Iv pedagogia em debate



Baixar 31.97 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho31.97 Kb.




*FICHA DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS*

Nome da Atividade:

XIII Seminário de Pesquisa e o VIII Seminário de Iniciação Científica




Nome completo:

CLAUDIA GIGLIO DE OLIVEIRA GONÇALVES

RG:

15388223-2

CPF:

099912328-93

Escolaridade
Nível:

Fundamental___ Médio __ Superior x Curso: fonoaudiologia Concluído: X___ Em Curso:___________

Instituição de Ensino

Universidade Tuiuti do Paraná

Empresa onde trabalha

UTP

Função

Professora

Endereço:

Rua Felisberto Fiore Darozio 146

Bairro:

Santa Felicidade

Cidade:

Curitiba

UF:

PR

CEP:

82410-460

Telefone Res.

3296-6847

Telefone Com.

3331-7848

Celular:

96937774

e-mail:

Claudia.goncalves

Data:

22/10/2009

Título do trabalho

O IMPACTO DO RUÍDO NA ATIVIDADE DE ODONTÓLOGOS

Eixo Temático

Saúde - fonoaudiologia

Tipo do trabalho

Mesa redonda ________ Coomunicação X_ Poster ____

Informação para inscrições – 3331-7661


O IMPACTO DO RUÍDO NA ATIVIDADE DE ODONTÓLOGOS

Cláudia Giglio de O. Gonçalves; Adriana lacerda

Universidade Tuiuti do Paraná/FACBS/Fonoaudiologia

Claudia.goncalves@utp.br

Entre os riscos ocupacionais à saúde, o ruído é o agente físico mais comum nos ambientes de trabalho e as clínicas, os consultórios e os laboratórios odontológicos também apresentam elevados Níveis de Pressão Sonora (NPS) que podem comprometer a saúde dos profissionais expostos.

Nos consultórios odontológicos, as fontes ruidosas dos são: micromotores, compressores de ar, sugadores, turbinas de alta rotação, etc.

Desde 1959 há preocupação com os elevados níveis de pressão sonora produzida pelos equipamentos odontológicos ano em que o Conselho de Saúde Dental (EUA) sugeriu a investigação auditiva pela exposição ao ruído na prática dentária. Em 1974, estudos de Peyton, (apud BERRO e NEMR, 2004), analisou turbinas de alta-rotação, encontrando intensidades que variavam de 75 dB a 100 dB à freqüência de 9.000Hz.

Lehto, (1990), que encontrou na alta rotação, 65 a 78,6 dB (NA), no amalgador, 65,8 a 68 dB (NA), no sugador de alta potência, 68,8 a 72 dB (NA), no ultra-som para limpeza dos dentes 75,8 a 88 dB (NA) e motor de baixa rotação 69,8 a 72 dB (NA). Souza (1998) avaliou o NPS da turbina de alta rotação e encontrou valores de 74,4 a 95,7 dB(A) em duas diferentes marcas. Lacerda, Melo, Mezzadri e Zonta (2002) avaliaram o ruído das peças de mão - micromotor de baixa rotação e encontraram 78 dB(A) para da marca Kavo e 73 dB(A) para a marca Dabi. Outros equipamentos também são enquadrados no grupo de risco à audição: sugador normal, sugador bomba a vácuo, seringa tríplice e jato de bicarbonato.

A exposição ao ruído intenso é preocupante pois pode acarretar alterações auditivas, dependendo da intensidade sonora e do tempo de exposição (MELNICK, 1985). Entre os sintomas auditivos relacionados à exposição ao ruído ocupacional, há referências às sensações como algiacusia, sensação de plenitude aural e dificuldade em localização da fonte sonora, assim como as dificuldades de compreensão de fala e do zumbido (JERGER e JERGER, 1989).

Costa (1989) observaram diminuição da concentração e da produtividade em 60% dos dentistas expostos ao ruído estudados.

Mota (2005) analisou a audição de 85 dentistas de Cascavel – PR e encontrou 43,5% deles com alterações auditivas por ruído associadas ao tempo de trabalho.



Objetivo:

Analisar os efeitos da exposição ao ruído intenso na atividade de odontólogos.



Método:

Elaborou-se um questionário que vem sendo aplicado com odontólogos associados da Associação Brasileira de Odontologia – seção Curitiba e um questionário aplicado a estudantes de odontologia. Através dos questionários é possível identificar as possíveis conseqüências da exposição ao ruído e o conhecimento dos odontólogos e estudantes sobre como preveni-las.

Avaliou-se os NPS, por avaliação instantânea e por dosimetria, tanto em relação ao ambiente como aos equipamentos específicos de clínicas particulares.

Realizou-se audiometria tonal e emissões otoacústicas produto de distorção. Os limiares auditivos são expressos como média de cada freqüência e respectivo desvio padrão e comparados com uma população não exposta a ruído. A audição dos dentistas é avaliada por audiometria tonal e, recentemente, também através de emissões otoacústicas produto de distorção. A audiometria tonal possibilita a identificação dos limiares tonais de 250 a 8000Hz, identificando possíveis alterações auditivas (limiares auditivos superiores a 25 dBNA). Assim é possível a classificação dos audiogramas, de acordo com o Anexo 1 da NR 7, como limiares dentro dos padrões aceitáveis (audiograma com limiares auditivos até 25 dBNA), sugestivo de Perda Auditiva Induzida por Ruído ( limiares auditivos tanto por via aérea como por via óssea maiores que 25 dBNA, com características


neurossensoriais, nas freqüências 3000, 4000 e/ou 6000Hz) e perda auditiva não ocupacional (outras configurações audiométricas que não sugestivas de PAIR) (Gorga et al, 1993).

Resultados:

Analisou-se uma população de 198 odontólogos do Paraná, encontraram-se 26,76% (53 sujeitos) com perdas auditivas neurossensorias com configuração de entalhe acústico, sugestivas de induzidas por ruído e 17,67% (35) com alterações auditivas com outras configurações, provavelmente por causas que não ocupacionais. A idade dos odontólogos variou de 19 a 77 anos, com tempo de atuação como odontólogo variando de 1 a 53 anos. Predominou o sexo feminino com 53,44% dos participantes.

Observou-se que a maioria dos odontólogos (64,14%) conhecia os efeitos nocivos do ruído na saúde e 52,52% conhecia maneiras de se proteger desses efeitos, porém apenas 2,53% utilizavam proteção contra o ruído no trabalho e 68,68% não se preocupavam em verificar o nível de pressão sonora gerado pelos equipamentos que compra. A metade dos odontólogos (49,5%) sabiam que o ruído ocupacional poderia causar perdas auditivas e, em menor proporção, conhecia outros efeitos adversos para a saúde. A principal queixa relatada foi a irritabilidade (43,93%) seguida da cefaléia (31,31%).

Foram analisados, por leitura instantânea, os níveis de pressão sonora de alguns equipamentos em três consultórios odontológicos, encontrando-se níveis entre 71 e 86 dB (A). Segundo a legislação trabalhista (norma Regulamentadora n. 15) o tempo máximo permitido para exposição a ruído para 8 horas de trabalho é de 85 dBA.

Considerações Finais

Apesar dos odontólogos e estudantes perceberem o seu ambiente de trabalho como de risco devido ao ruído, há pouca ação com relação à prevenção e proteção da perda auditiva, indicando a necessidade de uma melhor conscientização sobre tais questões, no sentido de orientar sobre as medidas preventivas possíveis, como a utilização de protetores auriculares, a manutenção dos equipamentos e aquisição daqueles com níveis de ruído reduzidos.

Recomenda-se a implementação de Programas de Preservação Auditiva nesta categoria profissional, bem como a incorporação de informações sobre os efeitos do ruído e de como proteger-se deles nas disciplinas da grade curricular, durante a formação acadêmica dos mesmos. O monitoramento auditivo periódico para estes profissionais é fortemente recomendado por trabalharem expostos aos níveis de pressão sonora elevados.

Referências Bibliográficas:

BARBOSA, W. Aspectos do Ruído comunitário de Curitiba. Dissertação. Programa de pósgraduação do Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR. Curitiba: UFPR, 1992.

BERRO, R.J.; NEMR, K. Avaliação dos ruídos em alta frequência dos aparelhos odontológicos. Revista CEFAC, v.6, n.3, 300-05, 2004.

COSTA, E.G.C. Ergonomia: prevenção dos riscos ocupacionais em odontologia. Jornal do Dentista v.48, n.3, 48-51, 1989.

GIDDENS, A . Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2002.

GONÇALVES, C.G.O. Saúde do trabalhador da estruturação à avaliação de programas de preservação auditiva. São Paulo: Ed Roca, 2009.

GORGA, M.P.; NEELY, S.T.; Bergman, B.; Beauchaine, K.L.; Kaminski, J.R. et al. Otoacustic emissions from normal-hearing and hearing-impaired subjects: distortion product responses. J Acoustic Soc Am 93, 1993:2050-60

HUNGRIA, H. Otorrinolaringologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.

JERGER, S.; JERGER, G. Alterações auditivas: um manual para avaliação clínica. São Paulo: Atheneu, 1989. 210 p.

LACERDA, A; MELO, SCS; MEDRAZZI, SD; ZONTA, WG. Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica. Ciência e Saúde n. 26, FCBS 3, 17-24, 2002


LACERDA, A.B.M.; MAGNI, C.; MORATA, T.C.; MARQUES, J. ZANNIN, P.T. Reações psicossociais ao ruído urbano. Revista Ambiente e Sociedade, v. 8, n.2, dezembro de 2005.

MELNICK, W. Industrial hearing conservation. IN: KATZ, J. Handbook of Clinical Audiology; 3ª ed, Baltimore: The Willians and Wilkins Company, 1985. p.535-52

MOTA, S.S.R. Limiares auditivos de cirurgiões-dentistas nas freqüências de 250 a 16.000Hz. In: Morata, T.C. e Zucki, F. (org.) Caminhos para a saúde auditiva ambiental – ocupacional.São Paulo: Plexus, 2005: 83-94

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. International Classification of Impairments, Disabilities and Handicaps.Geneva: World Health Organization, 1980

RIBAS, A. Reflexões sobre o ambiente sonoro da cidade de Curitiba: a percepção do ruído urbano e seus efeitos sobre a qualidade de vida de moradores dos setores especiais estruturais. Tese. Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano. Curitiba: UFPR, 2007.

REGAZZI, R.D.; SERVILIERI, K.M.; SARTORELLI, E.M.; LIMA, L.B.; FREITAS, E.Q.; BASTOS, D.M.K.; REGO, R.D. O risco de danos auditivos induzido por ruído ambiental, substâncias ototóxicas e o nexo causal. O mundo da saúde, 29(2), 243-51, 2005.

SANTOS, U; MORATA, T. Efeitos do ruído na audição. In: SANTOS, U. Ruído: riscos e prevenção. São Paulo: Hucitec, 1994.



ZANNIN, P.T; DINIZ, F.B; BARBOSA, W.A. Environmental noise pollution in the city of Curitiba,Brazil. Aplied Acoustics, v. 63, p. 351-358, 2002.

Palavras-chaves: saúde do trabalhador; audição;efeitos do ruído


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande