Ufv / XVIII sic / outubro de 2008 / veterinária


UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



Baixar 315.39 Kb.
Página7/9
Encontro21.10.2017
Tamanho315.39 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



MONITORAMENTO E CONTROLE DE DOENÇAS QUE ACOMETEM VACAS LEITEIRAS NO INÍCIO DO PERÍODO PÓS-PARTO

RODRIGO MELO MENESES (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), JOSE DANTAS RIBEIRO FILHO (Orientador/UFV), JOSE DOMINGOS GUIMARAES (Colaborador/UFV), PACIFICO ANTONIO DINIZ BELEM (Colaborador/UFV), AÉCIO CARLOS DE OLIVEIRA (Não Bolsista/UFV), ERICK FONSECA DE CASTILHO (Não Bolsista/UFV)


Avaliações clínicas e laboratoriais foram feitas em vacas leiteiras no início do período pós-parto com o objetivo de verificar a eficácia dos exames físico e laboratoriais no reconhecimento precoce de doenças infecciosas e metabólicas. Dezoito vacas, primíparas e pluríparas, com idades entre dois e nove anos, das raças Holandesa e Pardo-Suíço foram monitoradas até o trigésimo dia pós-parto. O monitoramento consistiu na avaliação de parâmetros clínicos [temperatura retal, frequências cardíaca e respiratória, coloração de mucosas, circunferência abdominal, características das fezes, grau de desidratação, movimentos ruminais, escore de condição corporal (ECC) e tempo de enchimento capilar]. Também foram realizadas análises laboratoriais como hemograma completo (número de eritrócitos, concentração de hemoglobina, hematócrito e contagem global e diferencial de leucócitos), exame bioquímico [proteínas totais (PT), fibrinogênio, cálcio ionizado, glicose plasmática, magnésio total e fósforo] e urinálise [pH, densidade, glicose, corpos cetônicos (CC), proteína e sangue]. No exame físico observou-se diminuição da frequência cardíaca e aumento dos movimentos ruminais (P<0,05), respectivamente, no segundo (T2) e quinto (T5) dia pós-parto; o ECC sofreu redução no trigésimo (T30) dia de avaliação (P<0,05). O hemograma revelou diminuição (P<0,05) na concentração de hemoglobina e no hematócrito no T5, enquanto o decréscimo no número de neutrófilos segmentados foi observado no T2. No exame bioquímico as PT aumentaram (P<0,05) no T30, porém o inverso ocorreu com os valores do fibrinogênio; a glicose plasmática sofreu redução no T2; no T5 houve aumento do cálcio ionizado e diminuição do magnésio no quinto (T5) e décimo (T10) dias após o parto. A urinálise revelou redução (P<0,05) no pH no T2 e T5, aumento dos CC no 15º (T15) e decréscimo na presença de sangue no T10 e no T30. O monitoramento clínico e laboratorial é eficaz no reconhecimento precoce de doenças metabólicas e infecciosas que acometem vacas leiteiras no puerpério inicial. (CNPq)


UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



NEOPLASMAS CUTÂNEOS DE EQUIDEOS DA ZONA DA MATA MINEIRA: DIAGNÓSTICO NO SERVIÇO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ENTRE 2003 E 2007

BRENO SOUZA SALGADO (Estagiário voluntário/UFV), TÁSSIA SELL FERREIRA (Estagiário voluntário/UFV), MARLENE ISABEL VARGAS VILORIA (Colaborador/UFV), LISSANDRO GONCALVES CONCEICAO (Orientador/UFV)

A oncologia é atualmente uma das especialidades que mais evolui dentro da medicina veterinária. Informações detalhadas sobre os diferentes tipos de tumores, no que se refere à epidemiologia, etiopatogenia, aos achados clínicos e laboratoriais, são assuntos de cada vez maior interesse. Na oncologia veterinária, os tumores de pele ocupam lugar de destaque devido a alta frequencia. Objetivou-se com esse trabalho verificar a ocorrência dos diferentes neoplasmas cutâneos em eqüídeos. Foram resgatadas as fichas patológicas do Serviço de Diagnóstico em Patologia - DVT/UFV no período de 2003 a 2007. Apenas foram incluidos os casos com diagnóstico definitivo. Foram diagnosticados 26 casos distribuídos em cinco tipos diferentes de neoplasias cutâneas, sendo o sarcóide o mais frequente (73.1%), seguido por carcinoma de células escamosas (CCE) (19.3%), papiloma escamoso (3.8%) e linfoma cutâneo (3.8%). Dos 19 casos de sarcóide, a espécie equina foi a  mais acometida (57.9%), seguida pelos muares (36.8%) e asininos (5.3%). Para os outros neoplasmas supracitados, somente os eqüinos foram acometidos. A distribuição dos processos neoplásicos entre animais machos e fêmeas foi de 60.2% e 30.8%, respectivamente. A idade média de ocorrência para o sarcóide foi de quatro anos e para o CCE foi de nove anos. Essa analise demonstrou, como em outros estudos, que o sarcóide foi a neoplasia mais freqüente em equinos na região da Zona da Mata Mineira. Durante o exame clinico de um equideo portador de massa cutanea é importante estar atento aos diagnósticos diferenciais e sempre que possível utilizar da confirmação histopatológica para mellhor nortear o plano terapêutico e inferir sobre o prognóstico.
UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



OCORRÊNCIA DE Capillaria sp. EM TRINCA FERRO (Saltator similis) ENCAMINHADO AO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (CETAS-UFV).

LEANES CRUZ DA SILVA (Estagiário voluntário/UFV), ALEXANDRE DE OLIVEIRA TAVELA (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), GEDIENDSON RIBEIRO DE ARAÚJO (Estagiário voluntário/UFV), AYISA RODRIGUES DE OLIVEIRA (Estagiário voluntário/UFV), FILIPE TAVARES CARNEIRO (Estagiário voluntário/UFV), VINÍCIUS HEROLD DORNELAS E SILVA (Estagiário voluntário/UFV), THYARA DE DECO SOUZA (Bolsista outra Instituição/UFV), LETÍCIA BERGO COELHO FERREIRA (Estagiário voluntário/UFV), RAFAEL MORAIS GARAY (Estagiário voluntário/UFV), TARCIZIO ANTONIO REGO DE PAULA (Orientador/UFV)

O trinca-ferro (Soltator similis) é uma ave que habita grande parte do território brasileiro e de alguns países vizinhos como: na Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina. No Brasil é encontrado principalmente nos estados do Mato Grosso, Goiás, Bahia e em direção ao sul até o Rio Grande do Sul. Vive em capoeiras, bordas de florestas e clareiras, sendo de fácil visualização principalmente em árvores frutíferas. Devido à grande procura e ao seu alto valor comercial os trinca-ferros são extremamente ameaçados pelo setor do tráfico que fornece animais para o mercado pet. Em decorrência disto, centenas desses animais são encaminhados, anualmente, a Centros de Triagem, após serem apreendidos pela Polícia Ambiental. O presente trabalho objetivou relatar a presença de helmintos de gênero Capillaria sp. em trinca-ferros encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres da Universidade Federal de Viçosa oriundos da Zona da Mata mineira. Foram coletadas amostras de fezes das gaiolas, pouco tempo após a eliminação pelos animais. O material foi processado imediatamente após cada coleta no Laboratório Clínico do CETAS-UFV. O método utilizado para pesquisa de parasitos foi o exame direto. Constatou-se a presença de ovos de Capillaria sp. em 1 dos 23 animais avaliados, porém nenhum dos trinca-ferros avaliados apresentou qualquer indício clínico do parasitismo pelo nematóide. Indivíduos adultos podem estar infestados por este parasito e apresentarem-se assintomáticos, funcionando como potenciais disseminadores de Capillaria sp. A importância desse helminto em Medicina Veterinária é relevante, por acarretar grandes distúrbios gastrointestinais principalmente em animais jovens que podem apresentar anorexia, perda de peso, anemia, fraqueza, diarréia e morte.
UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



OCORRÊNCIA DE Cryptosporidium spp. E Giardia spp. NO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU, VIÇOSA-MG.

JACQUELINE EVANGELISTA FONSECA (Bolsista IC /projeto/UFV), PAULA DIAS BEVILACQUA (Orientador/UFV), RAISSA VITARELI ASSUNÇÃO DIAS (Bolsista IC /projeto/UFV), PATRÍCIA FINAMORE ARAUJO (Bolsista IC /projeto/UFV), RAFAEL KOPSCHITZ XAVIER BASTOS (Colaborador/UFV)

A veiculação de protozooses constitui, atualmente, um dos maiores problemas de saúde pública relacionados com o abastecimento de água para consumo humano. O presente trabalho apresenta resultados de pesquisa de ocorrência de (oo)cistos de Giardia sp. e Cryptosporidium spp. em um dos mananciais de abastecimento no município de Viçosa-MG (Ribeirão São Bartolomeu - RSB). Entre novembro de 2007 e julho de 2008, foram coletadas, mensalmente, amostras em oito sub-bacias do RSB. Adicionalmente, foi realizado um levantamento das atividades desenvolvidas em torno dos pontos de coleta. Para a concentração das amostras, foram empregadas duas técnicas: filtração em membrana (turbidez < 10uT) ou floculação com carbonato de cálcio. A etapa de enumeração dos (oo)cistos foi realizada com uso de kit MERIFLUOR, pela técnica de imunofluorescência direta. Em várias das sub-bacias do RSB verificam-se atividades agropecuárias e, ou, ocupação urbana, com descargas de esgotos domésticos e dejetos de animais. Na maioria das amostras, observou-se ocorrência de oocistos de Cryptosporidium em números superiores aos de cistos de Giardia, sendo que as concentrações variaram de “não detectado” a 135 oocistos/L e de “não detectado” a 30 cistos/L, respectivamente. Os resultados obtidos demonstram a vulnerabilidade das águas do RSB e sinalizam a necessidade de adoção de medidas de controle que minimizem a contaminação do manancial, bem como de rigoroso controle operacional nas estações de tratamento de água. (Ministério da Saúde).

UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



OSTEOSSARCOMA – IMPORTÂNCIA DA CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTO RADIOGRÁFICO E ANATOMOPATOLÓGICO

ARTHUR CAMPAGNARO PRANDI (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), MARIA CRISTINA FERRARINI NUNES SOARES HAGE (Orientador/UFV), TATIANA SCHMITZ DUARTE (Colaborador/UFV), ISAAC AVELINO PACHECO (Voluntário/UFV), JOSÉ DO CARMO LOPES MOREIRA (Colaborador/)

As neoplasia ósseas podem ser de origem primária ou metastática. As neoplasias ósseas primárias representam de 3 a 4% dos tumores malignos em animais da espécie canina, sendo identificados principalmente em cães de grande porte. O osteossarcoma é a neoplasia óssea mais freqüente em cães descrita em 80% dos casos. Fibrossarcoma, hemangiossarcoma, tumor das células gigantes, lipossarcoma, linfoma, osteoma, mieloma múltiplo e condrossarcoma respondem pelo restante. Relata-se o caso de um cão de 7 anos de idade, da raça Pointer, atendido no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Viçosa. O animal apresentava impotência funcional do membro pélvico direito e creptações à palpação da região distal do fêmur. Ao exame radiográfico em projeção mediolateral observou-se lesão predominantemente lítica, caracterizada por osteólise difusa, perda do padrão trabecular e destruição da cortical em metáfise e epífise distais do fêmur direito, apresentando transição pobremente demarcada entre regiões de osso normal e afetado. Os aspectos radiográficos sugeriram neoplasia óssea ou osteomielite fúngica. Não foram observadas metástases nos campos pulmonares após avaliação radiográfica. O animal foi encaminhado para cirurgia onde foi realizada coleta de material para exame anatomopatógico que revelou presença de células osteoblásticas ovaladas e fusiformes contendo núcleos com nucléolos evidentes, firmando o diagnóstico de osteossarcoma osteoblástico. Foi sugerido ao proprietário a cirurgia de amputação do membro, porém o mesmo optou pelo não tratamento e o animal veio a óbito 6 meses após a confirmação do osteossarcoma. Esse relato mostra como é importante o conhecimento das limitações do exame radiográfico, sendo difícil, senão impossível distinguir precisamente uma neoplasia de uma osteomielite fúngica, já que em ambas podem ocorrer destruição óssea e processos reativos, sendo necessários estudos anatomopatológicos para a distinção entre processo neoplásico e infeccioso, bem como a distinção adequada entre os diversos tipos de tumores ósseos. (PIBIC/CNPq/UFV).

UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



PADRÃO DE QUALIDADE TÉCNICA DAS RADIOGRAFIAS TORÁCICAS DE GATOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA COM SUSPEITA DE LESÕES PULMONARES NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2008

RAUL FELIPE DORNAS (Bolsista FUNARBIC/UFV), MARIA CRISTINA FERRARINI NUNES SOARES HAGE (Orientador/UFV), SÂMARA TURBAY PIRES (Não Bolsista/UFV)

A qualidade radiográfica adequada permite que as informações sejam percebidas facilmente em uma radiografia. A inadequação da técnica pode conduzir a interpretação subestimada ou superestimada de anormalidades. Para evitar tais erros devem ser empregados o posicionamento correto do animal, filmes de qualidade, fatores de exposição adequados e técnica de revelação primorosa. No presente trabalho avaliou-se radiografias de gatos com suspeita de lesões pulmonares atendidos no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Viçosa no 1º semestre de 2008. No total foram obtidas 14 radiografias de 6 gatos, sendo que 4 animais (66,66%) foram avaliados em 3 projeções e 2 (33,34%) foram avaliados em apenas 1 projeção. Quanto ao posicionamento notou-se que 6 radiografias (42,85%) estavam bem posicionadas e 8 (57,14%) não, sendo que o maior erro ocorreu pelo não alinhamento das articulações costocondrais direitas e esquerdas nas projeções laterolaterais. Das 14 projeções 4 (28,57%) estavam na fase inspiratória, 2 (14,28%) na intermediária, 7 (50,01%) na expiratória e 1 (7,14%) foi impossível avaliar. Do total de 14 projeções 2 (14,28%) estavam subexpostas, 3 (21,42%) superexpostas e 9 (64,30%) adequadas. As 14 radiografias (100,00%) apresentaram riscos, sendo que 9 (64,28%) também estavam manchadas e 1 (7,14%) estava amarelada. Esse estudo demonstrou que já são utilizadas várias projeções radiográficas na avaliação dos campos pulmonares, o que favorece a minimização de resultados falso-negativos ocasionados pela atelectasia posicional; que mais cuidado deve ser tomado para o adequado posicionamento dos animais antes do disparo do feixe de raios X e que a etapa de revelação precisa de melhorias para evitar riscos e manchas, o que pode ser obtido com a utilização de uma processadora automática. A realização de estudos nessa área tende a diagnosticar problemas e propor soluções na tentativa de maximizar a utilização da técnica radiográfica como método diagnóstico. (Bolsa Funarbic – Projeto Registrado n. 50501156615).(FUNARBE)

UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



PADRONIZAÇÃO DA MICROESTRUTURA DO PÊLO DE LOBO-GUARÁ (Chrysocyon brachyurus)

LEANES CRUZ DA SILVA (Estagiário voluntário/UFV), GEDIENDSON RIBEIRO DE ARAÚJO (Estagiário voluntário/UFV), RAFAEL MORAIS GARAY (Estagiário voluntário/UFV), ALEXANDRE DE OLIVEIRA TAVELA (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), VINÍCIUS HEROLD DORNELAS E SILVA (Estagiário voluntário/UFV), THYARA DE DECO SOUZA (Bolsista outra Instituição/UFV), TARCIZIO ANTONIO REGO DE PAULA (Orientador/UFV)

O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) é o maior canídeo das Américas e habita o Cerrado, Pantanal, Campos do Sul, Caatinga e Mata Atlântica. Solitários, onívoros e territorialistas, possuem hábitos crepusculares e noturnos. Por vários anos esta espécie esteve na lista dos principais animais brasileiros ameaçados de extinção e por isso há grande relevância em estudos a seu respeito. O presente trabalho objetivou estabelecer o padrão da microestrutura do pêlo de lobos-guará segundo os padrões estabelecidos por QUADROS (1996). Foram avaliados pêlos de oito animais mantidos no Centro de Triagem de Animais Silvestres da Universidade Federal de Viçosa (CETAS-UFV). Coletou-se pêlos do dorso dos animais, próximo a escápula. Para obter a estrutura da cutícula, lâminas foram preparadas com uma fina camada de esmalte incolor e deixadas em repouso por 30 minutos à temperatura ambiente para que secassem. Os pêlos foram lavados com álcool comercial e colocados sobre a lâmina com esmalte. Uma lâmina foi colocada sobre a anterior, formando um conjunto lâmina-esmalte-lâmina. Foi feito um “sanduíche” com dois pedaços de madeira e submissão à morsa para uma pequena compressão. Para observação da medula do pêlo, foi necessário descorá-lo adicionando água oxigenada trinta volumes e amônia na proporção de um pra um e exposto ao sol durante 80 minutos. Foram observados três pelos de cada animal para a verificação da cutícula e da medula. Verificou-se que o padrão dos pêlos de lobo-guará foi: cutícula imbricada, foliácea, larga, transversal, pouco ornamentada, contínua; e a medula apresentando: presente, contínua com alguns locais descontínuos. A identificação da microestrutura do pêlo dos lobos-guará auxilia o estudo ecológico e epidemiológico destes animais, contribuindo para sua preservação.
UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



PERIGOS MICROBIOLÓGICOS EM QUEIJO FRESCAL PRODUZIDO E COMERCIALIZADO EM VIÇOSA-MG

PAULA MENDONÇA MORAES (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), GABRIELA NOGUEIRA VIÇOSA (Bolsista PROBIC/FAPEMIG/UFV), ANDERSON KEIZO YAMAZI (Estagiário voluntário/UFV), MARIA BEATRIZ TASSINARI ORTOLANI (Bolsista CAPES/UFV), LUIS AUGUSTO NERO (Orientador/UFV)

O queijo tipo frescal é um produto amplamente consumido no Brasil e pode ser produzido artesanalmente a partir de leite cru em pequenas propriedades rurais, sob condições insatisfatórias de higiene. Devido a essas características de produção, esse tipo de queijo é um potencial veiculador de patógenos, como Listeria monocytogenes, Salmonella spp. e Staphylococcus aureus produtor de enterotoxinas. Esses patógenos podem ter origem na matéria prima ou no ambiente, e dependendo das condições de estocagem podem se multiplicar no alimento. Considerando a possível presença de patógenos, o controle e monitoramento são necessários para garantia da segurança microbiológica desse produto. Esse trabalho teve como objetivo detectar a presença destes microrganismos patogênicos em queijo frescal produzido a partir de leite cru. Foram coletadas 55 amostras de queijo em diferentes estabelecimentos informais do município de Viçosa e submetidos à detecção de L. monocytogenes e Salmonella spp., e enumeração de estafilococos coagulase positivo (SCP), de acordo com a metodologia descrita pelo Standard Methods for the Examination of Dairy Products. Em todas as amostras foi verificada ausência em 25 gr de Salmonella spp. e L. monocytogenes. Foram enumerados SCP em 17 (30%) amostras em níveis acima de 104 unidades formadoras de colônia (UFC)/gr. Tais resultados indicam que SCP podem ser considerados como perigos microbiológicos nas amostras analisadas. Apesar do uso de leite cru durante produção destes queijos, os resultados sugerem um baixo risco microbiológico aos consumidores. Mais estudos são necessários para elucidar se fatores que podem interferir na sobrevivência e isolamento de patógenos, tais como resíduos químicos e atividade da microbiota natural autóctone da matéria prima utilizada.
UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



PESQUISA, IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE PARASITOS GASTRINTESTINAIS DE CAPIVARAS (Hidrochoerus hidrochaeris) DE VIDA LIVRE.

PABLO SANTOS RODRIGUES (Estagiário voluntário/UFV), ALEXANDRE DE OLIVEIRA TAVELA (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), GEDIENDSON RIBEIRO DE ARAÚJO (Estagiário voluntário/UFV), LEANES CRUZ DA SILVA (Estagiário voluntário/UFV), LETÍCIA BERGO COELHO FERREIRA (Estagiário voluntário/UFV), AYISA RODRIGUES DE OLIVEIRA (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), FILIPE TAVARES CARNEIRO (Estagiário voluntário/UFV), FABIO RIBEIRO BRAGA (Não Bolsista/UFV), TARCIZIO ANTONIO REGO DE PAULA (Orientador/UFV)

O campus da Universidade Federal de Viçosa possui diversas lagoas cercadas por fragmentos de mata ciliar, os quais ainda mantêm várias espécies da fauna silvestre como a capivara (Hidrochoerus hidrochaeris), maior roedor do mundo. A carne da capivara é muito apreciada em algumas regiões do Brasil, o que as torna grandes vítimas da caça ilegal. No entanto, há cada vez mais interesse em manter criações comerciais desses animais. O conhecimento sobre doenças infecciosas e parasitárias das capivaras é essencial para sua conservação em vida livre e um instrumento útil para seu manejo em cativeiro. Esse trabalho objetivou pesquisar e identificar helmintos gastrintestinais em capivaras de vida livre oriundas do campus da UFV bem como quantificar sua carga parasitária. Foram utilizadas 20 amostras fecais oriundas de um grupo de 15 animais. O material foi obtido da porção superior do bolo fecal, sem contato com o solo, logo após a eliminação pelos animais e imediatamente processados e analisados no laboratório clínico do Centro de Triagem de Animais Silvestres da UFV. Para identificação dos helmintos utilizou-se os métodos de flutuação em solução hipersaturada de sal (Willis), sedimentação (H.P.J.), coproculturas e método de Baerman. Todas as amostras foram positivas para o cestódeo Monoecucestus sp. e para nematóides da Superfamília Strongyloidea. Observou-se prevalência de Protozoophaga obesa (Oxyuridae), Cooperia sp. e Trichostrongylus sp. (Trichostrongylidae) com médias de 200, 1200 e 300 ovos por grama de fezes, respectivamente. Todos os animais avaliados apresentaram-se assintomáticos à avaliação clínica. O campus da UFV abriaga capivaras infestados por Monoecucestus sp., Protozoophaga obesa, Cooperia sp. e Trichostrongylus sp. capazes de suportar altas cargas parasitárias sem demonstrar sinais clínicos. Esses helmintos têm relevante importância em Medicina Veterinária por causarem inflamação crônica da mucosa intestinal, anemia, inapetência e diarréia, levando a danos significativos nas espécies que acometem.
UFV / XVIII SIC / OUTUBRO DE 2008 / VETERINÁRIA CCB



PLASMA RICO EM PLAQUETAS NO TRATAMENTO DE TENDINITE EM EQÜINOS: AVALIAÇÃO CLÍNICA

BRUNA MOTA ZANDIM (Bolsista PIBIC/CNPq/UFV), MARIA VERONICA DE SOUZA (Orientador/UFV), LEANDRO MAIA (Bolsista FAPEMIG/UFV), AECIO CARLOS DE OLIVEIRA (Colaborador/UFV), Geraldo Eleno Silveira Alves (Colaborador/), JOSE IVO RIBEIRO JUNIOR (Colaborador/UFV), YAME FABRES R. S. SILVA (Estagiário voluntário/UFV), JOAO GABRIEL DA SILVA NEVES (Estagiário voluntário/UFV)

O objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia do plasma rico em plaquetas (PRP) no tratamento da tendinite do músculo flexor digital superficial (TFDS) mediante acompanhamento por exame clínico. Foram utilizados seis eqüinos hígidos machos castrados, com idade entre oito e 15 anos, numerados de I a VI. A tendinite do TFDS foi provocada em ambos os membros torácicos mediante administração intratendínea de 2,5 mg de colagenase. Após doze dias, os eqüinos foram submetidos a tratamento com 2,5 mL de PRP na tendinite do TFDS direito (grupo tratado – GT). O grupo controle (GC) – TFDS esquerdo - recebeu 2,5 mL de NaCl a 0,9%. Nos primeiros 30 dias após a indução da tendinite, os eqüinos foram acompanhados diariamente e, posteriormente, duas vezes por semana, sendo realizado exame clínico geral e específico do aparelho locomotor. Componentes hematológicos e bioquímicos foram determinados semanalmente. As variáveis do exame clínico geral não foram influenciadas pelo tratamento. Os valores médios das variáveis hematológicas se mantiveram dentro dos padrões de referência para a espécie. Após o tratamento (12o dia) o fibrinogênio aumentou, devido ao processo inflamatório local. Observou-se edema local discreto até o 30o (I e VI) ou 45o dia (demais animais), diminuindo ao longo do tempo, porém com menor (P<0,05) intensidade no GT. A dor à palpação (discreta a moderada), foi observada durante 20 (II, III e V), 30 (VI) ou 45 dias (I e IV), diminuindo ao longo do tempo, sendo de menor (P<0,05) intensidade no GT. O aumento de temperatura local foi discreto e permaneceu durante quatro dias, sem diferença (P>0,05) entre grupos. A claudicação (grau 1 a 2) persistiu por 2 (IV e VI), 18 (II e V) ou 33 (I) dias, sem diferença (P<0,05) entre grupos, estando ausente no animal III. O PRP diminui o edema local e a dor à palpação.




1   2   3   4   5   6   7   8   9


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal