Universidade federal da paraíBA



Baixar 329.2 Kb.
Página10/13
Encontro02.07.2019
Tamanho329.2 Kb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13
Parte(s) usada(s): Folhas e cascas.

Modo de usar: Infuso das folhas e decocto das cascas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Não é recomendável o seu uso em pessoas com história de reações alérgicas às Anacardiaceae (manga, caju, umbu, cajarana, etc.).
CAPIM SANTO

Nome científico: Cymbopogon citratus (DC) Stapf.

Família: Gramineae

Nomes populares: Capim santo, capim limão, capim cheiroso.

Composição química:

Óleo essencial: Citral, mirceno, geranial, neral, cânfora, cimbopogona, cimbopogonol e outros.

Outros: Flavonóides (luteolina, orientina), ácidos (acético, cafeico, paracumárioco, clorogênico).

Mirceno (12 % do óleo essencial) – Tem atividade antimicrobiana, antifúgica e analgésica.

Ac. Acético - Rubefaciente, antipruriginoso e anti-séptico, quando na concentração de 1 a 10%.

Citral (65 a 72 do óleo essencial) - principal componente ativo responsável pela ação calmante, antiespasmódica, larvicida e repelente de insetos.

Esta planta, por apresentar constituintes químicos de ação larvicida e inseticida pode ser usada no controle da Larva migrans (verme de cachorro) e no combate de zoodermatoses. No primeiro caso, é interessante cultivar a planta em áreas de concentração de ovos de ancilóstomos (ex. jardins, quintais, etc.).

Tratando-se de zoodermatoses, aconselha-se borrifar o infuso ou o macerado da planta em áreas e horários onde há predominância maior ação de insetos.

O óleo essencial desta planta apresenta atividade antibacteriana contra Staphilococus aureus, E. coli, Salmonella typh, e outros microoorganismos. Nas experiências realizadas em laboratório, foi também encontrada atividade antifúngica, sobre mais ou menos 22 espécies de microrganismos.

Indicações: Antimicrobiano, repelente de insetos, digestivo, carminativo, sedativo.

Parte(s) usada(s): Folhas.

Modo de usar: Tradicionalmente usado sob a forma de infusão.

Efeitos adversos e/ou tóxico: Não referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Não referidas na literatura consultada.
HORTELÃ DA FOLHA GROSSA

Nome científico: Plectrantus amboinicus (Lour) spreng.

Família: Labiatae

Nomes populares: Hortelã da folha grossa, hortelã da folha graúda, malva do reino, malva de cheiro, malvarisco e malvariço.

Composição química

Carvacrol e timol - Têm potente ação germicida, anti-séptica, antifúngica e antipruriginosa. Ambos são compostos do grupo dos fenóis, os mais poderosos agentes antibacterianos.

Cânfora - É um antipruriginoso refrescante e repelente, além de ser rubefaciente quando friccionado.

Mucilagem - Edemulcente, quando aplicado em mucosa, e emoliente, quando aplicado na pele.

Flavonóides - Alguns são antibacterianos. Entre eles, temos a quercetina que aumenta a resistência capilar, reforçando sua vitalidade. Quando o suprimento destes compostos é insuficiente, há fragilidade capilar, com queda de cabelo e favorecimento de outras infecções. Além disso, é antioxidante, inibidor da histamina e da oxidação da adrenalina e estimulante da produção de plaquetas.

Indicações: Antimicrobiano, antiinflamatório, expectorante. Usado no tratamento das tosses, rouquidão e inflamações da boca, das gengivas e amídalas.

Parte(s) usada(s): Folhas

Modo de usar: Nas doenças de pele, pode ser usado o sumo da planta diretamente na área afetada, ou lavá-la com o infuso. Este pode ser usado internamento, bem como o xarope.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendadas, não há registro destes efeitos referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Nas doses recomendadas, não há registro de contra-indicações referidas na literatura consultada. Por precaução, não usar demasiadamente nos primeiros meses da gestação.
MELÃO DE SÃO CAETANO

Nome científico: Momordica charantia L

Família: Cucurbitaceae

Nomes populares: Melão de São Caetano, erva de são Caetano, erva de serpente, fruta de sabiá, erva de São Vicente.

Composição química: Principio amargo, denominado momordoprcrina; triterpenos: momordicininas I, II e III; alcalóides, ácidos orgânicos, azuleno, fitoesteróides e outros.

Azuleno - Possui ação antialérgica e antiinflamatória, possivelmente devido a um efeito estabilizador sobre a membrana dos mastócitos, de forma direta ou indireta, diminuindo a liberação de histamina e promovendo a liberação de cortisona.

Ensaios pré-clínicos e alguns clínicos confirmaram ação analgésica, antiinflamatória, escabicida, hipoglicemiante, com efeitos colaterais inferiores aos da insulina, favorecendo os processos cicatriciais da pele, nos portadores de diabetes tipo II.

Indicações: Inflamações de pele, sarna, piolhos, impigens e diabetes. Antimicrobiano.

Parte(s) usada(s): Folhas (principalmente), flores, fruto e sementes.

Modo de usar: Sabão, infuso e alcoolatura.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: A ingestão de grande quantidade do fruto pode provocar vômitos, diarréia e hipotensão, devido à presença de charantina e curcubitna.

Contra-indicações - Não administrar preparações com os frutos durante a gravidez e a lactação.
RABO DE RAPOSA

Nome científico: Conyza bonariensis (L.) Cronquist.

Família: Compostae

Nomes populares: Rabo de raposa, carniceira.

Composição química:

Ácidos Fenólicos - De um modo geral têm ação antiinflamatória e anti-séptica. Por ter vitamina P (bioflavonóides), aumenta a resistência capilar e reduz a permeabilidade dos vasos.

Entre os ácidos fenólicos encontrados nesta planta, temos:

Ac. Clorogênico - Componente dos polímeros aromáticos, que apresenta efeito antifúngico.

Ac. Cafeico - Apresenta significativa atividade anti-séptica sobre a flora patógena que ataca a pele, principalmente sobre o Stophylococus aureus.

Ác. neoclorogênico - Com comprovada atividade antifúngica e bacteriostática in vitro.

Outros constituintes: Flavonóides (quercetrina, quercitina, apigenina), taninos, lactonas sesquiterpênicas, óleo essencial rico em limoneno.

Indicações: Aftas e micoses.

Parte(s) usada(s): Folhas.

Modo de usar: Alcoolatura ou sumo das folhas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendadas, não há registro destes efeitos referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Nas doses recomendadas, não há registro de contra-indicações referidas na literatura consultada.
SAIÃO

Nome científico: Kalanchoe brasiliensis Camb

Família: Crassulaceae

Nomes populares: Coirama, corona, coirama branca, corona branca.

Composição química:

Flavonóides - Pigmento dos vegetais, principalmente das flores, denominado de bioflavonóides, quando apresentam atividade farmacodinâmica. Entre suas várias funções temos: imunomoduladora, antioxidante, antimicrobiana.

Os flavonóides são indicados em quase todas as condições inflamatórias e alérgicas da pele, por sua atividade imunossupressora, diminuindo a liberação de mediadores envolvidos nestes processos e estabilizando as membranas celulares.

Aminoácidos – Entre outros, a arginina, que é um coadjuvante na cura de algumas dermatoses. Apresentam ação imunoestimulante, anticancerígena e estimulam a liberação do hormônio do crescimento, inibindo a perda da massa muscular, facilitando, assim, a cicatrização tecidual.

Ácidos orgânicos – Entre outros, temos o ácido caféico, que apresenta ação anti-séptica, ação antiagregante plaquetária e analgésica, e o ácido cumárico, que melhora a micro-circulação, promovendo uma adequada oxigenação tissular.

Briofilina – Substância de ação antibiótica contra vários germes: Staphilococus aureus, Pseudomonas aeruginosas, Echerichia coli e gram positivos, de um modo geral.



Indicações: Antiinflamatório, cicatrizante, antimicrobiano.

Parte(s) usada(s): Folhas.

Modo de usar: Nas doenças de pele, pode-se usar o sumo da planta ou a pomada, diretamente na área afetada ou sob a forma de alcoolatura e xarope, no uso interno.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendadas, não há registro destes efeitos referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Nas doses recomendadas, não há registro de contra-indicações referidas na literatura consultada.
VASSOURA DE BOTÃO

Nome científico: Borreria verticillata (L.) GFW Mayer

Família: Rubiaceae

Nomes populares: Vassoura de botão, vassourinha de botão, cordão de frade, falsa poaia.

Composição química:

Alcalóides – Emetina, borrerina e borreverine, extraídos principalmente das raízes desta planta. A emetina, ou seu derivado, a dehidroemetina, com ou sem corticóides sistêmicos, pode reduzir a dor do herpes zoster agudo. Deve, no entanto, ser usada com cautela devido a seus efeitos tóxicos.

Iridóides (valeotriatos) – Responsável pelo sabor amargo e pela ação antibiótica sobre bactérias gram positivas e gram negativas. Estão mais concentrados na casca dos talos e das raízes.

Compostos Sesquiterpênicos - Guianeno, Cariofileno e Cadineno, encontrados principalmente nas partes aéreas.

Pigmentos Flavônicos - Entre outros, a hesperidina que apresenta efeito venotônico, vasculoprotetor, diminuindo a estase venosa. Apresenta, ainda, atividade miorelaxante e efeito depressor sobre o SNC.

Taninos – Estes, por apresentarem atividade adstringente, precipitam a proteína da pele, formando uma película que priva as bactérias contaminantes do seu substrato nutritivo.

Seus óleos essenciais têm propriedade antibiótica sobre bactérias gram positivas e gram negativas, sendo constatado, em ensaio clínico, a sua eficácia tópica na cicatrização de lesões impetiginosas.

Indicações: Antiinflamatório, antibacteriano, cicatrizante.

Parte(s) usada(s): Toda a planta, especialmente as cascas dos talos e das raízes.

Modo de usar: Usada sob a forma de alcoolatura e infusos.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Em altas doses, pode provocar vômitos.

Contra-indicações: não referida na literatura consultada.

PLANTAS COM ATIVIDADE NO APARELHO DIGESTÓRIO
ABACAXI

Nome científico: Ananas sativus

Família: Bromeleacea.

Nome popular: Abacaxi

Constituintes químicos: Sua enzima bromaleína é uma mistura das bromelinas A e B. Tem atividade digestiva, comparável à ação da pepsina e da papaína favorecendo a degradação dos peptídios. Também atua como antiagregante plaquetário (inibe parcialmente a enzima tromboxano-sintetase), fibrinolítico (ativa o plaminogênio tissular) e antiinflamatório (inibe a formação de bradicinina).

Tem vitamina A, B e C, fibras, compostos fenólicos, etc.



Indicação: Digestivo, carminativo, laxante, antiinflamatório.

Parte utilizada: Fruto.

Modo de usar: Ingerir a polpa do fruto junto às refeições. Com as cascas em maceração, pode-se fazer o suco.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: O fruto verde provoca efeitos purgantes, sensação de queimação e ardência na boca.

Contra-indicações: Pacientes em uso de anticoagulantes.
AROEIRA DO SERTÃO

Nome científico: Myracrodruom urundeuva Fr. All.

Família: Anacardeaceae

Nome popular: Aroeira do sertão

Constituintes químicos: A casca é rica em taninos e em outros compostos fenólicos mais simples. Contém duas chalconas diméricas, chamadas urundeuvinas A e B, com forte ação antiinflamatória. O óleo essencial obtido das folhas tem mais de 16 constituintes, sendo os mais importantes o alfa pineno, o gama terpineno e o betacariofileno. Têm ação anti-histamínica e antibradicinina.

Indicações: Atividade antiúlcera, anti-inflamatória, cicatrizante, adstringente, antimicrobiana. Na medicina popular do Nordeste do Brasil, a casca do tronco desta árvore é um dos remédios mais antigos, sendo utilizada para várias patologias.

Estudos realizados com o extrato hidroalcoólico, em ensaios pré-clínicos, evidenciaram efeito antiinflamatório, cicatrizante e antiúlcera. Uma avaliação clínica da planta para o tratamento de úlcera foi realizada através da utilização do elixir da aroeira administrado diariamente, por via oral, pela manhã e à noite, durante 30 dias a 12 indivíduos portadores de úlcera gástrica. Seis deles, ao final do tratamento, apresentaram completa cicatrização do processo ulceroso.



Parte usada: Casca do caule.

Modo de usar: Tintura, xarope, decocto, sabonete.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Em alta concentração, pode provocar irritação do aparelho gastrintestinal. Também pode provocar alergia de pele e alergia respiratória.

Contra-indicações: Pacientes sensíveis a esta planta.
BABOSA

Nome científico: Aloe vera L.

Família: Liliaceae.

Nomes populares: Babosa, erva babosa, caraguatá.

Constituintes químicos: Planta rica em antraquinonas (15 a 30), dentre elas a baboleína (20%). Este composto, sob a ação de bactérias saprófitas anaeróbicas intestinais, é transformado em aloe-emodina-atrona que age na mucosa intestinal diminuindo a absorção de eletrólitos e de água, aumentando o peristaltismo e a secreção mucosa. Daí, sua ação laxante e purgante. Em pequenas doses, tem ação aperitiva, colagoga e estomacal. Age, também, cicatrizando a úlcera gástrica.

Tem, ainda, resinas (16 a 30%) saponinas, mucilagem, lignina, mais de 20 minerais (cálcio, magnésio, potássio, fósforo, etc), vitaminas (A, B1, B2, B6, B9, B12, colina, etc.).



Indicações: Inflamações, constipação, infecções, etc.

Parte utilizada: Sumo mucilaginoso das folhas.

Modo de usar: Sumo alcoolatura, supositórios e pomadas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Pode causar nefrite em crianças, quando em uso oral. Causa retenção de líquidos e congestão dos órgãos abdominais.

Contra-indicações: Gravidez, pacientes com problemas renais e doenças inflamatórias do intestino.
BATATA DE PURGA

Nome científico: Operculina macrocarpa L. Farwe.

Família: Convolvulaceae.

Nome popular: Batata de purga, jalapa do Brasil, purga do sertão.

Constituintes químicos: Sua ação laxante se deve à presença de resina em alta concentração: 120 g para cada kilograma do tubérculo. Os derivados fenólicos ácido ferúlico, ácido clorogênico, ácido cafeico e ácido protocatecúico são responsáveis pela atividade antimicrobiana e antiinflamatória.

Indicações: Laxante e purgativo. Também é utilizada para o tratamento de doenças infecciosas da pele (impetigo e furúnculos) e reumatismo.

Parte utilizada: Tubérculo.

Modo de usar: Pó, resina e tintura.

Efeitos adversos e/ou tóxicos:

Contra-indicação: Inflamação dos intestinos, devido à sua ação irritativa na mucosa intestinal.
BOLDO

Nome científico: Peumus boldus Molina.

Família: Monimiaceae.

Nomes populares: Boldo do Chile, boldo verdadeiro.

Constituintes químicos: Os alcalóides, como boldina* (25 a 30% dos alcalóides), esparteína e isocoridina, junto com seus flavonóides e o glicosídio boldoglucina, têm ação protetora sobre a membrana dos hepatócitos, diminui o dano oxidativo mitocondrial e estimula a secreção da bílis. O óleo essencial (até 2%) é rico em ascaridol (45%), cineol (30%), linalol, eugenol e p-cimeno. Têm ação antimicrobiana.

Indicações: Dispepsias, discinesias biliares, afecções hepáticas, cálculos biliares e gases intestinais.

Parte utilizada: Folhas.

Modo de usar: Infuso.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Altas doses do seu óleo essencial podem provocar irritação renal, vômitos e diarréia. Pode provocar convulsões.

Contra-indicações: Crianças, lactantes e pacientes com obstrução das vias biliares. La esparteína tem provoca contrações uterinas, daí sua contra-indicações em grávidas.
CANELA

Nome Científico: Cinnamomum zeylanicum Blume.

Família: Lauraceae

Nome popular: Canela, canela verdadeira, canela do Ceilão, canela da Ìndia.

Constituintes químicos: Rica em óleo essencial (0.5 a 3.5 %). Neste, o principal componente e o aldeíldo cinâmico (60 a 75%), eugenol (10%) e outros componentes minoritários como o pineno, felandreno, linalol, metil-eugenol, etc. Nas folhas, o principal componente é o eugenol (80%). Contém cumarina, mucilagens, resinas, gomas, taninos condensados e açúcares. Seu óleo essencial estimula a produção de enzima, principalmente a tripsina, daí suas propriedades eupépticas e carminativas. Tem ação protetora da mucosa gástrica, em pequena quantidade e baixa concentração de eugenol. Do contrário, provoca irritação gástrica. Ensaios pré-clínicos comprovaram atividade miorelaxante e antiinflamatória sobre músculo liso de traquéia e de íleo de cobaias.

Em baixa dose, estimula o Sistema Nervoso Central e em altas doses tem ação sedativa. Esta atividade deve-se ao aldeído cinâmico.



Indicação: Antimicrobiano, antiespasmódico (cólicas intestinais), eupéptico, anestésico local.

Partes utilizadas: Casca (caule e ramos) e folhas.

Modo de usar: Infuso e decocto.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não referidos na literatura consultada.

Contra-indicações: Não referidas na literatura consultada.
CAPIM SANTO

Nome científico: Cymbopogon citratus D.C. Staf.

Família: Graminae.

Nomes populares: Capim santo, capim limão, cidreira.

Constituintes químicos: Suas folhas são ricas em óleos essenciais que contém citral, cânfora, eugenol, e mirceno e alcalóides como, farnesol e geranial.

Indicações: Antiespasmódico, anti-séptico, carminativo, digestivo e sedativo.

Parte utilizada: Folhas.

Modo de usar: Infuso das folhas verdes ou secas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendadas, não há efeitos adversos. Em altas doses, provoca irritação de mucosas, aumento do peristaltismo intestinal, taquicardia e sudorese.

Contra-indicações: Grávidas, lactantes e pacientes com úlcera gástrica ou duodenal.
CÁSCARA SAGRADA

Nome científico: Rhamnus purshiana D.C.)

Família: Rhamnaceae.

Nomes populares: Cáscara sagrada, casca sagrada, cáscara.

Constituintes químicos: Rica em heterosídeos antraquinôncos e antracênicos (6 a 9%) que se formam nas folhas e se armazenam nas cascas mais velhas. Os principais são os cascarosídeos A, B, C, D e E. Destes, o A e o D são os mais potentes. Eles interferem com a permeabilidade da mucosa, levando à passagem de líquidos e eletrólitos para a luz intestinal, acarretando o aumento do peristaltismo. Possui de 10 a 30 % de aloínas A e B. Possui taninos, resinas, mucilagens, etc. Indicações: Laxante, colagoga/colerética.

Parte utilizada: cascas.

Modo de usar: Fazer o decocto das cascas e tomá-lo após as refeições. No caso de produtos de laboratórios, seguir a orientação da bula.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Quando o tratamento é prolongado e a dose elevada, podem ocorrer: irritabilidade intestinal, constipação paradoxal, nefrites, destruição dos plexos nervosos intra-colônicos e câncer intestinal.

Contra-indicações: Grávidas, lactantes e pacientes com úlcera gástricas e doenças intestinais, como colite ulcerativa e doença de Crohon.
ERVA CIDREIRA

Nome científico: Lippia alba Mill

Família: Verbenaceae.

Nomes populares: Erva cidreira, carmelitana, falsa melissa, cidreira.

Constituintes químicos: Óleos essenciais (0,5 a 1,5%) contendo citral (atividade calmante e espasmolítica), mirceno (atividade analgésica), linalol (atividade anticonvulsivante, juntamente com o citral). Seus flavonóides também têm ação sedativa

Indicações: Cólicas intestinais, má digestão, flatulência, ansiedade e insônia.

Parte utilizada: Folhas.

Modo de usar: Infuso.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendadas, não os há.

Contra-indicações: Gravidez e lactação.
ERVA DOCE

Nome científico: Pimpinella anisum L.

Família: Umbelífera ou Apiaceae.

Nomes populares: Erva doce, anis, pimpinela.

Constituintes químicos: Óleo essencial (2 a 5%). Neste, anetol (75 a 90%), estragol (metil - chevicol), pinenolimoleno, etc. Flavonóides (quercitina e apigenina) e cumarinas. A ação farmacológica da erva-doce se deve principalmente ao anetol. Ele compete com a dopamina que é um inibidor da prolactina. Desta forma, há aumento da produção de leite. Favorece a secreção salivar e a secreção gástrica.

Indicações: Estomáquica, antiespasmódica. carminativa, sedativa e galactagoga.

Parte utilizada: Sementes maduras.

Modo de usar: Infuso.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Nas doses recomendas, não há efeitos adversos e/ou tóxicos.

Contra-indicações: Grávidas não devem tomá-la em altas doses, pois pode provocar contrações uterinas.
ESPINHEIRA SANTA

Nome científico: Maytenus ilicifolia.

Família: Celastraceae.

Nomes populares: Espinheira santa, erva santa, cancerosa, sombra de touro.

Constituintes químicos:

Alcalóides: maitansina, maitanprina, maitambutina.

Flavonóides: derivados da quercitina e campferol.

Taninos* hidrolizáveis, ácido clorogênico, terpenos (maitenina, friedelina e friedelan-3-ol), etc. Em estudos pré-clínicos com ratas com úlcera gástrica induzida por indometacina e estresse físico mostrou atividade contra úlcera gástrica comparável a ranitidina e cimetidina. Aumenta o voloume e Ph do suco gástrico. O mecanismo de ação proposto é a inibição da bomba de próton, etapa final comum das vias reguladoras da secreção gástrica.



Indicação: Gastrite, dispepsia e úlcera gástrica. Também tem atividade cicatrizante e antimicrobiana.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande