Lacc – uel : Lista de Frequência e Participação


CONEXÕES DO CÓRTEX CEREBELAR



Baixar 233.03 Kb.
Página5/5
Encontro21.10.2017
Tamanho233.03 Kb.
1   2   3   4   5
CONEXÕES DO CÓRTEX CEREBELAR




  • Fibra aferente trepadeira - estimula as células de Purkinje diretamente;




  • Fibra aferente musgosa - estimula células granulares que emitem axônios para a camada molecular do córtex cerebelar onde se bifurcam formando as fibras paralelas;




  • Fibras paralelas - mantém sinapse com :

 Células de Purkinje, sendo essa uma sinapse excitatória para essas células que por sua vez inibem os núcleos cerebelares;

 Células estreladas, sendo que essas células têm ação inibitória das células de Purkinje;

 Células em cesto, também têm ação inibitória das células de Purkinje;

 Células de Golgi, através de sua arborização dendrítica voltada para a camada molecular do córtex cerebelar, faz uma sinapse que inibe as células granulares.



REGIÕES FUNCIONAIS DO CEREBELO




  • Região do vestibulo-cerebelo

Constituído pelos flóculos lateralmente, e pelo nódulo na linha mediana, estando ambos conectados com o núcleo fastigial. Essa região representa o cerebelo vestibular, pois as informações sobre a posição da cabeça são captadas pelo vestíbulo que as repassa diretamente para essa região do cerebelo, ou indiretamente passando pelos núcleos vestibulares.

As fibras eferentes saem do núcleo fastigial passando pelos núcleos vestibulares e indo para a medula através do feixe vestibuloespinhal, um dos sistemas motores mediais que fazem a manutenção postural.




  • Região do espinho-cerebelo

No córtex cerebelar, está representado pelo vermes e pela zona intermediária ou paravermiana, sendo que o núcleo relacionado com essa região é o núcleo interpósito. Essa região recebe as informações que vem da medula através dos feixes espinhocerebelares dorsal e ventral e pelo feixe cûneo-cerebelar.

As fibras eferentes que saem do núcleo interpósito dirigem-se para o núcleo rubro e para o núcleo ventral lateral do tálamo, que compõem os sistemas motores laterais que garantem a execução da tarefa.




  • Região do cérebro-cerebelo

A parte cortical é representada pela zona lateral e o núcleo denteado é o relacionado com essa área. Essa região recebe as fibras pontino-cerebelares, tendo como função receber o planejamento e desencadear a tarefa motora no córtex motor.

SISTEMA CORTICO-OLIVO-CEREBELAR

Está envolvido com o aprendizado motor; com a seqüência dos movimentos planejados para que a tarefa motora seja completada. As fibras trepadeiras vão para todo o córtex cerebelar afetando os 3 núcleos que influenciam os dois sistemas motores, os laterais e os mediais.



PATOLOGIAS ASSOCIADAS A LESÕES CEREBELARES




  • TRÍADE DE CHARCOT - prova irrefutável de lesão cerebelar, composto de :

 Tremor intensional - ocorre no momento em que se tenta realizar uma tarefa motora, causado por lesão da região do espinho-cerebelo e falha no sistema motor lateral;

 Nistagma - movimentos oscilatórios rápidos e involuntários dos olhos, causados por lesões na região vestibular do cerebelo;
 Disartria - dificuldade na articulação e silabação das palavras.


  • ATAXIA

Incoordenação motora, por falha no sistema motor medial, causado por lesão na região do vestibulo-cerebelo.


  • DISDIOCOCINESIA

Dificuldade na execução de movimentos alternados.


  • DISMETRIA

Perda da noção de posicionamento das partes do corpo.

DIENCÉFALO
É a porção do encéfalo que fica localizado na linha média da cavidade craniana, abaixo da base do cérebro. Tem em seu interior uma cavidade chamada de 3o ventrículo que se comunica com as cavidades do cérebro pelos orifícios de Monro e com o 4o ventrículo pelo aqueduto cerebral. A substância nervosa fica nas paredes do 3o ventrículo que está dividido em : Epitálamo, Tálamo, Hipotálamo e Subtálamo.

O 3o ventrículo é uma cavidade em forma de fenda com paredes superior e inferior estreitas e as laterais longas. O Epitálamo é a parede superior ou teto e o Hipotálamo é a parede inferior ou assoalho. O Tálamo é formado pelas paredes laterais e abaixo dele há núcleos que formam o Subtálamo.


EPITÁLAMO
Localizado no teto do 3o ventrículo, numa posição póstero-superior. Está representado pelas Habênulas, pela Estria Medular, pelo Feixe Retroflexo, e pela Pineal.


  • HABÊNULAS

Representam a substância cinzenta do epitálamo, são núcleos retransmissores do sistema límbico.


  • ESTRIA MEDULAR e FEIXE RETROFLEXO

Representam a substância branca do epitálamo.

- A estria medular transporta a informação para o epitálamo, de modo que ela contém as fibras aferentes da área septal, do tálamo e do hipotálamo que chega às habênulas que retransmitem essa informação para o núcleo interpenduncular da formação reticular mesencefálica.

- O feixe retroflexo de Meynert é o feixe que leva as informações sobre emoções do sistema límbico das habênulas para o núcleo interpenduncular ( feixe habênulo-interpenduncular ).


  • PINEAL

É considerada uma neuroglândula porque os pinealócitos são células semelhantes a neurônios e que produzem um mensageiro químico que é considerado um hormônio, a melatonina.

Após o desenvolvimento ontogenético do indivíduo, ela se torna uma ativa produtora de melatonina; a produção é grande no período da infância, diminuindo progressivamente com a puberdade até os 25 anos quando a pineal pára de funcionar.

Enquanto a produção está num nível alto, a melatonina é uma mensagem cujo receptor está na área pré-óptica do hipotálamo, informando que não deve ser produzido o Fator de liberação do hormônio gonadotrófico ou GnRH. Dessa forma, os caracteres sexuais secundários são padronizados e controlados pela área pré-óptica do hipotálamo, incluindo o ciclo cíclico feminino e o ciclo contínuo masculino.

O núcleo supraquiasmático manda diminuir a produção de melatonina quando o indivíduo atinge os 12 anos de idade. Assim o fator de liberação do hormônio gonadotrófico, que é um hormônio hipotalâmico, vai ser produzido e levado para a hipófise que produz e libera o hormônio gonadotrófico ou GnH ( FSH ou LH ) que vão atuar nas gônadas.

OBS. A pineal repousa sobre a comissura posterior que separa o epitálamo do mesencéfalo, assim um pinealoma ocorrido na infância causa a síndrome de Parinoud:

 Diminuição da produção de melatonina e puberdade precoce;

Ausência do reflexo consensual de miose devido à compressão da comissura posterior, por onde passam as fibras que saem da área pré-tectal para os núcleos de Edinger-Westphal, responsáveis pela contração do esfíncter pupilar e pela miose.
TÁLAMO
O tálamo é uma estrutura par localizada nas paredes laterais do diencéfalo. Funcionalmente, o tálamo é a porta de acesso ao cérebro, isso significa dizer que todas as informações que vão para o cérebro tem passagem obrigatória pelo tálamo. O tálamo retransmite todas as informações do corpo para o cérebro, com exceção das informações olfativas.
MORFOLOGIA EXTERNA
O tálamo possui uma forma oval, com dois cornos : um corno anterior, que é afilado, e um posterior, que é grosso e é chamado de pulvinar. Apresenta duas faces importantes : a face lateral ou face capsular voltada para a cápsula interna e a face medial ou face ventricular que é voltada para o 3o ventrículo.

No pólo posterior observa-se duas eminências : a lateral, que é maior, e a medial, que é menor. São os corpos geniculados lateral e medial. Unindo os dois tálamos, encontramos uma estrutura em forma de bastão que é a comissura talâmica formando a adesão intertalâmica.


MORFOLOGIA INTERNA
O tálamo, bem como toda substância nervosa, é formado de substância branca e de substância cinzenta.
SUBSTÂNCIA BRANCA

É representada por duas lâminas de fibras nervosas :



  • Lâmina medular externa : localizada na face lateral ou capsular do tálamo;

  • Lâmina medular interna : é uma lâmina em forma de Y que divide o tálamo em três regiões ou setores: o setor anterior, o setor medial, e o setor lateral com os corpos geniculados.


SUBSTÂNCIA CINZENTA
É representada pelos neurônios talâmicos agrupados formando núcleos. A maioria desses núcleos são intermediários, ou seja, recebem as informações e as projetam para o cérebro. Quando a projeção é feita para áreas específicas do córtex cerebral dizemos que se trata de núcleos específicos. Quando a projeção é difusa e todo o córtex cerebral recebe a informação dizemos que se trata de núcleos retransmissores inespecíficos.


  • SETOR ANTERIOR

 Núcleo anteroventral;

 Núcleo anterodorsal;

 Núcleo anteromedial.
Esses núcleos recebem informação límbica sobre memória que veio dos corpos mamilares e as projeta para a área 24 do cérebro, no giro do cíngulo.


  • SETOR MEDIAL

 Núcleo dorsomedial - é um núcleo muito grande que recebe informação límbica das amígdalas e está encarregado de acrescentar o toque afetivo às informações, e as projeta para a área pré-frontal, relacionada com a afetividade e a personalidade do indivíduo.

 Núcleos periventriculares - são núcleos pequenos localizados na face ventricular do tálamo. Eles recebem informações do tipo visceral e as projeta também para a área pré-frontal do cérebro, estando esses núcleos ligados ao núcleo dorsomedial. Alguns deles são:

- Núcleo paraventricular;

- Núcleo paratenial;

- Núcleo Reunieus;

- Núcleo centromedial;

- Núcleo romboidal.


  • SETOR LATERAL

 Núcleo ventral-anterior - recebe informação motora do pálido ( um dos núcleos da base do cérebro ) e a projeta para a área motora do cérebro;

 Núcleo ventrolateral - recebe informação motora do cerebelo e do pálido, também projetando-a para o córtex motor do cérebro;


 Núcleo lateral-posterior;

 Núcleo lateral-dorsal;

Esses dois núcleos recebem informações límbicas e as projetam para mais de um local, no caso, para o lobo parietal e para o lobo límbico.
 Complexo ventrobasal ou ventral-posterior - recebe informações sensitivas.

- Núcleo ventral póstero-superior NVPS - informações vestibulares;

- Núcleo ventral póstero-inferior NVPI - informações proprioceptivas;

- Núcleo ventral póstero-lateral NVPL - informações táteis, térmicas, e barestésicas que foram captadas na pele da região do tronco e dos membros;

- Núcleo ventral póstero-medial NVPM - informações táteis, térmicas, e barestésicas que foram captadas na pele da região da cabeça.
LEMNISCO MEDIAL - fibras nervosas que conduzem as informações táteis, térmicas, e barestésicas que foram captadas na pele da região do tronco e dos membros e que se destinam ao núcleo ventral póstero-lateral ou NVPL, que as projeta para a área somestésica do cérebro.
LEMNISCO TRIGEMINAL - fibras nervosas que conduzem as informações táteis, térmicas, e barestésicas que foram captadas na pele da região da cabeça, oriundas do nervo trigêmeo ( V ), acrescidas das informações gustativas, e que vão para núcleo ventral póstero-medial ou NVPM, que também as projeta para a área somestésica do cérebro.
Ambos os lemniscos levam informação proprioceptiva dos músculos e articulações com destino ao cerebelo, não passando portanto pelos núcleos ventrais póstero-lateral ou póstero-medial.


  • ZONA TALÂMICA POSTERIOR OU PO - recebe informação dolorosa vinda do lemnisco trigeminal. Essa informação é projetada pela zona talâmica posterior para a área retroinsular do giro pós-central do cérebro.




  • NÚCLEO PULVINAR - núcleo inespecífico de integração que recebe todas as informações que entram no tálamo e faz uma projeção difusa dessas informações para todo o cérebro.




  • CORPOS GENICULADOS :

 Corpo Geniculado Lateral - o maior, recebe informação visual através do tracto óptico e a projeta para a área 17 do cérebro, área da visão localizada no lobo occipital.

 Corpo Geniculado Medial - o menor, recebe o Lemnisco Lateral que conduz as informações auditivas e as projeta para a área 41 do cérebro, no lobo temporal.




  • NÚCLEOS LOCALIZADOS DENTRO DA LÂMINA MEDULAR INTERNA :

 Núcleos Intralaminares - esses núcleos recebem o SARA ( sistema ativador reticular ascendente ) que traz impulsos que provocam a vigília vindas da formação reticular e que serão projetados difusamente. Alguns desses núcleos são :

- Núcleo intralaminar centro-mediano;

- Núcleo intralaminar para-fascicular;

- Núcleo intralaminar para-central;

- Núcleo intralaminar centro-medial;

- Núcleo intralaminar centro-lateral.




  • NÚCLEO RETICULAR DO TÁLAMO - localizado na face lateral do tálamo, não projeta para o cérebro porque sua função é modular as informações que se dirigem ao cérebro.


HIPOTÁLAMO
Porção basal do diencéfalo, pesa 4 gramas e exerce funções vitais para a sobrevivência do indivíduo, garantindo a homeostasia. Para isso ele usa três sistemas :

o sistema endócrino, o sistema autonômico e o sistema motor somático.

O hipotálamo faz uso do sistema endócrino através da glândula hipófise. Por um mecanismo humoral, mensageiros químicos produzidos no hipotálamo chegam na hipófise induzindo a produção e a liberação de determinados hormônios que por via sangüínea atingem outras glândulas provocando a liberação de seus produtos que, de algum modo, sensibilizam o hipotálamo.

O hipotálamo também faz uso do sistema autonômico para controlar o funcionamento das atividades viscerais, para isso ele faz uso tanto do sistema simpático quanto do sistema parassimpático

Outro sistema que o hipotálamo utiliza é o sistema motor somático, através da comunicação que ele tem com a formação reticular e seus feixes vestibulo-espinhal e reticulo-espinhal, atuando nos músculos relacionados com as funções viscerais como respiração, micção, defecação, vômito, etc.

Além disso, o hipotálamo também participa do fenômeno emocional, assim como atua no comportamento instintivo do indivíduo.


LOCALIZAÇÃO E LIMITES
O hipotálamo está localizado no assoalho do 3o ventrículo, e apenas uma parede do hipotálamo é livre, ou seja, a parede inferior do hipotálamo é a única parede visível e tem forma de V, sendo que do vértice desse V é a eminência mediana de onde sai o infundíbulo que vai sustentar a hipófise.

A parede superior é delimitada pelo sulco hipotalâmico que separa o tálamo, superiormente, e o hipotálamo, inferiormente.

A lâmina terminal limita anteriormente o hipotálamo, mas como o hipotálamo é maior que a lâmina terminal, esta é complementada pelos núcleos septais, que ajudam a separar a parede anterior do hipotálamo da área septal do cérebro ou área 25.

O limite posterior do hipotálamo é representado pelo mesencéfalo e seus núcleos interpendunculares.

Os limites laterais são representados pela substância perfurada anterior e a substância inominada, parte do prosencéfalo basal.
MORFOLOGIA EXTERNA
Apenas a parede inferior do hipotálamo é livre e visível. De frente para trás, visualiza-se :

- Quiasma óptico;

- Túber cinéreo - que contém a eminência mediana do hipotálamo de onde sai o infundíbulo para sustentar o hipotálamo;

- Corpos mamilares.


MORFOLOGIA INTERNA
SUBSTÂNCIA BRANCA
A substância branca hipotalâmica é pequena, representada pelo fórnix que é um feixe de fibras que se origina na formação hipocâmpica do cérebro e atravessa longitudinalmente o hipotálamo, dividindo-o em hipotálamos lateral e medial.
FPM - Feixe Prosencefálico Medial

Feixe que se origina do prosencéfalo basal e atravessa o hipotálamo lateral e termina no mesencéfalo.


SUBSTÂNCIA CINZENTA
Representada pelos corpos dos neurônios, classificados em três tipos básicos : neurônios secretores, neurônios controladores, e neurônios receptores.
NEURÔNIOS SECRETORES - são de dois tipos :

 Células Magnas ( grandes ) - formam o sistema CNM ou Sistema Neurossecretor Magnocelular. Esse sistema secreta ADH e a Ocitocina, estando o mesmo conectado com a neurohipófise através do feixe supraóptico-hipofisário, um feixe transportador dos hormônios secretados pelo sistema CNM.


 Células Parvas ( pequenas ) - formam o sistema CNP ou Sistema Neurossecretor Parvocelular. Esse sistema fabrica os fatores de liberação ou de inibição dos hormônios hipofisários, também chamados de hormônios hipotalâmico-hipofisários. Esses hormônios são transportados pelo feixe tubero-infundibular que vai até a eminência mediana, onde os hormônios são lançados no sistema porta hipofisário. Esse sistema porta é um complexo de capilares que leva os hormônios produzidos no hipotálamo da eminência mediana até a adenohipófise por via sangüínea. Os hormônios hipotalâmico-hipofisários são :

- CrH - Fator de liberação do ACTH;

- TrH - Fator de liberação do TSH;

- GnrH - Fator de liberação do GnH ou Hormônios Gonadotróficos ;

- GrH - Fator de liberação do GH;

- GiH - Fator de inibição do GH ( esse fator é a Somatostatina );

- PrH - Fator de liberação do PH ou Prolactina ;

- PiH - Fator de inibição do PH ou Prolactina .


NEURÔNIOS CONTROLADORES ou REGULADORES ou MODULADORES - exercem um trabalho de regulação de várias atividades do meio interno. Alguns controlam o equilíbrio ponderal ( peso corporal ), outros o equilíbrio térmico, outros controlam o simpático ou o parassimpático, etc.
NEURÔNIOS RECEPTORES - podem ser receptores físicos ou químicos. Os físicos podem ser, por exemplo, termorreceptores, osmorreceptores, etc. Os receptores químicos podem ser glicorreceptores, hormonorreceptores, etc.
Os neurônios hipotalâmicos se agrupam formando núcleos que ficam sobrepostos, dificultando sua localização.
DIVISÃO
A divisão do hipotálamo pode ser feita em duas divisões básicas : uma divisão longitudinal e outra transversal.
LONGITUDINAL - divisão feita pelo fórnix, que divide o hipotálamo em :

- Hipotálamo lateral - vai da parede lateral até o fórnix;

- Hipotálamo medial - vai do fórnix até a parede ventricular.
Essa divisão dá origem a três zonas : uma zona lateral, uma medial e uma periventricular, representada pela parede ventricular.
TRANSVERSAL - divide o hipotálamo em quatro regiões :

- Região pré-óptica - atrás da lâmina terminal e à frente do quiasma óptico;

- Região supraóptica - em cima do quiasma óptico;

- Região tuberal - de onde sai o infundíbulo;

- Região mamilar - onde estão os corpos mamilares.
As duas primeiras regiões correspondem ao hipotálamo anterior, e as duas últimas formam o hipotálamo posterior.


  • NÚCLEOS DA ÁREA PRÉ-ÓPTICA : localizados sobre a lâmina terminal, são :

 Núcleo pré-óptico lateral;

 Núcleo pré-óptico medial;

 Núcleo pré-óptico periventricular;
ÁREA AV3V - localizada na linha mediana da lâmina terminal com as seguintes formações :

 Órgão subfornical ( superior ) - contém receptores físicos relacionados com o volume sangüíneo;

 Órgão vasculoso da lâmina terminal ou organum vasculosum ( inferior ) - contém receptores físicos relacionados com a pressão osmótica, osmorreceptores.

 Núcleo pré-óptico mediano ( meio ) - se comunica com o órgão vasculoso e com o órgão subfornical.


OBS. O órgão vasculoso também se comunica com a área pré-frontal do cérebro, sendo o mesmo considerado o centro da sede, e junto com a área pré-frontal formam o sistema da sede. O órgão vasculoso percebe a diminuição da pressão osmótica e envia essa informação para a área pré-frontal do cérebro, fazendo com que o indivíduo tenha a sensação de sede, desejo consciente por água.


  • Região supra-óptica

 Núcleo paraventricular - possui várias divisões :

- Divisão CNM - fabrica ADH e Ocitocina;

- Divisão CNP - fabrica CrH;

- Divisão autonômica - controla o sistema parassimpático.


OBS. O núcleo pré-óptico mediano se comunica com a divisão CNM do núcleo paraventricular, formando o sistema ADM que auxilia o sistema da sede. O núcleo pré-óptico mediano recebe a informação do órgão vasculoso de que o organismo precisa de água, então ele envia essa informação para o núcleo paraventricular que libera ADH, evitando perdas de água.

O estímulo da sede cessa quando a água ingerida estimula visceroceptores localizados nas paredes do estômago, que então enviam essa informação pelo nervo vago, fazendo sinapse no núcleo solitário do tronco encefálico antes de chegar ao hipotálamo.


 Núcleo supraóptico - possui somente a divisão CNM;
 Núcleo supraquiasmático - é o relógio biológico do indivíduo, que estabelece o biorritmo, os momentos em que dadas atividades devem aumentar ou diminuir. As variações biológicas dão o ritmo circadiano;
 Núcleo hipotalâmico anterior - ainda não tem função definida.


  • Região tuberal

 Núcleo ventromedial - é grande, com várias divisões contendo neurônios moduladores. Inclui dois centros importantes :

- Centro da saciedade - faz parar de comer, sua estimulação excessiva gera inapetência, sua proximidade com centros emocionais faz com que haja relação entre esses os centros;

- Centro do prazer - caracterizado pela sede da recompensa.
 Núcleo hipotalâmico lateral - núcleo que atua em harmonia com o núcleo ventromedial, pois seus neurônios são o centro da fome. Também tem componentes ligados à emoção, no caso, à raiva instintiva.
OBS. A lesão de um dos dois núcleos citados acima, libera indefinidamente o outro, gerando um desequilíbrio ponderal. A perda do controle do peso pode estar relacionada com problemas emocionais. A anorexia nervosa é causada pela estimulação psíquica do núcleo ventromedial.
 Núcleo dorsomedial

- Divisão CNP - fabrica TrH;

- Divisão autonômica - controla o simpático.
 Núcleo arqueado

- Divisão CNP - fabrica PrH, PiH, GnrH, GrH e GiH.

 Núcleos tuberais laterais - são colaboradores do núcleo arqueado.
OBS. O núcleo pré-óptico medial é a área responsável pelo comportamento sexual do indivíduo. Andrógenos circulantes mudam o hipotálamo fetal, que é feminino, para masculino, estimulando de modo contínuo o núcleo arqueado no sentido da produção de GnrH. A ausência de andrógenos gera o ciclo cíclico feminino. Uma vez estabelecido o padrão, o núcleo supraquiasmático é frenado pela melatonina pineal.
Região mamilar

 Núcleo hipotalâmico posterior - neurônios moduladores que estimulam o sistema simpático e os mecanismos de conservação e produção de calor.


OBS. No núcleo pré-óptico medial, o termostato cerebral, existe uma população de neurônios termorreceptores que detectam a variação da temperatura do sangue. Quando a temperatura sangüínea está elevada, ele ativa os mecanismos de dissipação do calor por inibição do simpático o que leva a vasodilatação, e o parassimpático induz a sudorese.

Quando a temperatura do sangue cai, o termostato estimula o núcleo hipotalâmico posterior e ativa a conservação de calor por vasoconstrição periférica simpática, e ativa a produção de calor por estímulo do núcleo dorsomedial com liberação de TrH para aumentar o metabolismo geral, ou ainda por estímulo do sistema motor somático para haver contração muscular leve, o tremor frio.


 Complexo mamilar - recebe o fórnix que traz informações sobre a memória e as projeta para o tálamo, mais exatamente nos núcleos anteriores do tálamo. Través do feixe mamilotalâmico ou de Vicq d’Ázir.
OBS. Lesões em uma dessas estruturas geram problemas na memória recente, a síndrome de Korsakov, freqüentes nos alcóolatras crônicos. Também está relacionado com a atividade alimentar, tanto que a carência de tiamina ou vitamina B1, causa lesões no corpo mamilar.


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande