Comparação do ganho de força muscular de extensores do joelho entre mecanoterapia e um padrão de treino funcional utilizando pesos livres



Baixar 23.85 Kb.
Encontro26.12.2017
Tamanho23.85 Kb.



Comparação do ganho de força muscular de extensores do joelho entre mecanoterapia e um padrão de treino funcional utilizando pesos livres
Marina Zili (PIBIC/CNPq/Unioeste), Juliana Cristina Frare(Orientadora), e-mail: jcfrare@yahoo.com.br
Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Centro de Ciências Biológicas e da Saúde/Cascavel-PR
Grande área e área: Ciências da Saúde – Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Palavras-chave: força muscular, musculação, quadríceps
Resumo
O ganho de força muscular tem-se mostrado favorável em diversos aspectos e está relacionado com o princípio da sobrecarga. É necessário ter clareza a respeito da conduta selecionada em um treinamento com qualquer que seja o objetivo. O objetivo foi comparar o ganho de força muscular do quadríceps entre duas formas de cinesioterapia. As voluntárias foram randomizadas em 3 grupos: grupo mecanoterapia (GM), grupo treino funcional (GTF), grupo controle (GC). Foi realizada uma avaliação pré e pós intervenção da força muscular através do teste de 3 saltos consecutivos baseado na altura do salto. A intervenção foi realizada em 15 sessões 3 vezes por semana em dias alternados, sendo 3 séries de 8 repetições com intervalo de 3 minutos entre as séries. O grupo controle não recebeu intervenção. A prescrição da carga foi determinada pelo teste de 1 repetição máxima (1RM) e o fortalecimento foi realizado a 70% da RM obtida no teste. Para análise estatística os dados foram tabulados no Microsoft Excel (Microsoft Office v.2007) e em seguida foi aplicado o teste de Shapiro-Wilk para avaliar a distribuição normal dos dados. Para determinação de diferenças entre os grupos, foi utilizado o teste T de Student para amostras independentes, conforme a normalidade dos dados. O nível de significância foi de α = 0.05. Não houveram diferenças significativamente relevantes quando analisado a força muscular entre os 3 grupos. Quinze sessões de fortalecimento, em qualquer forma de aplicação foi insuficiente para o aumento da força muscular.
Introdução
O ganho de força muscular tem-se mostrado favorável no aprimoramento do desempenho físico-funcional, no aumento da potência muscular e na melhora da composição corporal (Silva et al., 2008 e Hanson et al. 2009).

Um dos equipamentos mais utilizados com o objetivo de fortalecer o quadríceps é a cadeira extensora. Estudos evidenciam resultados obtidos através do treinamento na cadeira extensora como fortalecimento dos extensores de joelho, aumento do consumo máximo de oxigênio pelo músculo e melhora da potência aeróbia (Dias et al., 2005, Pereira, 2006 e Souza et al., 2008). No entanto, os equipamentos utilizados na prática de musculação limitam o movimento impedindo que o indivíduo consiga realizar movimentos funcionais utilizados em atividades de vida diária ou que reproduzam determinados gestos atléticos, o que pode ser alcançado realizando o treinamento com pesos livres (ACSM, 2010).

Levando em consideração a importância do fortalecimento muscular para a prevenção, manutenção e promoção da saúde nos diversos aspectos expostos, tendo em vista a importância da escolha da conduta adequada para se alcançar um objetivo, observando as vantagens que o treinamento funcional com pesos livres e o trabalho de estabilidade central possui, se faz necessário o aprimoramento do estudo dos métodos comumente utilizados na fisioterapia assim como de novas propostas de treinamento resistido que possam promover outros benefícios além dos inicialmente almejados.

O objetivo do estudo foi comparar o ganho de força muscular do quadríceps entre duas formas de cinesioterapia para fortalecimento: mecanoterapia através de uma cadeira extensora e um padrão de treino funcional utilizando pesos livres.


Materiais e Métodos
Trata-se de um estudo série de caso controle. A amostra foi composta por 36 voluntárias saudáveis com faixa etária entre 18 e 25 anos. Elas foram randomizadas em 3 grupos: grupo mecanoterapia (GM), grupo treino funcional (GTF) e grupo controle (GC), sendo cada grupo composto por 12 mulheres.

As avaliações da força muscular consistiram em um teste de 3 saltos consecutivos sobre uma placa de contato conectada a um sistema denominado MultisprintFull (software Multisprint). Os avaliadores da foram cegos com relação aos 3 grupos.

Para prescrever a carga utilizada na intervenção ambos os grupos realizaram o teste de 1 repetição máxima (1RM).

Ambos os grupos realizarão o fortalecimento dos extensores do joelho 3 vezes por semana em dias não consecutivos, totalizando 15 sessões de intervenção. A carga adotada será de 70% de 1RM e cada sessão será composta por 3 séries de 8 repetições (Ratamess et al., 2009) havendo um intervalo de 3 a 5 minutos entre as séries (Salles et al., 2009).

Para análise estatística os dados foram previamente tabulados de forma descritiva no Microsoft Excel (Microsoft Office v.2007) e em seguida foi aplicado o teste de Shapiro-Wilk para avaliar a distribuição normal dos dados. Após isso realizou-se a exploração dos dados pela média. Para determinação de diferenças entre os grupos foi utilizado o teste T de Student para amostras independentes, conforme a normalidade dos dados. Todas as análises foram conduzidas com auxílio do pacote estatístico SPSS (Statistical Package for Social Sciences, v. 17), e o nível de significância para todas as comparações estatísticas foi de α = 0.05.
Resultados e Discussão
Tabela 1 – Médias de altura do salto obtidas no teste de 3 saltos antes e após a intervenção do GM, GTF e GC.


GM

GTF

GC

Média pré

Média pós

Média pré

Média pós

Média pré

Média pós

21,7 ± 2,5

22,0 ± 2,3

19,9 ± 3,6

19,1 ± 3,4

21,3 ± 3,8

20,8 ± 3,7

(GM - Grupo mecanoterapia, GTF grupo treinamento funcional e GC grupo controle).


Não houveram diferenças estatísticas significativamente relevantes quando analisado a força muscular indiretamente baseada na altura do salto entre os 3 grupos sendo os valores de p=0,56 e f=0,85.

As médias de altura do salto do GM, GTF e GC estão expressos na tabela 1.


Conclusões
Conclui-se que a o treinamento de 15 sessões de fortalecimento muscular, seja através da mecanoterapia seja através de um padrão de exercício funcional, não foi o suficiente para o aumento da força muscular, quando baseado em um teste de saltos.
Agradecimentos
A Fundação Araucária pelo auxílio financeiro durante o período de realização da pesquisa, ao Centro de Reabilitação Física da UNIOESTE e ao Laboratório de Pesquisa do Movimento Humano (LAPEMH) pelo espaço e instrumentalização cedidos que possibilitaram este trabalho e a todos que de alguma forma contribuíram para o desenvolvimento desta pesquisa.
Referências
ACSM - AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. (2010). Resourses for the personal trainer.
Dias, R.M.R., Cyrino, E.S., Salvador, E.P., Nakamura, F.Y., Pina, F.L.C & Oliveira, A.R. (2005) Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 11, 224-228.
Hanson, E.D., Srivatsan, S.R., Agrawal, S., Menon, K.S., Delmonico, M.J., Wang, M.Q., Hurley, B.F. (2009). Efeitos do treinamento de força na função física: influencia do poder, força e composição corporal. Journal of Strengthand Conditioning Research. 23, 2627-2637.
Pereira, M.A.G. (2006). Análise da capacidade functional do quadríceps na mesa extensora em mulheres com osteoartrite de joelho. Dissertação de Mestrado (Engenharia Biométrica). Universidade do Vale do Paraíba Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento.
Ratamess, N.A., Alvar, B.A., Evetoch, T.K., Housh, T.J., Kibler, W. B., Kraemer, W.J. & Triplett, N.T. (2009). Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Medicine and Science in Sports and Exercise. 41, 687-708.
Salles, B.F., Simão, R., Miranda, F., Novaes, J.S., Lemos, A. & Willardson, J.M. (2009). Rest interval between sets in strength training. Sports Medicine. 39, 765-777.
Souza, T.M.F., Cesar, M.C., Borin, J.P., Gonelli, P.R.G., Simões, R.A. & Montebello,, M.I.L. (2008). Efeitos do treinamento de resistência de força com alto número de repetições no consumo máximo de oxigênio e limiar ventilatório de mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 14, 513-517.



Catálogo: eventos -> eaicti -> eaictiAnais -> arquivos
arquivos -> Avaliação do efeito da clorexidina e do hipoclorito de sódio na cimentação adesiva de pinos – estudo in vitro
arquivos -> Análise clinicopatológica de tumores malignos de glândula salivar provenientes de uma casuística de Cascavel (PR) diagnosticados entre os anos de 2001 a 2015
arquivos -> Análise morfométrica dos tecidos gengivais de ratos castrados e com periodontite experimental
arquivos -> Eletrodo de hidroxiapatita para determinação de matéria orgânica
arquivos -> Aplicabilidade da acupuntura auricular no controle da dor, depressão e incapacidade em pacientes portadores de disfunção temporomandibular
arquivos -> Avaliação clínica comparativa entre duas técnicas cirúrgicas para recobrimento radicular em classes I e II de Miller
arquivos -> Análise do conhecimento a respeito da psiconeuroimunologia e do uso da abordagem holística pelos enfermeiros do município de Foz do Iguaçu-pr na prática diária
arquivos -> Estudo morfométrico do plexo submucoso do jejuno de ratos em modelo experimental de câncer tumor de Walker-256
arquivos -> Avaliação da compactação do solo em sistema semeadura direta submetido ao trafego de conjuntos de transbordos graneleiros
arquivos -> Cateter central de inserção periférica: análise do uso na unidade de tratamento intensivo neonatal do Hospital Universitário do Oeste do Paraná


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande