Ufv / XVI sic / fevereiro-2007 / Biologia Geral / 468



Baixar 4.02 Kb.
Encontro15.12.2017
Tamanho4.02 Kb.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Biologia Geral / 469 
______________________________________________________________________

A MATRIZ EXTRACELULAR DE LARVAS DA ABELHA Apis mellifera SADIAS E DOENTES POR CRIA ENSACADA BRASILEIRA

ARRUDA, Letícia Magalhães (Bolsista-IC); PACHECO, Marta Rodrigues; LORENZON, Maria Cristina; SERRÃO, José Eduardo (Orientador)



A Cria Ensacada Brasileira (CEB) é uma doença apícola caracterizada pelo acúmulo de líquido ecdisial entre o corpo e o tegumento de larvas de Apis mellifera , em fase de pré-pupa, justificando sua importância econômica pelas perdas causadas à atividade apícola. Os sintomas desta doença podem ser observados em laboratório ao se introduzir o extrato etanólico do pólen de Stryphnodendron pollyphyllum (barbatimão), planta recorrente em áreas de cerrado afetadas, na dieta de larvas operárias. O objetivo deste estudo é avaliar os efeitos do barbatimão na matriz extracelular do corpo gorduroso e do tubo digestivo em larvas de A. mellifera. Larvas sadias e as com os sintomas da CEB foram dissecadas em solução salina 125 mM, pH 7,4. Fragmentos do corpo gorduroso e do tubo digestivo foram fixados em paraformaldeído 4%, desidratados em série crescente de etanol seguindo-se inclusão em historesina JB-4. Secções com 5 micrômetros de espessura foram coradas com hematoxilina e eosina (HE), alcian blue (pH 2,5) (ABL), azul de bromofenol (ABR), PAS, azul do nilo (ANI) e analisadas em microscópio de luz. Foi detectada a presença de substância acidófila na matriz pela coloração HE, que não pôde ser vista por ABL, negando, desta forma, a presença de proteoglicanas ácidas. Esta substância se corou fortemente por ABR e PAS podendo-se, então, confirmar a presença de proteínas e carboidratos, respectivamente. Pouca quantidade de lipídios neutros foi mostrada pela leve coloração rosa da matriz extracelular quando corada por ANI. Desta forma, os produtos da digestão do barbatimão podem estar alterando a composição química da matriz extracelular das larvas em contato com este pólen tóxico quando comparada com larvas sadias refletindo nos sintomas da CEB. (CNPq)




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal