Terra a-dourada Brasil


O Despertar da Visão Interior



Baixar 1.17 Mb.
Página8/23
Encontro02.07.2019
Tamanho1.17 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   23

O Despertar da Visão Interior

‰ capitulo 6 ‰

Circulação Energética 2

6.1 O trabalho no corpo etérico


Antes de retomar nossos exercícios nos canais do corpo etérico, vamos enfatizar alguns dos objetivos desta parte do trabalho. Você deve ter notado, e não há nada surpreendente sobre isto, que uma consciência forte do terceiro olho tende a reforçar a vibração ao longo dos canais. Quanto mais você está no olho, mais você sente a vibração nos meridianos. Isto é lógico uma vez que o olho é o principal interruptor do corpo de energia. Operando o interruptor, você ativa circulações de vibração por toda parte do corpo.

Mas o oposto também é verdade! Quando você desperta uma vibração forte nos meridianos, pode sentir melhor a vibração em seu olho. Freqüentemente, só esfregando suas mãos e estimulando nelas a energia de formigamento, um aumento imediato pode ser sentido em seu olho. O olho aparece mais tangível, mais denso, mais “cristalizado” e mais ativo.

Há um mecanismo profundo atrás deste achado simples. A camada etérica não é um grupo de remendos dissociados, é uma camada coerente. Tem uma unidade. Todas suas partes são muito mais interconectadas que as diferentes partes do corpo físico. Por causa da natureza fluida do corpo etérico, qualquer onda de vibração em uma de suas partes ressonará com a camada inteira. Assim, quando você treme ou esfrega suas mãos e desperta uma forte vibração nelas, toda a camada etérica é estimulada, inclusive a camada etérica de seu terceiro olho. Um dos resultados será o aumento de sua clarividência.

O terceiro olho é feito de diferentes partes. Uma de suas partes pertence à camada astral, outra à camada etérica. Apenas quando todas as partes estão completamente edificadas e se comunicando entre si, que sua clarividência fica fidedigna. Imagine um tubo com um metro de comprimento. Se mesmo um milímetro deste tubo estiver bloqueado, nem água e nem ar podem fluir por ele. Você não pode nem mesmo ver através dele.

Esta é a razão pela qual, para desenvolver sua visão de reinos não-físicos, é tão valioso realizar este trabalho de desenvolver o corpo etérico. Ao executar as práticas de “visão” (Capítulos 5 e 7), é uma boa idéia fazer alguns exercícios de circulação energética no princípio e no meio das sessões.

Mais tarde, no processo de edificação do corpo de imortalidade, a circulação energética será retomada de uma forma mais elevada. O propósito será, então, infundir a consciência do Eu Superior (Higher Self) na camada etérica, em busca do Espírito-Santo ou trans-substanciado corpo etérico, uma das bases do corpo glorioso . A fase presente de circulação energética, embora humilde, tem o valor de preparar para estes ápices que estão por vir, iniciando uma conexão entre o etérico e seu self consciente.


6.2 Zu Shao Yang, Meridiano da “Vesícula Biliar”


Para circulação energética neste meridiano, esfregue uma linha que vai do de fora do pé até o lado da cabeça, passando pelo lado da perna, coxa, quadril, costelas, tórax (na frente do ombro), e ao lado do pescoço. Procure na área indicada na figura. Assim como todos os meridianos mencionados, este aqui é bilateral, o que significa que tem seu exato equivalente no outro lado do corpo.

Uma vez que tenha explorado por si mesmo, dê uma olhada nas notas do Apêndice 1 para mais detalhes do caminho e das conexões deste meridiano.


6.3 A completa técnica de circulação energética em um meridiano


Sente-se com as costas retas em posição de meditação. Se estiver em uma cadeira, não se apóie no encosto.

Mantenha seus olhos fechados ao longo da prática.

Esfregue suas mãos juntas durante alguns segundos. Então permaneça imóvel com as palmas viradas para cima. Perceba a vibração em suas mãos e em seu olho. Execute a fricção na garganta para ampliar a vibração e conectar as palmas com o olho.

Deixe sua mão reta e firme. Comece a esfregar ao longo da linha do meridiano com o monte da palma (veja figura na seção 4.5).

Permaneça imóvel e fique ciente da vibração na linha que acabou de esfregar. Conecte a vibração na linha com a vibração em seu olho. Use a fricção na garganta para intensificar a vibração e a conexão.

Então tente perceber o fluxo natural da vibração ao longo da linha. Uma vez mais, conecte este fluxo com seu terceiro olho e amplie com a fricção.

Tente localizar o caminho deste meridiano para além da área que você esfregou. Sinta o fluxo de energia na mão (ou no pé). Então sinta no tronco; no pescoço; na cabeça.

Tente aumentar o fluxo contraindo as “pequenas mãos” de energia ao longo da linha (seção 4.10). Quanto mais você progride em circulação energética, mais esta fase se torna essencial.

Repita todo o exercício no mesmo meridiano do outro lado do corpo.

Conforme você fica mais familiar com o processo, também pode escolher esfregar ambos os meridianos rapidamente, um logo depois do outro. Então fique ciente da vibração e execute a sucessão inteira ao mesmo tempo em ambos os lados.


Dicas


  • Ser capaz de mover a vibração, conscientemente, contraindo as “pequenas mãos de energia” requer um trabalho paciente. Você tem que persistir, persistir, persistir... até que a sensação fique mais clara e mais tangível. Pratique diariamente, contraindo os “músculos etéricos” ao redor da linha, apertando a energia em movimento; e estes músculos crescerão mais fortes.

  • Em circulação energética, primeiro você executa uma ação, como esfregar um meridiano, depois segue uma fase de “quietude conectada”. É durante esta fase que o mais importante acontece – o movimento de energia, a onda. Tanto esfregar quanto qualquer outro movimento é como liberar a rede. Permitir o movimento de energia durante a fase imóvel é como pegar o peixe.

Na fase imóvel, a arte é permitir a energia a entrar em movimento. Você não fará nada, mas ainda assim, não fazer nada não é o bastante para que a onda de energia possa surgir! Uma habilidade yin tem que ser desenvolvida, um magnetismo passivo, que permite acontecer o movimento de energia. Você não pode FAZER isso, você tem que deixar isso acontecer. Mas se você não fizer nada, nada acontecerá.

Em Taoísmo, o exemplo dado é o de uma mulher que seduz um homem. Ela não faz nada, ela apenas “é”. E o homem é puxado para ela. Mas por outro lado, se a mulher não faz nada, isto é, se ela não liberta seu poder yin, bem... nada acontece! O homem não será atraído. O mesmo se aplica à capacidade de criar ondas dentro de seu corpo de energia. Você não pode fazer isto, mas tem que deixar isto acontecer. Eu sugeriria que você enfatize este princípio e o explore durante suas práticas, porque ele conduz a grandes compreensões.

Em Sanskrito, um dos nomes para a energia é Shakti, descrita como um princípio altamente feminino. Se você praticar seus exercícios da mesma forma como se disseca um rato em um laboratório, se você é muito sério e frio, a Força, ou Shakti, o achará muito chato e não se mostrará a você. Aproxime-se da energia como você se aproximaria de um amante. Seja caloroso e brincalhão e a Força dançará com você. Ponha tudo de você nos exercícios, porque Ela se chateia com amantes tépidos. Ela só se dá àqueles que se dão a Ela.

6.4 Variação sem esfregar


Em vez de esfregar os meridianos com as palmas, é também possível usar as pontas de seus cinco dedos, quase sem qualquer contato físico.

Una as pontas de seus cinco dedos e os esfregue com muita suavidade contra a palma da outra mão, para estimular a vibração dentro deles.

Então, ao invés de esfregar o meridiano, mova as pontas unidas dos dedos ao longo do mesmo. Use um toque muito gentil, quase sem contato com a pele, ou até mesmo 1 milímetro longe dela. Mas ponha tudo de você neste toque conectado.

Conforme sua sensibilidade se desenvolve, você também pode usar um único dedo para estimular a linha energeticamante. Um achado interessante será o de que cada dedo desperta diferentes qualidades de energia dentro dos meridianos.


Prática 6.5 O som da vibração


Execute uma circulação energética como descrito na seção 6.3 em um meridiano de sua escolha.

Então na fase imóvel que se segue ao esfregar, enquanto conecta com a vibração ao longo da linha, tente perceber o som (não-físico) da vibração.

Não escute com suas orelhas, escute com seu olho, entre as sobrancelhas! Há algo como um zumbido ou o som de um poderoso fio de alta-voltagem que vem com a vibração.

Lembre-se de nosso mote principal para alcançar clarividência: sinta a luz ao invés de tentar vê-la. É, freqüentemente, quando você deixa de tentar ver, que a visão surge. Da mesma maneira, não tente ouvir o zumbido, tente senti-lo.

Esteja absolutamente imóvel em seu olho. Como sempre, não se concentre. Se você tentar com esforço, nada acontecerá. Cultive uma atitude aberta.

Dicas


Onde quer que haja uma vibração há um som. O som é o aspecto mais alto da vibração. Na verdade, seria mais exato dizer que a vibração é a mais baixa manifestação do som. Os sons vêm, de fato, em primeiro lugar, e então se densificam em vibrações. Conforme esta percepção se desenvolve, o universo inteiro pode ser sentido como uma vasta melodia, materializando a si mesmo pela densificação de sons em vibrações cada vez mais densas. Isto o conduzirá a uma leitura diferente dos primeiros versos do evangelho de João: “No princípio era a Palavra; e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus... Por Ele foram criadas todas as coisas.”




6.6 Zu Tai Yang, Meridiano da “Bexiga Urinária”


Esfregue da parte de trás do calcanhar à parte de trás da cabeça passando pela barriga da perna, coxa, nádega, e ao longo das laterais da espinha e do pescoço (veja figura na Prática 6.6). Depois de explorar completamente este caminho de energia, você pode dar uma olhada nas notas do Apêndice 1 para mais detalhes.

Mais que nunca, o nome “Bexiga Urinária”, dado a este meridiano, é um trote. As funções Zu Tai Yang são múltiplas e vastas, e certamente não limitadas à bexiga. Em particular, ao longo dos lados da lombar e nas áreas toráxicas da espinha, encontra-se neste meridiano vários pontos extraordinários de acupuntura que governam algumas funções altamente espirituais. Se você ficar mais especialista em circulação energética, será possível entrar nesses pontos e explorar suas funções de dentro das mesmas, e não somente de livros.


Prática 6.6


Repita a sucessão inteira de seção 6.3, desta vez no Meridiano da Bexiga Urinária.

  • Este meridiano está localizado ao lado da espinha, não na própria espinha. Não esfregue a própria espinha. Esfregar é um modo bruto e preliminar de mover vibração. A energia da espinha é extremamente sutil e pode se perturbar facilmente com a manipulação. É sempre preferível ativar a vibração na espinha pelo lado de dentro, em vez de por massagem ou contato físico.

Quanto mais aberto você se torna, mais eu recomendo que evite ter sua espinha tocada logo de cara por diferentes tipos de médicos. Se algum toque terapêutico tem que ser implementado, como, por exemplo, osteopatia, recomendo que você escolha alguém que realmente conhece o que está fazendo, não só na própria disciplina, mas também no campo de energia.

Intermezzo: o cosmo em suas mãos

Prática 6.7 Posicionamento das mãos para modificar a energia da palma


Sente-se com as costas retas. Mantenha seus olhos fechados ao longo do exercício.

Fase 1: Pendurar/Descansar


Esfregue suas mãos juntas durante 10 a 20 segundos. Então fique imóvel com suas palmas voltadas para cima.

Não descanse suas mãos nos joelhos, mantenha-as suspensas no ar, palmas para cima.

Fique consciente da vibração em suas mãos e em seu olho. Execute a fricção na garganta para conectar as palmas com o olho e intensificar a vibração.

Então mantenha a mesma consciência e fricção, mas repouse as mãos nos joelhos com as palmas ainda viradas para cima.

Sinta a vibração em suas mãos e compare com a posição anterior, quando as mãos estavam no ar. Fique um meio minuto com suas mãos em seus joelhos.

Então erga-as novamente para cima, de volta à posição original (palmas para cima). Compare a diferença na vibração nas palmas. Continue indo de uma posição para outra, comparando a qualidade da energia a cada mudança.


Fase 2: Palmas para cima, Palmas para baixo

Sente-se com suas costas retas, palmas para cima. Não descanse as mãos nos joelhos. Leve um meio minuto para fortalecer a vibração nas mãos e sua conexão com o olho, implementando a fricção na garganta.


Então vire as palmas para baixo. As mãos ainda estão suspensas no ar e você ainda está respirando com a fricção, mas agora as palmas estão para baixo

Sinta a qualidade da vibração em suas mãos e por toda parte de seu corpo.

Então volte para a primeira posição, com as palmas para cima. Sinta a qualidade de energia em suas mãos e compare com a posição anterior.

Perceba como se sente por dentro e veja se pode notar qualquer diferença de uma posição para outra.

Continue trocando as posições, sentindo, e explorando seus sentimentos.

Dicas


  • Quanto mais você se familiariza com a percepção da energia, não apenas a qualidade da vibração em suas palmas se tornará mais clara, mas a energia em todo seu corpo, que varia de uma posição para outra. O “sabor interno”, a atmosfera de consciência, muda completamente. No princípio, estas variações podem parecer sutis mas conforme você progride, elas ficarão mais tangíveis e distintas.

Isto conduz a uma ciência que visa induzir estados particulares de consciência através da sintonia em diferentes posições das mãos e, mais geralmente, do corpo. Elementos como esse, de sabedoria popular, têm sido incorporados em rituais de todas as tradições que você encontra no planeta. Por exemplo, estes “gestos de energia” são chamados de “mudras” em Sanskrito.

Ao passar por estes exercícios, você pode perceber por si mesmo que é apenas quando sua percepção está aberta que os gestos de energia irão manifestar seus efeitos verdadeiros.

Vamos explorar dois destes gestos muito tradicionais.

Prática 6.8 Gestos de energia


Sente-se com as costas retas. Esfregue suas mãos durante alguns segundos e então fique imóvel com suas palmas para cima.

Fique consciente no olho e nas mãos.

Respire com a fricção na garganta.

Perceba a vibração nas mãos e a vibração no olho.

Sinta a qualidade geral, a “essência”, o “sabor” de sua energia.

Fase 1


Una suas mãos em uma posição de oração. Perceba a vibração em suas mãos e no corpo inteiro. Fique um meio minuto nesta posição.

Então volte para a posição original, palmas para cima.

Continue alternando de uma posição para outra, comparando sua energia. Observe qual a disposição de consciência que surge quando suas mãos estão unidas.

Fase 2: Jnana-mudra


Volte para a posição com suas palmas para cima (sem descansá-las nos joelhos). Empenhe a fricção na garganta para ampliar a vibração e conectar as mãos e o olho. Gaste um minuto para re-focar.

Então dobre os dedos indicadores unindo-os aos polegares, na posição chamada jnana-mudra, como mostrado abaixo. Use a fricção na garganta para ampliar a ação do gesto. Continue sentindo as variações de energia dentro de você durante 1 ou 2 minutos.

Então retome a posição com as palmas para cima. Gaste um meio minuto ampliando a vibração com a fricção na garganta. Sinta a qualidade de sua energia.

Então faça o jnana-mudra novamente. Vá alternando as posições e explorando as mudanças dentro de você.

Como sua energia varia?

Como sua consciência varia?





Jnana-mudra

Fase 3: A ação de jnana-mudra nos pulmões


Mantenha o mesmo gesto de energia, jnana-mudra, como descrito na fase 2. Mantenha sempre seus olhos fechados. Desta vez, perceba ao mesmo tempo a vibração em seus pulmões. Vá de uma posição para outra, e tente sentir como a vibração varia dentro de seu tórax.

Então experimente com jnana-mudra (dedos indicador e polegar unidos) apenas na mão direita e a outra mão parada. Consciência no olho, consciência no tórax. Continue por meio minuto. Compare a energia em cada um dos pulmões.

Então troque. Faça jnana-mudra com a mão esquerda e mantenha a mão direita parada. Fique ciente da vibração no olho e em cada lado do tórax. Compare com a posição anterior.

Continue indo de uma posição para outra durante alguns minutos, explorando as variações de energia em seu corpo de forma geral, e especialmente em seus pulmões.


Dicas, truques e armadilhas


  • Os gestos de “oração” da fase 1, freqüentemente dão a sensação de que sua energia se concentra mais, fica mais vertical, como uma coluna.

  • Eu notei com muitas pessoas que este jnana-mudra (literalmente, o “gesto do conhecimento”) parece ter uma ação direta na energia de seus pulmões, o que se ajusta bem à acupuntura, que diz que o Meridiano Pulmonar termina no dedo polegar. Estudantes descrevem freqüentemente a vibração nos pulmões como mais intensa, mais densa, mais reforçada, mais fechada... quando o gesto é implementado.

Agora, um enigma: algumas pessoas parecem achar mais fácil respirar quando fazem jnana-mudra, enquanto outras acham um pouco mais difícil. Como pode ser isto? A resposta está na seção 6.13, ao término deste capítulo.

Prática 6.9 A energia entre suas mãos


Sente-se com as costas retas, com suas mãos uma de frente para outra à sua frente. Em nenhum momento deste exercício deixe as mãos se tocarem, sempre há espaço entre elas.

Perceba a vibração em seu olho e em suas mãos. Respire com a fricção na garganta para ampliar a vibração e conectar as mãos com o olho.

Então fique consciente da vibração no espaço entre suas mãos.

Comece a mover sua mão direita lentamente para a esquerda, como se a mão direita estivesse empurrando a esquerdo através da vibração. A mão esquerda se move para a esquerda, repelida com suavidade pela pressão da vibração que vem da mão direita. Continue movendo ambas as mãos para a esquerda muito lentamente.

Então mude de direção. A mão esquerda começa a se mover para direita e repele a mão direita pela vibração. Continue usando a fricção na garganta para intensificar a vibração entre as mãos.

Depois de mover as duas mãos para direita com extrema lentidão durante mais ou menos 1 minuto, mude de direção novamente. Comece a empurrar para esquerda, repelindo a mão esquerda com a vibração que vem da direita.

Repita a prática em direção vertical, com sua mão direita sobre a esquerda. Mova as mãos de cima a baixo muito lentamente, repelindo uma com a outra, seguindo o mesmo método. Mantenha a fricção na garganta. Observe o campo de vibração entre as duas mãos.

Então estenda este exercício para várias direções no espaço.


Pratique 6.10 Antena Cósmica


Sente-se com suas costas retas, suas mãos uma de frente a outra como no último exercício. Então vire as palmas para cima. Sinta a diferença de vibração em suas mãos e em seu olho conforme você vai de uma posição para outra.

Então coloque suas mãos e braços em diferentes posições no espaço, qualquer posição que quiser. Mas se mova lentamente e conscientemente. É como se fosse um “movimento imóvel” que o leva de uma posição para outra.

Em cada posição, uma diferente “freqüência” de vibração é gerada dentro de você. Seu campo de consciência muda de sabor (flavour), dependendo da orientação de suas mãos. Vá brincando com seus braços durante alguns minutos e explore como posições diferentes criam estados internos diferentes.

Então se levante e comece a mover o corpo inteiro, lentamente, como se fosse de uma posição imóvel para outra.


Dicas


  • Esta prática apresenta uma abordagem completamente diferente de movimento. Cada posição é percebida agora em sua relação ao cosmo. Você não move seu corpo apenas para executar ações particulares mas para sintonizar em diferentes freqüências de energia e consciência. O corpo se torna uma espécie de antena cósmica. Uma vez que você entra neste estado de percepção, você percebe quão rico e vasto você é. Você consegue imaginar quão mágico é dançar de acordo com estes princípios?

  • Esta prática é excelente para trabalhar com sons internos. Se você está familiarizado ao som (não-físico) da vibração, perceberá variações claras no som conforme muda as posições. Sintonize no som da vibração no meio da cabeça, atrás do ponto entre as sobrancelhas. Uma real melodia te será revelada conforme você dança – a harmonia das esferas.


6.11 A prática das costelas


Vamos retomar a circulação energética com um exercício revigorante.

Sente-se com as costas retas.

Esteja atento à vibração no olho. Respire com a fricção na garganta. Então esfregue vigorosamente as costelas com a palma. Esfregue verticalmente tudo ao redor da costela por um meio minuto. Depois use seus punhos para estimular a parte de trás da costela, aos lados da espinha. Mas não esfregue a própria espinha.








Então permaneça imóvel e permita o movimento de energia. Este exercício dá bons resultados em termos de dissipar a ansiedade que tende sempre a se acumular ao redor do plexo solar. Também te ajuda a adquirir um controle mais consciente de seu diafragma. É também bastante eficiente para acordá-lo de manhã ou qualquer outra hora.

6.12 Zu Yang Ming, Meridiano “do Estômago”


Para trabalhar neste meridiano, esfregue o lado dorsal do pé, a parte dianteira do tornozelo, perna, joelho, coxa, e então para a parte interna da virilha. Então, de uma linha de dentro da virilha para o mamilo.

Repita a prática completa de circulação energética (seção 6.3) neste meridiano.

Até agora, experimentamos seis meridianos: os três yins da mão e os três yangs do pé. A fim de desenvolver sua percepção da vibração e reforçar sua camada etérica, sugiro que mantenha praticando circulação energética diariamente nestes seis meridianos durante alguns meses. Como expliquei no começo deste capítulo, não é tanto um efeito local que se busca nestes exercícios particulares, mas um despertar generalizado de sua camada etérica, que nutrirá a abertura de sua visão.

(Lembre-se de que o desenho apresentado aqui não mostra o caminho do Meridiano do Estômago, mas a área onde você esfrega para achar o meridiano. Para o caminho preciso, veja Apêndice 1.)

Leitores com um interesse especial em energia etérica e cura podem buscar manuais de acupuntura para saber mais sobre os meridianos. Aplicar sua percepção de energia nos pontos de acupuntura dará resultados espetaculares. É como ativar pequeno chakras por toda parte do corpo, criando todos os tipos de movimentos de energia. Comece com pontos que são grandes e fáceis de achar, como Cólon 4, Cólon 10, Cólon 11, Estômago 36...

6.13 Jnana-mudra e a energia nos pulmões


Suponha que seus pulmões estão com energia demais. Fazendo jnana-mudra, você acrescenta ainda mais. Assim, de repente, pode ficar um pouco mais difícil respirar. Colocar mais energia onde já há em abundância faz os sintomas piorar. Este é um princípio básico da medicina chinesa.

Por outro lado, se há uma deficiência de energia nos pulmões, adicionar mais vibração fará com que se sinta bem e capaz de respirar mais facilmente. Este teste sutil pode ajudá-lo a descobrir se há um pouco de qi demais ou se não há qi o bastante em seus pulmões.

Tente este exercício algumas vezes, com intervalos de alguns dias, antes de definir-se sobre o qi de seus pulmões.





1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   23


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal