Ao longo da costa atlântica portuguesa, concretamente entre a península de Setúbal e Viana do Castelo, podemos encontrar vário



Baixar 174.57 Kb.
Página5/5
Encontro02.07.2019
Tamanho174.57 Kb.
1   2   3   4   5


55 São vários os autores que abordam a problemática Mito e História (fronteiras e simbioses), deparámo-nos com Claude Levi-Strauss e Mircea Eliade. Quanto a nós, este não nos parece o momento apropriado para desenvolver esta temática. Limitamo-nos a partir do princípio que dadas as suas características e impacto sobre o universo humano, o mito contribui para a construção da História.

56 Indulgência: “ DIR. CAN. É a remissão total ou parcial da pena temporal devida a Deus pelos pecados já perdoados quanto à culpa, remissão que a Igreja concede fora do tribunal da penitência, pela aplicação das satisfações ou méritos de Jesus Cristo, da S. Virgem e dos santos, o que se chama «tesoiro da Igreja». Se as indulgências perdoam parte da pena temporal, são parciais; se perdoam toda a pena, plenárias. As princ. obras geralmente prescritas são a confissão e a comunhão, visita a uma igreja ou capela, alguma obra piedosa, etc..” Enciclopédia Luso-Brasileira, Volume 10, Lisboa Editorial Verbo, 1970, 1333

57 “Em 1515, a fim de recolher fundos para a conclusão da Basílica de S. Pedro, Leão X concedeu uma indulgência plenária aos que colaborassem com esmolas. Na Saxónia e Brandeburgo a propaganda desta Indulgência. foi confiada (1517) ao arcebispo Alberto de Brandeburgo. Como este se encontrava em dívida com os Fugger, e obtivesse autorização para ficar com metade das esmolas recolhidas, empenhou-se na difusão da indulgência papal, recorrendo aos serviços do célebre dominicano J. Tetzel que se não terá furtado de todo aos processos por outros usados de propagandear a indulgência. como uma mercadoria de efeitos quase mágicos, aliando a exageros doutrinais o manifesto interesse pecuniário. Lutero tomou daí ocasião para lançar a público em Wittenberg as 95 teses que marcam o início do protestantismo.” Enciclopédia Luso-Brasileira, Volume 10, Lisboa Editorial Verbo, 1970, 1334

58 Michel Mourre, Dicionário de História Universal, Volume III, Porto, Edições Asa, 1998, pág. 1109

59 Op. cit. Volume I, pág. 65

60António Mendes, A Geração de Quinhentos e a Modernização, in José Mattoso, História de Portugal, Volume 3, Lisboa, Editorial Estampa, 1993, pág. 381

61 Op. cit., pág. 402, 403

62 João Medina, História de Portugal, Volume VII, Lisboa, Ediclube, 1994, pág. 190

63 “ O Catecismo Romano é, finalmente publicado em 1566 (…) Estruturado em quatro partes, símbolo, sacramentos, decálogo e oração, apresenta-se como o Catechismus ex decreto Concilii Tridentini ad parochos Pii V Pontificis Maximi iussu editus, catecismo ad parochos, não se dirige nem ao comum dos fiéis, nem a teólogos profissionais, pretende-se antes oferecer uma exposição doutrinal capaz de completar a instrução teológica do clero e de motivar a pregação e a catequese.

É apresentado, no prefácio, como uma resposta aos inúmeros livros que por toda a parte, até nas mais remotas paragens, espalham a heresia. Revelando aguda consciência do poder da comunicação das massas possível com a imprensa, oferece-se um catecismo universal contra os livros que, sob a aparência da piedade, difundem o erro e enganam os incautos, oferece-se um texto de referência aos pastores e a todos os que exercem o munus docendi”. Belmiro Fernandes Pereira Nova Catequese e Artes de Pregar A propósito do recente Catecismo da Igreja Católica, Brotéria 140 (1995) 203 – 228, pág. 224



64 Sérgio Gorjão, Santuário do Senhor Jesus da Pedra - Óbidos, Lisboa, Edições Colibri, 1998, pág. 21

65 Carlos Moreira Azevedo, História Religiosa de Portugal - Humanismos e Reformas, Volume 2, Lisboa, Círculo de Leitores, 2000, págs. 355, 356

66 Sérgio Gorjão, op. cit., pág. 23

67 Joaquim Veríssimo Serrão, História de Portugal, Vol. V, Lisboa, Editorial Verbo, 1982, 2ª ed, pág.70

68 Op. cit. pág. 250, 251

69 José Castro, Portugal em Roma, Volume I, Lisboa, União Gráfica, 1939, págs 57 a 61

70 João Gonçalves Gaspar, Igreja do Senhor das Barrocas, Aveiro, Paróquia da Vera – Cruz, 1996, pág. 23

71 Sérgio Gorjão, op. cit., pág. 36

72 Padre José Ferreira Lacerda, Breves Apontamentos para a História da Fundação da Igreja do Senhor Jesus dos Milagres, Leiria, Typographia Leiriense, 1911, pág. 19 e sgs.

73 De notar que a área geográfica seleccionada para a nossa investigação possui características sociológicas muito semelhantes, estando integrada na realidade social da comunidade rural a norte do Tejo, cujo estudo e caracterização se encontra patente em Moisés Espírito Santo, Comunidade Rural a Norte do Tejo seguido de Vinte Anos Depois, Lisboa, AER, UNL, 1999

74 Comissão Promotora da Celebração das Instituições Fangueiras, Monumentos Históricos de Fão (Colectânea de Monografias de Fão e de textos históricos sobre Fão), Fão, Edição da Comissão Promotora da Celebração das Instituições Fangueiras 2000-2003, 2000

75 In Comissão Promotora da Celebração das Instituições Fangueiras, Monumentos Históricos de Fão (Colectânea de Monografias de Fão e de textos históricos sobre Fão), Fão, Edição da Comissão Promotora da Celebração das Instituições Fangueiras 2000-2003, 2000



76 Moisés Espírito Santo, Origens Orientais da Religião Popular Portuguesa, Seguido de Ensaio sobre Toponímia Antiga, Lisboa, Assírio e Alvim, 1988, págs. 351

77 Moisés Espírito Santo, op. cit., pág. 351

78 Op. cit., pág. 351

79 Op. cit. pág. 255

80 in www. instituto-camoes.pt

81 Henrique Manuel Moreira Guedes, O Sítio do Senhor da Pedra – Monografia Patrimonial, Gulpilhares, Confraria do Senhor da Pedra, 2000, pág. 53.

De ressalvar que este autor também aflora a possibilidade de a lenda se basear no aparecimento de um crucifixo milagroso, ainda que de forma breve.



82 Moisés Espírito Santo, op. cit., pág. 102

83 Moisés Espírito Santo, op. cit. pág. 103.

84 Moisés Espírito Santo, op. cit. pág. 104.

85 Domingo anterior ao dia do Corpo de Deus

86 João Gonçalves Gaspar, Igreja do Senhor das Barrocas, Aveiro, Paróquia da Vera -Cruz, 1996, pág. 7.

87 João Gaspar, op. cit. pág. 8.

88 O mesmo sucedeu a Francisco Maio. Segundo a lenda, depois de Invocar o Senhor das Barrocas, também ele caiu em sono profundo e quando acordou estava curado, ou seja, andava. O sono profundo é comum aos dois milagres ocorridos em sítios diferentes. O de Custódio Fernandes em Aveiro e o de Francisco Maio perto de Casal dos Maios, actualmente Milagres. Ambos os milagres se caracterizam por ter sido a primeira manifestação milagrosa a ocorrer em cada um dos locais, por o milagre incidir sobre problemas de saúde e em indivíduos do sexo masculino.

89 João Gonçalves Gaspar, op cit., pág. 46

90 Sérgio Gorjão, op. cit., págs. 29-30

91 Sérgio Gorjão, op. cit., pág. 30

92 Sérgio Gorjão, op. cit. págs 60, 61.

93 Moisés Espírito Santo, op. cit. pág. 103.

94 Sérgio Gorjão, op. cit. pág. 56 “ A feira de Santa Cruz foi instituída em 1762 por alvará régio de D. José I, realizando-se no terreiro fronteiro ao Santuário, no dia 3 de Maio de cada ano, dia da principal festa do Senhor Jesus da Pedra e que anteriormente ao Concílio Vaticano II, era dedicado à festividade da Invenção da Santa Cruz.”

95 José de Leite Vasconcelos, Etnografia Portuguesa, Volume IX, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1985, pág. 312

96 Rafael Monteiro, A Festa das Chagas, Os Painéis de Nuno Gonçalves e Outros Temas, Sesimbra, Câmara Municipal de Sesimbra, 2002, págs. 23-24

97 Rafael Monteiro, op. cit., págs. 48, 49

98 Rafael Monteiro, op. cit. pág. 22

99 Moisés Espírito Santo, op. cit. pág. 382.

100 Moisés Espírito Santo, op. cit, pág. 381.

101 José Mattoso, A I Idade do Ferro, in José Mattoso, História de Portugal - Antes de Portugal, Volume I, Lisboa, Editorial Estampa,1993, pág. 128






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande