Tirreno da San Biagio Tote



Baixar 8.43 Kb.
Encontro12.10.2018
Tamanho8.43 Kb.


PROJETO DE LEI Nº 189, DE 2016
Dá ao Poupatempo de Mogi das Cruzes a denominação de “Tirreno da San Biagio – Tote”.



A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:
Artigo 1º - Passa a denominar-se “Tirreno Da San Biagio - Tote” o Poupatempo de Mogi das Cruzes.

Artigo 2º – Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.


JUSTIFICATIVA


Tirreno Da San Biagio, nascido em 19 de outubro de 1931, natural de Mogi das Cruzes, descendentes de italianos, e casado com Neid Brandão Da San Biagio, tendo os filhos Túlio Da San Biagio e Spartaco Da San Biagio.

Começou a trabalhar bem jovem, exercendo vários trabalhos, desde office boy, serralheiro, atendente de consultório até jogador de futebol pelo Clube União de Mogi das Cruzes Futebol Clube.

Seu primeiro contato com o Jornalismo foi aos 20 anos de idade, quando, atendendo a um anúncio, procurou os irmãos Jayme e Isaac Grinberg, proprietários do jornal Folha de Mogi. Lá, viu a publicação se tornar diária e, tempos depois, ser vendida para outro grupo. Não concordou com as mudanças drásticas na linha editorial e foi demitido junto com a funcionária Neid, que se tornaria sua esposa dois anos depois.

Pelo espírito empreendedor e afeição ao jornalismo ambos juntaram o dinheiro da indenização e adquiriram, a prazo, uma Linotipo usada e, em dezembro de 1957, aos 26 anos, fundaram o jornal O Diário.

O sucesso da publicação tornou sólida e influente a empresa, que se tornaria um conglomerado da Comunicação – o grupo O Diário. Em circulação desde 13 de dezembro de 1957, o jornal O Diário de Mogi foi o primeiro veículo de comunicação do grupo.

Tote, como era conhecido, comandou também a Rádio Diário de Mogi e, em 2000, junto com o filho Túlio Da San Biagio, deu início à TV Diário, afiliada da Rede Globo no Alto Tietê.

Em seus 57 anos à frente do impresso sempre trabalhou. Era um dos primeiros a chegar à redação e acompanhava todo o processo de montagem do jornal. Ele dizia que o jornalista não é o protagonista nem detentor da notícia, pois ela pertence à sociedade.

Em 14 de outubro de 2015, Tote faleceu aos 83 anos, deixando esposa e filhos, além de exemplos dignificantes para seus familiares, amigos, funcionários e para aqueles que desejam viver sem serem subservientes diante dos poderosos, nem arrogante perante os mais simples, humildes e fracos.

Tote soube estabelecer o equilíbrio familiar, profissional, social e moral nas decisões mais difíceis e complexas que lhe foram apresentadas ao longo de sua jornada.

Diante do exposto, conto com o apoio dos nobres pares para aprovação do presente Projeto de Lei.





Sala das Sessões, em 17/3/2016.
a) Marcos Damasio - PR






©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal