Terra a-dourada Brasil


O Despertar da Visão Interior



Baixar 1.17 Mb.
Página22/23
Encontro02.07.2019
Tamanho1.17 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23

O Despertar da Visão Interior

‰ capitulo 20 ‰


Proteção: selando a aura ( 2 )

Prática 20.1 Por onde você está falando?


A prática 20.1 consiste em produzir sons de níveis específicos. Começaremos com algo muito simples: cantando um longo “uuu” (você pode fazer isto enquanto lê este livro, não há nenhuma necessidade de fechar os olhos!)

Fase 1


Cante o “uuu” e o faça ressonar no abdômen, ao redor e abaixo do umbigo. Há um jeito de produzir o som que faz seu abdômen vibrar de uma forma tanto física quanto etérica (o jeito que cultivamos no olho e em circulação energética), fazendo com que ambas as vibrações possam ser sentidas em sua barriga.

Continue com alguns longos “uuu” e tente produzir a vibração apenas em sua barriga e em nenhuma outra parte do corpo.

Um modo simples de aumentar a vibração é colocar sua mão paralela ao abdômen, umas 2 ou 3 polegadas afastada, usando-a como um refletor.

Não há nenhuma consciência particular no olho nesta fase, nem na fases 2 e 3.


Fase 2


Então tente cantar um longo “uuu” que só ressona no tórax. O tom realmente não importa. Procure um som que gera o máximo de vibração possível no tórax, e em nenhuma outra parte do corpo.

Use sua mão como um refletor e coloque-a paralela ao tórax, umas 2 ou 3 polegadas afastada.

Continue cantando “uuu” e coloque tudo de você no som.

Sinta a vibração física ressonar em seu tórax, mas sinta também a vibração da energia.

Tente eliminar qualquer vibração que venha de outras partes do corpo, em particular do abdômen, da garganta, e da cabeça.

Fase 3


Produza alguns sons de “uuu” que só vibram na garganta.

Coloque sua mão como um refletor, 2 ou 3 polegadas na frente de sua garganta.

Desta vez, tente alcançar um som que ressona puramente na garganta, sem qualquer vibração em outras partes do corpo.

Fase 4


Repita a mesma prática com um enfoque entre as sobrancelhas. Cante alguns “uuu” e tenta fazer vibrar no olho e apenas no olho.

Repita este exercício algumas vezes, comece novamente da fase 1 e passe por toda a sucessão.

Se você praticar este exercício com amigos, vocês poderão trocar informações sobre a vivência, assim como a localização exata de cada som.

Prática 20.2 Falando a partir de diferentes níveis

Fase 1


Pegue uma frase bem simples, tipo: “Que dia bonito!” Pratique repetí-la a partir da barriga.

Da mesma forma que no último exercício, tente fazer seu som vibrar apenas ao redor do umbigo.

Quando você articula um som, isso gera uma vibração física e também uma vibração etérica, da mesma natureza que a vibração que você sente entre as sobrancelhas quando medita. Conforme você repete a frase, tente perceber tanto a vibração física e a não-física ao mesmo tempo.

Nesta primeira fase, dedique-se a conseguir a vibração acontecendo apenas na área da barriga, como se você estivesse falando “a partir da barriga”. 1

Como no último exercício, nenhuma consciência em particular precisa ser mantida no olho durante as três primeiras fases.

Fase 2


Abandone a consciência na barriga e repita a mesma frase a partir do tórax. Tente fazer o som vibrar só no tórax.

Fase 3


Repita a frase a partir da garganta. Sinta seu som vibrando na garganta. Sinta o formigamento físico que acontece nos órgãos de sua garganta enquanto você fala. Mas esteja ao mesmo tempo atento da vibração não-física.

Fase 4


Repita a mesma frase e faça-a vibrar entre as sobrancelhas.

Repita esta sucessão de 4 fases várias vezes.


Dicas


  • Esta forma de trabalho apresenta uma diferente abordagem de comunicação. Pratique este exercício com os amigos e observe cuidadosamente a partir de onde eles podem ou não podem falar. Muitas pessoas têm grande dificuldade de emanarem um som a partir de uma área ou outra: barriga, coração, e assim por diante. Isto é freqüentemente muito revelador no que se refere à organização psicológica dessas pessoas. Estar quase sempre impossibilitado de falar de uma dessas áreas indica um bloqueio emocional maior e que precisa ser trabalhado antes que um equilíbrio possa ser alcançado. Observe as pessoas ao seu redor, no trabalho, etc. Veja por onde elas falam, e relacione isto ao que você pode observar das características psicológicas que apresentam.

  • Quanto mais atento você está em seu olho, mais fácil é sentir de onde as pessoas estão falando. Você sentirá a vibração que é ativada no corpo delas, na área correspondente, claro. Sempre que você consegue perceber algo dentro de si mesma, não demora muito para que possa sentir o mesmo nos outros.

Conforme sua percepção se abre, não é apenas a vibração que você sentirá, você também verá modelos de luz na área da qual eles estão falando. Pratique estar no olho e estar ciente do estado de visão, como descrito nos capítulos sobre a visão.

  • Note que eu não estou sugerindo que é preferível falar de qualquer uma destas áreas, quer seja o coração, a barriga ou qualquer outro lugar. Fale de onde você gosta, por favor! É apenas quando é impossível para você falar de um dos centros que algo está errado, e que tal desequilíbrio precisa ser corrigido.

Prática 20.3 E se você tiver que mostrar autoridade?


Vamos repetir o mesmo exercício mas com palavras diferentes. A frase seguinte foi sugerida em uma de minhas aulas por um homem que teve onze filhos homens (e nenhuma mulher): “Limpe seu quarto!”

Repita a frase “Limpe seu quarto!” algumas vezes da barriga, então do tórax, então da garganta, então do olho. Cada vez que falar, faça-se a pergunta: Eles iriam ? (limpar o quarto.)


Dicas


  • A resposta é óbvia: quando você está só na garganta, eles não iriam! O olho pode ser um pouco mais convincente, mas provavelmente não seria forte o bastante contra os onze na plenitude da Lua Cheia. Aceitemos o fato de uma vez por todas: autoridade vem da barriga.

  • Agora, comece a notar ao seu redor, no trabalho por exemplo, aquelas pessoas que parecem autoritárias por natureza. Você descobrirá que algumas delas têm a capacidade de, quando falam com você, serem muito fortes em suas barrigas, ao mesmo tempo que fazem com que você se sinta fraco na sua. Grande parte da autoridade delas vem daí. Note que quase todas elas fazem isto inconscientemente. Não é o resultado de um treinamento, mas elas fazem do mesmo jeito! Assim que o truque se revela ao seu olho, você começará a ver isto como uma farsa. Você ganhará a capacidade de se impor quando alguém tentar abusar de você com um método tão bruto.

Prática 20.4 O poder olho-barriga


Agora, escolha algumas frases e repita várias vezes com uma forte consciência no olho e na barriga. Tente fazer o som ressonar em seu olho e em sua barriga, e siga o método sugerido acima. É como se você estivesse falando ao mesmo tempo do olho e da barriga. Se você fizer isso por inteiro, é bem provável que eles limpem o quarto.

Dicas


  • Este exercício te ajudará a estruturar o poder “olho-barriga” que é de grande ajuda quando você precisa de uma verdadeira proteção.

  • Você achará mais fácil de implementar este exercício se você puder dirigir suas palavras para alguém, ao invés de falar para as paredes. Isto é porque você estará exibindo muita força, e freqüentemente uma força acha estranho se manifestar externamente a menos que possa se defrontar com outra força.

  • Sempre que estiver fazendo um trabalho físico, lembre-se de tirar força de seu poder olho-barriga.

  • Nessas alturas, você provavelmente pode entender melhor porque quem já trabalhou bastante em seu hara, ou centro do livre arbítrio, através da prática de uma arte marcial, normalmente tem pouca dificuldade para proteger-se energeticamente.

20.5 Inalando/Exalando


Na tradição Tantrica hindu, há um texto Sanskrito chamado Shiva-svarodhyaya, que fornece muitas informações relacionadas ao nadis, que significa as circulações prânicas (= etéricas) de energia. Nos versos 92, 93 e 98 do capítulo 1, o texto dá o seguinte conselho: quando você caminha em direção ao mestre, seus amigos e parentes, todos aqueles que te amam e querem te ajudar, você deve inalar profundamente. Quando você caminha em direção a inimigos, ladrões, mendigos e outras pessoas das quais você quer manter distância, você deve exalar profundamente. É perigoso inalar profundamente no meio de uma briga, na frente de um superior que está bravo com você, ou na companhia de pessoas más ou ladrões.

Vamos tentar colocar isto em prática imediatamente.


Prática 20.6 Fechando a aura através de uma exalação profunda


Nesta etapa, se você já passou por todas as proteções sugeridas até agora, provavelmente você está começando a adquirir uma sensação de quando sua aura está aberta ou fechada. Sendo assim, proceda da seguinte forma: Sente-se na frente de um amigo ou de um espelho, entretanto, neste caso em particular, é preferível um amigo, pois uma força normalmente precisa se defrontar com outra para se expressar livremente.

Posicionem-se como para as práticas de eye-contact (seção VI.2). Mantenham seus olhos abertos ao longo do exercício.


Fase 1


Perceba quão aberta ou fechada sua aura está naquele momento.

Então, dê uma exalação profunda, lenta e com uma leve fricção na garganta, e sinta a qualidade de sua aura enquanto exala.

A seguir, inale profunda e lentamente, e sinta a qualidade de sua aura enquanto inala. Faça como se você estivesse inalando a outra pessoa, colocando-a para dentro. Sinta como sua aura parece aberta enquanto inala e compare com a fase de exalação.

Continue respirando lenta e conscientemente durante alguns minutos.

Durante esta primeira fase, seu amigo não estará inalando nem exalando profundamente, mas apenas respirando normalmente e tentando perceber as modificações em sua energia. Para permitir que ele siga o que você está fazendo, você pode elevar sua mão lentamente cada vez que inalar e abaixá-la ao exalar.

Fase 2


Deixe de lado qualquer consciência de sua respiração e torne-se aquele que percebe enquanto seu amigo inala e exala com total atenção.

Peça para seu amigo respirar longa e profundamente, respirações com intenção. Existe uma maneira de puxar o ar e expelí-lo do corpo que não é somente uma ação mecânica, mas um movimento consciente de energia. Isto é, conscientemente empurrar o ar e a vibração para fora enquanto exala, e puxá-los enquanto inala.

Continue a prática da mesma maneira durante 3 ou 4 minutos, tentando sentir as modificações na aura de quem está respirando.

Fase 3


Ambas as pessoas inspiram e expiram conscientemente ao mesmo tempo durante alguns minutos.

Levantam e abaixam suas mãos concomitantemente para poderem seguir um ao outro, mantendo uma leve fricção na garganta. Façam inalações muito longas e lentas, e exalações que proporcionem tempo suficiente para sentir a densidade de suas auras.

Mantenham a sincronicidade: ambos os amigos inalam e exalam simultaneamente.

Durante esta prática, sua aura tende a ficar mais leve e mais larga quando você inala. Quando você exala, ao contrário, você sente sua aura mais junta, mais densa e mais grossa, seus limites mais pertos da pele. Em outras palavras, isto significa que sua aura tende a se abrir cada vez que você inala, e a fechar cada vez que você exala. A intensidade da abertura ou do fechamento depende de quão completa e conscientemente você respira. Enquanto respira normal e inconscientemente, este ciclo de expansão e contração é lânguido e difícilmente perceptível, mas, não obstante, presente. Ganhando controle consciente sobre este mecanismo, você pode ir um passo adiante na proteção de suas energias.


Fase 4


Retome a prática como na fase 3. Ambos os amigos exalam profundamente ao mesmo tempo, e então inalam profundamente. Acompanhe a respiração com os movimentos das mãos para manter sincronicidade.

Desta vez, tente perceber como suas auras se encontram e se misturam quando você está exalando (fechando a aura) e inalando (abrindo a aura). Enquanto “inalam um ao outro”, conforme suas auras estão abertas, há uma forma de entrosamento de suas energias. A linha que separa você e seu amigo não é tão claramente definida.

Continue exalando e inalando durante alguns minutos.

Enquanto exala, conforme suas auras estejam mais densas e fechadas, a separação se torna muito mais evidente. Você pode sentir uma superfície de contato na qual ambas as auras se encontram mas não se misturam. Clarividentemente, a pessoa pode ver luzes cintilantes onde as duas auras se chocam.


Prática 20.7 Puxando energia para dentro e para fora


Para este exercício, você pode tanto estar sozinho como pode se sentar na frente de um amigo. Mantenha seus olhos abertos durante toda a prática.

Perceba a vibração em seu olho e por toda parte do corpo. Mantenha um pouco de fricção na garganta ao longo do exercício.

Exale lenta e profundamente, e com intenção. Coloque as mãos paralelas à sua frente, as palmas voltadas para fora (Figura XX.7a). Lentamente, mexa as mãos enquanto exala, como se você estivesse empurrando algo ou alguém, ou como se você estivesse repelindo o ar e a energia.

Inale profundamente e com intenção. Mexa as palmas e vire-as lentamente para você, como se estivesse puxando energia para si com suas mãos (figura XX.7b).

Continue exalando e inalando lenta e profundamente durante alguns minutos. Tente sentir a pressão da energia em suas mãos. Ao exalar, intensifique a fricção na garganta para fortalecer sua ação repelente.


Exalando



Inalando



Se você pratica com um amigo, a superfície de colisão entre as duas auras será percebida muito claramente ao exalar.

Prática 20.8 Exalando ao enfrentar uma multidão


Aplique este conhecimento em sua vida diária. Em uma rua ou uma rodoviária, pratique exalar com intenção quando estiver passando no meio de uma multidão ou de um grupo de pessoas. Fique no olho e na barriga, densifique sua aura e exale a energia para fora. Pratique de forma semelhante sempre que um estranho passar por você. Perceba a energia dele sendo suavemente mantida do lado de fora.

Dicas


  • Nestas situações, sem este treinamento, freqüentemente há um entrosamento desnecessário e impróprio de auras. Conforme o dia passa, especialmente se você mora em uma cidade grande, este entrosamento de energias tende a se repetir várias vezes, e você termina o dia esgotado.

Se você vive em uma cidade pequena e só encontra amigos e conhecidos quando sai, então a situação é completamente diferente. Não há, certamente, a mesma necessidade de proteção.

  • Pessoas que freqüentemente usam o telefone no trabalho devem estar cientes de que muita energia é trocada durante uma ligação. Como discutido na seção XVI.6, a onda eletromagnética do sinal do telefone não só carrega, como também amplifica, algumas das emoções e dos movimentos sensitivos que acontecem durante a conversação. Sendo assim, fique vigilante e não vacile em usar nossas técnicas de proteção quando estiver ao telefone. Vá e lave suas mãos em água corrente (seções IV.12 e XVII.12) depois de um telefonema negativo, ou de vez em quando durante o dia, se estiver usando o telefone continuamente.

As mesmas recomendações também se aplicam ao uso do modem do computador.

No começo, você tem que trabalhar e permanecer vigilante, exalando e se selando cada vez que uma energia estranha passa. Então, depois de praticar durante algum tempo, você estará exalando automaticamente quando precisar. Você não tem nem necessidade de pensar nisto, acontece por si só. Cada vez que acontece, evita-se uma dissipação de energia que faz grande diferença no final do dia. Este provará ser um dos mais valiosos resultados de seu treinamento.

Prática 20.9 A mesma proteção usando a respiração normal


Um dos problemas com a técnica 20.8 é que você nem sempre pode exalar. Se estiver caminhando por uma multidão, em uma estação rodoviária, ou se está em uma reunião agitada com seu chefe, você ainda tem que inalar de vez em quando! A solução está em desenvolver uma nova habilidade. Através da respiração profunda você aprendeu a criar as condições abertas e fechadas de sua aura. O próximo passo é aprender a reproduzir as mesmas condições enquanto respira normalmente.

Sente-se na frente de um espelho ou de um amigo. Fique firme em seu olho. Pratique exalar do seguinte modo: não respire mais profundamente que o normal, mas foque toda sua atenção na exalação. Coloque-se em um estado mental de exalação. Apenas faça as exalações durarem um pouco mais, uns 2 ou 3 segundos, e faça breves inalações (de 1 segundo ou menos). De forma que, no geral, o ritmo de sua respiração permanece bem normal.

Reforce cada exalação com fricção na garganta, mas sem que esta possa ser ouvida. Nesta fase, você deve estar apto para sentir que atrás de sua fricção física na garganta, uma vibração não-física é gerada, e esta é a apropriada para esta prática. Se você não está muito certo disto, faça apenas uma fricção contida, que você sente dentro de sua garganta, mas que não pode ser ouvida do lado de fora.

Não pisque muito. Permaneça imóvel o suficiente para que uma certa coagulação de sua energia possa acontecer, mas não muito, de forma que sua face ainda pareça natural. A idéia principal por detrás desta prática é que você possa conseguir usá-la em qualquer situação social onde precise de proteção e tenha que se defender.

Resumindo, você está:

–atento no olho, coagulado, com certa imobilidade e sem piscar muito.

–em um modo de exalação, fazendo inalações pequenas

–reforçando suas exalações com uma fricção silenciosa.

Um resultado interessante deste exercício é que você se torna capaz de manter sua aura fechada, mesmo enquanto está inalando. Quanto mais você domina o processo, mais o “modo de exalação” da aura fica independente da respiração física.

Prática 20.10 Selando a aura


Com base no trabalho feito nestes dois capítulos, vamos agora descrever toda a técnica de selar a aura.

Sente-se em uma posição de meditação. Feche seus olhos. Pratique a meditação do terceiro olho (seção III.7): fricção na garganta; vibração no olho; luz no olho; consciência no espaço purpúra. Depois de alguns minutos no espaço, leve sua consciência para o espaço acima de sua cabeça. Deixe-se esparramar no espaço. Deixe sua aura se tornar o mais estendida e aberta possível.

Então: feche-a. Fique ciente no olho e no centro de livre arbítrio, aproximadamente uma polegada abaixo do umbigo. Construa a vibração nesses dois centros através de seu estado de consciência e de uma forte fricção na garganta. Ancore seu olho no centro de livre arbítrio.

Agora, re-densifique sua aura ativando o centro de livre arbítrio. Puxe sua aura de lá, como se este centro fosse um músculo (não-físico), capaz de juntar e puxar sua aura para dentro, tornando-a densa e à prova de vibração. Alcance uma condição fechada da aura, como no “modo de exalação”. Passe 2 ou 3 minutos reforçando e tornando sua aura mais espessa, descansando no “portão de pedra”, uma polegada abaixo do umbigo.

A seguir, reabra sua aura. Fique novamente ciente sobre sua cabeça. Deixe sua energia tão espalhada e estendida quanto possível por 1 ou 2 minutos. Deixe-se diluir no espaço.

E então se feche novamente, como antes, selando sua aura a partir do centro de livre arbítrio. Repita este ciclo, abrindo e fechando várias vezes.


Prática 20.11


Siga o mesmo procedimento de antes (prática 20.10), mas mais depressa. Abra sua aura por aproximadamente 10 segundos. Então feche a partir do centro de livre arbítrio por aproximadamente 10 segundos. Abra novamente durante 10 segundos, e continue alternando do mesmo modo durante alguns minutos.

Dicas


  • A prática 20.10 é uma das mais importantes deste livro, não só por causa de seu valor de proteção, como também porque é um modo poderoso de desenvolver a autonomia de seu corpo etérico. Pratique, pratique, pratique!

  • No princípio, para ajudá-lo a se re-ancorar em uma forte vibração por todo o corpo, você pode esfregar suas mãos vigorosamente durante alguns segundos. Isso ajuda a juntar a aura. Mais tarde, isto não será necessário.

  • Você pode reforçar a ação do centro de livre arbítrio através de uma contração leve dos músculos abdominais abaixo do umbigo. Em uma fase mais avançada, você não precisa da contração física para gerar ação no nível energético. Quando o centro da vontade é ativado, uma “contração etérica” acontece no nível da vibração, sem qualquer contração física dos músculos.

  • Conforme esta habilidade se desenvolve, haverá cada vez mais ocasiões em que sua aura se selará automaticamente se necessário. A transferência de energia não desejadas nem sempre acontece quando você espera. O seu Eu Superior ativará o selamento porque pode sentir potenciais perigos muito melhor que você.

Na prática acontecerá assim: você sentirá sua aura se fechando hermeticamente de forma repentina, e não entenderá, necessariamente naquele momento, o porquê. Mas freqüentemente a razão ficará óbvia nos próximos segundos ou minutos. Quando isto começar a acontecer, é sinal de que sua camada etérica alcançou um certo nível de consciência desperta e integridade.

20.12 E se nada funcionar?


Um certo número de estudantes acha impossível falar a partir de suas barrigas. Embora eles dêem o melhor de si para exalar com intenção, isso não parece mudar muito a energia deles.

Independente da prática que tentam, parece que a aura nunca está realmente fechada.

O que isso significa? Bloqueio! Algo tem que ser explorado e liberado, normalmente na área da barriga. Estes estudantes, freqüentemente, não conseguem achar linhas telúricas e praticar radiestesia. As razões e os remédios são os mesmos discutidos ao lidar com essa última atividade (seção 12.11).

Alem de praticar todos os exercícios de proteção descritos até agora, os seguintes exercícios complementares (20.13 a 20.16) também ajudarão.


Prática 20.13 Consciência permanente no centro da vontade


Durante algumas semanas, tente permanecer ciente da vibração no centro do livre arbítrio de manhã até a noite. Se o problema não for resolvido, estabeleça uma consciência de olho-barriga ao invés de só estar ciente no olho, como descreveu o Capítulo IX.

Prática 20.14 Respiração abdominal ininterrupta


Aprenda respiração abdominal. Dedique algum tempo, duas vezes ao dia, para se deitar e praticar respirar apenas pelo abdômen, sem qualquer movimento no tórax ou na área da clavícula. Coloque as mãos espalmadas em suas costelas, e certifique-se de que o tórax não se mexe enquanto você inala.

Durante um período de algumas semanas ou mais, gaste o máximo de tempo possível durante o dia respirando conscientemente através de seu abdômen. Não estou sugerindo que você respire pelo abdômen para o resto de sua vida, mas algumas semanas ou meses de intensa consciência nesta área ajudará a reequilibrar suas energias.

Nunca perca uma ocasião para implementar a técnica XVIII.9 (estimular o fogo abdominal através de uma pressão contrária enquanto inala).

Prática 20.15 Stambhasana


Massageie suavemente o centro do livre arbítrio, uma polegada abaixo do umbigo. Perceba a vibração nesta área.

Deite-se de costas. Erga sua cabeça e suas pernas em uma posição vertical. Em Hatha-ioga, este exercício é chamado stambhasana, postura do pilar.

Permaneça na posição durante 1 ou 2 minutos.

Relaxe e deite novamente. Perceba a vibração ativada no centro do livre arbítrio.

Repita essa sucessão algumas vezes e construa a vibração no centro do livre arbítrio.

Prática 20.16


Deite-se de costas. Pratique somente e tão somente respiração abdominal (isto é, sem qualquer movimento do tórax ou da área das clavículas). Peça para alguém pressionar seu abdômen abaixo do umbigo com mãos espalmadas enquanto você inala.

A cada inalação, tem que empurrar as mãos da outra pessoa, estabelecendo a pressão. Quando você exala, toda a pressão é liberada. Continue edificando a força de sua inalação abdominal. Lembre-se de ter certeza de que suas costelas não se movem enquanto inala.

Agora, exercitando ou não, se sua barriga estiver realmente bloqueada, isso precisa ser explorado através de uma regressão segundo a técnica ISIS, ou outro método de liberação emocional baseado em energia. Isso poupará muito tempo em seu desenvolvimento espiritual e provavelmente transformará seus padrões de relacionamento e vida social.







1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal