Universidade estadual de londrina



Baixar 44.57 Kb.
Encontro11.06.2018
Tamanho44.57 Kb.


PROJETO DE ASSISTÊNCIA INTERDISCIPLINAR AO IDOSO EM NÍVEL PRIMÁRIA (PAINP): A busca de uma prática possível .
Autores:

Mara Solange Gomes Dellaroza – Professora Assistente - Depto. Enfermagem – Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Celita Salmaso Trelha – Professora Assistente- Depto. Fisioterapia – UEL

Kyiomi Nakanishi Yamada – Professora Auxiliar - Depto. Enfermagem - UEL

Marcos Aparecido Sarria Cabrera – Professor Adjunto - Depto. Clínica Médica – UEL

Este relato refere-se a um projeto de extensão do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Londrina (UEL), com a participação de professores e alunos das áreas de enfermagem, medicina, fisioterapia, odontologia e serviço social, bem como profissionais autônomos e integrantes do serviço de atenção básica municipal da Secretária de Saúde de Londrina.

Serão apresentadas as justificativas teóricas para a proposição deste projeto e os aspectos relevantes de sua implantação e desenvolvimento. Abordaremos também os resultados obtidos junto à comunidade e os avanços acadêmicos identificados a partir da implantação do Projeto.

O problema a ser resolvido

A população mundial de idosos cresce cada vez mais e no Brasil a situação não é diferente. Segundo dados do IBGE (2003) a expectativa de vida atual da população brasileira, está em torno de 71,3 anos, devendo continuar subindo nos próximos anos.

Na medida em que o nosso país passa por uma rápida transição demográfica, o aumento de idosos determina um outro perfil de situação de saúde e doença na sociedade. As doenças crônico-degenerativas, neoplásicas e cardiovasculares assumem um importante papel na determinação da qualidade de saúde dos indivíduos, gerando a necessidade de modelos de assistência de saúde que contemplem as características desta nova realidade (Veras, 2003).

O processo normal de envelhecimento, por si só, já proporciona ao idoso algumas alterações que merecem ser identificadas pelos serviços de saúde (Cabrera, 2004). Além disso, o envelhecimento é uma complexa condição de morbidades com ocorrência concomitante de doenças, medicamentos, incapacidades funcionais e aumento da letalidade (World Heatlh Organization, 2003). Esta realidade biológica se sobrepõe a situação psico-social vulnerável determinada por fatores relacionados ao indivíduo, sociedade, serviços e instituições (Organização das Nações Unidas, 2003).

Não obstante esta difícil realidade, ainda outro grande desafio é apresentado aos serviços de saúde: a promoção de um envelhecimento saudável. O avanço do conhecimento científico mostra-nos que é possível a sociedade alcançar uma longevidade com qualidade, isso depende muito das condições de saúde dos indivíduos e da assistência oferecida (World Health Organization, 2002).

Assim, o envelhecimento populacional exige maior aprofundamento de seus conceitos na Universidade e a integração desta com instituições prestadoras de serviços em saúde. Entretanto, os cursos da área da saúde não abordam suficientemente, as questões relacionadas ao envelhecimento (Keller et al., 2002) e os serviços de saúde ainda não dispõem de uma prática específica que reconheça as necessidades dessa faixa etária (Veras, 2003).



Surgimento da Proposta

Em 2001, um grupo de docentes de diferentes áreas da UEL (medicina, enfermagem, serviço social, odontologia e fisioterapia), que desenvolviam atividades e pesquisas em envelhecimento, elaborou o Projeto de Assistência Interdisciplinar ao Idoso em Nível Primário (PAINP), partindo dos seguintes pressupostos:



  • UEL como instituição formadora de recursos humanos em saúde tem a responsabilidade de capacitar profissionais para atuar nas áreas de Gerontologia e Geriatria.

  • A integração da academia com a comunidade visa desencadear um processo de auto suficiência da comunidade, com vistas à obtenção de ações que lhes proporcionem uma melhoria na qualidade de vida de seus indivíduos.

  • A integração da academia com os serviços de saúde objetiva provocar uma reflexão das práticas em saúde com vistas a atender as reais necessidades da população de maneira o mais efetiva possível.

A equipe de trabalho tem desenvolvido ações na realidade foco, em consonância com a Política Nacional de Atenção ao Idoso (Lei 8842/94) e a Política Nacional de Saúde do Idoso (1999), promulgada pelo Ministério da Saúde, que estabelecem como diretrizes:

  • Promoção do envelhecimento saudável;

  • Manutenção da capacidade funcional;

  • Assistência às necessidades de saúde do idoso;

  • Reabilitação da capacidade funcional comprometida;

  • Capacitação de recursos humanos especializados;

  • Apoio de cuidados informais;

  • Apoio a estudos e pesquisas.



Descrição da proposta

Título: Projeto de Assistência Interdisciplinar ao Idoso em Nível Primário - PAINP

Participantes:

- Universidade Estadual de Londrina – com professores e alunos das áreas de enfermagem, medicina, fisioterapia, odontologia e serviço social;

- Serviço de saúde – Secretaria de Saúde do município de Londrina e os profissionais das Unidades Básicas de Saúde ( UBS) envolvidos no projeto;

- Comunidade – Instituições religiosas e lideranças da comunidade.


População atendida:

Idosos que residem na área de abrangência da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Conjunto Habitacional Ruy Virmond Carnascialli e Conjunto Cabo Frio, localizadas na região norte da cidade de Londrina.

Três equipes multidisciplinares compõem o Programa de Saúde da Família de cada uma destas UBS, com participação de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde.

Cada equipe do PSF é responsável por 600 a 1000 famílias, ou seja, 2.400 a 4.500 pessoas, dependendo da densidade demográfica da área de abrangência. Ocorre assim, o princípio do vínculo, ou seja, a constituição de referências do usuário para com os profissionais que deverão se responsabilizar e se comprometer pelos cuidados com as famílias (ANDRADE; SOARES; CORDONI JÚNIOR, 2001)

A escolha destas UBS para implantação do PAINP foi baseada nos seguintes critérios:


  • Perfil dos usuários das UBS formado por pessoas de menor poder aquisitivo.

  • Interesse das equipes do PSF em participar do Projeto.

  • Existência de um grupo de idosos no bairro, com atividades integradas com a UBS.

Objetivos

Objetivo Geral

Promover um programa de assistência interdisciplinar ao idoso em nível de atenção básica em uma área de abrangência de uma Unidade Básica de Saúde.


Objetivos Específicos

Junto aos Idosos:



  • Oportunizar aos idosos a busca de melhora das suas condições físicas, psicológicas e sociais. Através da adesão a um estilo de vida saudável, capacitação para o auto-cuidado e gerenciamento de suas principais doenças, adaptação às incapacidades funcionais, orientação em relação às possibilidades de suporte social e reconhecimento da importância da sociabilidade, afetividade e espiritualidade nesta fase da vida.
Junto à Comunidade e ao serviço:

  • Conscientizar comunidade e profissionais da área da saúde, sobre importância de uma assistência integral ao idoso. Com ênfase na prevenção de doenças crônicas, tratamento racional e humanizado de suas principais patologias, capacitação de cuidadores informais e acolhimento em suas incapacidades e disfunções.
Junto aos Alunos:

  • Possibilitar a formação de profissionais para atuarem em equipe de atenção interdisciplinar ao idoso. Possibilitando um entendimento adequado do processo de envelhecimento e saúde-doença nessa população e identificando diferentes estratégias de intervenção.


Desenvolvimento do Projeto
Diferentes atividades foram desenvolvidas pela equipe em parceria com os profissionais da UBS e da comunidade.

  1. Participação em grupos de idosos

No primeiro ano houve a participação da equipe do projeto em ações educativas realizadas em sete encontros junto ao grupo de idosos existente na comunidade, com abordagens ligadas às áreas de serviço social, fisioterapia, medicina, enfermagem e nutrição. Estes encontros foram importantes para a integração de toda equipe e um maior envolvimento nas iniciativas já consolidadas pelos profissionais locais.
2. Caracterização dos idosos

Foram realizados levantamentos do perfil de 250 idosos independentes e de 100 idosos restritos ao domicílio cadastrados no Programa de Saúde da Família da UBS Carnascialli. Estes levantamentos foram realizados através da realização de uma entrevista pelos alunos, compreendendo questões referentes às condições sócio-econômicas, condições de morbidade, avaliação do nível de independência, escala de depressão para o idoso e para cuidador e dados sobre o cuidador. (Tabelas 1 e 2)

A qualidade de vida, dos idosos e seus cuidadores, pode ser melhorada pela intervenção dos cuidadores profissionais trabalhando nos domicílios. Estas intervenções devem visar o bem estar físico, emocional e cognitivo dos idosos e também ajudar a família a superar as dificuldades em relação aos cuidados (Caldas, 2003)

3. Assistência Interdisciplinar aos idosos com alta dependência funcional

A partir dos resultados levantados sobre o perfil dos idosos, procurou–se discutir com as equipes das UBS os problemas prioritários para busca de estratégias de enfrentamento. Assim definiu-se que a questão prioritária seria avaliar e aprimorar o atendimento a idosos com alto grau de dependência que estavam restritos ao domicílio visando maior efetividade no atendimento e na busca de soluções para seus problemas.

A equipe de profissionais da Unidade Básica de Saúde sugeriu um grupo de idosos restritos ao domicílio que poderiam ser incluídos no seguimento. Formaram-se quatro equipes interdisciplinares (1 docente, 5 alunos de diferentes áreas, 1 agente comunitários de saúde) para visitas domiciliares a aproximadamente 30 idosos cadastrados (Tabela 3). Mensalmente os casos de maior complexidade são discutidos em reuniões envolvendo a participação de alunos, docentes e equipes do PSF em encontros previamente agendados na UBS. Esta atividade é realizada no final do período da manhã, quando a demanda do atendimento aos usuários é menor, o que possibilita fechamento da UBS por uma hora e a participação de grande parte dos profissionais.

Tal estratégia tem garantido a capacitação conjunta dos alunos, docentes e equipe de saúde da UBS. Através de uma discussão interdisciplinar são definidas as ações para o enfrentamento dos problemas identificados. Este momento tem permitido aos profissionais acadêmicos uma aproximação com a realidade do serviço e da comunidade, e, ao serviço uma aproximação com conceitos presentes na academia, o que permite à construção coletiva de conhecimentos aplicáveis a realidade do idoso no seu contexto domiciliar e na atenção básica em saúde.

4. Formação do grupo de capacitação de cuidadores informais

Na realidade brasileira, os cuidados aos idosos são prestados predominantemente por suas famílias e, eventualmente por amigos e vizinhos. Cuidar do idoso em casa constitui uma atividade que deve ser estimulada, porém não é tarefa fácil para quem a realiza, uma vez que elas representam uma sobrecarga física, emocional e financeira para estes cuidadores (Bretas, 2003; Creutzber & Santos,2003). Um outro aspecto importante, é que estes indivíduos prestam uma assistência sem um preparo técnico e emocional e comumente apresentam pouca integração com os prestadores de serviços (Karsch, 2003).

A assistência domiciliária ao idoso de maneira eficaz, pressupõe uma mínima articulação da equipe de profissionais, do idoso, do cuidador, da família e eventualmente da comunidade, sendo todos participantes ativos das ações de saúde.

Uma vez identificada à capacitação do cuidador como estratégia essencial para o cuidado adequado ao idoso, formou-se um grupo de cuidadores familiares que tem se reunido mensalmente nas dependências do salão paroquial da igreja católica do bairro. A cada encontro são selecionados temas de interesse do grupo (Quadro 1).

Além disso, busca-se assegurar um espaço para a troca de experiências entre cuidadores e a equipe. Estes momentos possibilitam a explicitação das demandas de sentimentos e dificuldades, que se transformam em objeto de reflexão e conceituação teórica de toda equipe. Membros da equipe da UBS têm participado das reuniões, entre eles agentes comunitários de saúde, enfermeiros e fisioterapeuta do PSF.

As observações realizadas pelas equipes do PSF durante as visitas domiciliares também são abordadas nestas reuniões e garantem a integração de todas as ações do projeto. Com a finalidade de assegurar espaços de entrosamento e lazer para os cuidadores a equipe realiza também: passeios, técnicas de relaxamento e jogos.

A partir desta experiência a equipe de docentes do PAINP está preparando um manual de informações e orientações a idosos e cuidadores a respeito do envelhecimento e suas peculiaridades.



Resultados obtidos

A proposição de um Projeto baseado em prática interdisciplinar em nível primário de assistência à saúde, direcionado para uma determinada faixa etária, tem que ser prioritariamente avaliada a partir de resultados concretos obtidos. No entanto, também deverão ser considerados os avanços em relação à sensibilização dos agentes envolvidos e as mudanças de atitudes ocorridas deste então.

Nesta primeira etapa de desenvolvimento das atividades, foram executadas as atividades de avaliação inicial e caracterização, assistência domiciliária e orientação a cuidadores e reuniões com a equipe da UBS. Em um segundo momento, faremos avaliações das interferências diretas nos idosos, como a condição nutricional, incapacidades, uso racional de medicamentos, ocorrência de dor e presença de queixas.

O Projeto se mostrou extremamente importante por introduzir e reforçar a questão do envelhecimento tanto na Universidade quanto no serviço de assistência primária. Percebemos nos profissionais das UBS uma melhora na crítica a atitudes sistematicamente detectadas na assistência aos idosos, como a polimedicação, auto-medicação, imobilidade, risco de acidentes domésticos, isolamento social e depressão.

Um maior número de professores, alunos e profissionais se envolveram com o idoso e seus familiares e isso refletiu nas atividades acadêmicas e na produção científica relacionadas ao Projeto (Quadro 2).

Em relação aos benefícios gerados aos indivíduos idosos envolvidos no Projeto, notamos uma maior conscientização quanto a atitudes de risco como a polimedicação, auto-medicação, o sedentarismo e inatividade, inadequada nutrição e isolamento social.

Os cuidadores estão sendo beneficiados na medida em que são ¨enxergados¨ neste processo e também têm possibilidades da trocar experiências e aprendizados através do relacionamento inter-pessoal com a equipe do projeto. Eles são considerados, além de responsáveis pelos idosos, como pessoas com necessidades e anseios próprios. A produção do manual para cuidadores possibilitará a difusão destas informações a um maior número de pessoas com a ampliação dos resultados do PAINP além da população envolvida.

Os profissionais das unidades básicas de saúde incorporadas ao PAINP estão tendo a oportunidade da convivência com o processo de produção e transferência do conhecimento científico, além de conseguirem desenvolver uma prática que harmoniza as dificuldades da realidade com a, muitas vezes ingênuas, visão acadêmica dos problemas dos idosos.

Porém, a realização do PAINP traz à superfície uma realidade difícil de ser vencida na assistência aos idosos. A falta de suporte social e de condições adequadas de encaminhamento para unidades de maior complexidade ou de cuidados de longa permanência, limita as possibilidades de intervenção.

Também identificamos a necessidade do processo de envelhecimento e saúde-doença ser compreendido dentro de uma perspectiva não só curativa e paliativa pelos serviços de saúde. A Promoção de saúde e do envelhecimento saudável tem que fazer parte da agenda dos serviços de assistência primária, gerando assim uma necessária inclusão de outros profissionais em seus serviços, como educadores físicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos e nutricionistas.



Considerações finais e perspectivas
O conhecimento e o acompanhamento das etapas de desenvolvimento do PAINP nos fazem reconhecer que estamos diante de um desafio difícil, mas possível de ser enfrentado. Devemos criar um ambiente acadêmico nas Universidades que se responsabilize pela constante reflexão e proposição de alternativas racionais de assistência primária. No entanto, a prática nos mostra que essas reflexões não devem ficar isoladas e armazenadas nas produções científicas. Elas precisam “invadir” os cenários de execução das assistências primárias e flexibilizarem-se diante dos balizamentos que a prática e a realidade, certamente, as submeteram.

Continuaremos a nossa trajetória buscando uma maior disseminação dos nossos achados e a pretensiosa ampliação da abrangência das atividades, que depende de uma articulação com setores administrativos e institucionais.


Profissionais que atuam no projeto: Fabiane Freitas, Coordenadora da Unidade Básica de Saúde do Conjunto Cabo Frio. - Sandra da C.P. Domiciano, Professora do Departamento Serviço Social. - Arthur Eumann Messas, Dentista voluntário do projeto. – Renata Dip, médica geriatra voluntária do projeto. Toda a equipe que atua nas UBSs do Conjunto Ruy Virmond Carnascialli e Cabo Frio.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ANDRADE, Selma M; SOARES, Darli A; CORDONI JÚNIOR, Luis (orgs.). Bases da Saúde Coletiva. Londrina/Rio de Janeiro: Editora UEL/ABRASCO, 2001.


BRETAS, Ana CP. Cuidadores de Idosos e o Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.56, n. 3, p. 298-301, maio/junho de 2003.
CABRERA, Marcos AS. Aspectos biológicos do envelhecimento – Bases biológicas, fisiológicas e imunológicas. In: Campostrini, E. Odontogeriatria. Rio de Janeiro: Revinter, 2004. p. 16-20.
CALDAS, Célia P. Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas na família. Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 3, p. 733-781, jun 2003.
CREUTZBER, Marion G; SANTOS, Beatriz RL. Famílias cuidadoras de pessoa idosa: relações com instituições sociais e de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 56, n. 6, p. 624-629, novembro/dezembro de 2003.
KELLER, Ingrid; MAKIPAA, Arttu; KALENSCHER, Tobias; KALACHE, Alexandre. Global Survey on Geriatrics in the Medical Curriculum. Geneva, World Health Organization, 2002.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábuas completas de mortalidade – 2003. Disponível em http://www.ibge.com.br/home/presidencia/noticia . Acesso em: 13 de maio de 2006.


KARSCH, Ursula M. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 3, p. 861-866, jun 2003.
MESAS, Arthur Eumann. Condições de saúde bucal, estado nutricional e fatores
associados em idosos de Londrina, Paraná. 2005. 93 f.  Dissertação (Mestrado
em Saúde Coletiva) - Universidade Estadual de Londrina, 2005.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Plano de ação internacional contra o envelhecimento, 2002/Organização das Nações Unidas; tradução de Arlene Santos. – Brasília:Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2003. 49 p.
TRELHA, Celita Salmaso et all. Capacidade Funcional de idosos restritos ao domicílio, do conjunto Ruy virmond Carnascialli, Londrina/Pr. Semina. V.26, n. 1. p. 37-46. 2005.
VERAS, Renato . Em busca de uma assistência adequada à saúde do idoso: revisão da literatura e aplicação de um instrumento de detecção precoce e de previsibilidade de agravos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n.3, p. 705-715, 2003
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Active Ageing – A policy framework. Geneva:World Health Organization, 2002. 59 p.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Ageing and Health: A Health promotion approach for developing countries. Geneva: World Health Organization, 2003. 71 p.







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal