DisfunçÃo temporomandibular: uma abordagem fisioterapeutica



Baixar 28 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho28 Kb.




DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA
Adriele Fernanda Barbera Bassi - adrielebassi@hotmail.com

Regiane Sayuri Morimoto - regiane_sayuri@hotmail.com

Ana Cláudia de Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

RESUMO
A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que acomete as estruturas do sistema craniocervicomandibular, caracterizada por uma série de sinais e sintomas. De origem multifatorial, ela pode ocorrer na população em geral, porém tem predomínio no gênero feminino. A fisioterapia com seus diversos recursos atua como uma opção eficaz no tratamento de indivíduos portadores deste tipo de disfunção. O objetivo do presente estudo foi o de revisar a literatura e assim ampliar os conhecimentos de acadêmicos e profissionais sobre a disfunção temporomandibular e a atuação da fisioterapia.
Palavras-chave: Articulação Temporomandibular (ATM). Disfunção temporomandibular (DTM). Fisioterapia.

INTRODUÇÃO
A articulação temporomandibular (ATM) é do tipo sinovial, biaxial, capaz de realizar movimentos como elevação, depressão, protrusão e retração da mandíbula, além de movimentos de lateralidade. (Rizzolo,Madeira, 2004; Salvador, Ribeiro, Previlatto,2006 ).

Considerada um dos elementos do sistema estomatognático a ATM constitui um elo entre a mandíbula um osso impar (na qual se implantam os dentes inferiores) e o osso temporal que é par e constitui a caixa craniana. A postura, a mastigação, a fonação, deglutição e a respiração dependem do correto funcionamento da ATM juntamente com os diversos componentes do sistema estomatognático.(Rizzolo, Madeira, 2004; Anequini, Cremonez, 2009)

Quando existe alguma alteração na ATM, acontece o que chamamos de disfunção temporomandibular (DTM). Denominada também de desordem craniomandibular (DCM) é uma síndrome que envolve a região craniocervical, musculatura mastigatória e as ATM’s

Apesar de desconhecida a etiologia da DTM, as conexões nervosas existentes entre a região cervical, crânio e a mandíbula sugere-se que alterações posturais estejam relacionadas com sua gênese e perpetuação. (Barcelos, 2008; Souza, 2010).

A DTM é classificada como um conjunto de distúrbios, de origem multifatorial que leva a diversos sinais e sintomas. Considerada de difícil diagnostico, pois possui uma natureza heterogênea de sintomas, a etiologia da DTM pode estar relacionada a fatores psicológicos, alterações posturais, hiperatividade muscular, interferência oclusais, lesões traumáticas e/ou degenerativas da ATM ou a combinação entre os diversos fatores. (Anequini, Cremonez, 2009 ; Salvador, Previlatto, 2006 ; Oliveira et. al ,2003; Pereira et. al., 2005)

A intensidade dos sinais e sintomas pode variar de um individuo para o outro. Para Souza (2010) a prevalência ocorre principalmente em mulheres de 20 a 45 anos. Já Pereira et al (2005) observaram predomínio no gênero feminino na faixa etária de 21 a 40 anos. Para Cauas et al (2004) 21 a 30 anos foi a idade de maior ocorrência no gênero feminino.

Podem ocorrer estalos ou crepitações ao abrir e fechar a boca, mioespasmos e dor na musculatura mastigatória e região cervical, otalgia, zumbido, vertigem, dor facial ou cefaléias, luxações (nos casos mais graves) limitação, dificuldade e incoordenação dos movimentos mandibulares e sensibilidade a palpação. (Tosato, 2007; Granja, Lima e Machado, 2005; Souza, 2010; Carrara, Conti, Barbosa, 2010; Barcelos, 2008).

A fisioterapia é uma alternativa de tratamento para reabilitação dos indivíduos com DTM. As repercussões e os benefícios de seus recursos e procedimentos podem minimizar ou debelar os sinais e sintomas dos pacientes acometidos por essa patologia e assim contribuir para melhora da qualidade de vida. Com o objetivo de reestabelecer a função normal da ATM e estruturas associadas, modalidade terapêuticas como a acupuntura, cinesioterapia, eletroterapia e termoterapia, massoterapia podem promover analgesia e relaxamento da musculatura, coordenação muscular, recuperar a amplitude de movimento além de correção de posturas viciosas.



1 METODOLOGIA
A realização deste estudo teve como bases de pesquisa: livros, artigos científicos e trabalhos de conclusão de curso.

2 RESULTADO E DISCUSSÃO
Segundo Bove, Guimarães e Smith (2005) a disfunção temporomandibular é uma especialidade da odontologia que atualmente está sendo considerada como multidisciplinar, devido às características apresentadas pelos pacientes que procuram tratamento.

A DTM é caracterizada pela presença de sinais e sintomas que podem surgir concomitantes como: ruídos articulares, redução da amplitude ou alteração dos movimentos mandibulares, limitações funcionais, dores na musculatura mastigatória, na região pré-auricular e/ou na própria articulação. Além destes sintomas acima, a queixa de dificuldades ou desconforto durante a fala é verificada e relatada por indivíduos com DTM. (TAUCCI, BIANCHINI, 2007)

José Junior et al afirmam que a dor será capaz de determinar mecanismos de proteção que interferem nos padrões fisiológicos de estruturas próximas, como no caso do ouvido e da ATM. Movimentos fisiológicos da mandíbula, que promovem a deglutição, mastigação e sucção são modificados pelo sistema nervoso central, no intuito de minimizar o dano progressivo nos tecidos articulares, que pode determinar a degeneração da articulação e, de maneira mais irreversível, sua anquilose.

Os avanços científicos nessa área de conhecimento exigem dos profissionais constante atualização. Terapias inadequadas podem gerar iatrogenias, permitir que a dor se torna crônica, além de induzir o paciente a acreditar, equivocadamente, que sua patologia deveria ser tratada por profissional de outra especialidade. O objetivo do tratamento da DTM é controlar a dor, recuperar a função do aparelho mastigatório, reeducar o paciente e amenizar cargas adversas que perpetuam o problema.(CARRARA, CONTI, BARBOSA, 2010).



A fisioterapia tornou-se parte integral da abordagem interdisciplinar advogada no tratamento da dor e da disfunção associadas com a desordem temporomandibular e outras condições de dor orofacial, (FRICTION et al., 2003).

De acordo com Mourão e Mesquita (2006) a fisioterapia atua no tratamento reversível, tentando devolver a função da articulação comprometida. Para isso, necessita de uma avaliação precisa, englobando o indivíduo como todo, mas focalizando-o para os sinais e sintomas apresentados na DTM. Exercícios de relaxamento ou de adaptação para a função muscular têm se mostrados efetivos na redução de distúrbios funcionais dos músculos e para distender os músculos abdutores.



Segundo ALVES et al. (2003), a fisioterapia tem como objetivo evitar a cirurgia, reposicionar a mandíbula ao crânio para melhorar a função, minimizar a dor muscular, melhorar a ADM, melhora da postura, reeducação do paciente em relação ao posicionamento correto da mandíbula, redução da inflamação, redução da carga na articulação temporomandibular e fortalecer o sistema músculo-esquelético.

Para o inicio desse tratamento, a utilização de procedimentos fisioterapêuticos são essenciais. Pode-se trabalhar nessa musculatura com manobras de relaxamento e reeducação postural que promoverão grande melhora na sintomatologia, principalmente nas crises dolorosas, (BARROS & RODE, 1995).

A primeira medida fisioterapêutica consiste na educação do paciente a respeito da natureza do seu problema e da maneira para reduzir os sintomas, diminuindo a intensidade da atividade dos seus músculos mastigatórios. Após a utilização de determinados recursos fisioterapêuticos para reduzir ou eliminar a dor são ensinados ao paciente os exercícios para o relaxamento que deverão ser supervisionados pelo fisioterapeuta e que deverão ser realizados periodicamente, (ALVES et al., 2003).

CONCLUSÃO
Neste estudo analisamos a importância da fisioterapia no tratamento da DTM. Para isso foi preciso conhecer um pouco mais sobre esta articulação, suas possíveis disfunções, sintomatologia e etiologia, que por ser multifatorial, faz-se necessária uma intervenção interdisciplinar, tornando o tratamento mais completo e com melhores resultados.

REFERÊNCIAS
ALVES, A. et al. ATM - Articulação Temporomandibular. Disponível em : < http://www.wgate.com.br/conteudo_fisioweb.asp?p=atm>. Acesso em: 22 maio 2003.
ANEQUINI, A.; CREMONEZ, A.A. Disfunção da articulação temporomandibular. 2009. Monografia (Pós-Graduação em Fisioterapia) – Centro Universitário Católico de Lins, Lins.
BARCELOS, E. Efeitos dos exercícios terapêuticos na disfunção temporomandibular: estudo de caso. 2008. Monografia (Graduação em Fisioterapia) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão.
BARROS, J. J.; RODE, S. M. Tratamento nas disfunções craniomandibulares e ATM. São Paulo: Santos, p.3-353, 1995. 
BOVE, S. R. K.; GUIMARÃES, A. S.; SMITH, R. L. - Caracterização Dos Pacientes De Um Ambulatório De Disfunção Temporomandibular E Dor Orofacial. Rev Latino-am Enfermagem. v.13, n.5, p. 686-91, 2005. Set/out.
CARRARA, S.V.; CONTI, P.C.R; BARBOSA, J.S. Termo do 1° consenso em disfunção temporomandibular e dor orofacial. Dental Press J Orthod. [s.l], v.15, n.3, p.114-20, maio/jun. 2010.
CAVAS, M. et al. Incidências de hábitos parafuncionais e posturais em pacientes portadores de disfunção da articulação craniomandibular. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buço-Maxilo-Facial [s.l.] v.4, n.2, p.121-29, abr/jun,2004
FRICTION, J. R.; DUBNER, R. Dor orofacial e desordens temporomandibulares. São Paulo: Santos, p. 335-6, 2003.
GRANJA, D.; LIMA, A.P.; MACHADO, K. Proposta de tratamento fisioterapêutico (protocolo GLM) para portadores de disfunções temporomandibulares. Disponível em <http://www.portalsaudebrasil.com/artigospsb/odonto027.pdf>. Acesso em 13 jan. 2011.
JOSÉ JUNIOR, J. S. et al. Prevalência de Conhecimentos sobre a Relação de

Cefaléia e Disfunção Temporomandibular. Neurobiologia. [s.l] , v. 72, n. 3, jul/set, 2009.


MOURÃO, N. L. A.; MESQUITA, V. T. A Importância da fisioterapia no tratamento das disfunções da Atm. Terapia Manual. V.4, n.16, abril/jun, 2006.
PEREIRA, K.N.F. et. al . Sinais e sintomas de pacientes com disfunção temporomandibular. Rev. Cefac. São Paulo, v.7, n.2 p.221-8, abr-jun, 2005.

RIZZOLO, R.J.C.; MADEIRA M.C. Anatomia facial com fundamentos de anatomia sistêmica geral. São Paulo: Sarvier, 2004.


SALVADOR, E.M.; RIBEIRO, F.; PREVILATTO, R. Fisioterapia nas disfunções temporomandibulares. 2006. Monografia (Pós-Graduação em Fisioterapia) – Centro Universitário Católico de Lins, Lins.
SOUZA, J.A Postura e disfunção temporomandibular: avaliação fotogramétrica, baropodométrica e eletromiográfica. 2010. Dissertação (Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria
TAUCCI, R. A.; BIANCHINI, E. M. G. Verificação da interferência das disfunções temporomandibulares na articulação da fala: queixas e caracterização dos movimentos mandibulares. Rev Soc Bras Fonoaudiol. Rio de Janeiro. v.12, n.4, p. 274-8, 2007.
TOSATO, J.P. et.al. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em mulheres com cervicalgia e lombalgia. Arq Med ABC. São Paulo, v.32, p.20-2, 2007.

Universitári@ - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP, ano 2, n.5, Edição Especial, outubro 2011





Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande