Do curso de medicina


Histórico e Inserção Regional da Unifap



Baixar 3.81 Mb.
Página3/114
Encontro24.10.2017
Tamanho3.81 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   114

1.1 Histórico e Inserção Regional da Unifap

O Estado do Amapá teve sua origem por ter sido desmembrado do Pará em 1943, quando foi criado o Território Federal do Amapá. Sua área foi organizada a partir dos municípios de Almerim, pelo seu distrito de Arumanduba, Mazagão (a união dessas duas áreas originaram o município de Mazagão), Macapá e Amapá. A partir de então, passou por reestruturações territoriais municipais resultantes de: preocupações geopolíticas (Oiapoque), atuação de empresas nas suas áreas (Santana, Laranjal do Jari, Pedra Branca do Amapari, Serra do Navio, Porto Grande e Vitória do Jari), pela exploração aurífera (Calçoene), pela construção da Usina Hidrelétrica de Coaracy Nunes (Ferreira Gomes) e de movimentos políticos locais (Tartarugalzinho, Cutias, Itaubal, e Pracuúba).

Com a Constituição de 1988, o Amapá transformou-se em Estado e passou a adquirir autonomia e capacidade de se auto-organizar; elaborar sua própria constituição; se auto-governar; escolher seus representantes do executivo e legislativo, estadual e federal; criar sua Assembléia Legislativa; e fazer seus próprios planos de desenvolvimento (antes dirigidos pelo Governo Federal, passando a ser elaborados por Programas de Governo Estadual). Com isso, ocorreram intensas transformações. Esse fato implicou em uma nova relação dessa unidade autônoma com o federalismo brasileiro, não mais subordinada às decisões do Governo Central.

Enquanto Território, as terras do Amapá eram da União, embora houvesse áreas de proteção ambiental e áreas indígenas demarcadas desde a década de 1960 e 1980 respectivamente. Nesse período houve reduzida fiscalização na exploração de seus recursos, mesmo com a demarcação de áreas protegidas, as quais até hoje não possuem planos de manejo; o seu potencial biótico está para ser identificado; e a gestão territorial está para ser organizada. Atualmente, 70,4% deste Estado é protegido, seja pela demarcação de terras indígenas (8,3%), seja pela criação de áreas de conservação estadual e federal (62,1%) (IBGE 2010).

A estadualização trouxe expectativas com relação às alternativas econômicas para desenvolvimento e sustento do estado e preocupações com a proteção ao seu patrimônio natural e com sua comunidade autóctone. Medidas político - econômicas foram tomadas no sentido de:


  • Diversificar as atividades econômicas além da extração mineral: ampliação do número de empresas no Distrito Industrial de Santana; beneficiamento madeireiro; pesca industrial e artesanal (embarcações, fábricas de gelo e de beneficiamento de pescados); e a expansão de gado (notadamente bubalino) e da área de pastagem da pecuária.

  • Implantar o Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá (PDSA), cujos resultados práticos foram: discussões metodológicas sobre um programa de desenvolvimento embasadas na preocupação com o meio ambiente; a valorização do meio local aos mercados interno e externo; e a ampliação do comércio de produtos regionais (castanha, palmito e móveis) para os mercados nacional e internacional;

  • Atuação do Estado no aproveitamento dos recursos florestais na merenda e na movelaria escolar estadual, como também no incentivo à exportação desses recursos, os quais são realizados por cooperativas e associações em eventos empresariais nacionais e internacionais.

  • Implantar da Área de Livre Comércio de Macapá e Santana (ALCMS), que atua na comercialização de bens importados e apresenta as seguintes características: maior registro de empresas cadastradas na SUFRAMA; maior volume de importações e de movimentação de notas fiscais comparados às outras ALC na Amazônia; maior diversificação dos setores que utilizam os benefícios da ALC/SUFRAMA; é a única com a participação do setor governo usando os benefícios fiscais na aquisição de equipamentos, os quais foram usados para melhoria das estruturas dos setores administrativo, energético, portuário, educacionais e de saúde.

O estado do Amapá conta com uma malha viária composta por rodovias, hidrovias, a Estrada de Ferro do Amapá e o Porto de Macapá. O subsistema rodoviário federal é constituído pelas BR’s 156 e 210, que possuem pequenos trechos pavimentados. O Estado é banhado por grandes rios, dos quais se destacam o Amazonas, Oiapoque, Jari e Araguari. O trecho do rio Amazonas que banha o estado do Amapá apresenta, na época de águas altas (janeiro a agosto), profundidade mínima disponível de 13,5 m. Nas  estiagens  rigorosas, profundidades mínimas da ordem de 7 m, que permitem o acesso de embarcações marítimas, deslocando até 60.000 TPB, podem ocorrer nas proximidades da ilha de Aruãs, no canal norte. 

O subsistema ferroviário conta apenas com a Estrada de Ferro do Amapá, que possui 194 km de extensão e é a única ferrovia brasileira em bitola de 1,435 m. Pertence à Indústria e Comércio de Minério S/A - ICOMI e foi construída para escoar o minério de manganês, extraído da Serra do Navio, até o píer do terminal privativo de Santana, que situa-se a 2 km do Porto de Macapá. Esse produto representa 90% da carga transportada pela ferrovia.

O porto de Macapá, sob a gestão da Companhia Docas do Pará - CDP, através de uma gerência em Macapá, está localizado a 18 km da capital, no rio Amazonas, em frente à ilha de Santana. Tem acesso rodoviário através da AP-010, que liga Macapá à Mazagão, e da BR-210, que se encontra com a BR-156 próximo a Macapá. Conta ainda com acessos marítimo, através do rio Amazonas, e fluvial, através do rio Amazonas e seus afluentes.

O programa de arrendamento de áreas e instalações portuárias já realizou arrendamento em 1 lote com 64 mil m2 e prevê a realização de arrendamento, a médio prazo, de mais 1 lote com 20 mil m2.

As atividades econômicas do estado baseiam-se no extrativismo vegetal, agro-silvo-pastoris, agro-industriais, mobiliária, pesca, promoção de ecoturismo e nas demais atividades terciárias. Para Porto e Costa (1999) e Armelin (2001), a atividade econômica que mais se destacou no território amapaense foi a extração de seus recursos naturais (madeiras, pescados e minérios). A extração vegetal é comum com a produção da castanha-do-pará e a madeira. Na extração mineral, o manganês. Na pecuária contribui com a criação do gado bovino e do búfalo. Na agricultura o arroz e a mandioca. O setor de serviços é o maior gerador de receita do estado.

Quanto à demanda educacional, foram implantadas políticas para atender às exigências advindas da dinâmica populacional, viabilizando a oferta do ensino nos diversos níveis e modalidades, em todo o estado é de 211.453 ( IBGE 2010).

Quanto à Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) criada em 1990, iniciou suas atividades como Núcleo Avançado de Ensino, vinculado à Universidade Federal do Pará, com nove cursos. No primeiro concurso para docentes, foram preenchidas 66 vagas, em 1994. Dez anos depois a IFES registrava 148 professores efetivos, 11 cursos de graduação, 12 laboratórios, 8.870 alunos cursando a graduação na capital e no interior dos Estados do Amapá e Pará.

A Universidade Federal do Amapá é a única Instituição Federal de Ensino Superior do Estado e surge com a clara finalidade de promover a educação superior, a construção do conhecimento científico por meio da pesquisa e as atividades de extensão aos habitantes do estado, através da lei de autorização número 7.530 de 29/08/1986. Hoje, a Universidade conta com 17 cursos nas áreas de licenciatura e Bacharelado. Presta um serviço importante a população do estado do Amapá com suas atividades ensino, pesquisa e extensão e tem contribuído com as autoridades do estado nas soluções de problemas locais com ênfase no aperfeiçoamento do corpo docente das escolas públicas e privadas.

Nesse sentido, entre os anos de 2001 a 2007, a UNIFAP qualificou, em convênio com o estado, aproximadamente 5 mil professores da rede pública. Contribui também com quatro Campi em Oiapoque, Laranjal do Jari, Amapá e Santana no objetivo de interiorizar as ações da Universidade com cursos de graduação, capacitar professores e desenvolver atividades de pesquisa e extensão.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   114


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande