Estudo de caso pancreatite biliar aguda



Baixar 31.7 Kb.
Encontro18.01.2018
Tamanho31.7 Kb.

ESTUDO DE CASO

PANCREATITE BILIAR AGUDA
Carolina Moura Gomes de Araújo1

Marislei Brasileiro2


1 Consulta de Enfermagem

1.1 Identificação:

A.A.A. , 32 anos, sexo masculino, brasileiro, vive com a companheira há 9 anos, pai de 2 filhos ( menina com 7 e o menino com 3), comerciante, natural de Goiânia. Mora em casa própria, com saneamento básico e rede elétrica, coleta de lixo feita pela prefeitura. Seu casamento é estável. É evangélico protestante praticante, exercendo cargos e funções importantes na sua congregação. Tem 2º grau completo e curso profissionalizante em administração. Internado em 29/01/07 no HUGO- Hospital de Urgência de Goiânia com “dor no estomago e barriga”.


1.2 Expectativas e percepção:

O paciente encontra-se orientado sobre o seu estado de saúde. Tem consciência da gravidade da sua doença e sabe que deve contribuir para que ocorra uma melhora. Como o seu envolvimento na vida secular é intenso sabe da necessidade em ter uma boa saúde pra dar continuidade às suas tarefas profissionais. Não tem medo da morte, é seguro de si, tem o apoio familiar e espiritual. Crê em Deus e não têm apego as coisas naturais. Este esperançoso com uma melhora ou ate mesmo a cura da doença.


1.3 Necessidades Básicas:

O paciente relata ter um sono agitado, porém tem controlado com o uso de chás. Relata que há três dias iniciaram-se de forma súbita o quadro de dor em andar superior do abdome, tipo cólica, com irradiação para dorso, incapacitante que é atenuada quando adota a posição fetal e é agravada na posição dorsal. Concomitantemente aparecimento de náuseas, vômitos, pirose e eructação. Refere alimentação copiosa no dia anterior ao inicio do quadro. Há um dia relata discreta melhora da dor, ausência de náusea, vômitos e pirose principalmente em jejum. Procurou auxílio médico ( HUGO), onde foi feito o diagnóstico da patologia presente.

Mora em imóvel próprio, com saneamento básico, rede hidroelétrica, coleta de lixo feita pela prefeitura. Sua família é muito feliz, seus filhos são bem assistidos psicologicamente, emocionalmente, materialmente e espiritualmente.
1.4 HPP

Alega doenças comuns da infância (escarlatina e parotidite epidêmica). Nega DM, HAS, Hemotransfusão, cirurgias, traumas e alergias. Alega tuberculose há ± 15 anos e fez o tratamento completo por seis meses. Descreve quatro episódios, idênticos ao atual, em 1994,1998,2000 e 2002, nos quais não foi achada a causa do quadro clinico. Refere ter sido submetido a um EDA onde se evidenciou gastrite crônica com Heliobacter pylori, tendo sido devidamente tratado, porem não sabe informar medicação. Parasitológico de fezes: cistos de E. Nana.


1.5 Exame Físico:

O paciente encontrou-se bem segundo os dados colhidos na triagem: P/A: 110x70 mmHg. Pulso: 64 bpm. Freqüência Respiratória: 21 ipm. Temp. ax.: 36,7 ºC. Peso: 71 kg. Altura: 1,84m. Seu estado geral é bom, ictérico ++/4+; acianótico, hipohidratado +/4+ e normocorado. Nega tosse, febre, emagrecimento, melena, hematêmese, intolerância alimentar, prurrido cutâneo e coloração anormal das fezes.

Cabeça: sem alteração de fâneros.

Boca: orofaringe- língua com superfície lisa, brilhante e frênulo lingual ictérico ++/4+

Nariz: inalterado, com rinoscopia anterior normal.

Ouvido: sem alteração.

Pescoço: ausência de linfoadenomegalias e turgência jugular.

Tireóide móvel, palpável, sem alterações, ausência de sopro carotídeo.

Glândulas salivares inalteradas e palpáveis. Mama sem alterações.

A Resp: MV sem ruídos adventíceos.

FTV sem alteração. Elasticidade e expansibilidade preservadas.

Tórax: evidencia de lesão cicatricial hipertrófica em região anterior em linha esternal.

A. circulatório: sem sinais de insuficiência venosa com enchimento capilar satisfatória (01 seg). pulsos periféricos presentes, simétricos de amplitude e elasticidade normais.

Coração: ritmo cardíaco regular em 2 tempos com bulhas normofonéticas sem sopros ou extrassístoles. Com ictus visível, palpável, móvel, 2 palpas digitais em 5º espaço intercostal esquerdo hemiclavicular.

Abdome: atípico, flácido, com peristalse +, cicatriz umbilical central, indolor à palpação profunda em epigástrio, mesogástrio e hipocôndrio direito com sinal de Murphy positivo.

Sem sinais de irritação peritoneal. Percussão abdominal sem alteração.

Piparote – macicez – (ausente).

Hepatimetria em linha hemiclavicular direita medindo 12cm, e 7cm abaixo do apêndice xifóide. Traube livre.

Órgãos genitais e reto: inalterados.

Região dorso lombo sacral: inalterada

Extremidades: sem edema, panturrilhas livres.

Refere urina de coloração alaranjada sem disúria ou outra alteração.


2 Análise Integral

2.1 Aspectos Anatômicos:

De acordo com Fattini (2005, p. 131,592) o pâncreas é a glândula anexa mais volumosa do sistema digestivo. Situa-se posteriormente ao estomago, estando portanto ligado à parede abdominal posterior. No órgão reconhecem-se 3 partes: uma extremidade direita, dilatada, a cabeça emoldurada pelo duodeno; um corpo, disposto transversalmente, e uma cauda, extremidade esquerda, afilada, que continua diretamente o corpo e se situa próximo ao baço. O pâncreas é uma glândula exócrina e endócrina. A secreção endócrina é a insulina e a exócrina o suco pancreático, recolhido por dúctulos em 2 canais: ducto pancreático e o ducto pancreático acessório.

É irrigado pelas a.a. pancreático-duodenais e por ramos da a. lienal. A arcada anterior é formada pelas a.a.a pancreático-duodenais Ântero-superior e Antero-inferior. A a. lienal fornece também vários ramos para o pâncreas: pancreática dorsal, pancreática inferior, pancreática magna e pancreática caudal.
2.2 Aspectos Fisiopatológicos

A pancreatite aguda, ou inflamação do pâncreas é gerada pela digestão desse órgão por suas próprias enzimas, principalmente a tripsina. Oitenta por cento dos pacientes com pancreatite aguda apresentam doença do trato biliar. Os cálculos biliares entram no ducto biliar comum e alojam-se na ampola de Vater, obstruindo o fluxo do suco pancreático ou causando um refluxo da bile a partir do ducto biliar comum para dentro do ducto pancreático, ativando, assim, as poderosas enzimas dentro do pâncreas. Normalmente, estas permanecem em uma forma inativa ate que o suco pancreático atinja a luz do duodeno.

O uso prolongado de álcool é uma causa comum de episódios agudos de pancreatite, mas o paciente comumente apresenta pancreatite crônica não diagnosticada antes do primeiro episodio de pancreatite aguda. As outras causas menos freqüentes de pancreatite incluem a infecção bacteriana ou viral com a pancreatite como uma complicação do vírus da caxumba. O espasmo e edema da ampola de Vater, decorrentes da duodenite, podem, produzir pancreatite. O trauma abdominal fechado, a doença da ulcera péptica, a doença vascular isquêmica, hiperlipidemia, hiperclacemia e o uso de corticosteróides, diuréticos tiazídicos e contraceptivos orais foram associados a uma incidência aumentada de pancreatite. A pancreatite aguda pode suceder à cirurgia no pâncreas ou próximo a ele ou depois da instrumentação do ducto pancreático. A pancreatite idiopática aguda pode ser responsável por 10 a 15% dos casos de pancreatite aguda. Alem disso existe uma pequena incidência de pancreatite hereditária.

A taxa de mortalidade de pacientes com pancreatite aguda é alta (10%) por causa do choque, anóxia, hipotensão ou desequilíbrios hidroeletrolíticos. As crises de pancreatite aguda podem resultar em recuperação completa, podem reincidir sem a lesão permanente ou podem progredir para a pancreatite crônica. O paciente internado no hospital com um diagnostico de pancreatite esta agudamente doente e necessita de cuidados médicos e de enfermagem experientes.


2.3 Aspectos Bioquímicos:

Exames do dia 28/01/07
Amilase: 782
Lipase: 554
TGP: 324
TGO: 208
VHS. (70)
Hemácias: 4,86x 106
Hb: 14,60
Htc: 44%

Ultra-sonografia de abdome — fígado: tamanho normal, forma e ecogenecidade normais com dilatação de vias biliares intra-hepáticas. Colédoco dilatado (12mm) com stop terminal, vesícula biliar distendida, sem cálculos.


Pâncreas: parênquima normal, dilatação do Wirsung (4 mm)
Rim, baço retroperitônio sem alterações.
30/01/07
Hemácias: 4,8 milhões/mm3
Hb: 13,3g%
Htc: 41,5%
Vcm: 86,45
Chcm: 32,04
Leucócitos: 7.400/mm3 (0/1/0/0/6/68/20/5)
Plaq. 177000
Glicose: 73/ Ur. 16,5/cr:0,9
Na+ 139/K+ 4,4 /Cl- 95
TGO 273 / TGP 314,9
Ca++ 8.3
BE: 7.01
BD: 5.09
BI: 1.11
EAS: normal
Lipase: 226 u/L
Alfa amilase: 310,00U/L
06/02/07
EAP do paciente 13,2 / Atividade protrombínica 76,20 / INR: 1,23
Ptta: 24,6
Hemácias: 4,78 x 106/mm3
Leucócitos: 6.700 (0/3/0/0/4/69/21/3)
Hb: 13.70g%
Ht: 41,20%
VCm: 86,01
Chcm: 33.25
Plaquetas: 282 000 mm3
Na+: 136 /K+: 4,9 / Cl-: 102
TGO: 272 / TGP: 438 / Bt: 4,79 / BD: 3,55 / BI: 1,24

Rx de tórax:
.Presença de granuloma residual no 1/3 médio do Ht direito.
.Presença de traves densas em ápice pulmonar esquerdo condicionando tração cranial do hilo pulmonar homolateral.
. Restante da transparência pulmonar normal, sem evidência de doença parenquimatosa aguda em atividade.
. Seios costofrênicos laterais livres
. Hilos anatômicos
. Aorta anatômica.
. Área cardíaca N

Tomografia comp. A . R. do dia 06/02/04
. Fígado com dimensões no limite superior da normalidade, densidade parenquimatosa homogênea sem lesões focais.
. Moderada dilatação dos ductos biliares intra-hepáticos e do hepato-colédoco, até sua porção distal.
. Vesícula biliar dilatada, de paredes espessadas, sem conter cálculos em seu interior.
. Pâncreas com dimensões levemente aumentadas, de contornos regulares e densidade homogênia.
Nota-se discreta dilatação do ducto de Wirsung
Restante inalterado.

2.4 Aspectos Farmacológicos:

  • Dopamina – 2-5µg/kg/min

  • Potássio – administrado lentamente em mais de 1 hora através da bomba de infusão.

  • Dexmedetomidina – ampolas flip-top de 2 ml – 118 mcg/ml, solução injetável concentrada por infusão

  • Se necessário o uso de insulina.



    2.5 Aspectos Biogenéticos:

    Avós paternos: DM tipo II, mortos.

    Pai: DM tipo II, vivo.

    Mãe: viva e fez tireoidectomia subtotal cuja causa não sabe informar.

    Irmã: viva sem patologia.

    2.6 Aspectos Microbiológicos:

    Parasitológico de fezes: cistos de E. Nana.

    Evidenciou gastrite crônica com presença da Heliobacter pylori devidamente tratado.

    2.7 Aspectos psico- sociais:

    Paciente em bom estado geral com boa higiene. Alimentação qualitativa e quantitativamente suficiente. Foi etilista por seis anos, porem parou há 10 anos. Ex-tabagista há quatro anos e parou há 10 anos. Drogas ilícitas: maconha e cocaína não injetáveis por 6 anos, parou há 10 anos.

    Paciente vigil, orientado no espaço e tempo, cooperativo e sem alteração do nível de consciência.

    2.8 Aspectos Epidemiológicos:

    Trata-se de um distúrbio relativamente comum, com incidência de 10 a 20 casos por 100.000 nos paises ocidentais. A proporção de casos de pancreatite aguda causados por alcoolismo varia de 65% nos EU, 20% na Suécia e 5% ou menos no sul da França e Reino Unido. A relação entre homens e mulheres é de 1:3 no grupo com doença do trato biliar e de 6:1 no grupo com alcoolismo.



    3 Diagnóstico de Enfermagem

    Com base nos dados do histórico, os principais diagnósticos de enfermagem do paciente podem incluir os seguintes:



  • Dor aguda relacionada à aspiração nasogástrica, à distensão da cápsula pancreática e à peritonite local.

  • Risco para volume de líquidos deficiente relacionado à diminuição da ingesta secundaria a náusea e ao vomito.

  • Diarréia relacionada à excreção excessiva de gorduras nas fezes secundaria a insuficiência de enzimas pancreáticas.

  • Padrão respiratório ineficaz relacionado à dor intensa, infiltrado pulmonares, derrame pleural e atelectasia.



    4 Prescrição de Enfermagem

  • Aliviando a dor e o desconforto como o processo patológico responsável é a autodigestão do pâncreas, necessita do uso liberal de analgésicos. O Sulfato de morfina é evitado.

  • A aspiração nasogástrica é utilizada para remover as secreções gástricas e aliviar a distensão abdominal.

  • Repouso no leito para diminuir a taxa metabólica e reduzir a secreção de enzimas gástricas e pancreáticas.

  • Manter o paciente em posição de semi-Fowler para diminuir a pressão sobre o diafragma para um abdome distendido e para aumentar a expansão respiratória.

  • Monitorizar cuidadosamente os sinais vitais e de outros sinais e sintomas do paciente.



    5 Evolução

    Os resultados esperados podem incluir:



  1. Relata alivio da dor e do desconforto.

    - uso de analgésicos e anticolinérgicos conforme prescrição.

    - manter o repouso no leito.



  1. Experimenta melhoria da função respiratória.

    - muda de posição com freqüência no leito.

    - demonstra padrão e freqüência respiratória normais, expansão pulmonar plena.



    - temperatura corporal normal.

  1. Atinge o equilíbrio nutricional e hidroeletrolítico.



    6 Prognóstico

  • Demonstra função orgânica estável, sem manifestações de insuficiência.

  • Não exibe perdas adicionais de líquidos e eletrólitos através de vômitos, diarréia ou diaforese.

  • Alivio da dor.

  • Ausência de complicações.



    7 Referências

    1. AME 2005-2006, Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 4º Edição. Rio de Janeiro: EPUB. 2004.

    2. BRUNNER E SUDARTH. Tratado de Enfermagem Médico-Cirurgíca. 9º Edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan AS. Pp 1022-1029,2002.

    3. COLLINS, T.: KUMAR. V. : COTRAN. R.S..Patologia Estrutural e Funcional. 6º Edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan AS. Pp 811,2000.

    4. Dangelo e Fattini. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2º Edição. Belo Horizonte: Editora Atheneu. Pp 131,592,2005.

    5. site: http://www.medstudents.com.br




1 Acadêmica de Enfermagem do quinto período da Universidade Paulista. E-mail: karoll_nurse@yahoo.com.br. Fone: 62- 3579-4257

2Enfermeira - Mestre em Enfermagem. Docente e coordenadora do curso de Enfermagem da Universidade Paulista. E-mail: marislei@cultura.com.br. Fone: 62-3239-4044







Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande