Cairbar Schutel Vida e atos dos apóstolos


VIAGEM PARA A ITÁLIA – PREVISÕES DE PAULO – O AVISO DE JESUS



Baixar 0.54 Mb.
Página37/41
Encontro21.10.2017
Tamanho0.54 Mb.
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   41

VIAGEM PARA A ITÁLIA – PREVISÕES DE PAULO – O AVISO DE JESUS

Como era dos desígnios de Jesus que Paulo seguisse para Roma, onde teria que dar testemunho da sua Palavra, após a visita do rei Agripa a Cesárea, o Governador Festo fê-lo seguir para a Itália.

Diz Lucas, o qual também fez parte do comitê de viagem, que Paulo e alguns outros presos foram entregues a um centurião da coorte Augusta, chamados Júlio, o qual tratou muito bem o Apóstolo, permitindo-lhe em Sidon ir ver os seus amigos e receber deles bom acolhimento.

“Eles embarcaram em Cesárea, num navio de Adramitio, que seguia a costear as terras da Ásia. Aristarcho, macedônio de Tessalônica os acompanhou. Aportaram em Sidon, dali seguiram a sotavento de Chipre, por serem contrários os ventos, e tendo atravessado o mar que banha a Cilícia e a Panfília, chegaram a Mirra, cidade da Lícia. Aí o centurião, encontrando um navio de Alexandria que estava de viagem para a Itália, fê-los embarcar. Navegaram mui vagarosamente muitos dias e tendo chegado com dificuldade à altura de Cnido, não permitindo o vento seguirem, navegaram a sotavento de Greta, na altura de Salmone; e costeando com dificuldade, chegaram a um lugar chamado Bons Portos, perto do qual estava a cidade de Laséa”.

Essa viagem, como se vê, foi muito demorada, os ventos não eram favoráveis e tudo parecia difícil.

“A navegação era perigosa e Paulo, prevendo transtornos, avisou ao centurião e aos demais, dizendo: “Vejo que a viagem vai ser com muita avaria e muita perda, não somente da carga e do navio, mas também das nossas vidas”. Entretanto, eles davam mais crédito ao piloto e ao mestre do navio do que ao que Paulo dizia. E não sendo o porto próprio para invernar, os mais deles foram de parecer que se fizesse dali ao mar, a ver se de algum modo podiam chegar a Fenix, e aí passar o Inverno, visto ser Fenix um porto de Greta que olha para o nordeste e para o sudoeste.

Tendo soprado brandamente o vento Sul e julgando eles ter alcançado o que desejavam, depois de levantarem âncora, iam muito de perto costeando Greta.

“Mas, pouco tempo depois, desencadeou-se do lado da ilha um tufão de vento apelidado Euroaquilão, sendo arrebatado o navio e não podendo resistir ao vento cessaram a manobra e foram se deixando levar pelo vento. Passando a sotavento duma ilhota chamada Clauda, mal puderam recolher o bote, e tendo-o içado, valiam-se de todos os meios, cingindo com cabos o navio; e temendo que dessem na Syrte, arrearam todos os aparelhos e iam levados pelo vento. Agitados por violenta tempestade, no dia seguinte começaram a alijar a carga ao mar e ao terceiro dia lançaram ao mar os aparelhos do navio. O Sol não aparecia por muitos dias, nem as estrelas; batidos ainda por grande tempestade, todos perderam a esperança de serem salvos”.

A previsão de Paulo estava em seu mais alto grau de cumprimento. Mas o Apóstolo não desanimou; quando os viu entregues, Paulo ergue-se no navio e diz-lhe: “Senhores, na verdade, devíeis ter-me atendido, e não ter partido de Greta e sofrido esta avaria e perda. Mas agora vos exorto que tenhais coragem; pois nenhuma vida se perderá entre vós, mas somente o navio. Porque esta noite me apareceu o anjo de Deus (Jesus), a quem pertenço e a quem também sirvo, dizendo: Não temas Paulo; é necessário que compareças perante César e Deus te há dado todos os que navegam contigo. Pelo que tende coragem, varões, porque creio em Deus que assim sucederá, como me foi dito. Mas é necessário que vamos dar a uma ilha”.

Na décima parte da noite, tendo sido eles impelidos de uma banda para outra do mar Adriático, pela meia noite suspeitaram os marinheiros que se avizinhavam de terra. E lançando a sonda acharam vinte braças. Passando um pouco mais adiante e lançando a sonda outra vez, acharam quinze: e temendo que, talvez, fossem dar em praias pedregosas, lançaram da popa quatro âncoras e estavam ansiosos que amanhecesse. Procurando os marinheiros fugir do navio, e tendo arriado o bote ao mar com o pretexto de irem largar âncoras da proa, disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então, os soldados cortaram as cordas do bote e deixaram-no ir.

Enquanto amanhecia, rogava Paulo a todos que tomassem alimento, dizendo: “Hoje é o décimo quarto dia em que esperando, estais em jejum, sem nada comer. Pelo que vos rogo que comais alguma coisa; porque disso depende a vossa segurança, pois nenhum de vós perderá um Só cabelo da cabeça”.

Tendo dito isto e, tomando o pão, deu graças a Deus na presença de todos e, depois de o partir, começou a comer. E estavam no navio duzentas e setenta e seis pessoas ao todo. E saciados com a comida começaram a aliviar o navio lançando trigo ao mar.

Quando amanheceu, não conheciam a terra, mas avistaram uma enseada com uma praia, e consultaram se poderiam encalhar ali o navio. Desprendendo as âncoras abandonaram-nas no mar, soltando ao mesmo tempo os cabos dos lemes; e içando ao vento o traquete, foram se dirigindo para a praia. Porém, indo ter a um lugar onde duas correntes se encontravam, encalharam o navio; e a proa arrastada sobre a terra ficou imóvel, mas a popa desfazia-se com a violência das ondas.

O parecer dos soldados era que se matassem os presos, para que nenhum deles se lançasse a nado e fugisse; mas o centurião querendo salvar a Paulo, impediu-lhes que fizessem isto e mandou que os que soubessem nadar, fossem os primeiros a se lançar ao mar e alcançar a terra; e aos demais que se salvassem, uns em tábuas, e outros em destroços do navio. E assim todos escaparam à terra, salvos”.

Não foi, portanto, sem razão que o Apóstolo, numa de suas Epístolas enumerou os perigos por que passou, sem esquecer o naufrágio de que foi vítima.

Longe, porém, de desfalecer, ele serviu ainda de arrimo àquela população flutuante, a quem não cessou de aconselhar, encorajar e encher de fé e esperança. E se o centurião e o comandante o tivessem ouvido, livres estariam todos de passar as tribulações por que passaram. Mas o espírito cego não obedece às injunções do Alto deixa-se levar pela “sabedoria terrena” cheia de dúvidas e vacilações; e o resultado é sempre prejudicial.

No dia em que o homem obedecer às instituições superiores e tiver se voltado para Deus, será feliz, estará livre de muitos males que o afligem e de grandes prejuízos e aborrecimentos que o fazem sofrer.

Enfim, chegados àquela ilha, sem saber onde se achavam, é certo que ainda muito teriam que sofrer, mas podiam considerar-se salvos. Atos – Cap. XXVII, v. v. 1-26.







Compartilhe com seus amigos:
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   41


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande