Duciomar gomes da costa



Baixar 0.95 Mb.
Página8/16
Encontro08.10.2019
Tamanho0.95 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   16

DO PATRIMÔNIO CULTURAL


A Política Municipal de Patrimônio Cultural entendida como força social de interesse coletivo e direito social básico, na garantia da cidadania, assim como vetor de desenvolvimento econômico e de inclusão social, tem como objetivos:

  1. Estabelecer e consolidar a gestão integrada do patrimônio cultural;

  2. Assegurar a livre expressão das diversidades culturais, garantindo aos cidadãos igualdade básica dos direitos sociais e culturais, inclusive o direito à criação e fruição das obras do pensamento e das artes;

  3. Universalizar as informações culturais;

  4. Desenvolver e fortalecer o potencial turístico da cidade, de forma sustentável com base no patrimônio histórico, cultural e natural da cidade;

  5. Registrar, documentar, proteger e promover a preservação, a conservação, a revitalização, a reabilitação e a divulgação dos bens culturais materiais, naturais ou construídos, assim como dos bens imateriais considerados patrimônios ou referenciais históricos e culturais;

  6. Sensibilizar a sociedade para o valor da preservação do patrimônio histórico-cultural e da memória da cidade;

Para a consecução dos objetivos de promoção da Política Municipal de Patrimônio Cultural, o poder público deve obedecer as seguintes diretrizes:

  1. Identificar e registrar a produção cultural do Município, por meio de inventários dos bens culturais de natureza material e imaterial, sistematizando e disponibilizando as informações;

  2. Universalizar e democratizar o acesso à produção cultural;

  3. Descentralizar as atividades culturais;

  4. Reconhecer e valorizar os detentores de conhecimento e formas de expressão tradicionais e investir no processo de produção de bens culturais;

  5. Fomentar o desenvolvimento de atividades culturais a partir de organizações populares;

  6. Revisar, ampliar, regulamentar e fortalecer os mecanismos e instrumentos de incentivo à preservação cultural, em especial, a legislação municipal de preservação de bens culturais, do patrimônio ambiental e referências urbanas;

  7. Identificar e delimitar novas áreas de interesse à preservação;

  8. Fomentar parcerias público-privadas, especialmente na captação de recursos;

  9. Ampliar e garantir a participação e controle social nas instâncias decisórias, por meio de Conselhos, Fóruns, Conferências e outros.

  10. Fortalecer o processo econômico-cultural como fonte de geração e distribuição de renda;

  11. Elaborar e implementar Plano de Reabilitação e Conservação de Áreas Degradadas, em especial a área do Centro Histórico da cidade e seu entorno, contendo estratégias e ações específicas tanto para a área física quanto para a área social e econômica;

  12. Elaborar projeto de lei específico instituindo o Plano Municipal do Patrimônio Cultural, o qual deve ser executado no prazo de 12 (doze) meses a partir da aprovação do Plano Diretor;

  13. Garantir a criação e a ampliação da oferta de equipamentos e espaços culturais no território municipal;

  14. Desenvolver e fortalecer o potencial turístico, garantindo a sustentabilidade sócio-econômica, cultural e ambiental do Município;

  15. Trabalhar a conscientização do cidadão para o patrimônio.

DEFINIÇÕES

- Compreende-se como patrimônio cultural material, as expressões e transformações de cunho histórico, científico, artístico, literário, arquitetônico, paisagístico, natural e urbanístico, que se referem à identidade de determinado grupo, comunidade ou população.

- Compreende-se como patrimônio cultural imaterial os saberes e fazeres tradicionais, as formas de expressão das diversas linguagens artísticas e os lugares de produção e difusão de práticas culturais coletivas.

DO ESPORTE E LAZER


A Política Municipal de Esporte e Lazer entendida como direito social básico, na garantia da cidadania e de inclusão social, tem como objetivos:

  1. Suprir a carência de políticas públicas e sociais que atendam às crescentes necessidades e demandas da população por esporte e lazer.

  2. Consolidar e Implementar o esporte e o lazer como direitos sociais e dever do Estado, promovendo o bem-estar e melhoria da qualidade de vida;

  3. Viabilizar acordos de cooperação e intercâmbio institucionais;

  4. Promover, planejar, coordenar, controlar e avaliar as atividades desportivas e de lazer;

  5. Manter em funcionamento pleno as áreas livres municipais destinadas ao esporte e ao lazer;

6. Apoiar e fomentar as iniciativas populares voltadas ao esporte e lazer.

São diretrizes da política de Esporte e Lazer:



  1. Garantir a integração da Política Municipal de Esportes e Lazer às demais políticas setoriais;

  2. Propor, elaborar e promover programas e projetos que visem a melhoria da política de desporto e do lazer;

  3. Garantir o acesso dos portadores de necessidades especiais a todos os equipamentos esportivos municipais;

  4. Criar mecanismos que assegurem a valorização da memória do esporte;

  5. Elaborar projeto de lei específico instituindo o Plano Municipal do Desporto e Lazer, no prazo de 12 (doze) meses a partir da aprovação do Plano Diretor, devendo conter as seguintes diretrizes:

  1. Implantar e recuperar equipamentos de esportes, adequados à realização de eventos e espetáculos esportivos;

  2. Implantar um sistema regionalizado de administração dos equipamentos das atividades de Esporte e Lazer;

  3. Realizar levantamentos e manter atualizados o registro das áreas com potencialidades para a prática de lazer;

  4. Promover atividades de lazer que proporcionem oportunidades de integração e equilíbrio à criança, aos jovens e adultos;

  5. Acompanhar e orientar a utilização de espaços públicos e particulares, possibilitando a realização de programações de caráter cívico, social e esportivo planejado pela comunidade.


DA HABITAÇÃO


A Política Municipal de Habitação do Município de Belém tem por princípio universalizar o acesso à moradia com condições adequadas de habitabilidade, tendo como objetivos:

  1. Assegurar a transparência das ações relacionadas à gestão habitacional;

  2. Assegurar a função sócio-ambiental da propriedade urbana e rural;

  3. Respeitar as formas tradicionais de organização social e as necessidades de reprodução espacial e cultural;

  4. Garantir a permanência das famílias em áreas objeto de intervenções urbanas ou em áreas próximas as mesmas;

  5. Promover a urbanização e regularização fundiária e inserção dos assentamentos precários da cidade;

  6. Integrar a política habitacional às outras políticas públicas municipais, compatibilizando-a as políticas públicas em nível estadual e federal;

  7. Incentivar a utilização de tecnologias construtivas e formas alternativas de produção habitacional de interesse social;

  8. Reduzir o déficit habitacional.

São diretrizes para a Política Municipal de Habitação:

  1. Incentivar a pesquisa que promova a utilização de tecnologias construtivas e de formas alternativas de produção habitacional, visando o barateamento e a racionalização da produção de habitação de interesse social;

  2. Utilizar prioritariamente terras de propriedade do Poder Público, desde que não sejam de interesse para preservação ambiental, para implantação de projetos habitacionais de interesse social, a partir da aplicação utilização de instrumentos previstos no Estatuto da Cidade;

  3. Subsídio à definição de normas urbanísticas adequadas às condições sócio-econômicas da população, promovendo o acesso à habitação de interesse social;

  4. Realização periódica da Conferência Municipal de Habitação a cada 2 (dois) anos para o estabelecimento de objetivos, diretrizes, ações estratégicas e avaliação da Política Municipal de Habitação;

  5. Estruturação de um Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social para viabilizar a cooperação entre o Município, o Estado e a União;

  6. Construção e consolidação de um sistema de informação, acompanhamento, avaliação e monitoramento da habitação da política de habitação;

  7. Valorização das ações do Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social, enquanto órgão de controle social e gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social;

  8. Estruturação de uma política de subsídios que inclua empréstimos, incentivos e isenção ou redução de tributos, a qual deve estar vinculada às condições sócio-econômicas do beneficiário;

  9. Estabelecer parcerias com instituições técnicas para viabilizar assessoramento às comunidades para a melhoria de habitabilidade da moradia em assentamentos atendidos com obras de urbanização;

  10. Estímulo aos Garantir a participação efetiva da população nos processos participativos locais, que envolvam a população beneficiária de programas de melhoria de habitabilidade e regularização fundiária;

  11. Articulação da política habitacional com as diretrizes estabelecidas nos planos de desenvolvimento urbano;

  12. Incentivar o uso habitacional Implementar políticas de incentivo à moradia no Centro Histórico de Belém, através da implementação de Programas estimulando parcerias público-privadas, atendendo inclusive as habitações de habitação interesse social;

  13. Potencializar edificações subutilizadas, localizadas na área central, inserindo-as no âmbito de uma política habitacional para reabilitação do Centro Histórico de Belém;

  14. Viabilizar recursos adicionais específicos para política habitacional por meio do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social;

  15. Articular com a Gerencia Regional de Patrimônio da União, o uso dos “terrenos de marinha” para desenvolver ações no âmbito habitacional;

  16. Instituição da Política Municipal de Regularização Fundiária com subsídios à população de baixa renda;

O Plano Diretor deve prever a elaboração de um Elaborar projeto de lei específico posterior instituindo o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social, considerando as diretrizes e ações estratégicas advindas da Conferência Municipal de Habitação, fixando no prazo de até 12 (doze) meses para sua conclusão e encaminhamento à Câmara Municipal.

Os assentamentos localizados nas áreas em situação de risco, passíveis de regularização urbanística e jurídico-fundiária, deverão ser instituídos como Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) e ter o planejamento e a implementação de sua consolidação a partir da elaboração de plano urbanístico específico.

Deverá ser instituído, por lei específica, como instrumento para a garantia do direito à moradia da população que habita áreas onde não for viável a regularização urbanística e jurídico-fundiária (áreas de preservação ambiental, de risco, destinadas a usos públicos imprescindíveis, e non aedificandi, como o leito de cursos d’água), Plano de Reassentamento, que deverá prever:



  1. Todas as etapas necessárias à recuperação do ambiente desocupado e ao processo de reassentamento desta população para áreas próximas ao assentamento original, assegurando os laços sócio-econômicos e de vizinhança da população afetada;

  2. A participação dos reassentados em todo o processo de planejamento e de implementação da intervenção; e

  3. A instituição de Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS).

DEFINIÇÃO

- Considera-se Habitação de Interesse Social toda moradia que:



  1. Disponha de, pelo menos, uma unidade sanitária;

  2. Seja destinada à população de baixa renda e que vive em condições de habitabilidade precárias.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   16


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande