Todos os isqueiros parecendo estrelas: polissistema e poética musical em londrina



Baixar 19.11 Kb.
Encontro04.07.2019
Tamanho19.11 Kb.




TODOS OS ISQUEIROS PARECENDO ESTRELAS: POLISSISTEMA E POÉTICA MUSICAL EM LONDRINA
Kaedmon Sellberg (CNPq), Frederico Fernandes; e-mail: fredma@uel.br
Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Letras Vernáculas CCH.
Área e subárea do conhecimento: Linguística, Letras e Artes/ Letras
Palavras-chave: polissistema; música; Londrina

Resumo
O projeto, iniciado em julho de 2016, buscava analisar as formas de inserção poética das bandas Hereticae (Black Metal) e Foxy Ladies (Hard Rock/Heavy Metal), em meio aos seus contextos de produção nos festivais musicais de Londrina e região, dando continuidade ao projeto A Poesia do Espaço Público: polissistemas literários e estratégias de inserção social do texto poético, de Frederico Fernandes1, 2013. Durante o ano, a banda Foxy Ladies encerrou suas atividades conforme a banda Hereticae prosseguiu com lançamentos de um EP, camisetas e show em outro estado (Sorocaba, SP). Citado o ocorrido, por meio da teoria dos polissistemas de Even-Zohar (a literatura originada em um mosaico de sistemas socioculturais e interdependentes) e das pesquisas de Paul Zumthor sobre a voz, buscou-se identificar uma relação com a música, a palavra cantada e a literatura, ligando-os à performance, pensando nas estratégias de sobrevivência na cena roqueira underground londrinense do ponto de vista da Hereticae, simultaneamente produtor, instituição e mercado do próprio produto, a fim de possibilitar a manifestação da própria performance como produto comercial e ideológico. Em termos sucintos, buscou-se compreender o produto da banda e todos os passos antes de subir ao palco para torná-la um manifesto herético, uma performance musical.
Introdução
A partir dos pressupostos teóricos e das pesquisas de: Itamar Evan-Zohar (2013) sobre a literatura como resultado de um conjunto de sistemas interdependentes (produtor, receptor, instituições, mercado, entre outros); Paul Zumthor (2005; 2007) sobre performance, palavra oral e literatura; e Frederico Fernandes (2013; 2014) sobre os festivais italianos de poetas vanguardistas, o presente projeto buscou, principalmente, compreender a cena roqueira underground londrinense como um polissistema ideológico que abarca os próprios signos artísticos, de diversos gêneros (musicais, literários, visuais), e, especificamente, usar como recorte de objeto a banda de black metal, Hereticae, visando compreendê-la pelo viés de produtor, assim analisando o conceito de seu produto e seus métodos de inserção e sobrevivência no polissistema musical londrinense.

O projeto também buscou compreender qual o papel do canto, da voz, da performance na subjetividade da manifestação e entrevistar sua necessidade no âmbito pessoal – por que cantar ao invés de apenas escrever? Por que certo gênero e não outro? Como o sentimento, o pessoal, dialoga com o canonizado e com o periférico?


Procedimentos metodológicos
Para a pesquisa, utilizou-se, principalmente, de entrevistas formais e informais realizadas com os participantes da banda. Trata-se, portanto, de uma pesquisa com caráter etnográfico. O autor do projeto também compareceu ao campo da pesquisa como participante e fotógrafo de shows do circuito no qual a banda se inseriu. Em função de registros audiovisuais, o autor do projeto colaborou com um videoclipe para o lançamento do primeiro EP da banda, New Aeon Trinity (2017). Assim, além de registros visuais e audiovisuais na forma de descrição do evento, o autor usou a fotografia como meio de representação estética da banda em performance, tomando liberdade criativa, com respeito ao conceito do objeto, a fim de explorar os níveis estéticos e ideológicos na genética performática e musical do Hereticae complicados à palavra estritamente escrita. Aqui, entra um caráter hermenêutico, interpretativo, do impacto do material analisado, apoiado nas entrevistas feitas, também amparado por leituras acadêmicas (filosóficas, estéticas, literárias) capazes de ajudar a explicar o fenômeno performático-musical de viés roqueiro/metaleiro underground. As leituras serão citadas nas referências.

Resultados e Discussão
A banda é um projeto artístico, musical e ideológico, abarcando seus próprios signos, uniformes e materiais de representação (duas cruzes invertidas de 1,80m, corpse-paint – pintura no corpo –, roupas pretas em sinal de decadência, máscaras e codinomes para os membros), no qual a música desempenha papel principal, mas apoiada nos outros materiais discursivos citados, desdobra-se em um manifesto herético contra um sistema opressor, seja ele político, religioso, social. Embora não haja declaração esclarecida acerca das crenças espirituais da banda, o material estético tem um propósito de se apropriar dos signos sagrados e sua relação com o profano a fim de estetizar o imaginário sobre o herético, de declará-lo presente no mundo.

Como agente social, a banda busca no polissistema musical vínculos profissionais os quais reforcem sua posição ideológica e tornem possíveis sua prática: inserindo-se como produtor no underground, a banda significa socialmente o papel de outsider, herético, uma vez que nega a normatividade. Buscando significar a vida pela ideia de oposição e liberdade, o sistema underground (incluindo o Hereticae) autonomiza-se e profissionaliza as práticas marginais: capitaliza-se os shows e festivais nos espaços de música autoral underground; o circuito significa suas práticas com valores monetários em direção às práticas capitalistas do trabalho, mas com pouco ou quase nenhum lucro próprio, as bandas – outra vez, incluindo o Hereticae – terminam por discursar, direta ou indiretamente, sobre um circuito de investimento mais afetivo do que capitalista, no qual a lógica do trabalho recai sobre a necessidade de reinventar um espaço à margem para ressignificar o mundo através das paixões, uma vez que as lógicas tradicionais do trabalho não fazem mais sentido aos membros do circuito.


Conclusões
Percebe-se o Hereticae como uma mônoda – imagem abreviada – de uma mudança nas relações entre o indivíduo e trabalho. Embora não exclusivamente nessa faixa etária, o autor localizou predominância da juventude participante desse circuito, entre 18 a 25 anos, o que faz pensar, então, sobre a maneira da juventude roqueira pensar sua própria relação com trabalho. Sendo o rock um espaço de investimento afetivo por parte dos seus membros (CARDOSO FILHO, p. 112), discute-se acerca da conciliação buscada entre o afeto e a prática profissional, sabendo que o afeto ocupa bastante concentração de forças na vida dos indivíduos citados. Nesse sentido, mesmo que os membros do Hereticae busquem trabalhos paralelos ao projeto da banda, a lógica é de um trabalho secundário em relação à banda, a qual leva maior parte do investimento por parte dos membros, incluindo o trabalho secundário, um modo de sustentar a banda; ou seja, mesmo a inclusão do herético nos meios tradicionais de trabalho é uma estratégia de parasitismo: alimenta-se da normatividade em um nível não nocivo à ideologia herética para, dessa estabilidade, produzir uma materialidade que significa a exaustão de incluir-se nessa normatividade. A finalidade, contudo, é realizar a urgência – o afeto – de musicalizar a potência herética e destrutiva no sujeito “normatizado”.
Agradecimentos (opcional)
Agradeço aos professores Frederico Fernandes, Alessandra Navarro e Evanway Soares por sempre orientarem minha cabeça de volta aos trilhos; a minha família e ao CNPq, pela oportunidade.
Referências
CARDOSO FILHO, J. L.C.. Afeto na análise dos grupamentos musicais. ECO-PÓS. V7, n.2, agostodezembro 2004, pp.111-119

CARDOSO FILHO, Jorge. Poética da música underground: vestígios do heavy metal em Salvador. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Teoria dos Polissistemas. Tradução Luis Fernando Marozo; Carlos Rizzon e Yanna Karlla Cunha. Translatio. Porto Alegre, n. 5, sem. 2013. Disponível em: < http://www.seer.ufrgs.br/index.php/translatio/article/view/42899> Acesso em: 21 abr. 2016.

FERNANDES, Frederico. Voz, Futuro da Arte. In: MINARELLI, Enzo. (Autor). As Razões da Voz: entrevistas com protagonistas da poesia sonora no século XX. Tradução Frederico Fernandes; Marta Dantas da Silva e Mara Regina Pacheco. Londrina: Eduel, 2014.

___________. A Poesia do Espaço Público: polissistemas literários e estratégias de inserção social do texto poético. 2013. 30 f. Projeto de pós-doutorado/estágio (Doutor em Letras) – Universidade de Bolonha, Itália, 2013.

LIMA FILHO, Irapuan Peixoto. Em tudo o que eu faço, eu procuro ser muito rock and roll: rock, estilo de vida e rebeldia em Fortaleza. 2010. 327 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza

MAFFESOLI, Michel. Entre o bem e o mal: compêndio de subversão pós-moderna. Tradução de Joana Chaves. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

SANTOS, Volnei Edson dos (Org). O trágico e seus rastros. Londrina: EDUEL, 2004.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e Nomadismo: entrevistas e ensaios. Tradução Jerusa Pires Ferreira e Sonia Queiroz. 1 ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

___________. Performance, recepção, leitura. Tradução Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. 2 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2007.




1 Mestre e doutor em Letras, participou de estágios de pós-doutorado no Canadá (Programa Visiting International Scholar, da Brock University - 2008-2009) e na Itália (Estágio Sênior CAPES - Università di Bologna - 2014-2015). Desde 1998, é professor junto à Universidade Estadual de Londrina, na qual desenvolve atividades de ensino e pesquisa com alunos da graduação e da pós-graduação no âmbito das Poéticas Orais. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8404440585607092




: eventos -> eaic -> eaic2017 -> artigos
eaic -> Influência de colutórios bucais na sorção e solubilidade de resinas compostas
artigos -> Universidade Estadual de Londrina, clch área e subárea do conhecimento: Ciências Humanas – Filosofia Palavras-chave
artigos -> O soldado” : mobilizaçÃo militar e açÃo política
artigos -> Mapeamento das áreas de risco ambiental da região metropoltana de londrina: subsídios para a gestão dos riscos e dos desastres
artigos -> Estudo da arquitetura para autistas com aplicaçÃo do conceito de “objectile” ao projeto arquitetônico
artigos -> Diabetes secundário à acromegalia na populaçÃo do norte do paraná
artigos -> ConstruçÃo de câmaras de ionizaçÃo de baixo custo para identificaçÃo de partículas alfa em amostras ambientais
artigos -> Comportamento biomecânico de diferentes planejamentos cirúrgicos e protéticos para reabilitaçÃo implanto-suportada de molares inferiores




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal