Viagens de memória: os espaços gravados de Melena Freddi e Daniela Lorenzi



Baixar 10.81 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho10.81 Kb.

Viagens de memória: os espaços gravados de Helena Freddi e Daniela Lorenzi

Marco Fragonara
Dois modos diversos, os de Helena Freddi e de Daniela Lorenzi, de enfrentar um único tema: aquele da memória.

Memória, compreendida como aquilo que permanece na alma, por Helena Freddi. Coincidência de vida vivida, recolhida em arquivo por Daniela Lorenzi.

Sobreposições de imagens gravadas, nas quais apresentam-se escritas sem significados, no trabalho de Helena Freddi.

Amplificações do significado de memória, reelaborado pelo disparo fotográfico, na obra de Lorenzi.

Escrita e fotografia como ponto de partida para estas duas artistas. Escrita como marca, símbolo e ação, que fazem da linguagem uma realidade declinada em situações concretas, um ato do corpo, sobre os quais se sobrepõem, nas gravuras de Freddi, fotocópias, listas telefônicas, que a escrita procura amalgamar, partindo de uma imagem, entendida como sinal evocativo da realidade em um êxito metafórico, onde o ícone mantém com o objeto, do qual é marca, um vínculo.

Fotografia como indício, na qual a existência passada do objeto, mas também a presente, compenetra a simples referência ao ícone, no trabalho de Lorenzi com um êxito metonímico, no qual cada figura representa uma parte do universo, mas também a compreende profundamente. “A fotografia – dizia Baudelaire; é capaz de conservar os objetos transitórios dignos de um lugar nos arquivos da nossa memória”. E a fotografia armazena o real, conservando-lhe os aspectos transitórios. Não por outro motivo Lorenzi, nas obras que antecedem aquelas aqui expostas, tem trabalhado de maneira peculiar sobre um seu particularíssimo arquivo fotográfico, depois reelaborado pela gravura, em relação à imagem, compreendida como vestígio evocativo da realidade. Ora, ainda que partindo da fotografia, utiliza-a de maneira diferente. De fato, “a imagem da fotografia – já foi dito; assemelha-se à luz das estrelas mais distantes, das quais a vida pode ter-se acabado a milênios, no momento em que nosso olho a observa” E como acontece com a estrela, de quem luz que hoje observamos revela a presença certa e passada do astro, mas não a sua atual existência também certa, assim a fotografia evoca com força extraordinária a presença do representado, que é presença certa em algum passado, mas do qual a existência atual pode ser deduzida apenas por conjecturas.

Sobre uma outra vertente da memória apóia-se o trabalho de Helena Freddi. Neste caso, não se trata de arquivos que tendem a suplantar a lembrança, mas de imagens que se predisponham à leitura daquilo que já aconteceu. É um deixar-se guiar ao interno de uma lembrança já concretizada – diria Roland Barthes; onde constantemente aparece o casual e o inesperado que leva a um andar além, um além, que fique bem claro, também real. Neste caso, nas gravuras de Helena Freddi aparece mais evidente a conexão entre temporalidade e memória, e nesta última é definida propriamente na ordem da colocação temporal dos objetos remanescentes, aqui expressos pelo fio (fio de Arianna) que costura os envelopes de papel delicado, que podem ser manipulados e misturados com outros papéis gravados, de maneira que o visitante possa, ele mesmo, reconstruir as suas memórias.

Tudo ao contrário dos arquivos contemporâneos, dos quais “ Planetario tascabile” (Planetário de bolso) de Lorenzi é apenas um exemplo. Nas obras de ambas as artistas permanece, no entanto, a idéia de labirinto. Em Lorenzi, um labirinto que constitui uma imagem do mundo, propensa identificar-se com o próprio mundo. Em Freddi uma memória transformada em marca e testemunho projetado em direção à recuperação do passado com vistas ao presente e ao futuro, no qual o labirinto equivale a uma regeneração.



Para compreender a diversidade de abordagem de êxito de Freddi e de Lorenzi, poderíamos recorrer à antiga distinção feita por Aristóteles a respeito da memória. O filósofo grego, de fato, falava de mnemé, vale dizer, da faculdade da conservação e de anémnesis, da recuperação do passado. E é nas gravuras da segunda que a memória advém como a única via possível de conhecimento interno permitindo o reconhecimento da centralidade humana e do próprio dever. Ao contrário, nas gravuras de Lorenzi, aparece um eu fragmentado, ainda que disponível à reconstrução de um quebra-cabeça de identidade, que encontra na memória-arquivo-conservação, expressa pelo acúmulo de sinais, a possibilidade de reconstruir um imaginário próprio, representando a si mesmo por meio da exteriorização de recordações individuais e sociais, nos quais documentos, imagens, objetos-lembranças asseguram o papel de depositários de memória, na tentativa de reapropriar-se da própria subjetividade.

Nas obras de ambas um modo contemporâneo de entender a memória, nas quais aparece concretamente a nostalgia da originária identidade, socialmente perdida, mas também o duplo destino do ser humano: aquele de prisioneiro ou de viajante vitorioso. Mas isto dependerá do caminho que se seguirá.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal