Tratamento da dor aguda



Baixar 13.61 Kb.
Encontro11.06.2018
Tamanho13.61 Kb.

TRATAMENTO DA DOR AGUDA

A dor é uma experiência individual, de natureza sensorial e emocional desagradável, estando associada a uma lesão real ou potencial. É um alerta do organismo, informando que algo não está bem. Portanto, é um importante mecanismo de defesa e de preservação da vida, cuja causa básica deve sempre ser investigada e tratada.

O objetivo no manejo da dor é de minimizar o sofrimento do paciente, sendo um elemento crucial na assistência médica. Contudo, vários estudos indicam que as crianças e adolescentes recebem tratamento insuficiente para alívio da dor.

CONDUTA NA DOR AGUDA




  • O quadro necessita de avaliação a intervalos regulares; a cada 15 minutos é um bom período;

  • As drogas e os métodos de manejo da crise dolorosa devem ser discutidas com o paciente e os familiares, sempre que possível, sendo respeitadas as preferências individuais;

  • Crianças freqüentemente não referem dor; é competência do bom profissional detectá-la. Para a avaliação da dor existem escalas variáveis que quantificam, localizam a dor, facilitando o adequado tratamento.Dentre elas temos as específicas para os pacientes pediátricos, que quantificam a intensidade da dor e avaliam a eficácia do tratamento.

A OMS preconiza o uso de escala analgésica para o tratamento da dor, com o objetivo de evitar o subtratamento, bem como reduzir o risco de dependência de drogas analgésicas potentes. Mesmo com a tentativa de objetivar o tratamento, o sucesso do controle da dor depende em parte de um relacionamento positivo entre o médico, o paciente e seus familiares, que necessitam ser envolvidos na adequada avaliação da intensidade do fenômeno doloroso. Sempre ouça a opinião do paciente e/ou dos familiares sobre a intensidade da dor.

Os dados fisiológicos associados ao quadro doloroso, tais como freqüência cardíaca e tensão arterial, podem ser utilizados como adjuntos na avaliação, mas isoladamente carecem de sensibilidade e especificidade na avaliação clínica da dor.

CONDUTA NO SERVIÇO DE SAÚDE


Dor leve:

Utilize medidas físicas (termoterapia) ou analgésicos habituais. PARACETAMOL (10-15 mg/kg/dose) ou DIPIRONA (10-20 mg/kg/dose), com intervalos mínimo entre as doses de 4 a 5 horas.



Dor moderada:

Usa-se analgésicos mais potentes, que também apresentem propriedades antiinflamatórias:

NIMESULIDE (2-2,5 mg/kg/dose, de 12/12 horas, por via oral ou via retal, dose máxima de 100mg/dia) ou TRAMADOL (2-2,5 mg/kg/dose, a cada 12 horas, por via oral, dose máxima de 400 mg/dia).

Dor intensa:

Nos casos de dor intensa, utiliza-se desde o início o TRAMADOL por via intramuscular, 1 mg/kg/, a cada 6 horas ou por via intravenosa, com bomba de infusão contínua, na dose de > 6 anos, 0,12 mg/kg/h ou nos < 6 anos =0,25 mg/kg/h; se esta medida não ceder, utilizar também com bomba de infusão contínua a morfina (>3 meses), na dose de 0,020 mg/kg/h, sempre que possível, após discutir com colega anestesista.

A dor intensa e súbita, associada com alterações dos sinais vitais como hipotensão, taquicardia ou febre, deve ser imediatamente avaliada e comunicada ao pediatra assistente, pela possibilidade diagnóstica de infecção grave.

SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE DOR AGUDA EM SERVIÇOS DE URGÊNCIA





  • CÓLICA NEFRÉTICA - Utilizar a dipirona por via intravenosa (pode-se usar a forma injetável associada a butilescopolamina ) ou o Tramadol IM.

Como nestes casos a náusea é freqüente, pode se associar a metoclopramida por via intra-muscular (0,1 mg/kg/dose, em menores de 6 anos e nos maiores de 6 anos, 0,15 mg/kg/dose, dose máxima 15 mg/dia);

  • CÓLICA MENSTRUAL - Prescreva nimesulida a cada 8-12 horas, nas primeiras 24 horas e depois de 12/12 horas, até cessarem as crises. Também pode ser utilizado ácido mefenânico, 1 comprimido de 8/8 horas, de 500mg. Importante referenciar ao pediatra assistente e explicar que essas crises tendem a melhorar com o aparecimento dos ciclos ovulatórios e que, para as próximas vezes, uma destas drogas deve ser iniciada 12-24 horas antes do início da menstruação e mantida por 24 horas após a chegada da mesma;

  • OTITE MÉDIA AGUDA - Calor local pode ser eficaz na otalgia. Explique à família que a resposta ao antibiótico é precoce e que, na maioria dos casos, em 24 horas, os sintomas cessarão. Quando necessário analgésicos, utilizar paracetamol ou dipirona. As gotas com anestésicos locais carecem de efeitos comprovados. Em casos de exceção, com dor rebelde aos analgésicos acima, pode-se associar droga mais potente, utilizada para dor moderada. Considere, após discutir com pediatra assistente, auxílio do otorrinolaringologista;

  • CEFALÉIA, ENXAQUECA, MENINGITE VIRAL - Inicialmente usar paracetamol ou dipirona (dose inicial pode ser de 20mg/kg), via oral. Quando há vômitos, utilizar a via retal, intramuscular ou intravenosa. Casos intensos, usar o Tramadol por via intramuscular ou intravenosa com bomba de infusão contínua.

  • ARTRITE, TRAUMAS DE PARTES MOLES - A melhor conduta é usar uma droga com propriedades antiinflamatórias. Pode-se utilizar: nimesulida ou Tramadol. Casos rebeldes, pode-se utilizar a codeína 1 mg/kg, de 6/6 h ou até mesmo de 4/4 horas, lembrando-se que pode ocorrer sonolência.

  • CRISE FALCÊMICA - As crises álgicas da doença falciforme são extremamente dolorosas; utilize o Tramadol, de preferência por via intravenosa ou, em último caso, a Morfina nas doses referidas.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal