A indumentária ritualística nos cerimoniais de aruanã



Baixar 31.48 Kb.
Encontro12.10.2019
Tamanho31.48 Kb.

A INDUMENTÁRIA RITUALÍSTICA NOS CERIMONIAIS DE ARUANÃ

THE RITUALISTIC CLOTHING OF THE ARUANÃ’S CEREMONIES

Maria Paulina van de Wiel de Barros


GT14

Universidade Federal de Goiás


mbarros@fav.ufg.br
Resumo: Nesta comunicação descrevemos e analisamos as máscaras dos Aruanãs, entes míticos zoomorfos que vivem no fundo das águas, e delas saem materializados como seres que cantam e dançam, e a indumentária das moças que os acompanham nas coreografias. Esses seres, que regem a vida e o destino dos índios da etnia Karajá, são incorporados por dançarinos que participam da Dança de Aruanã, atividade ritualística encenada nas aldeias durante as festividades voltadas para o abastecimento alimentar e para a delimitação da categoria de idade dos membros do grupo, com o objetivo de revitalizar e convalidar os padrões da cultura Karajá.

Palavras-chave: máscara, ritual, entidade mítica
Abstract: In this paper we aim at describing and analyzing the ritual masks of the Aruanãs, mythical zoomorphic entities who rule the Karajá’s life and destiny, a Brazilian Indian ethnic group. These ritual ceremonies occur as formal admission into different life stages, either male or female, as well as in ceremonial occasions such as their weddings or the tribe’s ceremonies of subsistence. The Aruanãs are performed by male dancers that take part of the ritualistic dance. So, our main objective is to analyze the clothing of the dancers and their female partners in this choreographic scenery.

Keywords: masks, rituals, mythical entities
Introdução

A um sinal do xamã, que carrega nas mãos uma comprida faca de madeira emplumada com penas vermelhas de arara, o símbolo da liderança, e uma varinha mágica com a qual levanta e abaixa os níveis cosmológicos do mundo Karajá, pares de Aruanãs, entes mitológicos zoomorfos, que regem a vida e o destino dessa etnia, saem das águas cantando e dançando.

Aos olhos do espectador estranho ao grupo o vestuário não é mais que um belo arranjo de palhas que torna os atores dançarinos semelhantes entre si. Para os Karajá, entretanto, cada máscara incorpora o espírito de um animal totêmico ou emblemático, e os índios, quase em transe, se emocionam com os Aruanãs, que ali se fazem presentes pelas máscaras. Elas são a pele dos entes evocados, a tradução da emoção nascida no mito e representado no ritual.

A indumentária, em sua função simbólica, traz contribuições ao processo da elaboração de um personagem, constituindo um suporte aos códigos de linguagem do discurso e transmitindo força e veracidade ao papel desempenhado pelo ator. O traje muitas vezes está tão ligado à caracterização do personagem que forma com ele um todo indissolúvel, sensibilizando e introduzindo a plateia na trama que se desenrola.

De acordo com Mendonça (2006: 62-63)

o vestuário pode ser portador de significações em cada pequeno pormenor de sua composição, constituindo um sistema sinalético que os indivíduos usam como um repertório distintivo, à semelhança dos demais códigos culturais, morais ou institucionais, em um discurso que deve ser traduzido segundo as regras da linguagem grupal.


A abordagem utilizada para a descrição e análise das imagens do ritual, as vestimentas, os adereços, e as atitudes interpretativas dos Aruanãs, alicerçada em pesquisa de natureza bibliográfica, foi configurada por uma leitura iconográfica a partir da observação direta dos elementos como um todo, no contexto do ritual.
A Máscara de Aruanã

A máscara de Aruanã é uma indumentária ritual de dança, elaboradamente decorada, usada somente pelo homem, em cerimônias sagradas e/ou profanas, repleta de componentes ideológicos que personalizam o grupo, diferenciando-o de outros, ratificando os limites identificadores da tribo Karajá. Contribui desta forma para a coesão social, e seu uso outorga a seu portador a legitimação de um status.

Objetos rituais, por seus conteúdos simbólicos e estéticos, fundamentam valores que só podem ser entendidos dentro de seu próprio contexto como uma linguagem visual ou um texto iconográfico. Máscaras são artefatos rituais por excelência, afirma Ribeiro (1988, 319-320),

por seus referenciais icônicos esses objetos comunicam um conjunto de idéias ligadas aos mitos e ritos. Sua utilização, bem como a de outros objetos rituais, exige a associação de gestos, cantos e música que transmitem aos circunstantes sensações visuais, táteis e auditivas (...) fundamenta valores e ideais de cada tribo.


A máscara, é um disfarce que personifica entes sobrenaturais antropomorfos e zoomorfos; a palavra pessoa, em sua concepção primordial, significa máscara, como alega Goffman (1992: 59),

todo aquele que está seguro de seu pensamento, orgulhoso de seu ofício ou ansioso a respeito de seu dever reveste-se de uma máscara trágica. Delega a ela o seu próprio ser e lhe transfere quase toda a sua vaidade (...). Nossos hábitos animais são transmutados em lealdade e deveres e nos tornamos pessoas ou máscaras.


Em muitas sociedades a vestimenta zoomorfa foi substituída pela máscara do animal que representava. Sua função simbólica é a mesma do disfarce do animal; a expressão humana desaparece e em seu lugar o portador da máscara adquire a expressão do animal que representa. Em termos de concepção da personalidade que envolve os atributos da razão, o homem tem metafisicamente demarcado fronteiras entre pessoas e coisas, e inserido os animais na classificação das coisas. De acordo com essa distinção, estar vivo ou até mesmo ser sensível não dá aos animais o status de pessoas. Quando a animalidade do homem, em suas afinidades biológicas, adquire uma definição adequada de sua natureza, ele atribui aos animais seus próprios traços e inteligência. No entanto, raramente, o homem cessou de se encarar como protótipo de todos os animais, possuindo em graus mais elevados as propriedades características de cada um deles.

A máscara de Aruanã, que responde com maior propriedade às características de objeto ritual, é considerada pelos Karajá um instrumento sagrado com funções mágico-religiosas. É uma indumentária para simulacros que cobre não apenas o rosto, mas também o corpo do usuário; um disfarce representativo de animais do fundo das águas, da mata e do céu, mantenedores da ordem do mundo.

Ostentando a máscara de Aruanã, seu portador, ao ser evocado para sua figuração na dança, incorpora a força e as propriedades individualizadoras do animal nela representado, realizando uma identificação com as qualidades desse ente. Ele não apenas dissimula, como passa a ser o próprio ente. A interioridade do portador exterioriza-se no personagem representado; o sujeito de uma enunciação declina-se nas formas do sujeito do enunciado. Além de caracterizá-lo, o índio recorre a gestos, posturas e sons adequados para simulá-lo.

Os segredos das máscaras, que os espíritos confidenciam sigilosamente às pessoas que os evocam ao usá-las, devem ser considerados simbolicamente como uma tentativa de delimitação no relacionamento entre os sexos; e a violação é vista como uma profanação passível de punição com a morte, incluindo a destruição total da tribo (Azoubel, 1993: 156), todavia, Goffman (1992: 69) observa que frequentemente o verdadeiro segredo por trás do mistério é que realmente não há mistério. O problema real consiste em evitar que o público também aprenda isso.

A máscara de Aruanã é constituída de duas peças trançadas de fibras de palmeiras, uma, colocada sobre a cabeça, em forma de cone com uma gola de folíolos de olho de buriti ou babaçu, que cobre o tronco até a cintura, sobreposta por um cartucho cilíndrico, uma espécie de capacete trançado, recamado por um mosaico de plumas e uma fieira de penas apensa, no sentido vertical ou horizontal, decorado com olhos de madrepérola e pintado com motivos geométricos coloridos. Sua diferente ornamentação e combinação de penas, desenhos e cores identificará cada par de Aruanãs, entre os oito pares que visitam a aldeia. A outra peça é uma saia de franjas que cinge o meio do corpo e cujo comprimento atinge uma altura variável das pernas entre os joelhos e os tornozelos. Os rapazes a confeccionam na Casa dos Homens, lugar onde também são guardadas, e, com a observação e a prática, tornam-se capazes de executar os padrões decorativos de sua ornamentação.

Chegam também à aldeia quatro Aruanãs unos: o Ybydò, o Juwata Aõni, cujas vestimentas são semelhantes à dos emparelhados, o Txureheni e o Lateni.

O Txureheni é o avô dos Aruanãs. Sua indumentária consiste numa máscara que lhe cobre a cabeça, feita de cabaça, com três 'orifícios' que deixam os olhos e a boca à mostra e no lugar do nariz ostenta uma protuberância. Desta máscara saem longas franjas de palha que cobrem o corpo, do pescoço aos joelhos. Os braços e as pernas, que ficam fora do traje, são pintados com padrões geométricos nas cores vermelha e preta. Sua função, na época das festas, é mandar as mulheres dançarem com os mascarados. Carrega uma lança de madeira com ornamentos plumários, que serve para cutucá-las quando se negam.

O Lateni, chefe de todos os Aruanãs, é disciplinador de crianças, principalmente das que se afastam dos limites da área de segurança e vigilância da aldeia. Sua máscara lhe cobre todo o corpo e carrega nas mãos uma vara, com a qual corre em perseguição às crianças, ameaçando-as. Estas buscam a proteção de suas casas, onde os pais lhes contam histórias que alimentem o medo e arrefeçam o entusiasmo e a desobediência. Não dança nem fala, mas, durante a realização dos rituais, anda pela aldeia pedindo comida e fumo por meio de gestos.


A Dança dos Aruanãs

Para acompanharem a Dança dos Aruanãs que envolve pantomimas com movimentos e gestos apropriados associados à indumentária, os índios utilizam a música vocal, cujo ritmo é marcado pelo maracá, numa teatralização vinculada ao intercâmbio que mantêm com o mundo sobrenatural.

Os cantos são proferidos em tom de falsete e referem-se ao cotidiano, à história e à mitologia. Para sua encenação, os rapazes, colocados em duplas, portando as máscaras características de determinado par de ente escolhido por eles, saem da Casa dos Homens, cantando, dançando e vibrando os maracás, em direção ao pátio ritual da aldeia. Cada par tem a decoração do traje, as músicas, os gritos, as batidas e a decoração do maracá, vinculados ao seu ente mitológico.

Os Aruanãs saem na primeira e na segunda iniciação masculina, a perfuração do lábio inferior e o Hetohoky, na iniciação feminina, nos casamentos, na Festa de Aruanã, ou simplesmente para alegrarem os membros da comunidade.

A Festa de Aruanã é um ritual com uma acepção cosmogônica que celebra o abastecimento alimentar do grupo e representa um mito de origem do mundo de onde descende o povo Karajá. É uma sequência de quatro festas: a do Peixe Pequeno, que ocorre em meados de março, sucedido pela do Mel Pequeno, que se realiza em junho. Depois acontecem as festas grandes, de julho a setembro, a do Peixe, seguida pela do Mel, em novembro. Cada uma dura mais ou menos uma semana, dependendo da fartura de comida e da vontade dos Aruanãs, que dançam todas as noites. Enquanto nas festas pequenas dançam um dia sim, outro não, nas festas grandes dançam dois dias sim, um dia não.

Para que os Aruanãs transmitam proteção à comunidade devem ser bem alimentados antes, durante e após as danças, pois despendem muita energia. Caso passem fome, propagam tristeza e morte. Depois que se alimentam, todos os participantes da festa servem-se da refeição. Eliade (1992: 56), entende que a alimentação durante os rituais não é um ato fisiológico, ela renova uma comunhão. Apesar de, no mito os Aruanã serem eternos, quando estão no mundo terrestre têm sede, fome, cansaço, alegria, tristeza e outros sentimentos, como os seres humanos.

O xamã fixa o calendário do ciclo ritual, elege um Karajá para ser o 'dono da festa' ou 'pai' dos Aruanãs durante essa passagem pela terra e estabelece contato com eles, fornecendo-lhes orientações para que saiam, pois enxerga-os no fundo do rio.

O dono da festa envia emissários para outros núcleos indígenas com a finalidade de convidar seus habitantes a participarem das festividades. Ele tem o compromisso de prover a alimentação dos dançarinos, sendo as mulheres de sua família responsáveis pelo preparo das refeições. Durante as festas, além da dança, ocorrem jogos, corridas, competições e lutas corporais esportivas.

Durante os rituais os membros da tribo, em particular os mais jovens, se apresentam bastante ornamentados; pintam todo o corpo com desenhos elaborados e complexos e usam uma enorme variedade de atavios, como cocares de penas, colares e pingentes, brincos, braçadeiras, pulseiras, jarreteiras, tornozeleiras e o wetacama, um tipo de cinto. Já os mais velhos usam um calção e pintam faixas e listras sobre os braços e as pernas. As mulheres casadas não se ornamentam, e quanto à indumentária adaptaram-se aos padrões ocidentais, e usam um vestido.

O pátio localizado entre as moradias e a Casa dos Homens é o espaço usado para a realização dos rituais; a atividade iniciática deve se realizar fora dos lugares habitados, ao abrigo da curiosidade profana (Balandier, 1999: 119).

Na extremidade do pátio, junto às moradias, mulheres, crianças e meninos não iniciados permanecem sentados assistindo às encenações, enquanto as moças aguardam o momento da contradança com os mascarados. Em princípio, são solteiras, mas podem ser viúvas ou separadas; assim, sua participação pode indicar que estão prontas para se casarem.

As jovens, como vestimenta, portam o encacho, uma peça feita de estopa de líber, lançada entre as pernas e sustentada por uma faixa que contorna a cintura. Têm nas regiões infra-orbitárias, o contorno de um pequeno círculo, pintado ou tatuado, o omarurá, marca que caracteriza o índio Karajá, e sobre todo o rosto e corpo, pinturas feitas com sumo de jenipapo e tintura de urucum, sempre variando os padrões de desenho. Quanto a adornos usam brincos vermelhos feitos de penas de araras, o kueju; colares de miçangas, pingentes de franjas de cordões de algodão em diversas cores, sustentados por um cordel torcido, que enlaça o pescoço e é amarrado na nuca, com pontas terminadas em borlas pendendo sobre as costas. E, ainda, pulseiras com franjas, cordões tecidos de algodão tingidos de preto e vermelho circulando os pulsos, antebraços e tornozelos, e jarreteiras vermelhas, feitas de cordões de algodão, amarradas sobre os joelhos. Na cabeça, um diadema com penas e plumas vermelhas e amarelas.

A dança tem início com os pares de Aruanãs percorrendo o pátio, da Casa dos Homens ao lugar das mulheres. Na segunda volta, uma dupla permanece no meio do caminho aguardando uma dupla de moças. Elas se levantam, caminham silenciosamente, e se apresentam perante eles. Defrontando-se, os dois casais prosseguem dançando rumo ao espaço onde estão as mulheres. Elas dão passos para trás na ponta dos pés, sem encostá-los naqueles de seus pares. Lá chegando, sentam-se, pois a terceira volta é dançada apenas pela dupla de Aruanãs. Os homens entram dançando no território feminino, mas as mulheres não vão ao masculino.

As moças, quando dançam com os Aruanãs, configuram uma imagem de submissão e de motivação sexual, enquanto eles, de imposição e conquista. Elas balançam as mãos em sentido vertical na altura do ventre, acompanhando o ritmo da música em uma coreografia que enfatiza os órgãos genitais, evidenciando nesses gestos um erotismo explícito. Não olham para os dançarinos, mantêm a cabeça baixa e movimentam-se o tempo todo fitando o chão, para não descobrir-lhes a identidade. Caso os identifiquem, não podem revelar, nem deixar transparecer que os conhecem, sob pena de serem punidas. Somente os homens cantam, as mulheres dançam caladas; para elas, excetuando as cantigas de ninar, cantar é tabu.

À tarde, no último dia da festa, os Aruanãs vão para o pátio das mulheres despedir-se dos seus pais. Depois, voltam a cantar e vão para a Casa dos Homens, quando, então, discretamente, queimam todas as vestimentas.

A queima destes trajes, revestidos de simbolismo, transmite a ideia de um anti-clímax, mas por outro lado significa que os entes retornam satisfeitos ao seu habitat, levando consigo a imagem de gratidão do grupo.


Comentários finais

A indumentária, as configurações e as evoluções da Dança dos Aruanãs, encerram uma visão seletiva de autenticidade de formas, onde a austera simplicidade dos mascarados contrasta com a detalhada e colorida ornamentação das dançarinas, numa alegoria de palhas, penas e cores, evidenciada no enredo do mito, no qual se pode vislumbrar o antagonismo existente entre os mundos masculino e feminino e o controle que a sociedade exerce sobre o comportamento da mulher, principalmente, pelas restrições que lhe são feitas no desenrolar do processo ritual.


Referências bibliográficas

AZOUBEL NETO, D. Mito e Psicanálise: Estudos Psicanalíticos sobre Formas Primitivas de Pensamento. Campinas: Papirus, 1993.

BALANDIER, G. O Dédalo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

ELIADE, M. Mito do Eterno Retorno. São Paulo: Mercúrio, 1992.

GOFFMAN, E. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1992.

MENDONÇA, M. C. M. M. O reflexo no espelho: o vestuário e a moda como linguagem artística e simbólica. Goiânia: Editora UFG, 2006.



RIBEIRO, B. Dicionário do Artesanato Indígena. Belo Horizonte: Itatiaia / São Paulo: EDUSP, 1988.

Currículo resumido - A autora é doutora em Ciências Sociais pela PUC/SP, mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e graduada em Artes Visuais pela UFG. É professora da Faculdade de Artes Visuais/UFG e coordenadora do Projeto Final de Curso no bacharelado em Design de Moda - FAV/UFG.


Catálogo: anais -> Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> Traje-de-Cena
Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> Vestibilidade alternativa para as medidas na Moda
Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> Como é a criação e produção de vestuário através de oficinas de
Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> A tecnologia da Informação no Design e sua influência na construção da Identidade de Gênero
Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> O desfile Moda e Literatura: limítrofe entre o prosaico e o poético na Av
Coloquio%20de%20Moda%20-%202009 -> O que fala a bolsa de gala? What does talk the evening bag?
Traje-de-Cena -> A proposta de antonin artaud é uma linguagem teatral que utiliza como base o magnetismo, nervoso do homem, resultando de uma pesquisa incessante realizada no palco, exprimindo o que de hábito não se exprime
Traje-de-Cena -> A trajetória de Gianni Ratto na Indumentária
Traje-de-Cena -> Encenando Mozart: a produção e a processo criativo para a Ópera “a flauta Mágica” Staging Mozart: The production and creative process to the opera "The Magic Flute."


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande