Ufv / XVI sic / fevereiro-2007 / Tecnologia e Alimentos / 901



Baixar 4.76 Kb.
Encontro05.02.2018
Tamanho4.76 Kb.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Tecnologia e Alimentos / 927 
_________________________________________________________________________

EFEITO DA CRISTALIZAÇÃO E DA SAPONIFICAÇÃO NA CONCENTRAÇÃO DO ESQUALENO NO DESTILADO DESODORIZADO DE ÓLEO DE SOJA

MENDONÇA, Adriana Corrêa (Bolsista); WOBETO, Carmen (Estudante); ARAÚJO, Júlio Maria de Andrade (Orientador)



O esqualeno é um hidrocarboneto insaponificável com funções industriais, clínicas e nutracêuticas. Seu uso é limitado pela incerteza da disponibilidade, uma vez que as fontes convencionais são os óleos de fígado de tubarão e baleia. Uma fonte vegetal alternativa é o destilado desodorizado de óleo de soja (DDOS), resíduo obtido na etapa de refino desse óleo. O objetivo deste trabalho foi analisar amostras de DDOS para desenvolver metodologias de cristalização a baixas temperaturas e saponificação, visando reduzir ácidos graxos livres e fitoesteróis uma vez que uma das limitações para a extração do esqualeno nessa matriz é o baixo índice de separação em relação a esses compostos. Foram desenvolvidas metodologias de cristalização a baixas temperaturas e saponificação a frio com Na2CO3 para o DDOS. O experimento foi conduzido segundo o Delineamento Inteiramente Casualizado, em nível de 5% de probabilidade, com três repetições, avaliando-se cinco tratamentos: controle (DDOS centrifugado), DDOS saponificado; DDOS cristalizado com solvente; DDOS saponificado e cristalizado, e DDOS cristalizado e saponificado. O teor de esqualeno e as variações nos teores de fitoesteróis foram determinados por cromatografia de fase gasosa e os ácidos graxos livres quantificados por volumetria. A cristalização da amostra em hexano na proporção 1:30 a -20° C, realizada separadamente, reduziu esteróis de 2,23 g/100g para 1,44 g/100g, e, quando realizada após a saponificação, diminuiu para 0,81 g/100g. Para a saponificação após a cristalização, o teor final desses compostos foi de 1,39 g/100g. Em todas as amostras saponificadas os ácidos graxos foram removidos. Para o esqualeno, verificaram-se incrementos de 53,4% no produto final para saponificação, 78,0% para cristalização seguida de saponificação e 82,4% para a ordem inversa dos tratamentos. Os melhores tratamentos para a concentração de esqualeno a partir do DDOS foram (P < 0,05) aqueles baseados na combinação entre saponificação e cristalização, podendo ser utilizado com uma etapa do tratamento do resíduo visando agregação de valor a um de seus componentes. Entre estes, o tratamento de saponificação seguida de cristalização se mostrou (P < 0,05) mais eficiente na redução de fitoesteróis, (PIBIC/CNPq)




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal