Este livro foi digitalizado por Raimundo do Vale Lucas, com a



Baixar 10.37 Mb.
Página3/110
Encontro18.09.2019
Tamanho10.37 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   110

Formação Social Brasileira como Processo de Amalgamento

de Ra ças e Culturas). Pref. de José Osório de Oliveira. Li-

vros do Brasil, Lisboa, 1951. (Ed. rev. e atualizada pelo A.)

XXIV


#

1948: INGLESES No BRASIL (Aspectos da influência Britânica sobre

a Vida, a Paisagem e a Cultura do Brasil) - Pref. de Octá-

vio Tarqüínio de Sousa, desenhos de Rosa Maria e Luís Jar-

dim, Editora José Olympio, Rio.

1950: QUASE POLíTICA (9 Discursos e 1 Conferência) - 2.a ed.

(rev. e aumentada), introd. de Munhoz da Rocha, 1966. Am-

bas: Editora José Olympio1953:Um BRASILEIRO Em TERRAS PORTUGUESAS (Introdução a Uma

Possível Lusotropicologia. Acompanhada de Conferências e

Discursos Proferidos em Portugal e em Terras Lusitanas e

ex-Lusitanas da Ásia, da África e do Atlântico) - Editora

José Olymplo.

Edição em Portugal: Livros do Brasil, Lisboa, s.d1953:AVENTURA E ROTINA (SugestÓes de Uma Viagem à Procura

das Constantes Portuguesas de Caráter e Ação) - Ed. José

Olympio.

Edição em Portugal: Livros do Brasil, Lisboa, 19621955:AsSOMBRAÇÓES Do RECIFE VELHO. Ed. Condé, Rio. - 2.a

ed. (rev. e aumentada), ils. de Poty - Editora José Olym-

pio, 1970. - 3.a ed., Editora José Olympio / INL, 19741956:PROBLÈME DE CHANGEMENT SOCIAL Au 20ème SIÈCLE (COM

L. von Wiese, Morris Guinsberg e Georges Davy), Londres e

Hereford1958:INTEGRAÇÃO PORTUGUESA Nos TRóPICOS. PORTUGUESE IN-

TEGRATION IN THE TRopics. Junta de InvestigaçÓes do Ultra-

mar,. Vila Nova de Famalicão, Portugal1959:ORDEM E PROGRESSO (Processo de Desintegração das Socie-

dades Patriarcal e Semipatriarcal no Brasil sob o Regime de

Trabalho Livre: Aspectos de um Quase Meio Século de Tran-

sição do Trabalho Escravo para o Trabalho Livre; e da Mo-

narquia para a República), 2 vols. - 2.a ed., 1962. Ambas

da Editora José Olympio - 3.a ed., Ed. José Olympio / INL,

.1974.


Edição em língua inglesa: Order and Progress. Brazil from

Monarchy to Republic. Trad. de Rod W. Horton. Alfred A.

Knopf, Nova lorque, 1970. - Secker & Warburg, Londres,

19721959:0 VELHO FÉLIX E SUAS "MEMóRIAS DE UM CAV.ALCANTI"

(Incluindo a 2.a edição, revista e aumentada, do texto das

MEMóRIAS DE UM CAVALCANTi, de Félix Cavalcanti de Albu-

querque, prefaciado e anotado pelo seu bisneto Diogo de Melo

Meneses e comentado por Gilberto Freyre) - Pref. de

Lourival Fontes, Editora José Olympio, Rio.

XXV


#

1959:


New WORLD IN THE TROPICS - Knopf, Nova lorque.

2.a ed., Random House, Nova lorque, 1963.

Edição em língua portuguesa: Novo MUNDO Nos TRóPI-

Cos. Trad. de Olívio. Montenegro e Luís de Miranda Corrêa.

- 1.a ed., Comp. Editora Nacional, S. Paulo, 1971 - 2.a

ed., revista, aumentada e atualizada pelo Autor. Ed. Livros

do Brasil, Lisboa, 1972.

Edição japonesa: Atsuitai no sin Sekai - Trad. de Ya-

mashita Mitugu. Tóquio, 19611959:A PROPóSITO DE FRADES - Universidade da Bahia, Salvador.

- 2.a ed. Univ. da Bahia / Livraria Progresso, 19591960:BRASis, BRASIL E BRASíLIA. Livros do Brasil, Lisboa. -

2.a ed., rev. e atualizada, Gráfica Record Editora, Rio, 19681961:0 LUSO E o TRóPICO. SugestÓes em torno dos métodos por-

tugueses de integração de povos autóctones e de culturas

diferentes da européia num complexo novo de civilização: o

lusotropical. - Comissão Executiva das ComemoraçÓes do V

Centenário da Morte do Infante D. Henrique, Lisboa. (Edi-

çÓes em francês e inglês: Lisboa, 1961)1961:SUGESTÓES DE um Novo CONTACTO COM UNIVERSIDADES Eu-

ROPÉIAS - Imprensa Universitária, Recife1962:ARTE, CIÊNCIA E TRóPICO (Em Torno de Alguns Probleivas

de Sociologia, da Arte) - Ed. Martins, São Paulo1962:HOMEM, CULTURA E TRóPICO - Imprensa Universitária,

Recife1962:VIDA, FORMA E COR - Pref. de Renato Carneiro Campos,

Editora José Olympio, Rio1962:TALVEZ POESIA - Pref. de Mauro Mota, Editora José Olym-

pio.

1963: BRAZIL - Pan American Union, Washington1963:0. FSCRAVO NOS ANúNCIOS DE JORNAIS BRASILEIROS DO



SÉCULO XIX - Pref. do Prof. Fróes da Fonseca e nota do

Prof. Silva,Melo. - Imprensa Universitária, Recife1964:VIDA SOCIAL Do BRASIL NOS MEADOS DO SÉCULO XIX - Trad.

do original inglês.- Social Life in Brazil in lhe Middle of the

19th Century - por Valdemar Valente, revista, aumentada e

prefaciada pelo Autor. Irístituto Joaquim Nabuco de Pes-

quisas Sociais, Recife.

1964: RETALHOS DE JORNAIS VELHOS Pref. de Luís Jardim, Edi-

tora José Olympio, Rio.

1964: DONA SINHÁ E o FILHO PADRE seminovela - Estudo 'de

Osmar Pimeritel. - 2.a ed., 1971. Ambas: Editora José

XXV1

#

Olympio. - Edição norte-americana: Mother and Son. Trad



de Barbara Shelley. Knopf, Nova lorque, 1967.

Edição em Portugal: Dona Sinhá e o Filho Padre. Livro

do Brasil, Lisboa, s. ' d1965:6 CONFERÊNCIAS Em BUSCA DE um LEITOR - Pref. de Gil

berto de Melo Kujawsky. Editora José Olympio, Rio1966:THE RACIAL FACTORS IN CONTEMPORARY POLITICS - Sussex

Inglaterra1967:SOCIOLOGIA DA MEDICINA - Fundação Calouste Gulbenkian

Lisboa1968:OLIVEIRA LIMA, Dom QUIXOTE GORDO (Com 60 Cartas Iné-

ditas de Oliveira Lima) - Universidade Federal de Pernam.

buco, Imprensa Universitária, Recife. - 2.a ed., 19701968:COMO E PORQUE SOU SOCIóLOGO - Pref. de Roberto Lira

Filho. Ed. Universidade de Brasília1968:CONTRIBUIÇÃO PARA UMA SOCIOLOGIA DA BIOGRAFIA (0 Exem-

plo de Luís de Albuquerque, Governador de Mato Grosso, no

fim do Século XVIII) - 2 vols. Academia Internacional de

Cultura Portuguesa, Lisboa1969":TRANSFORMAçÃo REGIONAL E CIÊNCIA ECOLóGICA - Instituto

Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Recife1970:CANA E REFORMA AGRÁRIA (em colaboração com"outros)

Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Recife1971:SELETA PARA JOVENS - Organizada pelo Autor_com a cola-

boragdo de Maria Elisa Dias Collier. Editora Jos6 Olympio

INL1971:THE HISTORY OF BRAZIL - 3 vols. Edig5o conjunta de The

Masters and Slaves, The Mansions and the Shanties e Order

and Progress. Secker & Warbury, Londres. Distribuída pela

Oxford University Press1971:Nós F. A EUROPA GERMÂNICA (Em Torno de Alguns Aspectos

das RelaçÓes do Brasil com a Cultura Germânica no Decorrer

do Século XIX). Grifo EdiçÓes/INL, Rio/Brasília1971:A CASA BRASILEIRA (Tentativa de Síntese de- Três Diferentes

Abordagens, já Realizadas pelo Autor, de um Assunto Com-

plexo: a Antropológica, a Histórica, a Sociológica) - Grifo

EdiçÓes, Rio1972:A CX)NDiçÃo HUMANA E OUTROS TEMAS. Trechos escolhidos

por Maria Elisa Dias Collier - Grifo EdiçÓes/INL, Rio/

Brasília1973:ALÉM Do APENAS MODERNO (SugestÓes em tomo de Possíveis

Futuros do Homem, em Geral, e do Homem Brasileiro, em

Xxvil


#

Particular) - Palavras de Mário Gibson Barboza. Editora

José Olympio1975:TEMPO MORTO E OUTROS TEMPOS (Trechos de um diário de

adolescência e primeira mocidade - 1915-1930). Rio de Ja-

neiro, Editora José Olympio.'

A'PRESENÇA Do AçúCAR NA FORMAçÃo BRASILEIRA. Rio de

Janeiro, Instituto do Açúcar e do Álcool, Coleção Canavieira,

n.O 16.


0 BRASILEIRO ENTRE OS OUTROS HisPANOS: Afinidades, con-

trastes e possíveis futuros nas suas inter-relaçÓes. Rio de Ja-

neiro / Brasília, Editora José Olympio / INL-MEC.

2. ALGUNS OPCSCULOS

1922: SOCIAL LIFE IN BRAZIL IN THE MIDDLE OF THE 19TH CENTURY

- Baltimore (USA). - 1.a ed. brasileira, expandido o tra-

balho em livro: VIDA SOCIAL No BRASIL NOS MEADOS DO SÉ-

CULO XIX, Recife, 1964 (A sair em PALAVRAS REPATRIADAS).

1924: APOLOGIA PRO GENERATIONE SUA - Paraíba (Incluído em

REGIÃO E TRADIÇÃO).

1926: A PROPóSITO DE Dom PEDRO 11 - Recife (Incluído em

PERFIL DE EuCLIDES E OUTROS PERFIS). -

1926: BAHIA DE TODOS os SANTOS E OUASE TODOS OS PECADOS

Recife. (Incluído em TALVEZ POESiA).

1934: 0 ESTUDO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS NAS UNIVERSIDADES AMERi-

CANAS - Recife (A sair em ANTECIPAÇÓES).

1937: MUCAMBOS Do NORDESTE (Algumas Notas sobre o Tipo de

Casa Popular Mais Primitivo do Nordeste do Brasil) - Ser-

viço do Património Histórico e Artístico Nacional. - 2.a ed.,

rev., Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Recife,

1967 (A sair em HOMEM, CULTURA E REGIÃO).

1940: UMA CULTURA AMEAÇADA - Recife. - 2.a ed., Rio, 1942.

- 3.a ed., Lisboa, 1950 (A sair na 3.a ed. de 0 MUNDO

QUE O.PORTUGUÊS CRIOU).

Tradução espanhola: Una Cultura Amenazada - Bucrios

Aires, 1943.

1940: SUGESTÓES PARA o ESTUDO HISTóRICO-SOCIAL DO SOBRADO NO

Rio GRANDE DO SUL. Livraria do Globo, Porto Alegre.

1941: ATUALIDADES DE EuCLIDES DA CUNHA - Rio (A sair em

PERFIL DE EuCLIDES E OUTROS PERFIS, 2.a ed.)

Tradução espanhola: Euclides da Cunha - Buenos Aires,

1941.


XXVIII

#
1943:CONTINENTE E ILHA - Rio (Incluído no Livro PROBLEMAS

BRASILEIROS DE ANTROPOLOGIA)1946:MODERNIDADE E MODERNISMO NA ARTE POLíTICA - SãO Pau-

lo (Incluído na 2.a ed. de 6 CONFERÊNCIAS Em BUSCA DE UM

LEITOR)1946:ORDEM, LIBERDADE, MINEIRIDADE - Rio (Incluído em 6

CONFERÊNCIAS... )1948:JOAQUIM NABUCO - Editora José Olympio, Rio (Incluído em

QUASE POUTICA, 2.a ed.)1948:0 CAMARADA WHITMAN - Editora José Olympio, Rio (In-

cluído em 6 CONFERÊNCIAS. ..)1948:GUERRA, PAZ E CIÊNCIA - Ministério das RelaçÓes Exteriores,

Rio (Incluído em 6 CONFERÊNCIAS... )1949:NAÇÃO,E ExÉRCITO - Editora José Olympio, Rio (Incluído

em 6 CONFERÊNCIAS ... ).

1952: MANIFESTO REGIONALISTA DE 1926. EdiçÓes-Regiâo, Recife.

- 2.a ed., Ministério da Educação e Cultura, Rio, 1955. -

3.a ed., Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Reci-

fe, 1967.

1952: Em TORNO DE UM NOVO CONCEIIÉO DE TRoPICALISMO1952:REINTERPRETANDO JOSÉ DE ALENCAR - Ministério da Edu-

cação e Saúde, Rio. - 2.a ed., 1955 (A sair em HOMEM,

CULTURA E REGIÃO)1954:Um ESTUDO DO PROF, ADERBAL JUREMA (0 SOBRADO RE-

CXFENSE) - Recife1956:Em TORNO DA SITUAçÃo Do PROFESSOR No BRASIL - Recife

(A sair em PALAVRAS REPATRIADAS)1956:SUGESTÓES PARA UMA NOVA POUTICA No BRASIL: A RURBANA

- Recife (incluído em QUASE POUTICA)1957:IMPORTÂNCIA PARA o BRASIL DOS INSTITUTOS DE PESQUISA

CIENTíFICA - Inst. Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais,

Recife1958:SUGESTÓES Em TORNO DE UMA NOVA ORIENTAÇÃO PARA AS

RELAÇÓES INTERNACIONAIS No BRASIL - Federação das In-

dústrias de São Paulo, São Paulo1959:A PROPóSITO DE MOURÃo, ROSA E PIMENTA: SUGESTÓES EM

TORNO DE UMA POSSíVEL HisPANOTROPICOLOGIA - Arquivo

Público Estadual, Recife1959:DE Lo REGIONAL A LO UNIVERSAL EN LA INTERPkETACIóN DE

LOS COMPLEJOS SOCIOCULTURALES - Ed. da Universidade

de Madri, Madri.

1959: Em TORNO DE ALGUNS TúMULos AFRO-CRISTÃOS DE UMA

XXIX


#

ÂREA AFRICANA CONTAGIADA PELA CULTURA BRASILEIRA -

. Univ. da Bahia, Salvador.

1960: UMA POLíTICA TRANSNACIONAL DE CULTURA PARA o BRASIL

DF, HOJE - Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Ho-

rizonte.


1960: SUGESTÓES Em TORNO DO MUSEU DE ANTROPOLOGIA DO INS-

TITUTO JOAQUIM NABUCO DE PESQUISAS SOCIAIS---lmprensa

Universitária, Recife. * .

1962: 0 BRASIL Em FACE DAS ÂFRICAs NEGRAS E MESTIÇAS - Fe-

deração das AssociaçÓes Portuguesas, Rio. 2.a ed., Lisboa,

1963.


1963: ON THE IBERIAN CONCEPT OF TIME - United Chapters of

Phi Beta Kappa. Separata de The American Scholar. Nova

lorque.

1963: AmÉRICANITÉ ET LATINITÉ DE L'AmÉRIQUF LATINE - Sepa-



rata de Diogène, Paris.

1964: 0 ESTADO DE PERNAMBUCO E SUA ExPRESSÃO NO PODER

NACIONAL: ASPECTOS DE um ASSUNTO COMPLEXO Impren-

sa Universitária, Recife.

1964: 0 1.0 COLóQUIO DE ESTUDOS TEUTo-BRASILEIROS INTRO-

DUÇÃO AOS SEUS ANAIS - Ed. da Universidade Federal do

Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

1964: A AMAZÔNIA BRASILEIRA E UMA POSSíVEL LuSOTROPICOLOGIA,

Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Ama-

zônia, Rio.

1965: FORÇAS ARMADAS E OUTRAS FORÇAS Recife (Incluído em

QUASE POLÍTICA, 2.a ed.).

1965: 0 RECIFE, Sim, RECIFE, NÃo - São,Paulo1965:COMO E PORQUE Sou ESCRITOR - Universidade da Paralba,

João Pessoa.

1965: Um Novo TIPO DE SEMINÁRIO (TANNENBAUM) Em DESEN-

VOLVIMENTO NA UNIVERSIDADE DE COLúMBIA: CONVENIÊNCIA

DA INTRODUÇÃO DA SUA SISTEMÁTICA ' NA UNIVERSIDADE DO

RECIFE - Imprensa Universitária, Recife1967:HOMEM, CULTURA E TEMPO - União das Comunidades de

.Cultura Portuguesa, Lisboa1967:BRAZILIAN NATIONAL CHARACTER IN THE TWENTIETH CEN-

TURY - Reimpresso dos The Annals of the American Aca-

demy of Political and Social Science, Filad6lfia1967:(Com Nilo Pereira) DISCURSOS No LANÇAMENTO DA EDIÇÃO

POPULAR DE CASA-GRANDE & SENZALA - Recife1969:A PROPóSITO DE Lo HiSPANO Y DE SU CULTURA - Ateneo de

Ia República, Buenos Aires.

xxx


#
1969:SUGESTÔES Em TORNO DA CIÊNCIA E DA ARTE DA PESQUISA

SOCIAL - Instituto Joaquim Nabuco, Recife1970:Dom PEDRO 11 JULGADO POR ALGUNS ESTRANGEIROS SEUS

CONTEMPORÂNEOS - Petrópolis1970:(Com Renato Campos) GILBERTO FREYRE ENTREVISTADO AOS

70 - Recife1970:(Com Mauro Mota) PERNAMBUCANIDADE. NORDESTINIDADE,

CONTEMPORÂNEOS - Petrópolis1970:(Com vários) MANIFESTO DE 7 DE SETEMBRO DO INSTITUTO

JOAQUIM NABUCO DE PESQUISAS SOCIAIS - Recife1970:DISCURSO Em GUARARAPES - Ed. da Universidade Federal de

Pernambuco, Recife.

1970: 0 BRASILEIRO como Tipo NACIONAL DE HOMEM SITUADO NO

TRóPICO E NA SUA MAIORIA MORENO - Separata da revista

,Cultura, do Conselho Federal de Cultura, Rio1972:A PROPóSITO DE JOSÉ BONIFÁCIO - Ed. do Instituto Joaquim

Nabuco de Pesquisas Sociais, Recife1972:INDEPENDÊNCIA BRASILEIRA: UM PROCESSO DE CRIATIVIDADE

SOCIOCULTURAL - Recife.

1972:(Com Mário Gibson Barboza, Jordão Emerenciapo e Antônio

Xavier Pinto Coelho) DoUTORAMENTO - Ed. da Universi-

dade Federal de Pernambuco, Recife1972:PRESENÇA Do RECIFE NO MODERNISMO BRASILEIRO - Ed. de

Cadernos Moinho Recife, Recife1972:SUGESTÓES À ARENA PELO SOCIóLOGO GILBERTO DE MELLO

FREYRE - Alcântara Publicidade, Recife.

3. ADAPTAÇÃO TEATRAL

1970: CASA-GRANDE & SENZALA. Drama em 3 atos, de José Carlos

Cavalcanti Borges, Rio, Serviço Nacional do Teatro.

4. M OSICA

1961:Inspirado em C.-G. & S., o famoso compositor Capiba, Lou-

renço Barbosa, fez em 1961 uma Suíte Nordestina, cujo 4.1

movimento se intitula Casa-Grande & Senzala.

5. FESTEJOS POPULARES

1962: No carnaval carioca de 1962, a Escola de Samba Estação

Primeira de Mangueira inspirou-se - para seu enredo - em

xxxi


#

C.-G. & S., dramatizando boa parte do contexto, sob a forma

de poema (música e dança populares). E com este tema a

Escola entrou na Avenida Rio Branco em meio à vibração

geral, recebendo do público maiores demonstraçÓes de ca-

rinho.


6. LIVROS SOBRE GILBERTO FREYRE

1944:DIOGO DE MELO MENESES. Gilberto Freyre (Notas biográ-

ficas com ilustraçÓes, inclusive desenhos e caricaturas). Pref.

de Monteiro Lobato. Rio, Casa do Estudante do Brasil1962:GILBERTO FREYRE: SUA CIÊNCIA, SUA FILOSOFIA, SUA ARTE.

64 ensaios sobre G.F. e sua influência na moderna cultura do

Brasil. Obra comemorativa do jubileu de prata de C-G. & S~

Edição ilustrada. Rio, Editora José Olympio.

XXXII


#

PREFÁCIO


À

TERCEIRA EDIQXO

Ao publicar-se a 3.a edição deste ensaio, já há vários anos

esgotado, em língua portuguesa, cabe ao autor breve co-

mentário a respeito de um trabalho que, embora de leitura di-

fícil, continua a ser honrado por brasileiros e estrangeiros -

aparecerá breve em língua inglesa, lançado pelo editor

Knopf - com uma atenção e com um interesse verdadeira-

mente desvanecedores para o mesmo autor. 0 que se deve

atribuir ao que em Sobrados e Mucambos é empenho de evo-

car-se do passado de um povo - o brasileiro -, através dos

seus estilos de residência, constantes de existência e normas

de coexistência que ainda hoje parecem agir sobre a vida

e o caráter do mesmo povo, fazendo-o defrontar-se com im-

posiçÓes modernas de economia e de técnica, apegado a tra-

diçÓes peculiares à sua formaçdo, patriarcal, é certo, vias,

também, democrática. Apegos que não podem ser de todo

esquecidos pelos reformadores sociais ou estéticos de hoje,

sem o risco de realizarem reformas de todo precárias ou

apenas de superfície.

Formou-se entre nós~ brasileiros, uma civilização em que

a Família sociologicamente cristocêntrica é que foi a uni-

dade civilizadora; o principal fator econômico; a base de

uma e xpansdo que o Estado só fez sancionar ou confirmar.

Adaptando-se a diferentes situaçÓes ecológicas, a civiliza-

ção trazida da Europa para o Brasil, mais por famílias do

que mesmo pela Igreja, mais por indivíduos do que pelos

próprios e eficie ' ntes representantes dos Reis de Portugal

e da Espanha, adquiriu aspectos regionais diversos. É ponto

em que divergem de nós, por motivos de orientação ideoló-

gica, quer os mais destacados intérpretes marxistas da for-

mação brasileira - os Srs. Caio Prado Júnior, Astroffido Pe-

reira e Nelson Werneck Sodré, autores, aliás, de ensaios

valiosos sobre o assunto - quer alguns historiadores-soció-

logos de tal modo empenhados, como o Sr. Raymundo Faoro,

em seu recente Os Donos do Poder, em negar qualidades

feudais ao poder das grandes famílias patriarcais, na for-

mação do Brasil, que opÓem a esse poder o do Estado colo-

nizador, considerando-o o decisivo.

Tendo tido um caráter quase sempre familial ou patriar-

cal, adquiriu aquela civilização - repita-se - aspectos regio-

nais diversos. Foi açucareira em certas áreas, para as quais

XXXM

#

XXXIV



GILBERTo FREYEE

se importou ma,or número de escravos africanos. Foi mi-

neira, noutras, com igual - na verdade, maior - necessida-

de de escravos africanos. Expandiu-se com o Bandeirante,

em busca de valores que suprissem a falta, no planalto paulis-

ta, de condiçÓes favoráveis ao desenvolvimento da agricul-

tura da cana e da indústria do açúcar. Tornou-se pastoril

no Rio Grande do Sul. Entregou-se à aventura da indústria

extrativa na área amazônica. Mas quase sempre - até na

selva amazônica - dentro da constante familialista. Quase

sempre dentro de um afã de estabilidade familial que, afir-

mando-se em casas-grandes rurais, culminou em sobrados

entre rurais e urbanos, mas sempre patriarcais. Donde, em

interessante ensaio sobre a história da economia peruana,

contrastar o seu autor o civilizador brasileiro daquela arca

com o civilizador peruano, destacando no brasileiro este as-

pecto: o de pioneiro que vem procurando fixar-se na terra

amazônica com a família ou constituindo família, progre-

dindo economicamente dentro de uma ordem social tradi-

cional. É o que está sucedendo também em torno dos so-

brados novos de Goiânia e dos próprios arranha-céus - so-

ciologicamente mal projetados - de Brasília.

0 brasileiro é talvez um ser ideal para sobre a constante

familialista do seu comportamento desenvolver-se uma ci-

vilização que ao sentido telúrico e ao afã progressivo tanto

no espaço como no tempo, junte a tendência para a transfe-

rência dos espaços civilizados para os agrestes, de valores

inseparáveis da organização de família como unidade civi-

limcla e civilizadora. Constantemente, dinamicamente, cí-

vilizadora. Civilizadora mas estabilizadQra. Expressão de

um senso mais ou menos "grave" de ordem. Talvez não

haja exagero em, dizer-se do brasileiro que, animado por

essa constante de comportamento, é um predisposto à rur-

banidade, isto é, a um misto,de urbano e de rural, de desen-

volvimento e de estabilização, de ordem e de progresso, em

sua existência ideal. Uma forma de existência nem sempre

atingida mas quase sempre procurada ou desejada por todo

brasileiro.

A valores essenciais ou, antes, existenciais - como são

os agrários, os rurais, os telúricos - podem juntar-se - à

base dessa constante e através de um esforço de integração

que interrompa o desvio da economia brasileira para a ex-

clusiva industrialização urbana - os valores urbanos, ca-

pazes de dar sentido mais amplo à vida, à atividade e à

cultura das populaçÓes do interior. 0 que é perfeitamente

possível: vários desses valores urbanos - inclusive o sobrado,

i

#

PREFÁCIO À TERCEIRA EDiçÃo



XXXV

como arquitetura - são móveis e plásticos. Alguns são até

fluidos. Podem adaptar-se a novas condiçÓes de vida, a

novas configuraçÓes de existência. Podem ser transferidos

das cidades grandes às pequenas, urbanizando-as e tornando

os benefícios dessa urbanização em escala rural - se assim

se pode dizer - extensivos a largos espaços rurais, a ponto

de parte deles tornar-se saudavelmente rurbana ou mista

nos seus modos de ser.

. Quem hoje viaja pela Alemanha Ocidental, pela Inglaterra

e pelos Estados Unidos, verifica que, com a crescente auto-

matização dessa e de outras áreas européias e americanas,

são vários os problemas novos que se levantam para os mo-

dernos cientistas sociais. Outros problemas, já antigos, pre-

cisam de quanto antes ser reexaminados e reinterpretados,

em conseqüência da mesma revolução que atinge em cheio

a sociologia da arquitetura. Entre esses problemas, o da

habitação familial. 0 das relaçÓes da família moderna com

a casa, com o conjunto residencial, com a cidade.

Assim como já não há mais sentido em planejar-se para

parte considerável da população de um país em processo de

automatização - vasta parte da população: a. constituída

pelo operário, pelo trabalhador, pelo proletariado - uma ali-

mentação forte, isto é, uma alimentação que, para corres-

ponder à energia exigida do mesmo trabalhador pelo seu

gênero de trabalho, devesse incluir carne e gordura em

quantidade superior, constituindo essa alimentação ideal um

sério problema tanto econômico como ecológico - já não há

sentido em planejar-se para a mesma população um tipo de

habitação segregadamente patriarcal. Isto pela simples ra-

zão de que, com a automatização, aquele proletariado tende

a reduzir-se a um número insignificante; e, desse número

insignificante, o trabalho a ser exigido por uma civilização

automatizada, será um trabalho leve em comparação com o

que na era atual tem que ser executado pelo proletário mé-

dio. Por outro lado, à tendência será para a família, sem

deixar de ser família e de necessitar de vida privada, par-




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   110


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande