Ufv / XVI sic / fevereiro-2007 / Veterinária / 695



Baixar 4.59 Kb.
Encontro28.11.2017
Tamanho4.59 Kb.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Veterinária / 713 
_________________________________________________________________________

DIAGNÓSTICO DAS DERMATOSES ALOPÉCICAS MULTIFOCAIS OU GENERALIZADAS EM EQÜINOS DA ZONA DA MATA MINEIRA.

MONTEIRO, Gabriel Augusto (Bolsista); SOUZA, Maria Verônica (Orientador); CONCEIÇÃO, Lissandro Gonçalves (Professor); BORBA, Camila de Lacerda Balbi e Rocha (Estudante); MOREIRA, Maria Aparecida Scatamburlo (Professor)



Apesar da elevada freqüência dos problemas dermatológicos na espécie eqüina, muitos casos ficam sem diagnóstico definitivo. A semelhança dos quadros clínicos somados à falta de conhecimento técnico específico pode responder por essa imprecisão diagnóstica. O objetivo deste trabalho foi diagnosticar as dermatoses que se manifestam com lesões do tipo “roído de traça”, que mais comumente acometem os eqüinos da zona da Mata Mineira. Para isso foram incluídos 26 eqüídeos de ambos os sexos e com idades compreendida entre duas semanas e 20 anos. Após detalhada anamnese, onde foram obtidas todas as informações referentes ao paciente, cada animal foi submetido a um exame físico-dermatológico e, em seguida, aos exames complementares: raspado de pele, tricografia, esfregaço corado, culturas bacteriana e fúngica e histopatológico. Adicionalmente, em alguns animais foi determinada a concentração do metal pesado zinco. O sinal clínico mais freqüentemente encontrado foi alopecia, seguida de descamação e presença de crostas. Os exames complementares confirmaram 11 (42,3%) casos de dermatofitose, quatro (15,4%) de dermatofilose, três (11,5%) de hipersensibilidade a picada de inseto, dois (7,7%) de foliculite bacteriana, um (3,8%) de acaríase e um (3,8%) de pênfigo foliáceo. Em quatro animais (15,4%) não foi possível se chegar a um diagnóstico definitivo. Os exames complementares foram fundamentais para o diagnóstico das enfermidades acima mencionadas. O raspado cutâneo e o tricograma foram úteis na identificação de ácaros e dos pêlos infectados por fungos. O esfregaço corado e cultura bacteriana foram importantes no diagnóstico de foliculite bacteriana e dermatofilose. A cultura fúngica além da confirmação dos casos de dermatofitose foi essencial para a identificação da espécie de dermatófitos. O exame histopatológico foi imprescindível para o diagnóstico de pênfigo foliáceo e de hipersensibilidade a picada de inseto. A determinação da concentração sérica do metal pesado zinco foi útil para descartar as possíveis dermatites alopécicas ocasionadas pela deficiência desse elemento. (PIBIC/CNPq)




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal