Estudo das nanopartículas de vidro bioativo para potencial aplicaçÃo no tratamento da hipersensibilidade dentinária



Baixar 56.56 Kb.
Encontro26.10.2017
Tamanho56.56 Kb.


ESTUDO DAS NANOPARTÍCULAS DE VIDRO BIOATIVO PARA POTENCIAL APLICAÇÃO NO TRATAMENTO DA HIPERSENSIBILIDADE DENTINÁRIA
Carolina E. C. Lins1, Sandhra M. Carvalho1, Agda A. R. de Oliveira1, Bruna Carvalho1, Marivalda M. Pereira1
1Depto. de Engenharia Metalúrgica e Materiais, Universidade Federal de Minas Gerais (MG), Brasil

E-mail: inhalins@yahoo.com.br



Resumo. A hipersensibilidade dentinária é caracterizada por uma dor localizada, aguda, espontânea e que ocorre em resposta a algum estímulo. Esta dor é causada pela perda da estrutura do dente, o que resulta na exposição dos túbulos dentinários para o ambiente oral. Vários métodos para o tratamento da hipersensibilidade dentinária foram pesquisados, no entanto nenhum deles é completamente eficaz. Nas últimas décadas o vidro bioativo tem sido bastante utilizado em estudos sobre os efeitos específicos de remineralização, devido às suas excelentes propriedades regenerativas em tecidos mineralizados. Sabe-se que o efeito de vidro bioativo pode ser reforçado quando se apresenta em nanoescala. O objetivo deste estudo foi caracterizar e avaliar o potencial de remineralização in vitro de nanopartículas de vidro bioativo(NPVB). Neste estudo foram utilizadas amostras de dentina de dentes com indicação ortodôntica de extração. Nanopartículas de vidro bioativo foram caracterizados por difração de raios X, espectroscopia no infravermelho com transformada de Fourier e microscopia eletrônica. As amostras foram desmineralizadas de dentina com ácido fosfórico e tratou-se durante 7e 14 dias com gel contendo nanopartículas. Posteriormente, as amostras foram analisadas por microscopia eletrônica de varredura (MEV). O gel foi caracterizado pelo teste de resazurina para avaliar sua biocompatibilidade. Os resultados indicam que as NPVB induzem a formação de cristiasde hidroxiapatita (HA), obliterando os túbulosdentinários, indicando que é um material potencial para ser utilizado para o tratamento da hipersensibilidade dentinária.
Palavras-chave: Vidro Bioativo, Nanopartículas, Hipersensibilidade Dentinária

1. INTRODUÇÃO
A melhora na saúde bucal da população tem trazido benefícios, fazendo com que os dentes sejam mantidos por mais tempo na cavidade bucal. Porém, ao mesmo tempo, tem aumentado a incidência de outros problemas como a hipersensibilidade dentinária (HD) (Bánóczy, 2002). Com o declínio da doença cárie e da doença periodontal, o tratamento da hipersensibilidade dentinária vem ganhando prioridade (Rees e Addy 2002; Ritter et al., 2006).

A HD surge quando se aplica um estímulo que normalmente não provocaria dor. Esta pode ser causada por estímulos térmicos (quente ou frio), evaporativos (jato de ar), táteis (com sonda exploradora na superfície dentária ou escovação), osmóticos (sal, açúcar), químicos (biofilme dental, frutas ácidas e alimentos condimentados) e elétricos (Camps, Pashley, 2003).

Todos esses estímulos envolvem o movimento de fluido dentinário com exceção do estímulo elétrico. Algumas vezes os dentes são tão sensíveis, que o paciente acaba negligenciando os cuidados de higiene bucal caseiros para evitar a dor provocada durante a escovação, facilitando assim o acúmulo de biofilme dental, o que poderia aumentar ainda mais a HD (Camps, Pashley, 2003). Para Santos et al. (2003), a queixa de dor a variados estímulos causa sofrimento físico e, muitas vezes, até emocional ao paciente.

Vários são os fatores que podem levar à exposição da superfície dentinária: força exagerada na escovação, erosão, abfração causada por bruxismo ou pelo estresse oclusal, problemas periodontais, proteção inadequada da dentina após preparos cavitários, defeito fisiológico na região do colo dentinário, após aplicação de solução ácida condicionadora do esmalte ou dentina sem o devido controle, dentre outros. Outro fator que pode levar à recessão gengival é a exposição do colo dentinário Geralmente, o cemento que protege a dentina da raiz na região do colo está ausente ou pode ter sido removido pela ação de instrumentos durante uma raspagem e alisamento radicular ou pela fricção da escova dental (Haywood, 2002)

Segundo Perez et al. (2003), a hiperestesia dentinária representa um dos problemas mais comuns na clínica diária do cirurgiao-dentista e, apesar de estudada intensamente, infelizmente é, muitas vezes, de tratamento difícil e frustrante. A hipersensibilidade dentinária pode ser tratada com dentifrícios específicos, flúor, dessensibilizantes, adesivos dentários, uso de laser, restaurações, cirurgias muco-gengivais e tratamento endodôntico. Com exceção do laser e do tratamento endodôntico, todos os outros tratamentos buscam obliterar os túbulos dentinários, diminuindo ou cessando a hipersensibilidade. Entretanto, o grande desafio da odontologia moderna é encontrar uma substância que seja eficaz em um curto espaço de tempo, que não cause recidiva de hipersensibilidade e que elimine efetivamente a sensação dolorosa (ARANHA et al., 2004).

De acordo com o estudo clássico de Grossman, em 1935, o material ideal para tratamento de hipersensibilidade dentinária deve ser biocompatível, de fácil aplicação, ter efeito permanente e ação rápida, não ser irritante pulpar, além de não alterar a cor da estrutura dental (ARANHA et al., 2004).

Por meio de uma análise microscópica, é possível observar que os túbulos dentinários se apresentam mais numerosos e amplos na dentina hipersensível do que na dentina insensível (Absi, et al. 1995). Essas observações são consistentes com a hipótese da dor dentinária ser mediada por um mecanismo hidrodinâmico (Brännström, et al. 1963). De acordo com esse mecanismo proposto, um estímulo causador de dor aplicado à dentina aumenta o fluxo do fluido tubular dentinário que, por sua vez, ativa mecanicamente os nervos situados nas extremidades internas dos túbulos ou nas camadas externas da polpa, desencadeando, assim, um estímulo doloroso. Para que isso ocorra, é necessário que os túbulos dentinários estejam expostos ao meio bucal a fim de receber tais estímulos capazes de desencadear a resposta dolorosa (Orchardson, et al. 2006).

Diversas terapêuticas têm sido propostas para o tratamento da hipersensibilidade dentinária, tendo seus modos de ação baseados no bloqueio da ativação neural e da transmissão do estímulo doloroso por meio do uso de agentes dessensibilizantes, e/ou pelo impedimento da movimentação de fluido no interior dos túbulos dentinários por meio de sua oclusão (Orchardson, et al. 2006; Chu, et al. 2010).

Uma das novas abordagens para o tratamento mais efetivo da hipersensibilidade dentinária tem utilizado as propriedades dos vidros bioativos, que produzem uma resposta biológica específica em suas superfícies quando em contato com os tecidos vivos. Por ser a constituição dental muito similar à constituição óssea, foi proposto o uso de vidros bioativos com a capacidade de se depositarem no interior dos túbulos dentinários, para que, na presença dos fluidos bucais, inicie o processo de formação de HA, resultando em sua oclusão por meio de uma ligação química com o material (Kokubo, et al. 2008, Chu, et al. 2010).

Entretanto, um inconveniente para a utilização dos vidros bioativos na forma particulada incorporado a produtos de higiene oral – principalmente daqueles em que o uso envolve escovação ou fricção – é o poder cortante das partículas vítreas devido às suas superfícies extremamente irregulares, pontiagudas e afiadas. Dessa forma, as partículas de vidro moído podem provocar microcortes na gengiva, causando a sua irritação e, possivelmente, o aumento de sensação dolorosa nos pacientes (Siqueira, et al. 2011).

Sabe-se também que o efeito de vidro bioativo pode ser potencializado, quando utilizado em nanoescala. Sendo assim, este trabalho visa sintetizar nanopartículas esféricas de vidro bioativo para reduzir as irritações e aumentar e otimizar a eficácia do tratamento da hipersensibilidade dentinária.

2. MATERIAIS E MÉTODOS


    1. Obtenção das nanopartículas de vidro bioativo

Os reagentes usados na síntese de nanopartículas de vidro bioativo são: tetraetil orthosilicato (TEOS) 98% e trietil fosfato (99%) e polietileno glicol Sigma-Aldrich, nitrato de cálcio (Ca(NO3)2.4H2O), ácido nítrico (HNO3) e hidróxido de amônio (NH4OH) 33% Merck e metanol Synth. Os equipamentos necessários são: Ultra-som de alta intensidade (200 Watts e 24 KHz), Estufa de secagem, Liofilizador, Sistema de filtração à vácuo Milipore e Mufla para tratamento térmico.

A síntese consistiu em dispersar 5,47 ml de TEOS e 0,27 ml de TEP em solução de 10 ml de metanol e água (1:2 molar). O pH é ajustado entre 1-2 por ácido nítrico e a mistura mantida sob agitação magnética até a obtenção de um sol transparente (aproximadamente 10 min). O sol é então gotejado em 1200 ml de solução de PEG e 0,27 ml de hidróxido amônio. O pH da solução é ajustado na faixa de 10-12 e a agitação ultra-sônica é mantida por 1 hora. - Após esse período, o sol é colocado em estufa à temperatura de 50°C até a completa evaporação da amônia (aproximadamente 3 horas). A mistura é filtrada em Milipore 0,22 m e apenas a dispersão passante no filtro é recolhida e submetida à agitação magnética, onde ocorre a dissolução 4,25g de Ca(NO3)2.4H2O por 2 horas. As etapas seguintes são filtrações subsequentes em Milipore 0,22 e 0,11 m e a dispersão passante nos filtros é liofilizada. O pó fino resultante é submetido a um tratamento térmico a 700°C por 40 min, com taxa de 1°C/min.


    1. Prepação do gel

Os materiais utilizados para a síntese do gel foram: nanopartículas de vidro bioativo (NPVB) obtidas conforme descrito na sessão 2.1, hidroxi metil celulose (HMC), e solução que simula o fluido corporal (SBF) que foi preparada seguindo a norma ISO/FDIS 23317:2007 (E). Ao SBF foi adicionado as NPVB na concentração de 0,2% e a HMC na concentração de 1,5%. Esta mistura foi agitada por 10 minutos para atingir uma consistência de gel e tornar-se homogênea.




    1. Preparação dos discos de dentina

Foram utilizados neste estudo terceiros molares livres de cáries com indicação ortodôntica de exodontia. Os dentes foram seccionados de forma paralela,


ligeiramente abaixo da junção esmalte-dentina, mesio - distalmente em discos utilizando brocas diamantadas com refrigeração e posteriormente embutidos em blocos de resina acrílica. Foram submetidos a uma sequencia de lixas para obter uma superfície lisa. As amostras foram então colocados em um frasco de água desionizada, e sonicada durante
30 minutos para remover o abrasivo de polimento. Após sonicação, o espécimes foram lavados com água. Os discos foram armazenados em hipoclorito de sódio até serem necessários.

Para realização dos testes, os discos de dentina foram condicionados com ácido fosfórico 37% durante 1 minuto. Após o ataque, as amostras foram lavadas


com água desionizada e, em seguida colocada em um frasco de água desionizada
sonicado e mais uma vez por 30 minutos. Posteriormente cada amostras foi inserida em um tubo falcon com 20ml de gel com nanopartículas (0,2%) e mantida em banho a 37oC. Este experimento foi realizado em triplicata para cada um dos tempos (7, 14 dias). Foi realizado também um teste com grupo controle utilizando o mesmo gel porém sem nanopartículas. Posteriormente foram lavados novamente com água destilada, colocados no sonicador por 30 minutos e mantidos nas estufa 40o por 24hs para secagem.


    1. Caracterização do gel

Foi realizado o teste de citotoxidade com resazurina para avaliar biocompatibilidade do gel com nanopartículas. O teste foi realizado com fibroblastos e seguiu as normas da ISO 10993.

Cultura de fibroblastos gengivais: Fibroblastos gengivais humanos foram isolados da região gengival de terceiros molares com indicação de extração. Culturas primárias foram cultivadas em DMEM com 10% de soro fetal bovino (SFB) da Gibco (Grand Island, NY), penicilina G plus (10 unidades / ml) e sulfato de estreptomicina (10 mg / ml) da Sigma (St. Louis, Mo) em estufa com 5% CO2 a 37 ° C.

Ensaio de toxicidade por resazurina: Fibroblastos gengivais humanos da sétima passagem foram plaqueados (1 X103 células / poço) em placa de 96 poços. As populações celulares foram normalizadas com meio sem soro durante 24 horas, depois desse período o meio foi aspirado e meio com 10% de SFB foi recolocado. Foram usados 3%, 5% e 10% de gel com 0,2% de vidro bioativo nanoparticulado. Foram utilizados como controle de referência DMEM com 10% de SFB, como controle positivo PBS (10X) e como controle negativo lascas de ‘eppendorf’. Os ensaios foram realizados em triplicata (n = 3). Após 72 horas todo meio foi aspirado e 180 µL de meio de cultura e 20 µL de resazurina (0.1 mg / mL; SIGMA-ALDRICH, USA) foram colocados em cada poço e incubados por 18 horas em estufa a 37 ˚C e 5% de CO2. Depois foram retirados 100µL de cada poço e transferidos para uma placa de 96 poços e a quantificação foi feita em espectrofotômetro (ADAP 1.6, Anthos Labtec Instruments) com filtro duplo de 570nm e 590nm.




    1. Caracterização dos discos de dentina

Os discos de dentina foram caracterizados utilizando as técnicas microscopia eletrônica de varredura (MEV), Espectroscopia por Energia Dispersiva de Raios-X (EDS), Difração de raios-X (DRX) e Espectroscopia na Região do Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR).

As amostras de dentina foram examinadas por MEV antes e após o tratamento com o gel com NPVB. Antes do tratamento, os discos de dentina foram
examinada por MEV de baixa energia, para assegurar que os túbulos da dentina
estavam abertos. As amostras foram então examinadas uma segunda vez, após o tratamento, para determinar o efeito do gel com NPVB.

Após a avaliação da oclusão dos túbulos por MEV, as amostras foram analisados por EDS para análise qualitativa da composição elementar do material que ocluiu os túbulos. Esta análise foi realizada sobre a área ocluída.

A análise de DRX foi realizada para caracterização microestrutural da amostra e a técnica de FTIR para caracterizar os grupos funcionais presentes nas amostras em estudo.



  1. RESULTADOS E DISCUSSÃO




    1. Nanopartículas de vidro bioativo

A Fig. 1 apresenta a microfotografia obtida através da microscopia eletrônica de varredura (MEV) do pó retido no filtro das nanopartículas de vidro bioativo sintetizadas neste trabalho.

Pode se observar que as nanopartículas são esféricas, essa característica é muito importante já que poderá acarretar uma diminuição ou até mesmo a eliminação das irritações que são causadas quando utilizado o biovidro na forma particulada.

Foi verificado que houve uma larga faixa distribuição de tamanho das partículas devido sinterização que ocorreu durante os processos de secagem e tratamento térmico.



Figura 1- Imagem de MEV das Nanopartículas de vidro bioativo (20000X).


    1. Gel com NPVB – ensaio de resazurina

A atividade mitocondrial foi quantificada pelo ensaio de resazurina. Esse ensaio é específico para avaliar a viabilidade celular através da função mitocondrial. Fibroblastos gengivais foram incubados com gel de nanopartículas de vidro por 72 horas e sua viabilidade foi avaliada em comparação com as condições controle. Fibroblastos demonstraram um aumento de 142%, 156% e 143% na viabilidade celular quando em contato com 3%, 5% e 10% de gel de nanopartículas de vidro respectivamente (Figura 2). Experimentos foram realizados com n = 3 (p < 0.05 analise estatística: One way / ANOVA / Bonferroni / GraphPad Prism). Esses resultados demonstraram que o gel com 0,2% de vidro bioativo nanoparticulado não é tóxico para células da cavidade oral, e que ainda é possível sugerir que este material estimulou a atividade celular confirmando o seu potencial bioativo. Outra vantagem é o fato de poder ser utilizada como constituinte de cremes dentais de uso diário, em uma baixa concentração, reduzindo os riscos de efeitos colaterais.


Figura 2: Viabilidade celular. Demonstra um aumento de 42 ± 4.9%, 56.7 ±10.6% e 43 ± 5.5% na viabilidade dos fibroblastos gengivais quando em contato com 3%, 5% e 10% de gel de vidro bioativo nanoparticulado respectivamente em comparação com o grupo controle (p < 0.05, n=3).

3.3. Microscopia Eletrônica de Varredura - MEV
A análise morfológica das amostras pela MEV, após o ataque ácido dos discos de dentina, permitiu constatar que túbulos dentinários estavam abertos como observado na Figura 3.

Figura 3- MEV discos de dentina antes do tratamento com gel com NPVB – túbulos abertos. A-5000X / B-20000X.
Os resultados do estudo mostraram também que os túbulos dentinários das amostras de dentina tratadas com gel contendo 0,2% de NPVB foram ocluídos no intervalo de 14 dias sem que fosse necessário escovação ou força mecânica (Fig. 4). Em contraste, nenhuma oclusão dos túbulos dentinários foi observada na amostra controle, utilizando gel sem nanopartículas. Este resultado demonstra como a utilização de nanopartículas pode melhorar o tratamento da hipersensibilidade, já que com o seu tamanho extremamente reduzido e a maior área de contato pode otimizar a possibilidade de deposição dos cristais de hidroxiapatita e até mesmo das próprias nanopartículas no interior do túbulos.

Figura 4- MEV discos de dentina após tratamento com gel com NPVB – túbulos fechados. A- 5000X/ B- 20000X.


    1. EDS

A avaliação qualitativa da amostra realizada por EDS, mostrou que o material encontrado no interior dos túbulos dentinários continha apenas Ca e P através da presença de apenas três picos (Fig. 5), sendo dois picos referentes ao Ca em 3,69 (camada K) e 3,98keV (camada L) e um referente ao P em 2,013keV (camada K). O pico do carbono está relacionado à técnica de preparação das amostras. Este resultado nos permite supor que houve deposição de hidroxiapatita (HA) no interior dos túbulos, mineral presente também na composição natural da estrutura dental.



Figura 5- Espectro de EDX realizado no interior dos túbulos dentinários após tratamento com gel com NPVB.



    1. DRX

Os espectros de DRX das amostras antes e após tratamento com o gel contendo NPVB (Fig. 6) apresentaram perfil semelhante ao espectro obtido da hidroxiapatita, com picos em 2,82 e 3,45 graus (COSTA, et al. 2009). Isto era esperado pois o biovidro não apresenta difratograma característico por ser um material amorfo e também devido à baixa concentração utilizada.

Este resultado também pode ser justificado devido ao fato da HA ser um constituinte natural da estrutura dental e ao principal mecanismo de ação dos vidros bioativos ser justamente a liberação de cálcio e fosfato para resultar em supersaturação dos fluidos ao redor e, posteriormente, precipitação de cristais de HA, contribuindo para aumentar os processos de remineralização dentro da cavidade oral.

Figura 6- Difratograma de RX das amostras antes e depois (respectivamente) do tratamento com gel com NPVB.

3.6. FTIR
O espectro de FTIR representado na Fig. 7 dos discos de dentina antes e após o tratamento com o gel contendo NPVB também se apresenta semelhante ao da HA. Observa-se as bandas dos íons fosfato (PO43-), em 1087,7 cm-1 associados aos modos de vibração ν3 (triple degeneração) de estiramento assimétrico em P-O; a banda em 995,1 cm-1 é vinculada ao modo de vibração ν1 (não degenerado) de estiramento simétrico em P-O. Observa-se no espectro uma pequena banda em 875 cm-1 que pode ser atribuída a grupos carbonato ou como também grupos dos fosfatos hidrogenados (HPO42-). Na região de 3012 a 3686 cm-1 observa-se a banda dos íons hidróxido (OH-) associada ao modo de vibração ν1 de estiramento simétrico e também ao OH estrutural. Além desta banda larga as moléculas de água produzem um espectro vibracional em 1633 cm-1 que é típico de um modo de vibração ν2 com deformação simétrica em torno do O-H-O. A banda em 1455 cm-1 é gerada por vibrações dos íons CO32- em sítios de fosfatos. As bandas das ligações relativas ao vidro bioativo não foram identificadas devido à baixa concentração utilizada (COSTA, et al. 2009).

Figura 7- Espectro de FTIR das amostras antes e após tratamento com gel com NPVB.



  1. CONCLUSÕES

Nesse trabalho foi estudada a utilização de nanopartículas de vidro bioativo para a obstrução dos túbulos dentinários.

Foi verificado um aumento da viabilidade celular de fibroblastos gengivais humanos na presença de 3%, 5% e 10% de gel contendo NPVB. Esses resultados sugerem que o gel com 0,2% de vidro bioativo nanoparticulado não é tóxico para células da cavidade oral.

Os resultados das análises de caracterização das amostras demonstraram que o gel contendo NPVB induziu a deposição de cristais de apatita, obliterando os túbulos dentinários abertos.

Portanto, podemos sugerir que o gel contendo NPVB avaliado neste estudo pode ser incorporado como constituinte de cremes dentais e exaguatórios bucais, pois não causa irritação ao tecido gengival, pode ser utilizado em baixas concentrações reduzindo o risco de efeitos colaterais, e estimula a deposição dos cristais de HA para obliteração dos túbulos dentinários. Sendo assim, apresenta grande potencial para ser utilizado no tratamento da hipersensibilidade dentinária.

5. AGRADECIMENTOS
Os autores agradecem o apoio financeiro da FAPEMIG e do CNPq.

6. REFERÊNCIAS
1. Absi EG, Addy M, Adams D. Dentine Hipersensitivity : uptake of toothpastes onto dentine and effects of brushing, washing and dietary acid – SEM in vitro study. J Oral Rehabil. 1995 mar; 22(3):175-82.

2. Aranha ACC, Marchi GM. Hipersensibilidade dentinaria: Aspectos Gerais e Tratamento. Jornal Brasileiro de Clinica Odontologica Integrada 2004; 8(44): 179 -184.

3. Bánóczy J. Dentine hypersensitivity – general practice considerations for successful management. Int Dental Journal. 2002; 52:366.

4. Camps J, Pashley D. In Vivo sensitivity of human root dentin to airblast and scratching. J Periodontol. 2003 nov; 74 (11):1589-94.

5. Chu, C-H.; Lo, E. C-M.; Hong Kong Dent. J. 2010, 7, 15.

6. Costa, ACFM; et al. Revista Eletrônica de Materiais e Processos /1809-8797 / v.4.3 (2009) 29-38.

7. Haywood VB. Dentine hypersensitivity:bleaching andrestorative considerations for successful management. Internat Dental J 2002; 52:376-384.

8. Kokubo, T.; Bioceramics and their clinical applications, CRC Press: Boca Raton, 2008.

9. Orchardson, R.; Gillam, D. G.; J. Am. Dent. Assoc. 2006, 137, 990.

10. Perez C dos R, Sergio PP, Silva FF. Avaliação clínica de um novo dessensibilizante dentinário. RBO 2003; 60(2).

11. Rees JS, Addy M. A cross-sectional study of dentine hypersensitivity. J Clin Periodontol. 2002; 29:997-1003.

12. Ritter AV, de L Dias W, Miguez P, Caplan DJ, Swift Junior EJ. Treating cervical dentin hypersensitivity with fluoride varnish: a randomized clinical study. J Am Dent Assoc. 2006; 137:1013-20.

13. Santos RL dos, Gusmao ES, Caldas JUNIOR A de F, Silveira RCJ. Uso do etil-cianoacrilato e Prime & Bond 2.1 em dentes hipersensíveis pós-terapia periodontal. RBO 2003; 60(1).

14. Siqueira, R. L.; Zanotto, E. D. Biosilicate®: Historical Of A Highly Bioactive Brazilian glass-ceramic. Quim. Nova, Vol. 34, No. 7, 1231-1241, 2011.



POTENTIAL APPLICATION OF BIOACTIVE GLASS NANOPARTICLES IN TREATMENT OF DENTIN HYPERSENSITIVITY
Carolina E. C. Lins1, Sandhra M. Carvalho1, Agda A. Oliveira1, Bruna Carvalho1, Marivalda M. Pereira1

1Departament of Metallurgical and Materials Engineering, Federal University of Minas Gerais (MG), Brazil

E-mail: inhalins@yahoo.com.br



Abstract. Dentin hypersensitivity is characterized by sharp localized pain, non spontaneous, and occurring in response to some stimulus. This pain is caused by loss of the tooth structure, resulting in exposure of dentinal tubules to the oral environment. Several methods for treating dentin hypersensitivity have been researched; however none of them was completely effective. In the last decades bioactive glass has been used on studies about the specific effects of remineralization of dentin, due to their excellent regenerative properties in mineralized tissues. It is known that the effect of bioactive glass can be enhanced in the nanoscale. The aim of this study was to characterize and evaluate the potential of remineralization in vitro of bioactive glass nanoparticles (BGnp). In this study we used dentin samples from teeth with orthodontic indication for extraction. Bioactive glass nanoparticles were characterized by X-ray diffraction, Fourier transformed infrared spectroscopy, MEV and EDX . The dentin samples were demineralized with phosphoric acid and treated for 7and 14 days with BGnp in simulated body solution (SBF). After, the samples were analyzed by scanning electron microscopy (SEM). The results indicate that BGnp induces formation of apatite in dentin, indicating that it is a potential material to be used for treatment of dentin hypersensitivity.
Keywords: Bioactive Glass, Nanoparticles, Dentin Hypersensitivity.
Catálogo: 7colaob -> resumos -> trabalhos completos
trabalhos completos -> CaracterizaçÃo microestrutural de uma liga níquel-titânio bruta de fusãO
trabalhos completos -> SimulaçÃo de desgaste em próteses de quadril
trabalhos completos -> ComparaçÃo por método de elementos finitos 2d da distribuiçÃo de tensões em coroas totais metalo-cerâmicas e de cerâmica pura utilizando diferentes tipos de carregamentos
trabalhos completos -> ElaboraçÃo e caracterizaçÃo de hidroxiapatita e fosfato de cálcio-: elaboraçÃo da composiçÃo bifásica ha/tcp-b 80/20 para aplicaçÃo na reconstituiçÃO Óssea
trabalhos completos -> CaracterizaçÃo mecânica dos pós nanoestruturados bifásicos hidroxiapatita/fosfato tricálcio b nas proporçÕes 60/40 e 50/50
trabalhos completos -> Inclusão de células mesenquimais em scaffold de fosfato de cálcio para testes in vivo e in vitro
trabalhos completos -> InativaçÃo fotodinâmica e variaçÃo morfológica da citrobacter freundii usando corante eritrosina e luz laser
trabalhos completos -> Desenvolvimento do biomaterial mta/HAp para uso em endodontia
trabalhos completos -> Análise dos mecanismos celulares durante a osseointegraçÃo dos implantes
trabalhos completos -> Síntese e caracterizaçÃo de filmes de quitosana-alginato com ou sem reticulaçÃo química para a recuperaçÃo de feridas


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande