Grupo de Apoio Nutricional Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional gan / emtn hc hospital das clínicas elaboraçÃo elisabeth Dreyer


Anexo II - Orientação para acompanhantes



Baixar 341.61 Kb.
Página9/11
Encontro21.10.2017
Tamanho341.61 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Anexo II - Orientação para acompanhantes


Como preparar e trazer alimentos para pacientes internados

Se seu familiar internado no Hospital das Clínicas não se adaptou bem à dieta hospitalar ou deseja comer alimentos que o hospital não fornece, ele pode receber alimentos de fora do hospital desde que autorizado e orientado pelo nutricionista ou enfermeiro responsável.


Antes de trazer qualquer tipo de alimento, verificar sempre com a enfermeira se a dieta do paciente está liberada e se existem alimentos que devem ser evitados (por exemplo: alimentos doces, com muito sal etc)
Alimentos que podem ser trazidos para o paciente:
Sucos em caixinhas fechadas (Tetrapack®) individuais.

Iogurtes ou sobremesas em potes individuais comprados em supermercados, onde são repostos com mais freqüência.

Bolachas, chocolates em pequenas quantidades e desde que não haja restrições.

Frutas bem lavadas.

Comida quente preparada com todo o cuidado e higiene para evitar que se contamine já na hora do preparo (lavar bem os legumes e as verduras, lavar bem os utensílios).
Como transportar os alimentos?
Todos os cuidados são necessários para conservar os alimentos durante o transporte até o hospital, evitando assim que o paciente apresente problemas como vômitos ou diarréia.

Os alimentos perecíveis devem ser transportados em recipiente térmico (bolsa térmica, caixa de isopor)

Para trazer refeições prontas, existem dois métodos :

Colocar os alimentos ainda bem quentes em um utensílio e acondicionar este em um recipiente térmico bem fechado para que se conserve quente até chegar ao hospital.

Colocar o alimento totalmente frio dentro de um recipiente térmico. Verifique se o alimento pode ser aquecido na enfermaria.
Outros cuidados importantes:
Antes de preparar ou manipular os alimentos, lavar bem as mãos.

As frutas devem ser bem lavadas antes de serem oferecidas ao paciente.

Sempre verificar a data de validade dos produtos comprados e se a embalagem está bem fechada.

Não comprar lanches, sucos ou vitaminas batidas em lanchonetes.



Não trazer sucos ou vitaminas caseiras, pois podem se contaminar facilmente.
Solicite sempre orientações do nutricionista e do enfermeiro de seu familiar !


Anexo III- Introdução de sonda para nutrição enteral


(pacientes adultos)

A) Posição gástrica

MATERIAL:

  • lubrificante hidrosolúvel (lidocaína, geleia a 2%) ou água

  • seringa 20ml

  • copo descartável com água

  • estetoscópio

  • fita indicadora de pH

  • fita adesiva não alergênica (tipo micropore®)

PROCEDIMENTOS:

  1. Reunir o material e levá-lo próximo ao leito do paciente.

  2. Explicar o procedimento e sua finalidade ao paciente, solicitando sua colaboração.

  3. Colocar o paciente em posição de Fowler a 450 .

  4. Lavar as mãos.

  5. Calçar luvas.

  6. Determinar o comprimento de sonda a ser introduzido:

Técnica A:

  • com a extremidade distal da sonda na altura do tragus da orelha, medir a distância entre este e a porção inferior do apêndice xifóide

  • acrescentar a distância desta até o ponto médio da cicatriz umbilical.

Técnica B:

  • com a extremidade distal da sonda na altura da ponta do nariz, medir a distância até o lóbulo da orelha e deste até a porção inferior do apêndice xifóide,

  • acrescentar 5 a 10cm

Marcar a sonda ou memorizar a marca atingida.

  1. Examinar as fossas nasais em busca de possível obstrução, atentar para possíveis alterações estruturais da face e selecionar a narina mais permeável.

  2. Posicionar a cabeça do paciente, mantendo o alinhamento em relação ao tronco.

  3. Seguir a instruções do fabricante no que se refere a lubrificação interna e externa da sonda.

  4. Lubrificar a narina com a lidocaína geléia.

  5. Introduzir a sonda pela narina, sem forçar, se necessário com movimentos giratórios.

  6. Ao chegar à orofaringe, solicitar ao paciente que inspire profundamente e degluta várias vezes, progredindo a introdução da sonda durante as deglutições. A posição do pescoço em flexão pode ajudar a direcionar a sonda para o esôfago. Atentar para presença de náusea ou vômito, interrompendo o procedimento se necessário.

  7. Continuar a progressão da sonda até a marca definida no início do procedimento.

  8. Realizar uma primeira verificação da posição da sonda:

  • Solicitar que o paciente fale; se houver alguma anormalidade da voz, a sonda pode estar localizada na traquéia.

  • Injetar 10ml de ar pelo mandril, auscultando o ruído do ar na região epigástrica.

  • Aspirar com a seringa conectada no mandril, verificando o retorno de líquido gástrico.

  1. Retirar o mandril com cuidado (após lubrificação se necessário).

  2. Verificar a posição da sonda:

  • Auscultar a área epigástrica enquanto injeta rapidamente 10ml de ar pela sonda. Deverá ser ouvido o ruído surdo borbulhante da entrada do ar.

  • Aspirar com a seringa: o retorno de líquido gástrico característico indica que a sonda está em posição gástrica.

  • Na ausência de ausculta ou retorno de líquido gástrico, repassar a sonda.

      • O “teste do copo” pode ajudar a identificar uma sonda em posição traqueal: colocar a extremidade proximal da sonda dentro de um copo com água durante a expiração; se houver borbulhamento apenas durante a expiração, a sonda deve ser retirada e repassada em seguida.

  1. Tampar a conexão da sonda.

  2. Retirar as luvas.

  3. Fixar a sonda.

  4. Deixar o paciente confortável e a unidade em ordem.

  5. Lavar as mãos.

  6. Anotar o procedimento, os testes realizados, o comprimento externo da sonda ou a marca que está à altura da narina e as eventuais intercorrências.

  7. Encaminhar o paciente ao serviço de radiologia para realização de uma radiografia simples do abdômen, para confirmação da posição da sonda ou solicitar o exame no leito.

  8. Confirmar a posição da sonda no RX com o médico responsável.

  9. Iniciar a NE logo após a confirmação da posição da sonda.

Observações:

  • O mandril ou guia da sonda deverá ser guardado na embalagem original da sonda (onde consta o no de lote) adequadamente enrolado, para evitar “quebras”, e identificado com o nome do paciente.

  • A ausculta da região epigástrica e o “teste do copo” não garantem a adequada posição da sonda. Segundo alguns trabalhos, a aspiração de líquido gástrico característico e a medida do pH (pH<5) são testes bastante sensíveis da posição da sonda, no entanto a realização do RX de controle da sonda é uma exigência da resolução RCD no63 da ANVISA e da resolução COFEN 277/2003.


B) Introdução da sonda no duodeno

Caso a posição pós-pilórica da sonda for indicada:



  • antes do procedimento, administrar a medicação gastro-cinética prescrita pelo médico;

  • acrescentar 15 a 20cm, conforme a compleição do paciente e posição desejada, à distância medida para posição gástrica;

  • introduzir a sonda até o estômago;

  • retirar o mandril;

  • realizar os testes já descritos, inclusive de controle de pH

  • solicitar que o paciente permaneça em decúbito lateral direito durante duas a três horas, para favorecer a migração,

  • após este tempo, aspirar líquido duodenal e medir o pH (pH duodenal: 6 a 8) ,

  • encaminhar o paciente para o RX no mínimo três horas após a passagem da sonda (RX simples de abdômen) e visualizar a sonda no RX, com o médico responsável.

Observação: Existe controvérsia na literatura quanto à eficiência das drogas gastro-cinéticas para migração da sonda. A insuflação gástrica também foi proposta para facilitar esta migração. Ambos os procedimentos só podem ser realizados com prescrição médica.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande