A importância da saúde gengival na prótese fixa



Baixar 26.95 Kb.
Encontro05.11.2017
Tamanho26.95 Kb.

A importância da saúde gengival na prótese fixa

Luiz Ramos Jr. *


Milton Edson Miranda **




Introdução:
Durante a confecção de uma prótese fixa , um aspecto fundamental é o necessário cuidado com o periodonto, que segundo BICHACHO¹ 1998, o dente é esteticamente inseparável da gengiva adjacente.

O sucesso da prótese fixa depende da saúde e estabilidade das estruturas periodontais adjacentes³. WEINBERG 18 1960 salientou que a estética começa na manutenção da saúde periodontal e isto está associado à correta manipulação do paciente pelo profissional.

Sob o ponto de vista periodontal, a restauração intra-sulcular é indesejável, mas no entanto a experiência clínica nos indica que isto é possível 9. É claro que para que isto aconteça, alguns cuidados devem ser tomados pelo profissional, sendo este o objetivo deste artigo.

Um dos preceitos da reabilitação oral é que a saúde periodontal deva ser estabelecida antes do tratamento restaurador 3,13,18 . Se o periodonto estiver inflamado, o profissional não terá referências para a correta colocação do término do preparo, além da ocorrência de sangramento que dificultará os procedimentos operatórios 13 , incluindo a moldagem.

Numa condição de normalidade, observamos margens gengivais em lâmina de faca, papila bem firme, profundidade de sulco de 1 a 3mm 3 . O epitélio juncional sadio adere ao dente em toda a margem gengival, não havendo nenhum espaço entre o epitélio e o dente.

Com sonda periodontal este espaço pode ser aberto, mas com sua remoção este espaço volta a se fechar.

Uma adequada faixa de gengiva queratinizada está presente,sendo esta uma importante barreira contra as injúrias durante o procedimento reparador. Esta gengiva inclui a gengiva marginal livre até a junção muco-gengival, cuja largura pode variar de 1 a 4mm 7 . LANG; LÖE 7 observaram em um estudo “in vivo” que no mínimo 2 mm de gengiva queratinizada era importante para manter a saúde gengival, deduzindo-se que então pelo menos 1 mm de gengiva inserida é importante.(Foto 1).
PREPARO INTRA-SULCULAR:
Em coroas totais anteriores, a estética preconiza que a margem do preparo seja intra-sulcular 1 , principalmente em pacientes com sorriso alto ou “gengival”. Para isto, dois aspectos devem ser notados:

1. A adaptação da prótese ao término do preparo (margem) deve ser perfeita;

2. O contorno cervical do preparo deve ser observado, porque isto afeta a saúde periodontal. O término do preparo deve acompanhar o contorno da gengiva.

A margem do preparo intra-sulcular deve ser colocada em torno de 1,0mm dentro do sulco gengival 18 . Margens que se estendam muito além desta medida e não respeitam o espaço biológico ,destroem o epitélio juncional, que migra apicalmente para se aderir ao cemento numa nova posição, ocorrendo uma recessão gengival 18 . Associado a isto, observamos uma inflamação gengival e possível formação de bolsa periodontal,

seguido de reabsorção óssea, ocasionando assim problemas estéticos e fonéticos 1.

Quanto mais sub-gengival for o término do preparo, maior a severidade da inflamação



5 . Além disso, quanto mais profundo o preparo,maior a dificuldade na moldagem, confecção do provisório e averiguação das margens da restauração 12 .

Idealmente, o melhor término do preparo é o supra-gengival ou mesmo ao nível da gengiva,conforme observado por LARATO; MARCUM8 1969.

FERENCZ3 1991 observou que o preparo intra-sulcular é o que mais causa danos ao periodonto, mas a etiologia para isto está relacionada com o procedimento operatório, materiais restauradores e rugosidade do agente cimentante.RICHTER; UENO12 1973 observaram que, mais importante que a localização da margem cervical, é a adaptação e o grau de acabamento das restaurações.

É claro que um preparo intra-sulcular pode se executado, mas o sucesso do tratamento depende de uma técnica não traumática, adequada adaptação marginal, correto contorno biológico10 e uma rigorosa manutenção da prótese pelo paciente.

Uma forma simples do preparo,com um menor trauma, respeito ao espaço biológico e com um mínimo de sangramento, pode ser executado da seguinte maneira:

1. Confeccionar o preparo ao nível gengival (Foto 2)

2. Colocar o fio retrator. Observar o afastamento gengival em torno de 1 mm

3. Terminar o preparo. Obs: na proximal talvez se faça necessário um afastamento com um instrumento metálico (Foto 3 e 4)

4. Umedecer bem o fio retrator antes da sua remoção, observar o mínimo de sangramento e o respeito ao periodonto (Foto 5)
Todo preparo intra-sulcular causa trauma ao periodonto, principalmente ao epitélio do sulco. Se ocorrer sangramento, parte ou todo o epitélio pode ter sido lesionado 14 .

Esta reparação ocorre entre 7 a 10 dias 11 . É importante observar que este processo reparador não seja perturbado por no mínimo 1 semana 9 , levando a conclusão que a moldagem só deve ser realizada no mínimo 1 semana após o procedimento de preparo e confecção da coroa provisória. STEIN, GLICKMAN15 1960 comentaram que a cicatrização da gengiva depende da coroa temporária. Uma cuidadosa confecção deve ser feita da seguinte maneira 14, 17 :

1.Reembasar o provisório quantas vezes forem necessárias. Uma observação clínica interessante seria que, durante o reembasamento , a coroa fosse abaixada em 1 mm e jateada com ar/água da seringa tríplice por alguns segundos, removendo assim o excesso de monômetro, tendo então uma menor agressão ao periodonto e maior fidelidade no reembasamento ( Foto 6).

2. Adequado acabamento e polimento da prótese provisória

3. Verificar se as margens foram bem reembasadas utilizando-se uma sonda exploradora

4. Antes da cimentação provisória, lubrificar com isolante tipo hidrossolúvel ou pomada a base de corticosteróide. Evitar vaselina por ela não ser hidrossolúvel (Foto 7)

5. Remover todo o cimento provisório em excesso
Ainda com relação ao preparo dental, quando realizado de forma inadequada, fatalmente teremos uma moldagem defeituosa, imperfeita fundição, ocorrendo acúmulo de placa e posterior inflamação gengival. Após a realização do preparo, devemos realizar uma minuciosa limpeza da área para a remoção de todo material que venha interferir na cicatrização da área 13 .

Um aspecto muito negligenciado pelos profissionais é o sobrecontorno da restauração, o que pode levar á uma recessão gengival num curto período de tempo3 . Deve ser observado que a redução cervical durante o preparo deve ser o suficiente para abrigar a restauração, sem causar o sobrecontorno 5. O terço cervical da restauração deve emergir do sulco gengival o mais plano possível 3, 19 .

Desde a confecção do provisório até a prova da restauração , devemos:

1.Marcar com um grafite o nível gengival (Foto 8)

2. Deixar o perfil de emergência o mais plano possível ( Foto 9)

3. Evitar a ocorrência da isquemia gengival



MOLDAGEM

Como já mencionado, devemos esperar a cicatrização do periodonto após a confecção do preparo e coroa temporária, para então realizarmos a moldagem , o que demora por volta de 7 dias, evitando assim a recessão gengival 3 .

A inserção do fio retrator deve ser cuidadosa para evitar agressão ao tecido conjuntivo adjacente 3,9 . O fio impregnado causa uma injúria temporária e a cicatrização ocorre por volta de 7 a 10 dias 4,6 . O fio utilizado com o respectivo cuidado não causa dano irreversível 14 . Um aspecto importante: o fio deve ser bem umedecido antes da sua remoção 3,9 .

COROA DEFINITIVA

Sabe-se que a coroa permanente deve ser instalada o mais breve possível 2,14 .Se a restauração for corretamente confeccionada, a irritação do agente cimentante provavelmente causará uma leve inflamação, sendo esta de pouca importância 17 . Os bordos da restauração devem ser extremamente polidos, os excessos do cimento devem ser removidos de preferência com fio dental e cunhas de madeira, já que a sonda periodontal pode riscar a peça 14 . Por fim, o agente cimentante tende a ser poroso, mas esta rugosidade remanescente é bem tolerada 3 .

Os mesmos cuidados na cimentação temporária já citados se fazem necessários na cimentação permanente, já que qualquer resquício de excesso de cimento é danoso ao periodonto. Na foto n.10 observar a saúde gengival na reabilitação oral.

CONCLUSÃO:
Mais uma vez, seguindo as observações de LÖE; SILNESS 9 1963 e sob o ponto de vista periodontal, seria indesejável a restauração intra-sulcular, mas com os cuidados necessários pelo profissional, este procedimento pode ser executado com segurança, porque todo trauma gerado é irreversível.

O dente é esteticamente inseparável da gengiva adjacente e desta forma todo cuidado deve ser tomado com pacientes com sorriso alto ou “gengival”. Na prótese fixa, o respeito ao periodonto deve ser essencial, caso contrário o fracasso será inevitável.


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:


  1. BICHACHO, N. Achiving optimal gingival esthetics around restored natural teeth and implants. Dent. Clin.N.Amer., v.42, n.4, p.763-80, Oct. 1998

  2. DONALDOSON, D. J. Gingival recession associated with temporary crowns. Periodontol., v.44, n.11, p.691-5, Nov. 1973

  3. FERENCZ, J., L.Maintaining and enhancing gingival architecture in fixed prosthodontics. J.prosth.Dent., v.65, n.5, p.650-7, May 1991.

  4. HARRISON, J.D. Effect of retraction materials on the gingival sulcus epithelium. J.prosth.Dent., v.11, n.3, p.1514-21, May-June, 1961.

  5. JAMESON, L.M.Crown contours and gingival response. J.prosth.Dent., v.47, n.6, p.620-4, June, 1982

  6. LA FORGIA, A Mechanic-chemical and electrosurgical tissue retraction for fixed prosthesis. J.prosth.Dent, v.14, n.6, p.1107-14, Nov-Dec.1964

  7. LANG, N.P.; LÖE, H. The relationship betwen the width of keratinized gingiva and gingival health. J.Periodontol., v.43, n.10. p.623-7, Oct. 1972

  8. LARATO, D.C. The effect of crown margin extension and gingival inflamation. J.South.Calif.Dent.Ass., v.37, n.11, p.476-8, Nov. 1969

  9. LÖE, H.; SILNESS, J. Tissue reactions to string packs used in fixed restorations. J.prosth.Dent., v.13, n.2, p.318-23, mar-Apr, 1963

  10. MARCUM, J.S. The effect of crown marginal depth upon gingival tissue. J.prosth.Dent, v.17, n.5, p.479-87, May-1967

  11. . REIMAN, M.B.Exposure of subgingival margins by nonsurgical gingival displacement, J.prosth.Dent, v.36, n.6, p.649-54, Dec.1976

  12. RICHTER, W.A ; UENO, H. Relationship of crown margin placement to gingival inflamation. J. prosth.Dent., v.30, n.2, p.156-61, Aug.1973

  13. ROMANELLI, J.H.Periodontal considerations in tooth preparation for crowns and bridges. Dent.Clin.N.Amer., v.24, n.2, p.271-84, Apr 1980

  14. SILNESS, J. Fixed prosthodontics and periodontal health. Dent.Clin.N.Amer., v.4, n.2, p.317-29, April-1980

  15. STEIN, R.S.; GLICKMAN, J. Prosthetic considerations essential for gengival health. Dent. Clin.N.Amer., p.177-88, Mar. 1960

  16. WAERHAUG, J. Histologic considerations which govern where the margins of restorations should be located in relation to the gingiva. Dent.Clin.N.Amer., p.161-76, Mar 1960

  17. WAERHAUG, J. Temporary restorations: Advantages and disavantages. Dent. Clin.N.Amer, v.24, n.2, p.305-76, April 1980

  18. WEINBERG, L.A Esthetics and the gingival in full coverage. J.prosth Dent., v.10, n.4, p.737-44, Jul-Aug.1960

  19. YODELIS, R.A Facial and lingual contours of artificial complete crown restorations and their effects on the periodontium. J.prosth.Dent., v.29, n.1, p.61-6, Jan.1973

* Mestre e Doutor em Reabilitação Oral pelo F.O.USP ( Bauru)

* Coordenador do Curso de Especialização em Prótese pela ACDC (Campinas )

** Master of Science em Reabilitação Oral pela Ohio State University (USA)

** Doutor em Prótese Fixa pela F.O.USP

** Professor responsável pela disciplina de Prótese pela F.O.São Leopoldo Mandic (Campinas)

** Coordenador dos Cursos de Especialização e Mestrado em Prótese Pelo C.P.O.

São Leopoldo Mandic (Campinas ).


Relação das fotografias:



Foto 1:Observar o tecido periodontal sadio e a quantidade de gengiva inserida, que deve Ter a espessura mínima de 1mm





Foto 2: Preparo ao nível gengival





Foto 3: Afastamento gengival com fio retrator, fornecendo condição para o preparo intra-sulcular

F
oto 4: Afastamento gengival com o fio retrator mais instrumento metálico


Foto 5: Preparo concluído com o mínimo de sangramento





Foto 6: Jateamento com ar/àgua com a seringa tríplice no reembasamento do provisório

F
oto 7: Lubrificação do terço cervical da coroa provisória com lubrificante hidrossolúvel

F
oto 8: Marcação com grafite do nível gengival

F
oto9: Correção do perfil de emergência com brocas para resina acrílica

Foto 10: Reabilitação oral. Superior, coroas tipo Procera, com exceção nos molares onde realizou-se coroas tipo metalocerâmicas.



Inferior, coroas unitárias tipo metalocerâmica



Catálogo: trabalhos
trabalhos -> 0037. Dmf. Ccs. Mt. 10. R. O. 11 VariaçÕes anatômicas da porçÃo terminal da veia retromandibular em humanos
trabalhos -> 0047. Dcos. Ccs. Mt. 10. R. P. 13 Aspectos tomográficos das anquiloses da atm
trabalhos -> 0047. Dcos. Ccs. Mt. 10. R. P. 19 Enxerto ósseo de tórus palatino em região anterior de maxila – relato de caso
trabalhos -> CaracterizaçÃo microestrutural de uma liga níquel-titânio bruta de fusãO
trabalhos -> Primeira semana do desenvolvimento
trabalhos -> SimulaçÃo de desgaste em próteses de quadril
trabalhos -> Escultura dental na reconstruçÃo de dentes anteriores fraturados
trabalhos -> Monitoria de odontologia em saúde coletiva: relato de experiência
trabalhos -> ComparaçÃo por método de elementos finitos 2d da distribuiçÃo de tensões em coroas totais metalo-cerâmicas e de cerâmica pura utilizando diferentes tipos de carregamentos


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande