Grupo de Apoio Nutricional Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional gan / emtn hc hospital das clínicas elaboraçÃo elisabeth Dreyer



Baixar 341.61 Kb.
Página8/11
Encontro21.10.2017
Tamanho341.61 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

BIBLIOGRAFIA


AMERICAN DIETETIC ASSOCIATION (ADA). ADA´s definitions for nutrition screening and nutrition assessment, Journal of the American Dietetic Association, vol. 94, n. 8, p. 838-839, 1994

AMERICAN GASTROENTEROLOGICAL ASSOCIATION. American Gastroenterological Association medical position statement: Guidelines for the use of enteral nutrition. Gastroenterology, vol. 108, p. 1280 -1301, 1995

ANDRIS, D.A.; KRZYWDA, E. A. Central Venous Access, Nurs Clin North Am, vol. 32, n. 4, p. 719-739, 1997

ATKINSON, L.D. ; MURRAY M.E. Fundamentos de Enfermagem, Introdução ao Processo de Enfermagem. Rio de Janeiro, Guanabara, 1989, Cap. 22 , p. 379-405: A Necessidade de Nutrição

BLACKBURN G.L ; THORNTON P.A. Nutritional assessment of the hospitalized patients. Med Clin North Am . vol. 63, p. 1103 – 115, 1979.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RCD No 63, de 6 de julho de 2000. Regulamento técnico para terapia de nutrição enteral.

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução No258, de 12 de julho de 2001.

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução No 277, de 16 de junho 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria No 272 do 8 de abril de 1998. Regulamento Técnico para a Terapia de Nutrição Parenteral.

CENTER OF DISEASE CONTROL (CDC). Guidelines for the Prevention of Intravascular Catheter Related Infections, http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5110a1.htm, 163024 bytes, atualizado em 08-10-2002.

CERIBELLI, M.I.P.F. et al. Identificação de medidas antropométricas para se estabelecer o comprimento de sonda nasogástrica, 04/2002, VIII ENFTEC, Encontro de Enfermagem e Tecnologia, vol. 1, p. 2-14, São Paulo, SP, BRASIL, 2002 (CD ROM)

CIOSAK, S. I. et al. Cuidados de Enfermagem na Nutrição Parenteral Total. In WAITZBERG, D.L., Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. São Paulo, Atheneu, 2001, p. 841- 853.

CIOSAK, S. I. et al. Cuidados de Enfermagem na Nutrição Enteral. In WAITZBERG, D.L., Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. São Paulo, Atheneu, 2001, p. 713-721.

DREYER, E. et al. Avaliação da terapia nutricional realizada em pacientes da UTI de um hospital universitário. Nutrição Clínica, vol. 18, n. 2, p. 57-64, 2003

EDWARDS, S.J.; METHENY, N. Measurement of gastric residual volume: state of science. Med Surg Nurse, vol. 9, n. 3, p. 125-128, 2000.

GALICA, L. A. Parenteral Nutrition. Nurs Clin North Am, vol. 32, n. 4, p. 705-717, 1997.

GUENTER, P. et al. Enteral Nutrition Therapy. Nurs Clin North Am, vol. 32, n. 4, p. 651-667, 1997

KEARNS P. J.; DONNA C. A controlled comparison of traditional feeding tube verifications methods to a bedside, electromagnetic technique. JPEN, vol. 25, p. 210 – 215, 2001

LIN, H.C.; VAN CITTERS, G.W. Stopping enteral feeding for arbitrary residual volume may not be physiologically sound: results of a computer simulation model; JPEN, vol. 21, n. 5, p. 286-289, 1997

LORD, L.M. Enteral access device. Nurs Clin North Am, vol. 32, n. 4 , p. 685-703, 1997.

McCLAVE, S.A. et al. Use of residual volume as a marker for enteral feeding intolerance: prospective blinded comparison with physical examination and radiographic findings. JPEN, vol. 16, n. 2, p. 99-103, 1992

McCLAVE, S.A. et al. North American summit on aspiration in the critically ill patients: consensus statement. JPEN, vol. 26, n. 6, p. S80-S85, 2002

METHENY, N. et al. How to aspirate fluid from small-bored feeding tubes, AJN, vol.5, p. 86-88, 1993

MIRANDA, A., BRITO, S. Suporte Nutricional, in CINTRA, E. et al. Assistência ao Paciente Crítico, São Paulo, Atheneu, 2002, p. 187-219

NEUMANN, M.J. et al. Hold that X ray, aspirate pH and auscultation prove enteral tube placement. J. Clin Gastroenterol, vol. 20, n. 4, p. 293-295, 1995

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Hospital das Clínicas. Grupo de Estudos de Feridas (GEFE) . Manual de tratamento de feridas, 1999

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Hospital das Clínicas. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Manutenção de cateteres centrais e periféricos com soluções anticoagulantes, 2003

Anexo I – Sinais físicos indicativos de desnutrição e carências de nutrientes





Local

Sinais associados à desnutrição

Possível deficiência ou doença

Cabelo

Perda do brilho natural, cabelo seco; fino e esparso; despigmentado; fácil de arrancar sem dor; sinal de bandeira.

Denutrição protéica severa e, menos comum, denutrição protéico -calórica.

Olhos

Cegueira noturna

Manchas de Bitot, xerose conjuntival e de córnea.

Ceratomalácia

Inflamação conjuntival

Vermelhidão e fissuras nos epicantos

Defeito no campo da retina



Vitamina A, zinco

Vitamina A

Riboflavina, vitamina A

Riboflavina, vitamina A

Riboflavina, piridoxina

Vitamina E



Boca

Estomatite angular, queilose.

Língua inflamada


Língua magenta (púrpura)

Fissura na língua

Atrofia das papilas

Redução da sensibilidade ao sabor

Hemorragia gengival

Perda do esmalte do dente



Riboflavina, piridoxina, niacina.

Ácido nicotínico, ácido fólico, riboflavina, vitamina B12, piridoxina e ferro

Riboflavina

Niacina


Riboflavina, niacina, ferro

Zinco


Vitamina C, riboflavina

Flúor, zinco



Glândulas

Aumento da tireóide

Aumento da paratireóide



Iodo

Inanição


Pele

Xerose, hiperqueratose folicular.

Petéquias (pequenas hemorragias)

Hiperpigmentação

Palidez


Seborréia nasolabial

Dermatose vulvar e escrotal

Dermatose cosmética descamativa

Pelagra


Machuca facilmente

Vitamina A

Vitamina C

Niacina

Ferro, vitamina B12, folato



Riboflavina, ácidos graxos essenciais

Riboflavina

Denutrição protéica severa

Ácido nicotínico

Vitamina K ou vitamina C


Unhas

Quebradiças, rugosas, coiloníquas.

Ferro

Tecido subcutâneo

Edema

Gordura abaixo do normal



Denutrição protéica severa

Inanição, denutrição protéico - calórica



Tórax

Fraqueza do músculo respiratório

Proteína, fósforo

Sistema gastrointestinal

Hepato-esplenomegalia

Denutrição protéica severa

Sistema Musculo-esquelético

Desgaste muscular

Fragilidade dos ossos do crânio, fossa frontoparietal.

Alargamento epifisário, persistência da abertura da fontanela anterior e perna em X.

Rosário raquítico

Frouxidão das panturrilhas


Inanição

Denutrição protéica severa


Vitamina D
Vitamina D ou vitamina C

Tiamina


Sistema nervoso

Alteração psicomotora

Perda do senso vibratório, do senso de posição e da capacidade de contração do punho; fraqueza motora; parestesia.

Demência

Neuropatia periférica

Tetania

Desorientação aguda



Denutrição protéica severa
Tiamina, vitamina B12
Niacina, vitamina B12, tiamina

Tiamina, piridoxina, vitamina E

Cálcio, magnésio

Fósforo, niacina



Sistema cardiovascular

Aumento do coração, taquicardia.

Tiamina



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande