Analec e os mercadores de liçÕES



Baixar 2.76 Mb.
Página28/37
Encontro24.10.2017
Tamanho2.76 Mb.
1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   ...   37

Para o texto: DUAS ESTRELAS (T2431851)


De: cassiateixeira

Apagar

13/08/2010 20:04

Olá Barroso, essas suas diferenças são notáveis! Fiquei a pensar em seu talento de cordelista. Pude ler alguns, já que encontrei sua visita em meu escritório. Você é nota dez, amigo! Te encontras bem longe do habitat dos paulistas, mas bem perto do coração dos que apreciam os cordéis. Como é que você, sendo de um lugar tão distante dos centros cordelistas, que ficam no nordeste, teve esse dom maravilhoso? Ah! Eu sou nascido em Minas mas vivi toda minha vida no estado de São Paulo, mais isto não me tira a alegria de ler e compor esse modelo de literatura. Você sabe que existe diferença naquele que sabe ler e compor cordel, com quem não sabe, não é? Pois é. Eu tenho alguns leitores que só gostam de ler prosa, eles correm do cordel: a diferença é que o cordel além de transmitir a mensagem nos deixa descontraídos. Bem, depois desse papo quero lhe dar os parabéns pelos seus textos que pude ler, são inteligentmente escritos por alguém talentoso, como você. E continue escrevendo, pois assim teremos uma variedade de textos seus para nos deliciar com suas leituras. Aceite um forte abraço do Luzirmil, e leia o meu "DEDICADO AOS RECANTISTAS" que postarei amanhã cedo, pois meu espaço de hoje acabou. Até mais.

Para o texto: DIFERENÇAS. (T2321984)


De: BARROSO

Apagar

13/08/2010 17:08

Olá Claudia. Parabéns por sua "SUBJETIVIDADES". Usaste uma temática entremeada de vários conceitos, definidos por palavras chaves, tais como lágrimas, perdas e alegrias guardando tudo no mausoléu da história; a decompor-se no mosaico da subjetividade. Lindas colocações para serem refletidas na mente do leitor. Abraços e felicidades com sucesso pra você.

Para o texto: SUBJETIVIDADES. (T2436153)


De: Cláudia Célia Lima do Nascimento

Apagar

13/08/2010 16:50

Ah! Cheguei em Vila Velha novamente! Carmem! inesquecível palavra pronominal nas páginas de minha vida. Nome de minha mãe! Pena que há quatro anos e meio que não a vejo mais, pois Deus a levou em maio de 2005, com noventa e dois anos. Viveu bem, e feliz. Desejo o mesmo pra você colega de letras, Carmem Vervloet. Li seu "DILEMAS" concluindo que a nomenclatura das letras bem arranjadas fizeram parte de tão belo poema. *Cirandas nas noites enluaradas! Recordações me lavaram às cantigas das meninas nas cirandinhas de rodar, de mãos pegadas umas as outras. Aquilo constantemente ocorria na porte de minha casa, numa das ruas empoeiradas de meu saudoso arraial, agora uma cidade como as demais, cheia de iniquidade e malvadeza, na qual nem tenho vontade ir. Estive lá tempos atrás, tendo uma certa tristeza ao me lembrar de meus pais. Em dado momento eu quis compor um poema, entretanto me *afoguei em lágrimas molhando os traços das letras no papel! Lá como nas demais comunidades se vive *refém da sangrenta violência. Olha Carmem, nem dá pra ficar pensando; mas seu poema me envolveu com a áurea do pensamento saudosista. Por que será que todas as poesias nesse tom nos trás lembranças de um tempo que a meu ver nunca mais retornará? Olha, entrei em sua página por acaso, gostei do poema e resolvi filtrar minhas reminiscências reprimidas, neste comentário. Perdoe-me. Felicito-lhe pela autêntica poesia, que certamente sucedeu a muitas e antecederá a outras tantas, florescidas desse belo talento que possuis. Abraços afetivos e fraternos, a você e a todos os seus entes queridos. Ah! visite-me também, me sentirei honrado. Vá lá na "FLOR FEITICEIRA", onde eu, o poeta, me encantei com uma flor... Ah! como sofri com o dilema! (os *asteriscos autenticam seus direitos autorais pelas belas frases que aproveitei). Até.

Para o texto: DILEMAS (T2436039)


De: Carmen Vervloet

Apagar

13/08/2010 11:27

Mel Braga! Há quanto tempo! Obrigado por me visitar. Vim aqui em "SABER VIVER" para te certificar que fiquei contente com sua prestimosa visita. Que Deus possa sempre te iluminar e te ajudar a desenvolver seu talento de saber viver. Desejo também que os louvores de suas orações sejam recebidos no céu. Abraços do Peregrino de Luzirmil.

Para o texto: Saber Viver...*** (T2293141)


De: Mel Braga Protegida por um Anjo

Apagar

13/08/2010 11:14

Bom dia Stéla. Vim aqui para ler seu "FRAGMENTOS"e agradecer-lhe pela nova visita às minhas páginas. Obrigado pela observação à renovação. E saiba que fico feliz em ver poetisas do recanto tendo por Deus, esse grande carinho que tens. Realmente Ele é a nossa força; ainda que na verdade somos fracos para exprimir nossa amizade para com o Criador, mas ele nos compreende e assim temos uma tênue esperança de que um dia estaremos em Seus domínios. Seu poema tem essas sombras, que pairam sobre nós, imperfeitos seres, contudo está escrito "No pouco foste fiel, no muito vos colocarei". Vamos nos alimentando com a esperança de uma transcendente vida além túmulo, pois aqui, ainda que temos algum prazer e vontade de viver, mas certeiramente lá será muito melhor! Abraços a você e aos seus. Até mais.

Para o texto: Fragmentos (T2202275)


De: Stéla Lúcia

Apagar

13/08/2010 10:38

Que tenhas a Paz de Deus, caro Bosco. Pena que a amizade virtual é passível de transitoriedade. Seu texto acima me trás uma ampla visão dos dois reinos descritos por você. fizeste colocações precisas da filosofia em questão. Lembrei de um poema meu por nome "INTERMUNDIOS" no qual caracterizei o mundo material e o espiritual contendo uma junção em seus limites. Inclusive usei palavras *Caamônicas para compô-lo. Entretanto difere de sua crônica por ter sido composto em rimas e pertencer à filosofia dos louvores. Bem, falando um pouco de seus escritos, acredito que tens, além de um grande talento, um largo conhecimento das Sagradas Escrituras, haja vista suas profundas considerações divinas. Dou-lhe meus sinceros parabéns e agradeço-lhe pelas visitas que tem feito em minha escrivaninha. Aceite um abraço fraterno deste Peregrino de Luzirmil. Convido-te a ler "O ARTISTA" É Um retrato escrito de minhas ações em um tempo em que vivi peregrinando, anunciando o reino de Deus, sem destino certo. Até mais, meu nobre companheiro de letras.

Para o texto: OS DOIS REINOS (T2171129)


De: Bosco Esmeraldo

Apagar

13/08/2010 10:02

Dijalma! Até que enfim você apareceu de novo em meu escritório. Que bom rapaz! Vim aqui em "ALEGRIA CONTAGIANTE" Para lhe agradecer e transmitir-lhe um grande abraço. Tive essa alegria comigo ao ler suas colocações em minha página de comentários. Tanto fiquei feliz que passei a ler diversos textos seus. Faça sempre isso, moço; assim estarei também me lembrando de ti. E que Deus sempre te ilumine.

Para o texto: Alegria Contagiante (T2292412)


De: Djalma CMF

Apagar

13/08/2010 09:55

Oh!, cara Flor. Suas palavras me deixam embevecido. Elas me embalam, me acalentam e acima de tudo me trazem paz. Obrigado por ser tão gentil e atenciosa e acima de tudo compreensiva. Vim aqui em "SOMBRA DA NOITE" onde encontrei sua recusa em querer entregar a ela sua alma! É isso mesmo Solzy. Nada de entregar a alma às trevas. Desejo que tenha sempre a luz de Deus em ti e num futuro, numa outra vida, na dimensão do espírito estarmos juntos a todos que viveram sob a luz de Deus. Abraços afetivos e fraternos a você.

Para o texto: Sombra da noite... (T2030129)


De: Flor da Vida

Apagar

13/08/2010 09:47

Que pensamento mais lógico, caro Sarrafo. Os livros são realmente arquivos futurâmicos! Valeu a pena te visitar. Obrigado pelo seu retorno. Lendo alguns artigos seus, inclusive os "pensamentos", percebi que estamos diante de um grande filósofo. Pude analisar a peculiaridade do tempo-espaço em suas lógicas pensamentais. Em todos eles a visão do passado,presente e futuro retratam alguma simbologia. Muito obrigado, nobre colega. Senti-me honrado por ter te conhecido e recebido sua carinhosa atenção. Abraços fraternos a você e a todos seus entes queridos. Ah! Tenho saudade de Porto Alegre. Só estive aí, com minha esposa e filhos uma vez, em janeiro de 1978. Daí fomos pra Jaguarão. Por vinte dias estivemos conhecendo os arroios e as plagas desse glorioso estado gaúcho no sul do Brasil. Vou terminando, porém mais uma vez lhe dando meus parabéns e pedindo-lhe que continue nos brindar com seus colocados no Recanto. Até.

Para o texto: O LIVRO (T1150605)


De: Sarrafo

Apagar

13/08/2010 09:31

Cá estou, caro Rui Silva, para acenar-lhe com minha sincera amizade e agradecer-lhe por mais uma visita sua em meus artigos. Eu não sou religioso, apego-me porém, na convicção de que existe um Criador, sábio, e que procura traduzir-nos em parte, Sua ciência. Aprecio tudo e todos que O respeitam. A maçonaria tem sido (embora pouco entendo sobre essa nobre filosofia) fonte de minhas gratas admirações, haja vista os procedimentos de pessoas de caráter que conheço e que fazem parte dessa conceituada comunidade. João Batista certamente foi a primeira porta, pela qual até Jesus Cristo (a segunda e principal porta) entrou, conforme diz as Escrituras Sagradas. Parabéns pela dissertação, sobre "A MORTE DE SÃO JOÃO". Transcreveste uma autêntica biografia dos fatos relacionados à existência daquele santo. Envio-lhe abraços fraternos a você e família, em especial a esses dois garotinhos da foto. Até.

Para o texto: A MORTE DE SÃO JOÃO BATISTA. (T2332119)


De: Ruy Silva Barbosa

Apagar

12/08/2010 22:39

É verdade caro, Sarrafo. Só as boas recordações amenizam as agruras. "Mea culpa" no murmúrio do mar confunde a realidade dos sentimentos. Parabéns e um abraço fraterno pra você.

Para o texto: MEA CULPA (T2434604)


De: Sarrafo

Apagar

12/08/2010 22:34

É Duda. Vamos pedir a Deus que nos perdoe sempre, pois sempre erramos. Parabéns.

Para o texto: ALMAS PERDIDAS (T2434603)


De: Duda Menfer

Apagar

12/08/2010 22:31

É uma grande verdade Jéssica. A gente ama sem saber por que. Belos teoremas, cara menina. Abraços de Luzirmil.

Para o texto: Te Amo, Mas Não Sei Porque. (T2434594)


De: Jessica Bittencourt

12/08/2010 22:29

É isso mesmo, Márcia. Ser feliz antes de tudo. Mas este mundo está tão cruel...

Para o texto: E preciso antes de tudo saber ser feliz !!! (T2434596)


De: marciamartins

Apagar

12/08/2010 22:25

Ah! Fernanda! Acho que você adivinhou muitas vidas, inclusive a minha num passado distante. Ah! Mas acredito que não seja uma cigana. Parabéns e dê abraços meus no povo amigo de Itapeva. Obrigado por aparecer pra nós no recanto.

Para o texto: Anjos do amor (T2434585)


De: Fernanda Macena

Apagar

12/08/2010 22:06

Que a luz que brilha em meus olhos possam sempre estar lendo poemas da Rosa do Cristal. Parabéns Rosa, por mais este que li. "Ques" que descortinam horizontes vários. Abraços de Luzirmil - visite minha prosa poética "A Flor Feiticeira". Lá eu sou o poeta; a flor foi alguém de outra dimensão!

Para o texto: Preciso Acreditar (T2434441)


De: A rosa do Cristal

Apagar

12/08/2010 22:00

Ah! Como é bom visitar páginas novas; ainda mais com lembranças de antigas cantigas. Abraços de Luzirmil, querida Rosa. Leia um meu também, pode ser o cordel de hoje"O Artista". Abraços, e vá em frente!

Para o texto: O Cristal e a Rosa (T2434315)


De: A rosa do Cristal

Apagar

12/08/2010 21:54

Parabéns Marina. Boa e bela crônica, cuja lembrança abrange o sentimento de muitos de nós ao vivermos um dia chuvoso. Abraços.

Para o texto: Dia Chuvoso (T2434439)


De: Marina Ramirez

Apagar

12/08/2010 21:20

ler seus lindos poemas de amor! (completando)

Para o texto: Ruínas de um amor (T2434205)


De: Flor da Vida

Apagar

12/08/2010 21:17

Ah! "Ruínas de um Amor" Sublime poema, tendo um reflexivo complemento com a frase:"Não era digno do projeto que o sonho projetou". Oh! Amada poetisa! No ângulo da psicanálise eu diria que a identidade de sua poesia se relaciona com um amplo horizonte, cuja abrangência açambarca os sentimentos de muitos casais. Tais sentimentos são ocasionados pelas dores oriundas de dois fatores: corporal e espiritual, nesse último a dor é uma angustia nas entranhas do ser. Imaginando-me num transe semelhante, eu teria que gritar: Ai Ai! Ventilado todavia, pelas palavras de seu poema eu tenderia à resignação! Puxa vida, Flor! Quando um poeta compõem palavras com sentido tão profundo é por que tem cravada em seu âmago sentimental, uma lança aguda e eletrificada que lhe asfixia, e chega a tirar o oxigênio do coração corporal! Oh! Flor da Vida, consolo-me com tua grande capacidade poética; ainda que não me realize com as áureas do amor afetivo, mas me revigoro com as áureas do amor fraterno, um presente dado por Deus aos poetas e poetisas como você. Bem, não sei se foi uma inspiração ou a sombra carismática de sua poesia que me enfeitiçou a ponto de me fazer imaginar orações, cujos predicados, nem sei se serão aceitos por ti. Caso haja falha na compreensão sintomática desse comentário, por favor deléte-o, ou me autorize a apagá-lo. O importante é que você é uma grande e autêntica poetisa. Abraços a você e obrigado pela visita de hoje à minha escrivaninha. Até. todos nós, seus leitores, felizardos por ter a honra de

Para o texto: Ruínas de um amor (T2434205)


De: Flor da Vida

Apagar

12/08/2010 18:46

Maravilhosa trova, querida Atiz. E para completar a beleza, enfeitaste-a com palavras temáticas de fino gosto. Eu faço elas como quadrinhas rimadas só em duas. As suas no entanto entra mesmo na qualificação de trovas, pois rima dois por dois. Meus parabéns grande poetisa. Bem, falando novamente dos gatinhos, digo que o nosso Leléu também está com ferimento que não cicatriza. Já o levei no veterinário várias vezes, mas ele tira o protetor e dana-se a coçar, mas também não pensamos em sacrificá-lo. Ele tem seis anos mas ainda é dado a brincadeiras com alguma tirinha de pano. Bem, vou terminando, contudo mais uma vez lhe agradecendo pela valiosa visita. Abraços a ti e a todos de seu convívio.

Para o texto: Guarde no seu coração (T2388668)


De: Atiz

Apagar

12/08/2010 18:33

Olá Nete. Mais uma vez obrigado pela sua presença. Toda visita que recebo é uma pedra que sai do meu caminho e vai para minha construção. Parabéns pelas suas palavras! ficaram tão bem no tema da noite comprida, terminando com a chuva nas telhas de uma velha casa. Tudo ficou lindo até a cor das letras. Envio-lhe um carismático abraço.

Para o texto: Haikais-52( 3 haicais) (T2430240)


De: Nete Brito

Apagar

12/08/2010 18:25

A coisa não foi fácil, em Renato. E você ilustrou tudo nas letras! Então está explicado: policial também tem medo de assombrações! Pensei que era só nós, os cidadãos comuns, que por sofrer opressões de todas as formas, também passamos pelas falácias vindas das sombras. Afinal Renato, gostei de sua crônica humorística, ainda bem que você omitiu nomes, caso contrário certamente terias levado ovo choco na cabeça, como eu levei uma vez numa reportagem que fiz ao pé da letra! Abraços e continue nos brindar com seus textos!

Para o texto: A esposa do fantasma. (T1852706)


De: Renato Lima

12/08/2010 11:50

Olá, Malu. Vim aqui felicitá-la po você ter tido a paciência de ler mais um artigo meu. Deus te abençoe por isto e pelas suas criatividades no Recanto. "SERÁ" será sempre lembrada em minhas divagações sobre as simples e belas palavras poéticas do nosso site. Você merece a benção de Deus, ó nobre poetisa, pelas belas colocações literárias. Em suma, talvez pelas minhas contemplações espirituais, eu aprecio a linhagem de seus compostos.

Para o texto: Será (T2402942)


De: malu Dab

Apagar

12/08/2010 08:46

Bom dia Chrono. Obrigado pela visita ao meu tempo e pelo reflexivo comentário de sua parte. Visitei sua escrivaninha e pus-me a ler o Super Nada. Suas dissertações ficaram divertidas. O menorzinho ajudou a vencer briga com o cheirinho de seu bota-fora! Bem, por enquanto é só, mas assim que eu chegar do trabalho a tarde, vou ler mais artigos seus, e prometo lhe enviar comentários. No tocante ao tempo, você tem toda a razão, e eu concordo: realmente ele é algo só numerológico, ou seja, consta entre nós, mas nunca existiu antes do "não sei o que": caracterizado pelo começo de nosso amplo Universo. Abraços a você e lembre sempre de nós.

Para o texto: Super Nada (T2428501)


De: Chrono

Apagar

11/08/2010 19:35

Sigo a vida entre sonhos e fantasias! É isso mesmo Soelzy. Desculpe-me mas achei sua falta em meu escritório. O que houve? Você se atrasou ao trabalho, uma espécie de missão e dever de alegrar os outros poetas! Não fuja! Ainda bem que temos alguns recursos no Recanto para não nos distanciarmos uns dos outros. Li mais alguns poemas seus e me senti alegre, porém o dia 11 está findando e ainda não nos presenteou, ainda que seja com uma frase, para hoje! Apareça, pelo menos nos comentários! És valorosa e valorosas também suas palavras. Abraços de Luzirmil.

Para o texto: Seria proibido sonhar...? (T2427875)


De: Flor da Vida

Apagar

11/08/2010 19:10

Numa casinha branca, bem longe...sob um fio de fumaça, um casal de velhos esperava a visita de um filho peregrino! Ah! que saudade de meus velhos. Já partiram, cara Nete. Suas poucas palavras me traduziram de sua utopia, uma década de saudosas idas primaveras. A foto associada à cadência de suas palavras me enterneceram a alma e parei aqui para lhe transmitir meus efusivos votos de consideração e carinho, para contigo e sua família. Redenção, cidade tão longe de São Paulo, mas enviou-me através de seus raciocínios o calar da saudade,pela lembrança da distância e do tempo, nas estrada de minha vida! Obrigado, ó nobre poetisa, por nos brindar com suas letras. Pude ler vários textos seus, que embora pequenos, mas saciaram plenamente o raciocínio de um poeta! Obrigado pela visita à minha escrivaninha. Faça-o sempre, terei prazer em responder com um simples, porém carinhoso comentário.

Para o texto: utopia... (T2398316)


De: Nete Brito

Apagar

11/08/2010 18:51

Que história comovente, mana! Eu já a havia lido num de seus livros mas aqui ficou brilhante! Só que pelo fato de haver grande brilho, penso que em razão de ser neste canal mundial, você deveria colocar (somente os nomes, fictícios) haja vista que muitas pessoas não gostam de ver seus verdadeiros nomes nos romances da vida. Bem, afinal você sabe das coisas e os comentários são simples apreciações, mas que podem nos trazer idéias mais cabíveis para nossos textos. Também aceito de sua parte alguma observação em que eu tenha que interferir para corrigir algum texto meu. Abraços de Luzirmil.

Para o texto: Quem seriam eles? (T2421213)


De: Irene Coimbra

Apagar

11/08/2010 18:06

Pois é, minino! Afinal de contas as contas contaram em todos os cantos de seu artigo...Ah! Venho aqui para lhe agradecer pela visita e dizer-lhe que você deve ser um dos meninos crescidos do meu livro "OS MENINOS DOS MISTÉRIOS". Leia lá em e-livros. Vivi aquela realidade, e muitas outras como o caso da vaca onça. A princípio pensei que era um bezerro deitado próximo da porteira. Ainda bem que eu fora de carro até a tal cancela que ficava às portas de um grande cerrado no sertão Veredas. Ao descer para abrir porteira vi que o bezerro se levantou de mansinho e veio em minha direção, momento em que percebi que era uma gatona preta de grande tamanho. Mal tive tempo de entrar no carro assim mesmo ela deu alguns arranhões no veículo. Eu soube depois que havia várias delas por aqueles lados. Só me restou criar uma trovinha para o caso. Olha dei uma lida geral nos seus textos e o achei muito inteligente. Digo que retratas muito talento em suas colocações literárias. Crie mais e nos envie pelo Recanto, que vamos lendo e aprendendo. Aceite um abraço fraterno do Peregrino de Luzirmil. E você como um bom contador, descubra quantos caracteres gastei nesse comentário. (ignore as erratas, caro minino)

Para o texto: UM DESACERTO NO ACERTO DE CONTAS (T2417609)


De: minino caldas

Apagar

11/08/2010 17:28

Fernanda os dois mil caracteres não deram para completar. assim termino, pedindo-lhe que ignore as erratas, como aquela vírgula fora de lugar. (Ali você deve ler assim: namorei nove meninas, sendo que...)abraços a você e a todos seus entes queridos e mais uma vez meus parabéns por seus belos textos.

Para o texto: EU PENSO QUE ... (T2112246)


De: Fernanda Xerez

Apagar

11/08/2010 17:24

É verdade, Fernanda. Desde minha adolescência que tive muitas paixões, que eu chamo de amor afetivo. Namorei nove, meninas sendo que três nem ficaram sabendo que eu as amava loucamente. Com a nona me casei; é a minha querida Nita, uma autêntica "Amélia", cujo sinônimo quer dizer "Mulher de verdade, sem vaidade". Você tem razão: A alma de um poeta sempre respirou o ar da poesia. Vivo mergulhado nelas; muitas pertencem ao meu tesouro particular; nem as publico, pois retratam até momentos em que eu desejava morrer por estar longe da garota que amava em tal atualidade. Além das paixões afetivas; do corpo, como se diz, eu tinha paixões por outras coisas, tal como voar. Eu fazia de tudo para me realizar. Cheguei a ser piloto por uns tempos. Quanto às amadas humanas, cheguei a me fazer de escravo para umas três delas, mas nunca passou de um amor sincero, paixão que bastava que ficasse perto para que me sentisse feliz, mesmo sem relacionamento de corpo, etc. Bem, vou mudar de assunto para te exaltar, afinal você fez uma via sacra em minhas entrevistas, além de andar em meio as trovinhas. Digo que todos os temas, são baseados em fatos ocorridos comigo, como o caso do jacaré. Uma senhora, criava dois deles desde pequenininhos, numa espécie de chiqueiro aos fundos da residência. fui convidado para fazer uma reportagem e como ela entrava no cercadinho, pensei que eu poderia entrar também. Ah! Fernanda, um daqueles répteis ao me ver pulando a mureta, veio com violência com sua bocarra cheia de dentes pronta a me abocanhar, mas eu fui esperto e assim como eu pulara para dentro do chiqueiro saltei pra fora! Ufa! Por pouco não fiquei sem minha perna! Ah! Sobre os tempos: muito obrigado pelo complemento. Confesso que quando compunha pensei no trecho bíblico, contudo eu não senti de me aprofundar nas escrituras pois o papel não caberia. Obrigado, cara colega, por sua maravilhosa participação nos comentários. Que o céu esteja em sua vida. E que tenhas sempre a Paz de Deus.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   ...   37


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande