva. Pode ser ainda um dispositivo biomédico que dá forma, aumenta ou substitui uma função natural do organismo.

2. Classificação:

2.1. Metais

2.1.1- Aço Inoxidável

2.1.2- Titânio

2.1.1.1- Aplicações: Sínteses ósseas, implantes odontológicos, próteses ortopédicas, reconstruções parciais ou totais de estruturas ósseas da face.
2.2. Cerâmicas

2.2.1. Hidroxiapatita

2.2.1.1- Aplicações: Preenchimento de alvéolos, cavidades císticas, reconstituições de seqüelas ósseas.

2.3. Polímeros

2.3.1- Silicona - várias formas

2.3.2- Polietileno poroso

2.3.2.1- Aplicações: Silicona: Cirurgias de contorno das partes moles (mama, glúteos, patorrilha).

2.3.2.2- Aplicações: Polietileno Poroso: Cirurgias de contorno dos ossos (face - vários orgãos).

2.4. Naturais

2.4.1- Osso liofilizado

2.4.1.1- Aplicação: Preenchimento de cavidades ósseas.

2.4.2- Pele homóloga

2.4.3- Pele heteróloga

2.4.3.1- Aplicação: Recobrimento de feridas.



DISPOSITIVOS COMPLEMENTARES DA ACTINOTERAPIA

1. Introdução

2. Modalidades terapêuticas

2.1. cirúrgica . oncocirúrgica

. criocirúrgica

2.2. actínica

2.3. medicamentosa

2.4. imunológica

3. Considerações gerais a emanoterapia

3.1. tratamento direto

3.1.1. por contato com RX

3.1.2. por moldagem de radium

3.1.3. por agulamento intersticial

3.2. tratamento percutâneo

3.2.1. a partir da energia elétrica

3.2.2. a partir de substâncias radioativas

4. Objetivos

5. Finalidades

5.1. afastar estruturas

5.2. suporte ao cone

5.3. manter posição

6. Casos clínicos



LUXAÇÃO DA ATM

1. Introdução

2. Conceito

3. Anatomia da ATM

4. Dinâmica da Luxação

5. Classificação

5.1 quanto ao tipo de luxação

5.1.1 crônica

5.1.2 aguda

5.1.3 recidivante

5.2 quanto a direção

5.2.1 anterior

5.2.2 posterior

5.2.3 lateral ou medial

5.3 quanto ao lado

5.3.1 unilateral

5.3.2 bilateral

6. Ocorrência

7. Incidência

8. Etiologia

8.1. Causas predisponentes

8.2 Causas eficientes

8.3 Causas psicológicas

9. Diagnóstico

10. Tratamento – (Manobras de Redução)

10.1 Manobras Clássicas

10.2 Watson Jones

10.3 Atterbury

11. Cuidados posteriores

CONSTRIÇÃO MAXILO MANDIBULAR
1. Introdução

2. Modalidades

2.1 de origem muscular

2.2 de origem cicatricial

2.3 de origem articular

3.- Constriccção de origem muscular

3.1 Conceito

3.2 Divisão

3.3 Etiologia
3.4 Diagnóstico

3.5 Tratamento

4- Constricção de origem cicatricial

4.1 Conceito

4.2 Divisão

4.3 Etiologia

4.4 Diagnóstico

4.5 Tratamento

5- Constricção por suas causas extra articulares

5.1 Conceito

5.2 Etiologia

5.2.1 Por fratura ou disjunção do osso malar

5.2.2 Por fratura do osso zigomático

5.2.3 Por fratura da apófise coronóide

6- Constricção de origem articular

6.1 Conceito

6.2 Divisão

6.2.1 artrite

6.2.2 anquilose

7. Artrite da ATM

7.1 Conceito

7.2 Divisão

7.3 Etiologia

7.4 Diagnóstico

7.5 Tratamento

8- Anquilose da ATM

8.1 Conceito

8.2 Divisão

8.3 Anatomo patologia

8.4 Etiologia

8.5 Diagnostico

8.6 Tratamento

8.6.1 Fases

8.6.1.1 Distensão

8.6.1.1.1 Afastadores

8.6.1.1.2 Abaixadores

8.6.1.2.1 Mobilização

8.6.1.1 Automobilizadores



PRÓTESE NAS GRANDES PERDAS MAXILARES

1. Introdução

2. Conceito

3. Etiologia

3.1. traumáticas

3.2. cirúrgicas

4. Divisão

4.1. quanto à localização

4.1.1. parciais, anteriores, centrais, laterias

a. unilaterais

b. bilaterais

4.1.2. totais

4.1.2.1. unilaterais, bilaterais

5. Distúrbios

5.1. funcionais

5.1.1. fonação, mastigação, deglutição, respiração, olfação e visão

5.2. estéticos

5.2.1. defeitos cicatriciais

5.2.2. depressão geniana

5.2.3. ectrópio da pálpebra inferior

5.2.4. edema

5.2.5. perdas tissulares, ósseas e músculo cutâneas

6. A prótese nas perdas cirúrgicas

6.1. prótese imediata

6.2. prótese tardia

6.2.1. redutora

6.2.2. reparadora

7. Confecção

7.1. moldagem

7.2. porção intracavitária

7.3. porção basal

8. Retenção

9. Prótese conjugada


PRÓTESE NAS GRANDES PERDAS MANDIBULARES

1. Introdução

2. Conceito

3. Evolução

4. Oportunidade

5. Estado Clínico

5.1. etiologia
5.2. divisão

5.2.1. medianas

5.2.2. laterais

5.2.3. posteriores

5.2.4. mésio terminais

5.2.5. total do ramo horizontal

5.2.6. total da mandíbula

5.3. distúrbios

5.3.1. estéticos

5.3.2. funcionais

6. Tratamento

6.1. imediato

6.2. tardio

7. Prevenção



I – PRÓTESE REBAIXADORA DE PALATO

1. Conceito

2. Glossectomia parcial e total

2.1. Etiologia

2.2. Distúrbios funcionais: fonação, mastigação, deglutição, sialorréia, entrópio de lábio inferior.

3. Modalidade da prótese

3.1 Paciente dentado

3.2 Paciente desdentado

4. Objetivos

5. Confecção

5.1. Moldagem

5.2. Planejamento protético

5.3. Rebaixador de palato:

5.3.1 modelagem funcional (multidisciplinar) - EFL

5.3.2 processamento laboratorial – peso

5.4. Instalação:

5.4.1. ajuste funcional

5.4.2. orientações ao paciente: uso e higienização




II – PRÓTESE DE ELEVAÇÃO PALATINA

1. Conceito

2. Anatomia do Esfíncter Velofaríngeo

3. Fisiologia do Esfíncter Velofaringeo

4. Incompetência Velofaríngea

4.1. Etiologia: adquirida traumática e patológica

4.2. Distúrbios funcionais: hipernasalidade

4.3. Planejamento protético

5. Confecção: elevação e sustentação do palato mole

6. Instalação (avaliação multiprofissional)

6.1 ajuste funcional

6.2 orientações ao paciente: uso e higienização



MALFORMAÇÕES DO LÁBIO E DO PALATO - ESTUDO CLÍNICO E TRATAMENTO

1 Introdução

2 Conceito

3 Embriologia

4 Etiopatogênia

4.1 Fatores genéticos

4.2 Fatores mesológicos
4.3 Fatores mistos

5 Incidência

6 Nomenclatura e Classificação

7 Distúrbios:

7.1 Estéticos

7.2 Funcionais

7.3 Psiquícos

8 Tratamento

8.1 Equipe multiprofissional

8.1.1 Atuação precoce

8.1.2 Tratamento integrado

8.2 Tratamento odontológico

8.2.1 Ortopedia maxilar pré cirúrgica

8.2.2 Odontopediatria

8.2.3 Ortodontia

8.2.4 Prótese buco-maxilo-facial

8.2.4.1 Obturador palatino

8.2.4.2 Obturador palato faríngeo

8.2.4.3 Obturado faríngeo

9 Prevenção.




IMPLANTES EM PRÓTESE BUCO MAXILO FACIAL

1. Introdução

2. Osseointegração

2.1. Conceito

2.2. Considerações pré-cirúrgicas

2.3. Cirurgia - Considerações

2.4. Prótese - Considerações

3. Espessura Óssea - Àreas de Fixação de Implantes

3.1. Maxila anterior - 4 a 6mm.

3.2. Mandíbula - 6mm. ou mais

3.3. Órbita média, Osso frontal - 3mm. no máximo

3.4. Órbita lateral, Temporal, e Zigomático - 4 a 5 mm.

3.5. Nasal - pelo menos 4 mm.

4. Cuidados

4.1. Paciente irradiado

4.2. Implantes em crianças

5. Vantagens das Próteses Retidas por Implantes

5.1. Aumento da retenção e estabilidade

5.2. Facilidade na colocação exata e perfeita da prótese

5.3. Facilidade na higiene e conforto para o paciente

5.4. Diminuição da manutenção diária

5.5. Aumento da vida útil da prótese

5.6. Melhora da estética das margens da prótese

5.7. Suporte funcional para óculos e próteses conjugadas


PRÓTESES FACIAIS – EPÍTESES - CONFECÇÃO
1. Materiais empregados na obtenção das epíteses

1.1. requisitos para um material ideal (Bulbulian)

1.1.1 Materiais rígidos: 1- resina acrílica

1.2. Materiais flexíveis: 1. resina resiliente

2. siliconas

3. PVC


4. poliuretanos

2. Técnica de elaboração das epíteses em resina acrílica

2.1. moldagem fácil para obtenção de modelo de trabalho

2.2. modelagem facial

2.2.1. método de modelagem: 1. modelagem direta

2. modelagem indireta

2.3. escultura

2.4. prova no paciente para inclusão em mufla

2.5. coloração e presagem

2.6. acabamento

2.7. entrega da prótese terminada
3. Meios de retenção das próteses faciais

3.1. colagem

3.2. retenção cirúrgico-protética: implantes metálicos

3.3. armação de óculos

3.4. colagem + armação de óculos

3.5. mola pericranian

3.6. armação de óculos + apoio no conduto auditivo externo

3.7. retenção recíproca entre as próteses: 1. magnetos

2. encaixes de precisão

3. alças e ganchos

3.8. retenção anatômica

PRÓTESES FACIAIS - EPÍTESE E ANAPLEROSE - (ESTUDO CLÍNICO)
I. ANAPLEROSE

1. Conceito

2. Distúrbios

3. Objetivos: A) recuperação estética

B) prevenção: proteção; secreção lacrimal, tonus muscular

4. Considerações anatômicas

4.1. bulbo ocular: diâm. 23,5mm; proj. ant. 0,5mm; 1/3 cavidade orbitária

4.1.1. esclera (túnica fibrosa): córnea; conjutiva

4.1.2. corióide (túnica vascular): corióide; corpo ciliar e íris.

4.1.3. retina (túnica nervosa)


4.2. músculos: 1. orbicular da pálpebra

2. elevador da pálpebra superior

3. reto superior

4. reto medial

5. reto inferior

6. reto lateral

7. oblíquo superior

8. oblíquo inferior

4.3. fáscia do bulbo (cápsula de Tenon).

4.4. dinâmica: 1. elevação: (O.I. e R.S. . predomina R.S.)

2. depressão: (O.S. e R.I. - predomina R.I.)

3. abdução: (R.L. - para lateral)

4. adução: (R.M. - para medial)

5. inversão: (Rot. Int. O.S. e R.S. predomina O.S.)

6. extorsão: (Rot. Ext. O.I. e R.I. predomina O.I.)

4.5. aparelho lacrimal: secreção e drenagem

4.6. cavidade orbitária

5. Etiologia das lesões oculares:

5.1. congênitas

5.2. adquiridas: 1. patológicas - cirúrgicas

2. traumáticas

6. Intervenções cirúrgicas de interesse à PBMF: 1. visceração

2. enucleação

3. exenteração

7. Incidência: 1. sexo

2. faixa etária.



II. EPÍTESE
1. Conceito

2. Modalidades de epítese:

2.1. prótese para órgãos ímpares: 1. prótese nasal

2. prótese labial

2.2. prótese para órgãos pares: 1. prótese auricular

2. prótese óculo-palpebral

2.3. prótese para as grandes perdas da face

2.4. prótese conjugada

3. Oportunidade:

3.1. prótese imediata

3.2. prótese temporária

3.3. prótese reparadora

4. Etiologia

4.1. congênita

4.2. adquirida: 1. traumática

2. oncocirurgia

3. patológica
5. Distúrbios advindos das perdas:

5.1. estéticos

5.2. psíquicos

5.3. funcionais

6. Vantagens das prótese faciais

6.1. não exige hospitalização do paciente

6.2. possibilita a inspeção direta da região operada

6.3. não impede que o tratamento autoplástico seja instituído em ocasião oportuna.

6.4. a prótese facial é executada em poucos dias, resultados estéticos e funcionais imediatos

7. Antropometria, Biotipologia e Cartografia da face em PBMF.




Av. Prof. Lineu Prestes, 2227 - Cidade Universitária "Armando de Salles Oliveira".

São Paulo - SP - CEP 05508-900 - FAX (0XX11) 3091-7878 -



Tels. Chefia (0XX11) 3091-7863 - Secretaria do Depto. (0XX11) 3091-7878.



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande