Grupo de Apoio Nutricional Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional gan / emtn hc hospital das clínicas elaboraçÃo elisabeth Dreyer


CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA NUTRIÇÃO PARENTERAL (NP)



Baixar 341.61 Kb.
Página6/11
Encontro21.10.2017
Tamanho341.61 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA NUTRIÇÃO PARENTERAL (NP)

A NP é uma “solução ou emulsão, composta basicamente de carboidratos, aminoácidos, lipídios vitaminas e minerais, estéril, apirogênica, acondicionada em recipiente de vidro ou plástico, destinada à administração intravenosa em pacientes desnutridos ou não, em regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, visando a síntese ou manutenção dos tecidos, órgãos ou sistemas” (Portaria No 272/98, parágrafo 3.4).“O enfermeiro é responsável pela administração da NP e prescrição dos cuidados de enfermagem em nível hospitalar, ambulatorial e domiciliar” (Portaria. No 272/98, parágrafo 5.6.1).


1. Acesso venoso periférico





  • Verificar, no rótulo da NP, a osmolaridade da solução que deve ser menor de 800mOsm/l, caso contrário, a solução deverá ser administrada em via central.

  • Utilizar cateter venoso periférico de poliuretano ou teflon.

  • Puncionar uma veia calibrosa, localizada no braço e antebraço.

  • Trocar diariamente a fixação/cobertura de gaze do cateter, observando o local de inserção.

  • Trocar o cateter em caso de sinais de flebite e no mínimo a cada 72 horas.

  • O cateter deve ser exclusivo para NP. Conectar o equipo diretamente ao cateter ou utilizar um intermediário de uma via. Dispositivos para conexão em Y (torneirinhas ou polifix ) são inadequados.



2. Acesso venoso central





  • Os cateteres venosos centrais devem ser inseridos e manuseados de acordo com as normas de assepsia preconizadas pela CCIH/HC.

  • Cuidados na inserção de cateteres transcutâneos de curta permanência:

      • Degermação das mãos do operador com solução de clorexidina ou PVPI degermantes, anti-sepsia do local de inserção do cateter com PVPI alcoólico e, se necessário, remoção do excesso com álcool 70%.

      • Utilização de luvas, aventais e campos estéreis;

      • Utilização de gorro, máscara e óculos de proteção;

      • Palpar o local de inserção após anti-sepsia somente com luvas estéreis;

      • Fechar a porta do quarto e reduzir o fluxo de pessoas.

  • Em caso de dissecção vascular, utilizar um cateter de poliuretano (recomendação para adulto: 70cm; 14G, de 62ml/min).

  • Cateteres semi-implantáveis ou de implante total são inseridos no centro cirúrgico.

  • Cateteres centrais de inserção periférica (PICC) são inseridos por enfermeiros devidamente habilitados, de acordo com a Resolução COFEN No 258/2001.

  • Para os cuidados de manutenção destes cateteres, referir-se aos respectivos protocolos

  • Lavar as mãos e usar luvas de procedimentos para manipular o cateter.

  • Manter, na inserção dos cateteres, cobertura seca de gaze com adesivo hipo-alergênico (micropore), trocada a cada 24 horas e quando suja, molhada ou descolada, com técnica padronizada (Anexo VI); avaliar o local de inserção anotando e comunicando ao médico responsável qualquer sinal de infecção.

    • A localização central do cateter deve ser confirmada (RX) antes de iniciar a NP. Instalar SG 5 % para manter a permeabilidade do cateter até o início da NP.

  • A extremidade distal do cateter deverá ser localizada na veia cava.

    • Caso o cateter não seja central, poderá ser utilizado somente para NP periférica, em razão do risco de trombose venosa com solução hipertônica.

  • O cateter deve ser utilizado exclusivamente para a infusão de NP, mesmo em caso de infusão cíclica.

  • Cateter multilumen: designar o lúmen distal exclusivamente para a NP.

  • Cateter de Hickman Broviac (semi-implantável): o lúmen “Broviac”, mais fino, deve ser utilizado para a NP, reservando o lúmen de maior diâmetro para sangue e derivados.

  • Realizar desinfecção das conexões do cateter com álcool a 70o antes da manipulação.

  • O conector do cateter, colonizado por manipulações, é a principal fonte de contaminação intraluminal do cateter.

  • A lavagem minimiza a formação de biofilme no cateter e diminui o risco de infecção.

  • Não há recomendação de substituição rotineira dos cateteres venosos centrais como medida para minimizar riscos de infecção.



3. Formulações de NP





  • Utilizamos, no HC, a NP em sistema lipídico (3 em 1), que é uma associação de glicose, aminoácidos, lipídios, vitaminas, eletrólitos e minerais. As soluções de NP são padronizadas (Anexo VII), objetivando-se a prescrição adequada e segura para a maioria dos pacientes internados; porém, dependendo das necessidades individuais, a prescrição deve ser individualizada.

  • Para pacientes cujo peso corporal é menor de 55 kg, a prescrição de NP central deve ser individualizada, uma vez que as fórmulas padronizadas apresentam um conteúdo elevado de glicose e aminoácidos, podendo ocorrer hiperglicemia e outros distúrbios metabólicos. As formulações padronizadas de NP periférica, por sua vez, podem apresentar volume excessivo para esses pacientes.

  • Na introdução e no desmame da NP central, ou seja, no primeiro e no último dia, o paciente deve receber uma fórmula contendo a metade dos macronutrientes (glicose, aminoácidos e lipídios) desejados.

  • Esta formulação deve ser prescrita pelo médico, para e permitir a adaptação metabólica, hormonal e enzimática e evitar assim distúrbios como hiperglicemia, uremia pré-renal, hiperosmolaridade, distúrbios hidro-eletrolíticos, entre outros.

    • A NP periférica deve ser iniciada com o aporte total já no primeiro dia.

  • A concentração de micronutrientes e a osmolaridade desta fórmula não induzem os distúrbios metabólicos da NP central.

  • Quando houver indicação da troca da NP periférica pela NP central, o médico deve prescrever metade do aporte calórico-protéico no primeiro dia da alteração.

  • O aporte de glicose na NP central básica é quadruplicado em relação à NP periférica, podendo levar à intolerância e hiperglicemia.

  • Por questões de estabilidade, esta vitamina não está incluída na fórmula de NP.






  1. Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande