Condordância verbal



Baixar 369.8 Kb.
Página1/5
Encontro08.07.2018
Tamanho369.8 Kb.
  1   2   3   4   5

DÚVIDAS DE A A Z:

CONDORDÂNCIA VERBAL


A concordância verbal deixa muita gente confusa. Por exemplo: Qual a forma correta?
“Vai fazer 3 meses que ele se foi.”
“Vão fazer 3 meses que ele se foi.”

O certo é “Vai fazer 3 meses que ele se foi”. O verbo “fazer” é muito específico na Língua Portuguesa. Ele não deve ser flexionado quando usado para indicar tempo decorrido. Por exemplo:

“Já fazia dez anos...”
“Faz cinco horas...”
“Faz sete anos...”
“Faz trinta dias...”

O verbo também fica no singular quando associado a outro verbo. Exemplos:

“Vai fazer dez anos...”
“Deve fazer trinta anos...”

Agora você já sabe:


"Faz dois anos que estive aqui” e não “fazem dois anos que eu estive aqui."

Como o verbo fazer indicando tempo não tem sujeito, podemos e devemos dizer: "passaram dois anos".


De fato, os anos passam. Mas nunca se deve dizer "fazem dois anos ".

Outra questão: Qual o correto: "Quando visitei sua mãe, eu morava lá há dois anos" ou "... morava lá havia dois anos”?

Se substituirmos o verbo “haver” por “fazer”, a forma correta é ".... eu morava lá fazia dois anos". Logo, "... eu morava lá havia dois anos".

HÁ / ATRÁS

Enganos ortográficos e gramaticais devem sempre ser evitados. E há alguns que ocorrem com maior freqüência. São esses casos que exigem atenção redobrada.


É comum ouvirmos alguém dizer: “Há décadas atrás”. Há e atrás já indicam que a frase está no passado. Use apenas “Há décadas” ou “Décadas atrás”.
Para esclarecer podemos usar como exemplo a seguinte afirmação do escritor Paiva Netto: “A LBV, pregando e realizando o Natal Permanente, há décadas, luta para que se firme, na Terra, a Sociedade Solidária”.

RUIM

Agora vamos à pronúncia de mais uma palavra: ruím. Certamente você já deve ter ouvido alguém dizer: rúim. Mas preste atenção: Esta palavra tem duas sílabas: ru-im, formando um hiato. Se você disser que a situação está rúim, com certeza ela ficará ainda pior!


Portanto, não esqueça: a pronúncia correta é ruím.

Para que seja bem gravada a lição de hoje, trazemos a conclusão lapidar de Gandhi:


— O Capital em si não é mau; o uso incorreto dele é que é ruim.

CIDADÃO / CARÁTER

Esse substantivo ao ser flexionado para o plural, gera muitas dúvidas. A palavra é cidadão. Quem já não ouviu: Somos todos cidadões? Mas o correto é: cidadãos.


Outra palavra que exige também muito cuidado é caráter. O seu plural é caracteres.
Um exemplo pode ser encontrado na revista Ciência e Fé na trilha do equilíbrio, traduzida para vários idiomas, em que ensina o escritor Paiva Netto: “Só o conhecimento, iluminado pelo Amor fraterno, liberta e faz grandes cidadãos e nações.” E há outro pensamento de Paiva Netto que ilustra muito bem essa questão: é nos momentos de crise que se forjam os grandes caracteres e surgem as mais poderosas nações.

Como ler textos


Hélio Consolaro* 

Como você lê? De maneira mecânica, passiva ou de maneira ativa, reflexiva e crítica? Você acumula apenas os dados e as informações ou você integra o lido ao vivido?


Há pessoas que lêem muito, pilhas de livros são devoradas, como se fosse uma saída a qualquer problema psicológico, mas sua vida nada muda. Elas lêem como o raio laser lê o disco, mecanicamente. Quando muito, tais pessoas são verdadeiras enciclopédias volantes, sabem de cor uma série de coisas. 
Outras lêem de forma reflexiva, fazem a leitura como se estivessem comendo alguma coisa. Mascam, ruminam, não gostam, devolvem, brigam com o texto. Elas possuem uma postura crítica diante do que lêem. Depois do texto lido e digerido, ele passa a fazer parte da vida deste tipo de leitor. Para ler é necessário ir e voltar, do texto a nós mesmos, até interiorizá-lo, até que ele, finalmente, faça parte de nós.
A gente lê para se informar, para ser uma pessoa culta, mas acima de tudo se deve ler para praticar a leitura para que a pessoa continue alfabetizada, não perca a habilidade de manipular e entender as palavras do vocabulário passivo.
Os japoneses, por exemplo, possuem uma língua ideográfica bem mais difícil do que a nossa, por isso lêem sempre para não esquecer a escrita que aprenderam com muito sacrifício. Conosco deveria acontecer o mesmo. Como disse uma trabalhadora dos canaviais pernambucanos: "Quem não sabe ler, tem medo das novidades". Ler é um processo, cuja condição primordial é a própria prática da leitura. 

* Hélio Consolaro é professor de Língua Portruguesa do Ensino Médio, escreve semanalmente coluna Por Trás das Letras na Folha da Região, Araçatuba, e é cronista diário do mesmo jornal. Coordena este site. 



CONDORDÂNCIA VERBAL

Vamos exemplificar:


Eu já comentei de que esse assunto está encerrado.
Eu sempre disse de que as coisas poderão melhorar.
Eu acredito de que a solução esteja próxima.
Creio de que o seu comentário seja válido para estes tempos de globalização.

O raciocínio é simples. Preste atenção!


Quem comenta, comenta alguma coisa (onde está o de?)
Da mesma forma que quem diz, diz alguma coisa (onde está o de?)
E quem acredita, acredita em alguma coisa. (repito a pergunta: onde está o de?)
Está correto o escritor Paiva Netto ao escrever em seu livro Crônicas e Entrevistas:

Creio que essa hora seja terminada, porquanto maiores são as razões que nos devem confraternizar do que as que só servem para acirrar rancores. O ódio é arma voltada contra o peito de quem odeia.

Da obra As Profecias sem Mistério extraímos:


Bem, voltemos à matéria em estudo: comentei que este trecho do Evangelho do Cristo, segundo João, "Jesus, o Pão vivo que desceu do Céu", é tão profundo que poderíamos analisá-lo por vários programas.

Outros exemplos:


Quando Moisés, no Velho Testamento, revelou que "ao sétimo dia Deus descansou", o fez com o intuito de ensinar aos Seres Humanos o respeito a pelo menos um período determinado para sossego próprio e dos seus servos, escravos, animais e o solo, também, tendo em vista a necessidade de reservarem um dia para dedicação a Deus, às coisas espirituais. O Ser Humano não é uma máquina para ser explorada à exaustão. Não foi à toa que Jesus alertou:
· Nem só de pão vive o Homem, mas também da Palavra que vem de Deus (Evangelho, segundo Mateus, 4: 4).
(Paiva Netto)

Mas quem foi que disse que o Apocalipse decreta o término de nossa existência planetária? O mundo não vai acabar. Pelo contrário, e é justamente no Evangelho-Apocalipse do Cristo que se encontra o Plano Sociológico de Deus para uma mudança benéfica da Humanidade. Particularmente, o último livro da Bíblia Sagrada prevê essa profunda transformação social, originária do nosso comportamento, bom ou não tão bom assim.


(Paiva Netto)
Vamos frisar bem: disse que, comentei que, creio que, acredito que, penso que, revelou que, espero que.

DICA:
não use de antes de qualquer que.


.

Gerúndio
Se consultarmos as gramáticas, vamos descobrir que o gerúndio é uma das


formas nominais do verbo. Por que "formas nominais"? Porque é quando o verbo pode atuar como nome.
No caso do gerúndio, que é aquela forma que termina em -ndo (amando, falando, vendendo, partindo, correndo, etc) sabemos que ele pode ser usado como se fosse um adjetivo.

Por exemplo:


água fervendo
(água que ferve)

O gerúndio é usado basicamente para que se dê a idéia de algo em processo de execução, em curso, de algo que dura. Temos notado exageras no uso do gerúndio. Aliás, está na moda uma coisa horrorosa: "Você poderia estar enviando um comprovante para nós amanhã". Por que não dizer "Você pode enviar um comprovante para nós amanhã" ? É uma moda exagerada essa do gerúndio com três verbos, um vício muito estranho.


Mais uma dica: Não se flexiona infinitivo que depende de gerúndio. Portanto, é errado dizer "Devendo os testes serem feitos." O correto é dizer: "
Já foi marcada a época dos vestibulares, devendo os testes ser (e não serem) realizados no período de dois a trinta de janeiro.
As inscrições ao concurso de poesias estão abertas, podendo os candidatos dirigir-se (e não dirigirem-se) à sede da Editora.
Ainda quanto ao gerúndio, muita atenção à pronúncia: É muito comum ouvirmos: "Correno", "varreno", "caíno", "andano". Para algumas pessoas o d dos gerúndios não soa. Tome cuidado!
Para ilustrar bem o seu uso, vamos a um pensamento de Paiva Netto, no qual ele usa o gerúndio do verbo amar:
A morte é uma certeza que devemos enfrentar, pois todos sofreremos as suas conseqüências se não nos houvermos comportado bem no que se resolveu considerar "vida": a curta existência humana na Terra. O grande segredo da vida é, amando a vida, saber preparar-se para a morte, ou Vida Eterna.

 

Um dos (concordância)


Por que tais frases estão corretas quanto à concordância?
a) O Tietê é um dos rios paulistas que atravessa o Estado de São Paulo.
Explicação: O uso do singular (atravessa) é recomendado porque o verbo se refere a um só ser, e não a mais de um: dos rios paulistas, o Tietê é o único que atravessa o Estado de São Paulo. 
b) O Sol é um dos astros que dá luz e calor à Terra.
Explicação: a mesma do período “a”.
c) O Tietê é um dos rios paulistas que estão poluídos.
Explicação: cabe o plural (estão) porque a referência verbal se faz a dois ou mais seres, e não apenas a um; dos rios paulistas que estão poluídos, o Tietê é um deles, não o único. 
d) O Sol é um dos astros que possuem luz própria.
Explicação: a mesma do período “c”. 
 -------------------------------------
Abreviaturas: como abreviar as palavras?

Muitas vezes precisamos abreviar as palavras por economia de tempo ou de espaço. A regra geral para abreviatura das palavras é simples. Basta escrever a primeira sílaba e a primeira letra da segunda sílaba, seguidas de ponto abreviativo. Caso a primeira letra da segunda sílaba seja vogal, escreve-se até a consoante.


Exemplos: fut. (futuro), adj. (adjetivo), gram. (gramática), num. (numeral), al. (alemão), subst. (substantivo).
Se a palavra tiver acento gráfico, este será conservado se cair na primeira sílaba.
Exemplos: núm. (número), gên. (gênero), créd. (crédito), déb. (débito), lóg. (lógica), méd. (médico).
Se a segunda sílaba iniciar por duas consoantes, as duas farão parte da abreviatura.
Exemplos: pess. (pessoa), constr. (construção), secr. (secretário), diss. (dissílabo).
Algumas palavras não seguem a regra geral para abreviatura. Exemplos: a.C. ou A.C. (antes de Cristo), ap. ou apto. (apartamento), bel. (bacharel), btl. (batalhão), cel. (coronel), Cia. (Companhia), cx. (caixa), D. ( digno, Dom, Dona), f. ou fl. ou fol. (folha), ib. ou ibid. (ilidem, da mesma forma), id. (idem, o mesmo), i.é. (isto é), Limo. (Ilustríssimo), Ltda. (Limitada), M.D. (Muito Digno), p. ou pág. (página), pp. págs. (páginas), pg. (pago), p.p. (próximo passado), P.S. (pós escrito = escrito depois), Q.G. (Quartel General), rem. ou remte. (remetente), S.A. (Sociedade Anônima), sv. (serviço), S.O.S. (Save Our Souls = salvai nossas almas), u.i. (uso interno), U.S.A. (Unitid States of America = Estados Unidos), vv. (versos, versículos).
Os gramáticos tradicionais não admitem flexão em abreviaturas, como: profª (professora), págs. (páginas). É bom lembrar que na flexão de gênero, não aparece a desinência “o”, indicativa do masculino nas abreviaturas, como: prof. profª. Está errado grafar o masculino assim: profº.
Nas abreviaturas de caráter internacional, não se põe o ponto abreviativo: h, kg, km, kw, l.
Nunca corte a palavra numa vogal, sempre numa consoante. Exemplo: departamento = dep., nunca depa.)
A abreviatura deve ter metade ou menos da metade da palavra original, do contrário, será melhor escrever a palavra por extenso.
Não se deve usar abusivamente abreviaturas em provas, trabalhos, artigos ou redações, só em anotações de uso pessoal.
No caderno Classificados da Folha  da Região, o uso da abreviatura é uma constante porque o cliente quer economizar espaço para pagar menos. 

Abreviatura - ponto


No período: “O professor respondeu a Pedro Marcolino Jr.” não há a necessidade de repetir a pontuação. O ponto da abreviatura serve para indicar o final do período também.

Abreviatura de numeral 

COMO? 1,5 MILHÃO DE REAIS?

Quando abreviamos R$ 1.500.000,00 para 1,5 milhão de reais, a casa do milhão é a que fica antes da vírgula. Observe mais exemplos: 2,1 milhões = dois milhões e cem mil; 1,3 bilhão = um bilhão e trezentos milhões; 4,1 bilhões = quatro bilhões e cem milhões.

 

Abreviatura de ordinal



      Pedro Aleixo Filho, ex-colega de Folha da Região, tem uma nova pergunta. Na indicação de primeiro, primeira, segundo, segunda deve-se utilizar o algarismo, tendo, ao lado, um ponto encimado pelas letrasá o ou a sobrescritas ou utiliza-se apenas as letras? Ex.: 1.º e 1.ª ou 1º e 1ª?

       Usar a última forma (sem o ponto) parece indicação de grau de temperatura na escala Celsius. Ex.: 1º (um grau), 32º (trinta e dois graus), 0º (zero grau), - 4º (menos quatro graus, quatro graus negativos ou quatro graus abaixo de zero).

       É, também, errado colocar um tracinho (-) ou dois (=) abaixo das letras a e o sobrescritas (ª e º). Certo?

       Resposta: o Pedro perguntou, mas já tinha a resposta na ponta da língua, pois conheço o seu zelo pelo português culto. O único reparo que faço é colocar C depois do ozinho para indicar centígrados: 32º C.

Abreviatura de professor

A abreviatura da palavra professor não tem "o" como há em professora (prof.ª). Ninguém abrevia doutor como "dr.º". Doutora, sim, "dr.ª".

À custa de / às custas de

Como afirma o professor Sérgio Nogueira, embora muito usada no plural, a locução prepositiva correta é "à custa de". É importante lembrar que as locuções prepositivas de base feminina devem receber o acento da crase: à custa de, à mercê de, à base de, à procura de, à moda de...

A gente e agente 
a) A gente = nós; o povo, as pessoas. Exemplo:
Nós vamos à praia este fim de semana. (Forma mais culta.)
A gente vai à praia este fim de semana. (Forma mais popular.)
b) Agente = indivíduo encarregado, responsável por determinada ação: aquele que age. Agente possui também outros significados. Exemplo:
Meu pai é agente de viagens da Varig.

A gente ou nós?

Se você estiver num contexto formal, que exige a gramática tradicional, não há dúvida de que nós é palavra mais adequada; no entanto, nada impedirá a utilização de a gente num ambiente descontraído e informal. Cabe lembrar-se, apenas, de que a concordância verbal deve prevalecer sempre: use nós com o verbo na 1ª pessoa do plural; use a gente com o verbo na 3ª pessoa do singular. Nunca use: a gente fomos.

Aids ou aids? 


Como Aids é uma sigla, a inicial deve ser maiúscula. O Brasil adotou a sigla inglesa, em português ou espanhol seria Sida (adotada pela Argentina). Acho que foi interferência de Nossa Senhora Aparecida... a nossa Cida querida. Não ia ficar bem dizer que o fulano morreu de Sida.

Alfabeto - letras k, w, y

       Por excesso de nacionalismo, tais letras não são consideradas de nosso alfabeto, embora o Brasil seja povoado de pessoas com sobrenomes estrangeiros. Elas aparecem apenas em casos especiais. A palavra whisky contém os três exemplos. Aportuguesando a palavra, tem-se uísque. A letra K deu lugar a QU; W, a U; e Y, a I.

       Mas as letras K, W e Y aparecem em alguns casos, como:

       a) abreviaturas internacionais: kg (quilograma), km (quilômetro), kWh (quilowatt-hora), W (watt), WC (water closet - banheiro)

       b) nas palavras estrangeiras: marketing, walkman, lobby

       c) nas palavras derivadas de nomes estrangeiros: kantismo, wagneriano, byroniano

       d) As palavras derivadas de nomes estrangeiros comuns devem ser aportuguesadas: marqueteiro, lobista

       Os nomes escritos com tais letras não seguem as regras de acentuação de nosso idioma. Exemplos: Válter (com acento) Walter (sem acento), Vágner (com acento), Wagner (sem acento), Cátia (com acento), Katia (sem acento).

 

Alerta



Alerta: sentinelas, alerta! (invariável, interjeição). "Todos os sentidos alerta funcionam" (advérbio - invariável)

Os gansos deram o alerta (substantivo - variável).

As autoridades sanitárias estão alertas (adjetivo, variável).

 Há gramáticos que tratam essa palavra apenas como advérbio, invariável.

 

Alto-falante



       Carlos Munhoz quer saber por que "alto-falante", se tal peça fica no carro, na caixa. E, às vezes, o som fica baixinho, conforme a vontade do usuário.

       O alto de alto-falante se deve à ampliação da voz. Também à altura onde eram postas as cornetas. Quem tem mais idade, como eu, conheceu o serviço de alto-falante das cidades. Geralmente, havia um poste e lá em cima ficavam as caixas para que toda a cidade ouvisse os recados e músicas. Auto não dá, pois ele não fala por si mesmo.

 

Ambos - emprego


O numeral "ambos", que é o único "dual" em português, pode ser reforçado em "ambos os dois", "ambos de dois", "ambos e dois", "ambos a dois", "a dois ambos".
Exemplos: "O certo é que ambos os dois monges caminhavam juntos." (Herculano)
"Ambos estes dois instrumentos." (Vieira)
"Nós viemos praticando ambos de dous." (Antônio Prestes)
"De ambos de dois a fronte coroada/ Ramos não conhecidos e ervas tinha." (Camões).
Modernamente, porém, vem se evitando o emprego pleonástico de "ambos os dois", embora seja correto. (Rocha Lima, Gramática Normativa da Língua Portuguesa.)

Anexo


Em anexo (locução adverbial) - invariável. Exemplos: Os arquivos seguem em anexo. As pastas seguem em anexo.

Anexo (adjetivo) - variável (gênero e número). Exemplos: Os arquivos seguem anexos. As pastas seguem anexas. 

A nível de?
Jô Soares condena o uso da expressão "a nível de", mas nunca explicou o motivo da condenação. Não que eu tenha o hábito de utilizá-la, mas é realmente incorreto o seu emprego? (Leitor desta coluna). Transformei a dúvida dele em teste da semana.
Resposta: A nível de tornou-se uma muleta, ou seja, expressão dispensável, desnecessária. Veja os exemplos:
"Decisão a nível de diretoria". Não fica melhor dizer (ou escrever) "Decisão de diretoria"? 
"O clube está fazendo contratações a nível de futuro". Não ficaria mais elegante escrever: "O clube está fazendo contratações para o futuro"?
Em determinadas situações, podem ser usadas as locuções no plano (de) ou em termos de. Ou no nível de / em nível de, uma vez que "nível" rejeita o "a" sozinho. Exemplos: O grupo elevou a entidade ao nível primeiro mundista (a nível primeiro-mundista - não seria a expressão mais correta) 
Existe também ao nível de, mas apenas com o significado de à mesma altura: ao nível do mar. (Manual do Esstadão)

Ano novo/ ano-novo

 “Feliz ano novo!” – sem hífen, pois a pessoa está desejando-lhe todas as felicidades do mundo no ano que se inicia.                                          “Para o Natal e para o ano-novo, o supermercado Y tem as melhores ofertas.” – com hífen, pois é a festa.                                                      Em ambos os casos, letra minúscula.

Anos  sessentas


Qual é o erro desta frase?
“Durante uma hora ele falou, emocionado, sobre sua juventude nos anos sessenta.”
A resposta certa: Durante uma hora ele falou, emocionado, sobre sua juventude nos anos sessentas.
Diz-se duas canetas ou duas caneta? A primeira, claro! 
Cuidado para não confundir “numeral” com “substantivo”.
Numerais : quarenta anos, setenta anos, noventa anos. Substantivos : anos quarentas, anos noventas, anos noventas. Os anos setentas são: 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 77, 78 e 79. Vários setentas! Há quem defenda o singular, pois alega que sessenta é um substantivo com função de adjetivo, que estabelece o tipo ou categoria, como em banana-maçã, bananas-maçã. A tendência atual é pluralizar: anos sessentas. 
Os estudantes antigamente faziam a prova dos noves na escola? O número 5555 é formado por quatro cincos; o número 777, por três setes. E o número 111? Mesmo raciocínio: formado por três uns.
 

Ansiar  (verbos terminados em -iar)


MEDIAR, ANSIAR, REMEDIAR, INCENDIAR e ODIAR, cujas letras iniciais foram o nome MÁRIO, são irregulares na conjungação porque ganham o I transformado em EI nas formas rizotônicas (acento tônico recai no radical) nas três primeiras pessoas do singular e na terceira pessoa do plural do presente do indicativo e do presente subjuntivo. Exemplo: odeia, odeias, odeia, odiamos, odiais, odeiam/ odeie, odeies, odeie, odiemos, odieis, odeiem.
Os outros verbos terminados em -iar são regulares. Exemplos: afio, aprecio, chio, crio, esquio, guio, mio, premio, principio e outros. A exceção é MOBILIAR, nele as formas rizotônicas (sílaba tônica no radical) têm acento tônico na sílaba BI (conseqüente acento gráfico) e não na LI: mobílio, mobílias, mobília, mobiliamos, mobiliais, mobíliam/ mobílie, mobílies, mobílie, mobiliemos, mobilieis, mobíliem.

Antártica ou Antártida


Esse assunto é polêmico.
Luiz Antonio Sacconi afirma que a região gelada chama-se Antártica, que é oposta ao Ártico.
Eduardo Martins no Manual de Redação do Estadão; Domingos Paschoal Cegalla em seu Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa possuem outra posição: 
Antártida - nome da região
Antártico, antártica: adjetivo. Exemplo:  continente antártico, aves antárticas.
 Os dois últimos são mais lógicos.

Antraz ou carbúnculo?

O nome antraz está nas primeiras páginas dos jornais, mas para os médicos o nome utilizado para designar a doença causada pela bactéria Bacillus anthracis é carbúnculo.

Antraz, segundo o médico professor Sebastião A. Prado Sampaio, 82 anos, médico e professor emérito de dermatologia da Faculdade de Medicina da USP, em artigo publicado na FSP de 18/10/2001, é uma outra moléstia, provocada por estafilococos e que está associada a furúnculos.


Nossos dicionários (Aurélio e Houaiss) de língua portuguesa não trazem antraz como sinônimo de carbúnculo, mas dizem que a doença é provocada pelo Bacillus anthracis. Isso não acontecia no Aurélio nas edições anteriores. Na edição "Século XXI" a equipe adotou a versão inglesa. Já o Michaelis usa antraz como sinônimo de carbúnculo.

Em inglês, as palavras que designam as duas doenças são as mesmas que em português, mas com o sentido trocado: ou seja, carbúnculo é "anthrax" e antraz é "carbuncle".


O “Webster's Enciclopedic Dictionary of English Language (1994)” confunde mais ao dizer que "anthrax" é um "malignant carbuncle", o que equivale a dizer, em português, que carbúnculo é um antraz maligno.

Sebastião A. Prado Sampaio, termina seu artigo, dizendo: “Seria importante também que o ministro da Saúde fosse informado de que antraz, em português, é um grupo de furúnculos, uma infecção estafilocócica, e que fosse esclarecido para a população: o "anthrax", em inglês, é o carbúnculo, em português”. 

Tal missão será difícil diante da massificação da mídia sobre a palavra antraz. Fica aqui a colaboração deste site. Se os professores de Português tiverem a consciência desse fato, já é uma vitória.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande