Ministério da saúDE



Baixar 1.08 Mb.
Página14/15
Encontro21.10.2017
Tamanho1.08 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15

Estudo virológico


  • Isolamento viral em células C6/36, VERO e camundongos neonatos.

  • Quantificação da viremia expressa por unidade formadora de placas de lise em células VERO e por PCR em tempo real.

  • Detecção do genoma viral por RT-PCR. Sorologia específica para FA:

  • Quantificação de anticorpos neutralizantes pelo teste de redução de placas de lise em células VERO.



Identificação genética do vírus


A partir do vírus isolado ou suspensão de tecidos realizar o isolamento do RNA viral e amplificação do genoma por PCR. Determinação da seqüência de nucleotídeos dos produtos de PCR cobrindo regiões específicas ou o genoma inteiro.


Amostra 3




Estudo Imunológico e genético do paciente


Citometria de fluxo:

  • Imunofenotipagem de leucócitos do sangue periférico ex vivo.

  • Imunofenotipagem de leucócitos após cultura rápida in vitro na presença do antígeno vacinal.

  • Pesquisa de citocinas.

Outros estudos :



  • Identificação de situações de imunodeficiências primárias ou adquiridas.

  • Tipagem de HLA e polimorfismo genético de loci específicos.

  • Polimorfismo de genes envolvidos na resposta imune.


Amostra 4


Estudo Imunológico do paciente


Citometria de fluxo:

  • Imunofenotipagem de leucócitos do sangue periférico ex vivo.

  • Imunofenotipagem de leucócitos após cultura rápida in vitro na presença do antígeno vacinal.

  • Pesquisa de citocinas.

Outros estudos:



  • Identificação de situações de imunodeficiências primárias ou adquiridas.



Amostras de vísceras


Histopatologia


  • Técnica de hematoxilina-eosina e histoquímica.

  • Imuno-histoquímica.

  • Pesquisa de antígeno do vírus da FA.

  • Pesquisa de citocinas teciduais.



Dados clínicos mais freqüentes em casos de visceralizaçào (literatura)


Os dados clínicos mais freqüentemente encontrados nos casos relatados de visceralização são os seguintes:

Quadro 2. Informação clínica de casos suspeitos de doença viscerotrópica associada a vírus vacinal da febre amarela.


Anexos

A Ficha de Notificação dos Eventos Adversos Pós-vacinais do Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de Vigilância Epidemiológica - Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações, deve ser cuidadosamente preenchida e enviada ao nível central, junto com as amostras biológicas coletadas do paciente(vide capítulo 2). O mesmo se aplica à Ficha de Vigilância Epidemiológica da Febre Amarela (anexo 1).



Anexo1. ficha de vigilância epidemiológica da febre amarela



Anexo 2. Diagnóstico diferencial laboratorial das doenças febris ictero-hemorrágicas


(Extraído, com pequenas modificações, do documento: Treinamento Básico de Vigilância de Febre Amarela, do Ministério da Saúde)
FEBRE AMARELA
1. Hemograma.

Leucocitose com neutrofilia e desvio à esquerda (inicial).

Leucopenia com linfocitose e desvio à esquerda (3º a 4º dia) + eosinopenia.

Hematócrito elevado (hemoconcentração).


2. Transaminases.

TGO e TGP > 1.000 UI


3. Uréia e creatinina.

Aumentadas nas formas graves.


4. Amilase.

Aumento significativo.


5. Urina.

Proteinúria. Hematúria. Cilindrúria. Oligúria nas formas graves.


6. Exames Específicos.

6.1. Isolamento viral.



  • Soro deverá ser coletado até o 5º dia do início dos sintomas.

  • Técnicas utilizadas: inoculação em camundongos e células (C6/36 e VERO).

6.2. Diagnóstico Sorológico.



  • ELISA – ensaio imunoenzimático de captura de IgM (padrão ouro). O soro deverá ser coletado a partir do 6º dia do início dos sintomas.

  • Inibição da hemaglutinação.

  • Fixação do complemento.

  • Neutralização.


7. Diagnóstico histopatológico.

  • Fígado: necrose médio-zonal dos lóbulos hepáticos. Esteatose. Degeneração eosinofílica dos hepatócitos (corpúsculos de Councilman).

8. Imunohistoquímica.

  • Detecção de antígenos virais em tecidos, utilizando anticorpo marcado com enzima (fosfatase alcalina ou peroxidase).

9. Bilogia molecular

  • Reação em cadeia de polimerase (PCR).

  • Permite detecção de fragmentos do ácido nucleico viral presentes nos tecidos.



DENGUE



1. Hemograma.

  • Leucopenia com linfocitose (dengue clássico).

  • Hemoconcentração (hematócrito elevado >20%; plaquetopenia <100.000) na Febre Hemorrágica do Dengue – FHD.

2. Transaminases.

  • TGO e TGP normais ou discretamente elevadas.


3. Exames específicos.

3.1 Isolamento viral.



  • Soro deverá ser coletado até o 5º dia do início dos sintomas.

  • Técnicas utilizadas: inoculação em camundongos e células (C6/36 e VERO).

3.2. Diagnóstico sorológico.



  • Soro deverá ser coletado a partir do 6º dia do início dos sintomas.

  • ELISA – Ensaio imunoenzimático de captura de IgM (padrão ouro).

  • Inibição da hemaglutinação.

  • Fixação do complemento.

  • Neutralização.


4. Diagnóstico histopatológico.
5. Imunohistoquímica.
6. Biologia Molecular.

  • PCR.

LEPTOSPIROSE



1. Hemograma.

  • Leucocitose com neutrofilia e desvio à esquerda + eosinopenia.


2. Transaminases.


3. Uréia e creatinina.

  • Aumentadas.


4. Bilirrubinas.

  • Hiperbilirrubinemia por aumento de BD.


5. Urina.

  • Proteinúria. Hematúria. Leucocitúria.


6. Específicos.

6.1. Cultura.



  • 1ª . semana (leptospiremia): sangue e líquor.

  • 2ª. semana (leptospirúria): urina.

6.2. Exame microscópico.

  • Microscopia de campo escuro. Não recomendada por ser de difícil visualização.

6.3. Reações sorológicas.



  • Macroaglutinação (SAT)




  • Soroaglutinação macroscópica (triagem). Antígenos de cepas mortas. Pouco sensível.




  • Microaglutinação: padrão ouro da OMS.




    • Soroaglutinação microscópica. Muito sensível e específica.

    • Antígenos de cepas vivas.

    • Requer amostra pareada sendo positivo um aumento de

título de 4 vezes ou mais.

    • ELISA - IgM e IgG.


7. Diagnóstico histopatológico.
8. Imunohistoquímica.
9. Biologia molecular.

  • PCR.

MALÁRIA



1. Hemograma.

  • Anemia (30%), leucopenia (37%), plaquetopenia (56%) nas infecções por P. falciparum.


2. Transaminases.

  • TGO e TGP aumentadas discretamente.


3. Bilirrubinas.

  • Aumentadas nos quadros com icterícia (hemólise).


4. Exames específicos.

4.1. Pesquisa de plasmódio: gota espessa e Q.B.C. (Quantitative

Buffy Coat).

4.2. Imunotestes: Parasight (antígenos):



  • Imunofluorescência (anticorpos).

  • Imunoenzimático: ELISA.


5. Biologia molecular.

  • PCR.

HEPATITES VIRAIS


1. Transaminases.

  • TGO e TGP aumentadas.


2. Hemograma.

  • Inespecífico.


3. Bilirrubinas.

  • Hiperbilirrubinemia com predominância de BD.


4. Exames específicos.

4.1. Marcadores virais.



  • Hepatite A: Anti-HAV IgM/IgG.

  • Hepatite B: HBsAg; Anti-HBc IgM; Anti-HBc Total; Anti-HBs; Anti-

  • HBe.

  • Hepatite C: Anti-HCV.

  • Hepatite D: Anti-HDV.


5. Biologia molecular.

  • PCR.

SÉPSIS



1. Hemograma completo

  • Leucocitose com desvio à esquerda ou leucopenia, plaquetopenia.


2. Provas de inflamação


3. Alteração das provas de coagulação
4. Hemoculturas
5. Avaliação de fatores predisponentes como imunodeficiência

FEBRE PURPÚRICA BRASILEIRA



1. Hemograma

- Leucocitose com desvio a esquerda


2. Culturas

  • Hemocultura e cultura de material de conjuntiva, de líquor e de raspado de lesão


3. Sorologia

  • Reação de Contra-imunoeletroforese de soro e líquor (V. GUIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA, PG. 313).

ALGUNS VALORES LABORATORIAIS NORMAIS


BILIRRUBINA TOTAL

até 1,2 mg/dL

BILIRRUBINA INDIRETA

até 0,7 mg/dL

BILIRRUBINA DIRETA

até 0,5 mg/dL

CREATININA

0,7 a 1,4 mg/dL

TGO/AST

até 45 U/L

TGP/ALT

até 50 U/L

AMILASE

até 195 U/L

FOSFATASE ALCALINA

até 320 U/L (adultos)

URÉIA

15 a 50 mg/dL



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande