Um sistema operacional de visualizaçÃo de produtos



Baixar 19.9 Kb.
Encontro06.03.2018
Tamanho19.9 Kb.

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS - PARTE II: Modelo9

José Fernando Pesquero


Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC)

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Rodovia Dutra Km 40 Cachoeira Paulista – CEP 12600 - SP

(012)-3186-8488

pesquero@cptec.inpe.br

Abstract: This article describes the Modelo9, an operational system of meteorological visualization, developed in script language of GrADS/COLA. This script is capable of integrating in a graphic interface, satellite images, observacional data, radar and model of numeric forecasts for several days and schedules. It is totally automatic because of the scripts in C-Shell that were developed for the automatic renewal of data. Available since 2004 operacionally in CPTEC/INPE and in some state centers of forecast, the software provides the meteorologist a fast and easy-to-use interface.

Resumo: Este trabalho descreve o Modelo9, um sistema operacional de visualização meteorológica, desenvolvido em linguagem de script GrADS/COLA. Este script pode integrar em uma só interface gráfica, imagens de satélite, dados observacionais, radar e modelos de previsão numérica para vários dias. Ele é totalmente automático porque foram desenvolvidos scripts em C-Shell para automatizar toda a renovação dos dados. Disponível desde 2004 operacionalmente no CPTEC/INPE e em alguns centros estaduais de previsão, o software fornece ao meteorologista uma interface rápida e fácil de ser usada.

1.0 Introdução

O CPTEC tem tecnologia na área de meteorologia operacional com modelos numéricos de previsão de tempo, tanto na área de modelagem numérica quanto na área de visualização destes modelos. Há 6 anos atrás, em Pesquero e Satyamurty (1998), foi descrito o sistema visualização de modelos numéricos chamado então de Modelo6. Com a evolução do script e também do GrADS (Grid Display Analisys System) do COLA surge agora o Modelo9. Neste trabalho haverá uma descrição das evoluções da versão 6 até a versão 9. Desde a versão 6 o script continua sendo referência nos principais centros de meteorologia do Brasil devido a facilidade de instalação e uso.



2.0 O Modelo9

O sistema operacional de visualização de produtos meteorológicos, ou Modelo9 como é atualmente conhecido, foi desenvolvido no CPTEC em linguagem de script do GrADS. O GrADS foi escolhido pois destaca-se na área de meteorologia devido a grande quantidade de saídas gráficas, funções matemáticas, facilidade de programação, interação com diversos formatos de dados e distribuição gratuita na internet. As novas versões do GrADS (1.9b3) colocam o software também em uma linha operacional devido as novas criações em termos de formas gráficas como, por exemplo, botões, menus, dropmenus e, além disso, um mesmo script pode hoje trabalhar identicamente na versão do GrADS para Unix, Linux e Windows.

A partir da versão 7, um novo algoritmo foi incluído. Para se ter uma idéia da evolução do scripit, apenas dois exemplos:


  • versão 6 acessava até 26 variáveis meteorológicas e a nova acessa até 325;

  • versão 6 acessava até 4 modelos numéricos, a nova até 26.

Outro recurso muito utilizado são as imagens de radar de chuva de Bauru integradas ao de Presidente Prudente. Foram trocados os sistemas de zoom, possibilitando um zoom quase infinito. Além disto, a área gráfica foi aumentada em quase 20% com relação à versão 6.

O script, conhecido como Modelo6, começou a ser desenvolvido em maio de 1998 e a versão mais atual (Modelo9), apresenta as principais características de um software operacional. Dentre estas principais características destacam-se:



  • sobreposição de até 3 campos em diferentes níveis de altitude;

  • sobreposição de modelos numéricos com imagens de satélite, radar e observacionais

  • até 325 variáveis meteorológicas

  • até 26 modelos numéricos

  • comparação de até 2 modelos na mesma tela;

  • zoom com a função ruber band do GrADS e outro apenas com o clique do mouse;

  • navegação através do clique do mouse no mapa em qualquer zoom;

  • animação, passo a passo ou acesso direto das previsões ou análises dos campos meteorológicos;

  • comparação ou subtração dos campos de previsões com as respectivas análises;

  • cinco diferentes projeções geográficas;

  • geração rápida de gif ou ps (com fundo branco ou preto) de qualquer campo;

  • novos formatos para os gráficos com tempo, latitude, longitude, nível e magnitude, inclusive o corte vertical-diagonal (cross-section);

  • mapa das malhas dos municípios, rios, bacias (sub-bacias) hidrográficas e rodovias do Brasil;

  • indicação de nome e localização de todas as cidades do Brasil;

  • troca do espaçamento das linhas de contorno, linhas de corrente e vetores pelo usuário;

  • opção da visualização com o oceano em uma cor diferente do continente;

  • arquivo de configuração externo onde qualquer usuário pode configurar todos os itens dos menus e dropmenus;

  • função chamada OPERACIONAL onde o meteorologista pode acompanhar as imagens de satélite, radar e dados observacionais com intervalos de até 30 minutos.

Deve-se ressaltar a velocidade de plotagem dos campos meteorológicos, pois a maioria das funções realizadas pelo script é alcançada quase que instantaneamente apenas com poucos cliques do mouse. Ainda com relação ao desempenho, o script é executado via GrADS e, o mesmo, não é um programa que exige muita velocidade de processamento e memória. Como nas versões anteriores, os mesmos scripts em C-Shell de Pesquero e Satyamurty (1998) continuam fazendo alimentação dos dados automaticamente, de uma forma transparente ao usuário.



3.0 Alguns exemplos dos resultados obtidos

A fig. 1 mostra a análise do campo de pressão ao nível médio do mar do modelo do CPTEC em contorno e a imagem de satélite no canal infra vermelho para do dia 17/04/2004 as 00Z. Em destaque está um menu que mostra os tipos de variáveis meteorológicas (atualmente 59 variáveis no total). O mesmo ainda mostra um sub menu dos campos derivados das componentes u e v do vento.

Na fig. 2 nota-se a sobreposição da imagem do radar de chuva sobre o norte da Região Metropolitana de São Paulo. Com este sistema é possível o monitoramento de sistemas de menor escala deslocando-se sobre cada município em intervalos de até 30 minutos. Em destaque está um segundo menu do visualizador onde se nota algumas das opções deste, entre elas, geração de gif, relevo, cidades, etc.

Na Fig. 3 está sendo exibida a opção da comparação de dois modelos numéricos ao mesmo tempo. Do lado direito um modelo de menor resolução que é o T126L28 (Global). Do lado esquerdo encontra-se o modelo ETA de maior resolução (40km). Em ambos os gráficos estão plotadas as previsões de 24 h válidos para 18/04/2004 as 00Z representadas nos campos de pressão ao nível médio do mar e precipitação acumuladas nas últimas 24 horas. Neste exemplo a borda branca do quadrado sobre o mapa do lado direito mostra um exemplo de um rubber band. O rubber band, por exemplo, pode indicar uma área para o acionamento do zoom .

Na Fig. 4, foi plotada a previsão de 24 h de vento em linha de corrente do modelo ETA (40km) válido para o dia 17/04/2004 as 00Z. Sobreposta a esta se encontram a imagem de satélite no canal infravermelho e os dados de temperatura, temperatura do ponto de orvalho, pressão ao nível médio do mar, direção e magnitude dos ventos válidos para o mesmo horário da previsão. Nota-se que foi acessado um modelo de dias anteriores e se pode notar os itens do menu de dados observacionais.

Finalmente, na fig. 5 encontra-se plotada a previsão de 36 h da umidade relativa no nível de 700 hPa e a temperatura em 1000 hPa do modelo ETA válida para 18/04/2004 as 12Z. A linha vermelha sobre o mapa mostra a região onde foi feito um corte vertical na diagonal. O gráfico menor sobre o mapa mostra o resultado do corte vertical. Isto indica uma visão 3-D dos dados, possibilitando uma análise mais profunda dos campos. Em destaque o menu de gráficos onde nota-se todas as combinações gráficas (como esta) sobre os dados.






Fig 1. Análise do campo de pressão ao nível médio do mar do modelo do CPTEC em contorno e a imagem de satélite no na canal infra vermelho para do dia 17/04/2004 as 00Z.



Fig 2. radar de chuva sobre a norte da Região Metropolitana de São Paulo em 17/04/2004



Fig 3. ETA x T126L28 campo de pressão do nível médio do mar e precipitação acumulada em 24 horas para 18/04/2004 as 00Z



Fig 4. Linha de corrente do ETA sobreposta com imagem de satélite e dados observacionais para 17/04/2004 as 00Z



Fig 5. Corte vertical diagonal do campo de umidade relativa e temperatura para 18/04/2004 as 12Z

4.0. Conclusões

A inclusão da imagem de radar, malhas municipais, cidades e zoom infinito, mostrou que o visualizador, além das qualidades para a área operacional com modelos numéricos com um passo de integração de 6 horas, agora pode o modelo9 torna possível o acompanhamento de sistemas meteorológicos com passo de tempo de 30 minutos. Finalmente a possibilidade de cortes verticais diagonais torna possível uma visão 3-D dos sistemas meteorológicos. Nas próximas versões espera-se conseguir:



  • inclusão de cada termo isolado da rodada do ensemble, clusters e não apenas o campo médio.

  • gráfico com o histórico das ultimas 48 horas dos dados observacionais;

  • acrescentar novos campos, entre eles a precipitação do NCEP na grade de 1x1;

  • automatizar a instalação do script para o uso fora do CPTEC;

  • visualizar radiossondagens para os dados do TEMP;



5.0 Referências Bibliográficas
Doty, B. 1995; Manual do software GrADS - The Grid Analysis and Display System (GrADS) V1.5.1.12 na internet no endereço http://grads.iges.org/grads
Pesquero, J.F. e Satyamurty, P. 1998; Um Sistema Operacional de Visualização de Produtos Metorológicos – anais X Congresso Brasileiro de Meteorologia, Brasília 1998. em CD no link da Área de Previsão de Tempo e Clima.






Catálogo: col -> cptec.inpe.br -> walmeida -> 2004
2004 -> AvaliaçÃo objetiva do sistema de previsão de tempo global por ensemble do cptec e relaçÃo entre o espalhamento e o desempenho do ensemble médio
2004 -> Universidade federal de campina grande
2004 -> Estudo do transporte das partículas de aerossol de queimada via sensoriamento remoto
2004 -> Análise observacional e de simulaçÃoda numérica da partiçÃo de energia em modos verticais: estudo de caso de nuvem vírgula inv
2004 -> DistribuiçÃo sazonal e global da umidade do solo para inicializaçÃo em modelos numéricos de previsão de tempo e clima
2004 -> Características sinóticas associadas ao jato em baixos níveis e a influência na atividade convectiva sobre a bacia do prata
2004 -> Estudo observacional da propagaçÃo para leste do fenômeno catarina e sua simulaçÃo com modelo global de alta resoluçÃO
2004 -> Validação da temperatura da superfície obtida do sensor modis
2004 -> \indent In order to improve the predictive skill of the mesoscale atmospheric model Advanced Regional Prediction System (arps)
2004 -> Estrutura da Madden Julian (mjo)


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande