Gerenciamento e controle de software através de gerenciamento de facilidades



Baixar 70.61 Kb.
Encontro06.04.2019
Tamanho70.61 Kb.


CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Gerenciamento e controle de software através de gerenciamento de facilidades

(Título Provisório)

por


RAFAELA AMBROS GRÜN

rambros@uol.com.br



Anteprojeto de Estágio Supervisionado

Leandro Krug Wives

wives@feevale.br

Novo Hamburgo, abril de 2005.



Sumário


2

Dados de identificação 3

Resumo 4

Motivação 5

Objetivos 9

Metodologia 10

Cronograma 11

Bibliografia 13




Dados de identificação




Área de Estudo: Sistemas de informação geográfica; gerenciamento de facilidades; gerenciamento de software.
Título provisório do trabalho: Gerenciamento e controle de software através de gerenciamento de facilidades.
Orientador: Leandro Krug Wives
Identificação do aluno:
Nome: Rafaela Ambros Grün
Telefones:

Celular: 9807 4162

Residencial: 594 2655

Comercial: 581 3459


E-mail: rambros@uol.com.br / rafaelaambros@sinos.net


Resumo


O gerenciamento de facilidades, sob a ótica da computação, pode ser enquadrado dentro da área de sistemas de informações geográficas. O seu objetivo, enquanto sistema computacional, consiste em oferecer uma ferramenta de gestão de recursos, sejam eles físicos, humanos ou virtuais. Para as empresas, consiste em uma nova área de negócios capaz de proporcionar melhorias contínuas em diversos aspectos como, por exemplo: conforto, qualidade de vida no ambiente de trabalho, agilidade no gerenciamento de dados e processos computacionais entre outros. O gerenciamento de facilidades visa a integração de propriedades, pessoas e processos de maneira a possibilitar que as empresas alcancem os seus objetivos estratégicos, contemplando também todas as questões que se apresentam nos dias atuais, tais como conservação de energia, uso racional da água, não agressão ao meio ambiente etc. Dentro deste contexto, este trabalho propõe um amplo estudo junto ao ICET (Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas) do Centro Universitário Feevale a fim de identificar a carência de informações ágeis e precisas existentes referentes ao seu patrimônio de software, abordando seu custo e espacialização. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo buscar uma solução para que, através das técnicas do Facilities Management, possa realizar o gerenciamento e controle dos softwares do instituto e suas respectivas licenças, envolvendo a utilização, localização, custo e previsão de recursos.


Motivação


Na economia digital atual, a informatização de pequenas ou grandes organizações é praticamente indispensável. A utilização de softwares (programas de computador) proporciona às empresas maior eficiência, produtividade, economia e agilidade na tomada de decisões.


Para obter o rendimento esperado dos softwares de uma empresa, é necessário que estes sejam gerenciados de uma maneira eficaz e segura, assim como os demais recursos da mesma. Através do gerenciamento dos programas é possível controlar e solucionar problemas como a pirataria, a qual pode trazer conseqüências graves que vão de indenizações ou multas significativas, a penas criminais e até mesmo à reclusão, além do controle de versões e de atualizações (patches). É possível também evitar a compra de softwares falsificados, controlar as licenças e a utilização dos programas, além de realizar o planejamento de futuras aquisições e seu custo.
De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Software (2004), o gerenciamento de softwares está dividido em quatro etapas:

  • Desenvolver políticas e procedimentos: a empresa deve estabelecer as políticas e metas a serem observadas e cumpridas e através delas demonstrar aos funcionários a importância e valor do software a fim de que estes se comprometam com o uso adequado do mesmo;

  • Analisar minuciosamente o software: realizar um levantamento de todos os softwares e recursos a eles relacionados instalados na empresa, a fim de avaliar a real necessidade e utilidade dos mesmos;

  • Determinar o que é legal ou ilegal: analisar o levantamento anteriormente realizado e verificar o que realmente é permitido de acordo com as licenças dos softwares;

  • Realizar verificações de rotina: é importante que periodicamente todos os computadores da empresa sejam verificados a fim de certificar a integridade dos softwares instalados na mesma e a inexistência de ilegalidades como a pirataria.

O gerenciamento de software também é de fundamental importância nas universidades e centros acadêmicos. O Centro Universitário Feevale, por exemplo, possui diversos laboratórios cujos softwares precisam ser gerenciados. Atualmente o ICET (Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas), objeto de estudo deste trabalho, vem utilizando um sistema de gerenciamento de redes que permite entre outras coisas, gerenciar e controlar os softwares instalados nos computadores que o sistema monitora. Esse software não é, no entanto, completamente adequado a essa atividade, porque, além de esse não ser seu principal objetivo e de possuir custo elevado e grande complexidade, ele não está integrado ao sistema de controle patrimonial da instituição, o que restringe o número de usuários que tem acesso à informação.


É com o intuito de resolver este problema que se propõe a utilização das técnicas de gerenciamento de facilidades, as quais já estão sendo utilizadas em outros setores da instituição e vêm obtendo grandes resultados. Gerenciamento de facilidades é na verdade uma técnica de geoprocessamento que se enquadra na área de Sistemas de informação Geográfica. Geoprocessamento, de acordo com Câmara et al. (2001), é um conjunto de tecnologias de grande potencial que contribui para o tratamento de informações geográficas e através da criação de bancos de dados georeferenciados e da integração de dados de fontes diversificadas, permite com que análises complexas sejam realizadas. Essas atividades são executadas por sistemas chamados de Sistemas de Informações Geográficas (SIGs). Eles são destinados ao processamento de dados georeferenciados desde sua coleta até a geração de produtos como mapas, relatórios e arquivos digitais, oferecendo recursos para armazenamento, gerenciamento, manipulação e análise dos dados.
Facilities management, ou gerenciamento de facilities ou facilidades, como também é conhecido, é uma tecnologia ainda emergente no Brasil, que, conforme Antonioli (2003, p.44), pode ser definida da seguinte forma: “Integração de pessoas, espaço e tecnologia através do gerenciamento dos processos de inter-relacionamento desses sistemas, visando a satisfação dos objetivos corporativos da organização que os contêm”.
O gerenciamento de facilidades permite a construção, por exemplo, de sistemas de grande complexidade, envolvendo telecomunicações e informação, automação e condicionamento de ar, limpeza, estacionamento, segurança, ajardinamento, e todos os serviços indiretamente ligados à atividade, inclusive os serviços de gerenciamento de patrimônio físico e virtual, atuando como agente fundamental no posicionamento competitivo das empresas. O gerenciamento de facilidades pode garantir também a segurança patrimonial das organizações, impedindo assim atos de sabotagem ou vandalismo, através de sistemas de controle de acesso, monitoramento, sensoriamento e detecção perimetral.
Segundo Toledo (2005), os países que vêm utilizando as técnicas de gerenciamento de facilidades apresentam resultados estimulantes, representados principalmente pelo aumento da produtividade, pela redução de custos, aumento de confiabilidade e qualidade no ambiente de trabalho das empresas adequadamente suportadas em seu negócio principal. No Brasil, as técnicas de gerenciamento de facilities vêm sendo utilizadas com sucesso em grandes organizações e centros comerciais, como shopping centers e empresas de telefonia e comunicação, obtendo com isso, ganhos em produtividade, aumento da visibilidade e do entendimento do negócio e altos índices de economia.
A Feevale utiliza um software chamado Archibus/FM que implementa técnicas de gerenciamento de facilidades. Esse sistema permite que a instituição garanta a atualização permanente da estrutura física do Campus e seus recursos. Conforme Silva et al. (2004), o Archibus/FM é responsável pela espacialização das informações, tornando possível a criação de relatórios capazes de fornecer dados como a localização de equipamentos, datas de revisão e áreas de salas disponíveis para alocação de turmas. Atualmente o sistema está empregado nos setores de Apoio e Administração Acadêmica da Instituição e gerencia apenas informações relacionadas ao patrimônio físico.
A partir do que foi exposto, este trabalho tem como objetivo principal realizar o gerenciamento e controle de software do ICET utilizando gerenciamento de facilidades, através do SIG Archibus/FM. O que irá proporcionar ao gerenciador, e talvez futuramente ao usuário, a oportunidade de trabalhar com dados georeferenciados tornando mais ágil e precisa a busca e a atualização das informações. A partir destes dados será possível localizar geograficamente cada software do Instituto e com isso realizar o monitoramento de cada um deles, o controle de recursos e de utilização, o controle de custos referente à manutenção, treinamento e atualizações. O gerenciador poderá também prever a solução de um problema antes que este seja percebido pelos demais usuários e através disto poderá planejar a manutenção e verificação de licenças dos softwares que estiverem sendo utilizados, com maior eficácia. Também seria possível oferecer ao aluno a possibilidade de questionar ao sistema onde ele pode encontrar (em que laboratório e computador) determinado software de que necessita.

Objetivos




Objetivo geral:
Encontrar uma solução baseada em gerenciamento de facilidades que permita o gerenciamento e o controle dos softwares dos laboratórios de computação do ICET e de suas respectivas informações como licenças, disponibilidade e restrições.
Objetivos específicos:


  • Caracterizar gerenciamento de software;

  • Caracterizar geoprocessamento, SIGs e gerenciamento de facilidades;

  • Realizar o levantamento dos softwares do ICET, definir quais deles farão parte deste estudo e localiza-los espacialmente;

  • Identificar as características, finalidades, custos, restrições e licenças de cada software definido no objetivo anterior;

  • Propor uma solução para o gerenciamento e controle de software, baseada em um ambiente de gerenciamento de facilidades já existente na instituição, o Archibus/FM.



Metodologia


A primeira etapa deste projeto consiste em efetuar o levantamento bibliográfico dos temas que serão discutidos e estudados, a fim de obter uma fundamentação consistente a respeito dos mesmos. Feito isso serão estudados os seguintes assuntos:



  • O gerenciamento de software, com o intuito de ressaltar sua importância e necessidade;

  • O geoprocessamento;

  • O gerenciamento de facilidades e os benefícios que esta tecnologia pode proporcionar;

  • O SIG (Sistema de Informações Geográficas), suas características, objetivos e aplicações.

Após obter o devido aprofundamento teórico sobre os temas que serão explanados neste projeto, será necessário entrevistar os responsáveis pelo ICET para selecionar quais serão os programas abordados no trabalho e efetuar o levantamento dos dados a eles relacionados. Será necessário também identificar os requisitos necessários para realizar o gerenciamento e o controle dos softwares.


O próximo passo será analisar, junto ao laboratório de geoprocessamento da Feevale, minuciosamente o sistema Archibus/FM para que se tenha familiaridade com o mesmo.
De posse dos requisitos e informações obtidas, deve-se então dar início ao processo de modelagem e construção de um protótipo de sistema de controle e gerenciamento de software utilizando o sistema Archibus/FM, envolvendo a criação de tabelas, relatórios, interfaces de consulta e mapas de softwares, equipamentos e suas localizações.
For fim, com base nas pesquisas e estudos realizados, pretende-se elaborar um documento apresentando a redação final do trabalho de conclusão.

Cronograma


Trabalho de Conclusão I




Etapa

Meses

MAR

ABR

MAIO

JUN

JUL

Levantamento de bibliografia

















Entrevistas com o responsável pelo ICET (identificação de requisitos)
















Entrega do anteprojeto

















Definição de requisitos e levantamento de dados
















Embasamento teórico (escrita e preparação)
















Visitas ao Laboratório de Geoprocessamento da Feevale
















Definição de um orientador para analisar o software Archibus/FM
















Analisar as funções do Archibus/FM

















Analisar a documentação do Archibus/FM
















Estruturar solução de gerenciamento de software utilizando o Archibus/FM
















Redação do TCI

















Entrega do TCI

















Trabalho de Conclusão II




Etapa

Meses

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Modelagem de dados (ER)

















Desenvolvimento de um protótipo utilizando o Archibus/FM
















Testes com o sistema

















Manutenção

















Verificação de possíveis melhorias no portótipo
















Redação do TCII

















Entrega do TCII

















Bibliografia

ABES. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SOFTWARE. Guia de Gerenciamento de Software. São Paulo, SP: 2004. Disponível em: < www.abes.org.br/ANTIPIRA/bsa/bsaguiagersw04.pdf >. Acesso em: <22 mar. 2005>. (acesso restrito).

SILVA, Reginaldo Macedônio da; et al. O uso de Geoprocessamento para o Gerenciamento de Recursos (Facilities Management) do Centro Universitário Feevale. In: PEREIRA Daniel; et al. (org). Livro de Resumos: Feira de Iniciação Científica e Salão de Extensão. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2004. p. 294-295.

ROCHA, Cezar Henrique Barra. Geoprocessamento: Tecnologia Transdisciplinar. 2. ed. Juiz de Fora, MG: s. e., 2000. 220 p.

CÂMARA, Gilberto; et al. Anatomia de Sistemas de Informação Geográfica. Curitiba, PR: Sagres, 1996. 193 p. Disponível em: . Acesso em: <29 mar. 2005>.

CÂMARA, Gilberto; et al. Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos, SP: INPE, 2001. Disponível em: . Acesso em: <18 mar. 2005>.

TOLEDO, Eduardo. MBA - Gerenciamento de Facilidades. São Paulo, SP: 2005. Disponível em: <http://extensao.pcc.usp.br/latosensu.htm>. Acesso em: <22 mar. 2005>.

ANTONIOLI, Paulo Eduardo. Estudo crítico sobre subsídios conceituais para suporte do planejamento de sistemas de gerenciamento de facilidades em edificações produtivas. São Paulo, SP: 2003. 241 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Escola Politécnica, USP, 2003.



LISBOA FILHO, Jugurta. Modelos Conceituais de Dados para Sistemas de informações Geográficas. Porto Alegre, RS: 1997. 122 p. Exame de Qualificação – CPGCC, UFRGS, 1997. Disponível em: < http://www.dpi.ufv.br/~jugurta/papers/exqual.pdf >. Acesso em: <24 mar. 2005>.




Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande