Capítulo XVII



Baixar 9.69 Kb.
Encontro07.10.2019
Tamanho9.69 Kb.

CAPÍTULO XVII

A DESTRUIÇÃO E PARTILHA DO PARAGUAI.

Júlio José Chiavenatto
62 – A DESTRUIÇÃO FINAL DE UM PAÍS LIVRE

Enfim, a guerra está terminada. O Paraguai está destruído. O Paraguai perdeu cento e quarenta mil quilômetros quadrados do seu território. O Império do Brasil, finalmente, tem os pedaços de terra que sempre cobiçou. A Argentina ficou com o Chaco Austral e quase empolga todo o Chaco Boreal. As terras perdidas pelo Paraguai somam em quilômetros quadrados mais que os Estados brasileiros de Pernambuco e Alagoas juntos; mais que Santa Catarina e o Rio de Janeiro juntos. Enfim, é roubado do Paraguai um território maior que Portugal e a Dinamarca juntos; maior que a Bélgica e Cuba juntos; maior que a Alemanha Oriental e Albânia juntos; maior que a Áustria e Costa Rica juntos...

Mas isso não é ainda o mais importante. O importante é que o imperialismo inglês, destruindo o Paraguai, mantém o status quo na América Meridional, impedindo a ascensão do seu único Estado economicamente livre, com uma estrutura industrial desenvolvendo-se rapidamente. E, ao fazer isso, agrega ao seu poder, como credor implacável, o Império do Brasil – que vai cair por causa dessa guerra –, a República Argentina e o Uruguai. Estes três aliados da Tríplice Aliança, ganhando os territórios e dividindo o butim de guerra, na verdade perdem. O Brasil fica com uma dívida externa espantosa e só consegue saldar seus compromissos mais urgentes aumentando os empréstimos com os bancos ingleses, o que vale dizer, atrelando-se cada vez mais aos juros de Rothschild. De 1871 a 1889, o Império do Brasil – até cair de podre – é obrigado a fazer a seguinte evolução da sua dívida junto ao banco Rothschild:


  1. 3.000.000 de libras

  1. 5.301.200 libras

  1. 4.599.600 libras

  1. 6.431.000 libras

  1. 6.297.300 libras

  2. 19.875.000 libras

Total 45.504.100 libras
A Argentina envereda por não melhor caminho. De 1865 até 1876, sua dívida oriunda de empréstimos no exterior soma a apreciável cifra de 18.747.884 libras. O Império do Brasil e a República da Argentina – sempre com o Uruguai de contrapeso – destruíram o Paraguai para o imperialismo inglês e pagaram por isso: em vidas humanas e num endividamento crescente, que determinou inclusive a impossibilidade de um desenvolvimento autônomo de suas economias, sempre ligadas, até hoje, ao capital estrangeiro.

O Paraguai, que tinha uma estrutura social baseada no acesso de todos à terra, com as “estâncias da pátria” criadas por Francia, estimuladas por Carlos Antonio e em pleno desenvolvimento no período de Francisco Solano López, terá toda essa organização destruída criminosamente nos cinco anos de ocupação dos aliados. Suas terras, após a derrota, são vendidas para estrangeiros – passam a ser seus proprietários capitalistas de Amsterdam, Londres ou Nova York, que jamais visitaram o país mas que cobravam enormes taxas para que o camponês paraguaio utilizasse os campos que lhes foram roubados. O governo de ocupação ainda entrega tudo de valor, de propriedade do Estado, que restou de pé no Paraguai. Uma dessas propriedades, orgulho do Paraguai livre foi a sua estrada de ferro, “vendida” aos ingleses. Resta um país mutilado, castrado, que nunca mais pôde reerguer-se: mataram o Paraguai literalmente – exterminaram 96,50% da sua população masculina!

Na destruição do Paraguai, matou-se no nascedouro a grande esperança de liberação econômica da América do Sul. Consolidou-se o domínio estrangeiro do capital espoliador – jogou-se por terra a audácia e a vontade indomável de resistir e perpetuarem-se até apodrecerem no poder político, homens como Mitre, Sarmiento, os gabinetes fantoches de Pedro II e os herdeiros do caudilhismo de Venâncio Flores.

O desastre econômico que se abate sobre os ex-aliados da Tríplice Aliança, o agravamento da dívida destes países e a impossibilidade de libertarem-se do capital estrangeiro até hoje evidenciam a presença brutal do imperialismo inglês puxando os cordéis da dominação.

Enfim, o modelo de libertação que nos propunha com grande eficiência o Paraguai da metade do século XIX, os sabujos do imperialismo inglês destruíram – acabando também com a possibilidade de rompimento das relações abjetas entre o oprimido e o opressor na América do Sul, eliminando este último, representado naquele período histórico pelo capital inglês.

Destruiu-se o Paraguai assassinando um povo. Exterminando brutalmente uma nação. Não fosse a verdade escondida por gerações e gerações de historiadores oficiais, restaria hoje às massas americanas pelo menos o exemplo de um povo livre, condenado ao extermínio pelo crime de sua liberdade.



Uma lição que seria tão mais útil – se fosse ensinada ao povo – porque hoje nenhuma potência mais pode ter o desprezo da Inglaterra ao saber do extermínio da nação paraguaia, expressado nas cretinas palavras de Lord Palmerston:

“A Inglaterra tem tanta força, que pode cagar em todas as conseqüências”.


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande