Terra a-dourada Brasil


O Despertar da Visão Interior



Baixar 1.17 Mb.
Página20/23
Encontro02.07.2019
Tamanho1.17 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23

O Despertar da Visão Interior

‰ capitulo 18 ‰

Proteção: selando a aura ( 1 )

18.1 A luta ou o vôo da reação


Antes de passar por técnicas de proteção, pode ser interessante dar uma olhada no que a natureza faz quando quer nos proteger. Qual é a reação natural quando a vida de um ser humano está ameaçada por um grande perigo? É a resposta do "lute ou corra", que é mediada por uma volumosa descarga de secreções do sistema nervoso simpático e envolve as glândula supra-renais. A pressão arterial aumenta, o coração bate mais rápido e mais forte, e várias mudanças psicológicas drásticas acontecem, aumentando sua força muscular e atividade mental. De repente você está completamente desperto.

O que significa isto em termos de corpos sutis? Lembre-se do que discutimos na seção 13.5: Quando o corpo astral (camada de consciência mental e emocional) está flutuando, longe dos corpos etérico e físico, você está adormecido ou sonolento, ou em um profundo estado de meditação. Tudo no corpo físico está muito relaxado e o corpo etérico está dilatado e esparramado até certo ponto.

Do que acabamos de descrever, você pode concluir prontamente que é exatamente o oposto que acontece quando temos que brigar ou correr. O corpo astral é fortemente puxado para os corpos etérico e físico, exercendo sua ação de tornar tudo contraído.

É claro que não é apropriado ativar uma grande descarga de adrenalina toda vez que desejar induzir a proteção psíquica, entretanto, é importante lembrar que em termos de corpos sutis, a resposta natural quando se necessita de proteção física é uma vigorosa impactação do corpo astral nos corpos etérico e físico.


18.2 Selando a aura: por que e quando?


Nós estamos permanentemente trocando energias com nosso ambiente, do mesmo modo que inalamos e exalamos o ar, comemos e bebemos, urinamos e evacuamos. Na nossa situação atual de existência, nenhuma vida é possível sem troca. Por exemplo, inale bastante monóxido de carbono, ou apenas engula um pouco de cianeto, e seu corpo físico está morto! Da mesma maneira que algumas substâncias físicas são venenosas para o corpo físico, algumas energias etéricas e astrais o são para seus corpos sutis. Semelhantemente, da mesma forma que uma hemorragia crônica esvazia o corpo físico, um vazamento de energia etérica pode esvaziar sua fonte de força vital, te deixando deprimido, cansado e doente, mesmo que seu médico não ache nada de errado com você.

Por exemplo, a companhia de algumas pessoas te deixa exaurido. Fique apenas meia hora, ou até menos, com elas e de repente você se sente cansado e menos animado, senão semi-deprimido. Você estava bem e agora se sente pesado, você estava feliz e agora se sente exausto. É muito provável que você tenha sido drenado. O processo todo é realmente um desperdício, porque normalmente a pessoa que te esgota nem mesmo recebe a energia que você perdeu. O que acontece é mais uma dissipação do que uma transferência .

O problema pode se tornar muito sério para terapeutas, especialmente (mas não só) quando o contato físico é envolvido, como em uma massagem, por exemplo. Muitas pessoas que aprendem massagem e que no princípio são bem entusiasmados, abandonam a idéia depois de dois ou três anos de prática, simplesmente porque não conseguem se proteger e também ficam exaustos. Outra situação de alto risco de vampirismo é quando você tem que lidar com muitas pessoas, por exemplo se você vende passagem de metrô em uma estação ou pãezinhos em uma padaria. A necessidade de uma técnica para selar sua aura é óbvia.

Como você sabe quando pegou uma energia negativa? Bem, esse é justamente um dos problemas: a maioria das pessoas não nota quando isso acontece, porque estão completamente inconscientes da energia delas. Você pode então concluir prontamente que percepção e consciência são os primeiros passos em direção à proteção real. Se você não consegue sentir o que acontece em um quarto a nível de energia, você caminha pela vida como se estivesse vendado e tentando cruzar uma floresta cheia de pântanos. Dessa forma, todo o trabalho que é sugerido neste livro, desde circulação de energia à visão de auras e radiestesia, será o primeiro passo para ganhar uma proteção genuína. Por exemplo, algumas casas que você teria considerado normais no passado, assim que você entrar pela porta passarão a ser suspeitas. Se isso acontecer, você pode estar em guarda, selar sua aura e tomar qualquer outra precaução necessária.


18.3 Abrindo e fechando a aura - prática introdutória


Uma habilidade importante a ser desenvolvida é a capacidade para reconhecer quão aberta ou fechada sua aura está, e mais tarde modificar esta situação à vontade.1 Por exemplo, logo após uma prática noturna ou uma meditação profunda, ou quando você está flutuando e "fora do ar", sua aura está muito aberta. Já vimos anteriormente que a briga ou a fuga fecha sua energia. Porém, estamos à procura de algo menos rude e estressante. Este é um exercício para o apresentar à arte de selar a aura.

Fase 1: Abrindo


Sente-se em posição de meditação em um tapete ou cadeira. Mantenha seus olhos fechados ao longo da prática. Comece meditando, passando pelas diferentes fases da primeira técnica: fricção e vibração na garganta, vibração no olho, luz no olho, espaço purpúreo (seção 3.7).

Depois de 5 ou 10 minutos, fique ciente do espaço acima de sua cabeça. "Apenas" permaneça atento desse espaço, flutuando sobre a cabeça. Não faça nada, apenas fique ciente. Deixe-se esparramar sobre a cabeça.

Então tente sentir os limites de sua aura. Quão distante sua energia se estende? Você consegue sentir a presença dos objetos ao seu redor (mesmo que não consiga vê-los)? Pode "tocá-los" com sua aura? Se houver outras pessoas no quarto, você pode sentir a presença delas dentro de seu próprio espaço? Como sua aura se entrosa com as pessoas e os objetos ao seu redor? Você consegue ter uma sensação das paredes do quarto? Quão denso você sente a sua aura? Sintonize-se na energia, dentro e ao redor de seu corpo. Você a sente abundante ou escassa? Continue explorando em todas as direções durante alguns minutos, com uma consciência aberta sobre sua cabeça.

Fase 2: Selando


Em seguida, foque novamente entre as sobrancelhas. Comece respirando com uma fricção ritmada na garganta, e construa uma forte vibração entre as sobrancelhas.

Vibração, luz e espaço no olho corresponde a três níveis de profundidade crescente da experiência. Quando você está no espaço, você está mais fundo na consciência astral do que quando está vendo cores. E quando você está vendo cores, você está mais fundo do que quando está sentindo a vibração.

Agora é a hora de despertar uma intensa vibração no olho. Pode haver alguma luz, mas uma luz espessa e intensamente vibrante - não uma luz tênue e imaginária que flutua! Não se deixe dissipar no espaço.

Esfregue suas mãos durante alguns segundos, então fique imóvel com as palmas voltadas para cima. Sinta a vibração em suas mãos, como no trabalho de circulação de energia (Capítulos IV e V). Conecte a vibração nas mãos com a vibração no olho. Esfregar as mãos desperta uma vibração muito física e ancorada no olho, que é exatamente o que você quer. Mantenha a fricção na garganta para beneficiar-se de seu efeito amplificador. Então tente sentir a mesma vibração intensa por toda parte de seu corpo.

Agora, tente sentir os limites de sua aura novamente. Quão distante você se estende? Você ainda pode sentir os limites do quarto? Você ainda pode "tocar" outras pessoas e objetos dentro do quarto com sua aura?

Sinta então a densidade de sua aura. Perceba a energia dentro e fora de seu corpo físico. É tão fluída quanto antes? Gaste um ou dois minutos explorando, mantendo uma forte vibração no olho e a fricção na garganta.


Dicas


  • É muito comum, ao passar por esta prática, sentir a aura muito mais larga, mais aberta e diluída na primeira fase. Na segunda fase, a aura é percebida como menor, mais espessa e fechada à influências externas. Na segunda fase você já não consegue sentir os limites do quarto, ou "tocar" outras pessoas ou objetos com sua aura, simplesmente porque sua aura está mais compactada e não se estende até onde ia antes. Obviamente na primeira fase sua aura está mais aberta do que na segunda.

Outra sensação pode surgir quando sua aura está completamente aberta: não é incomum sentir-se mais alto, como se estivesse acima de seu corpo. Você também pode ter a sensação de que sua energia está mais comprida e alongada, como um marshmallow.

Quando a aura está fechada e recolhida, você, às vezes, tem a sensação de que seu corpo quer cair para frente, arredondando as costas com os ombros para frente.

Como funciona este mecanismo de abrir e fechar auras? Não é nada diferente de uma demonstração prática do poder de contração do corpo astral. Na primeira fase, quando você está flutuando no espaço, e mal pode sentir seu corpo físico, seu corpo astral está meio dentro e meio fora dos corpos etérico e físico. Quão longe seu corpo astral pode ir depende do quão profundamente você pode meditar. Em alguns estados de meditação profunda, semelhante aos samadhis da tradição indiana, você está completamente fora. Outra situação de completa retirada acontece quando você constrói seus veículos sutis ao ponto de ser capaz de viajar astralmente.

Por outro lado, quando você desperta uma forte vibração física no olho, quando você pode sentir a vibração que flui em suas mãos e por toda parte do corpo, é justo o oposto que acontece. Seu corpo astral fica totalmente compactado nos corpos etérico e físico. Então, devido à ação de contração do corpo astral, sua aura está hermeticamente fechada, muito mais impermeável à influências externas. (Isto permite entender claramente porque é tão difícil dormir quando experimentamos uma forte vibração no olho.)

Agora, vamos esclarecer um ponto: eu não estou sugerindo que qualquer uma das duas condições de energia, a aberta ou a fechada, seja superior uma à outra. Dizer isto é como apoiar a idéia de que dormir é superior a estar acordado, ou vice-versa. Estas são as duas fases da existência, uma tão indispensável quanto a outra. A vida não pode florescer sem a sucessão revezada de dormir e acordar, e mestre é aquele que, às vezes, pode estar completamente aberto e, às vezes, completamente fechado.

Porém, há momentos em que uma destas duas condições é imprópria. Por exemplo, se você fica sonolento sempre que chega ao trabalho, e se desperta assim que deita na cama, você está em apuros. Semelhantemente, se você permite que sua aura fique muito aberta ao esperar o metrô em uma estação lotada ou visitando um amigo em um hospital, você pode pegar todos os tipos de influências negativas. Você pode inclusive adoecer de um modo insidioso, pois pode haver uma longa demora entre a contaminação energética e o estabelecimento da doença, de forma que você não conseguirá fazer a conexão entre a causa e o efeito. Um princípio básico é:

Sempre que você precisar de proteção,
esteja completamente dentro de seu corpo e não flutuando acima dele!

18.4 A proteção através de estar no seu olho


Nesta fase, deve-se corrigir uma falsa noção normalmente mantida. Você já deve ter ouvido as pessoas comentarem como uma abertura psíquica pode deixá-lo mais vulnerável a energias e influências negativas. Se você estiver seguindo um treinamento completo, no qual aprende a fechar e abrir sua energia, não há nada mais falso. É o oposto! Devido à sua maior percepção, você pode descobrir imediatamente quando precisa de mais proteção, e devido ao seu domínio energético, você pode atingí-la selando sua aura. Além disso, quanto mais você progride, mais sua aura tende a se fechar automaticamente assim que seu Eu Superior sentir uma possível energia negativa se aproximando de seu campo. Dessa forma, você acaba ficando naturalmente protegido de todos os tipos de energias negativas que o homem absorve, todo o tempo, inconscientemente, na rua.

Claro que, se você estiver aprendendo só como abrir sua aura e flutuar, você pode ficar mais vulnerável. Este é o caso, por exemplo, se estiver apenas tentando se tornar um medium inconsciente e capaz de captar idéias e influências. Também pode ser o caso se estiver seguindo um caminho espiritual onde tudo é projetado para te desenraizar: comer muito pouco e alimentos leves, acordar antes de amanhecer (assim você permanece meio adormecido durante todo o dia), cultivar um estado aéreo e tênue da mente. Tais métodos podem ser apropriados se você estiver em um retiro, afastado do mundo, se mora em um monastério ou medita em uma caverna. Mas se você não vive em um ambiente assim, elas te deixam desprotegido e exposto.

As técnicas Clairvision foram projetadas para os que vivem no mundo, por isso a primeira técnica deste livro visa despertar a vibração no terceiro olho. Aprendendo a manter uma vigilância permanente no olho, você constrói uma maravilhosa proteção contra energias negativas e desenvolve sua sensibilidade e sua intuição ao mesmo tempo.

18.5 O centro do livre arbítrio


Há um centro de energia localizado aproximadamente uma polegada abaixo do umbigo que é de grande valor sempre que você precisa de proteção. Corresponde, na acupuntura, à área dos pontos Concepção 5 e Concepção 6, e está relacionado ao HARA onde a pessoa aprende a concentrar energia nas artes marciais.

Se você procurar com seus dedos aproximadamente uma polegada abaixo do umbigo, você achará uma depressão, como um chanfro, bem no meio da parede abdominal. O centro do livre arbítrio que estamos procurando é mais ou menos ao redor deste chanfro; que, algumas vezes, é sentido mais facilmente quando você contrai os músculos abdominais. Se houver muita gordura nessa área, fica muito mais difícil de sentí-lo.

Quais são as funções deste centro? É um lugar no qual um extraordinário potencial de energia é armazenado. Por exemplo, o nome chinês para o ponto de acupuntura Concepção 6 é Qi Hai, que significa "mar de energia".1 Através de um treinamento adequado, esta energia pode se tornar disponível ao corpo físico.

Outra função essencial deste centro é uma ancoragem física. O nome do ponto Concepção 5 é Shi Men, que significa "portão de pedra". Esta é a pedra da fundação, sobre a qual tudo pode ser estabelecido, assim como Pedro era a pedra sobre a qual a Igreja poderia ser fundada (o nome grego para pedra é petra).

O centro abaixo do umbigo é o centro do livre arbítrio. Isto se aplica tanto à vontades comuns, como também para a vontade sobrenatural do mago, que pode executar ações além da gama normal das leis da natureza. Também é nesta área que os alquimistas taoístas trabalham a estrutura do embrião da imortalidade, um novo corpo feito de matéria imortal (não-física), que os possibilita a partir e manter uma existência consciente depois da morte física.

Este centro é essencial no trabalho de alquimia interior. Mas além da alquimia, há várias circunstâncias de vida diária nas quais você pode tirar grandes benefícios focando sua consciência neste centro:

-Quando você precisa de força fisica para executar uma tarefa que requer esforço.

-Quando você precisa ser psicologicamente forte e assertivo, por exemplo se estiver negociando em uma leilão. Quando você precisa mostrar autoridade, ou resistir à autoridade de uma pessoa dominante. Quando você precisa se defender, resistir a pessoas agressivas e permanecer tranqüilo ao mesmo tempo.

-Quando você precisa se proteger contra energias negativas, em um hospital por exemplo, ou em um ambiente perigoso e altamente poluído energéticamente.

-Quando você está cansado e fraco.

-Os taoístas também sugerem que você trabalhe neste centro para reestabelecer suas energias depois de ter concebido uma criança.

Práticas para despertar e fortalecer o centro da vontade

Pratica 18.6


Sente-se em uma posição de meditação. Ao trabalhar para desenvolver o centro abaixo do umbigo, uma boa postura é sentar em seus joelhos, com suas nádegas apoiadas nos calcanhares ou entre os mesmos (Figuras XVIII.6A e XVIII.6B), postura essa que se torna o vajrasana da Hatha-ioga. Mas a prática pode muito bem ser executada sentado em uma cadeira, contanto que você mantenha suas costas retas.

Contraia ligeiramente os músculos abdominais e massageie o ponto uma polegada abaixo do umbigo, girando a ponta do dedo médio (entre o indicador e o anular) no chanfro, caso conseguir encontrá-lo, do contrário, fique simplesmente uma polegada abaixo do umbigo. Mantenha a rotação por mais ou menos meio minuto e então pare. Tente sentir a vibração na área.

Esfregue suas mãos durante alguns segundos, e então coloque-as abertas uma sobre a outra, paralelas ao abdômen 2 ou 3 polegadas afastadas do centro da vontade. (figura XVIII.6c)

Comece a respirar com a fricção na garganta. Conecte com o formigamento entre as sobrancelhas. Construa uma forte vibração no olho durante 2 ou 3 minutos. Então, mantendo a fricção na garganta, perceba a vibração no centro da vontade, uma polegada abaixo do umbigo, onde você sentiu a vibração depois de massagear. Conecte a fricção na garganta com o centro do livre arbítrio para edificar a vibração.

Sinta a vibração em suas mãos, e no centro do livre arbítrio. Da maneira como estão posicionadas, as mãos agem como refletores e concentram a vibração.

Mantenha a prática durante alguns minutos, reforçando a vibração uma polegada abaixo do umbigo, através da fricção na garganta e da ação refletora de suas mãos.


Pratica 18.7 Consciência Olho-Barriga


Sente-se em uma posição de meditação com seus olhos fechados. Comece a respirar com a fricção na garganta, edificando a vibração no olho durante 2 ou 3 minutos. Então pratique ficar ciente da vibração tanto no olho quanto no centro do livre arbítrio ao mesmo tempo. Mantenha sua fricção na garganta para aumentar a vibração e conectar os dois centros.

No princípio, algum tipo de vínculo pode ser estabelecido entre os dois centros. Conforme você avança, tente ancorar o olho no centro da barriga. Lembre-se: sem imaginação, sem visualização. A experiência é bem tangível, como se seu olho estivesse se arraigando, se enraizando na vibração do centro da vontade.

Continue durante alguns minutos, edifique a vibração nos dois centros e os conecte.

Então abra seus olhos. Comece a olhar alguns objetos ao seu redor, um depois do outro. Permaneça totalmente imóvel, atento tanto no olho como abaixo do umbigo. Há o objeto, há o fato de ver, e há a vibração no olho e abaixo do umbigo.

Quando estamos praticando olhar objetos e estamos conscientes no olho, notamos que um certo estado de centro surge espontaneamente (veja seção 9.1). Agora não é só é esse estado de centro, mas também um enraizamento que pode ser experimentado. Estando tanto no olho como na barriga, você se sente mais sólido, automaticamente mais denso, é menos provável flutuar para longe com o primeiro vento que bater. É como se você estivesse fazendo um buraco mais denso no espaço físico.

Dicas


  • Se praticada o suficiente, esta técnica o colocará mais em contato com seu próprio poder. Pode ser recomendada às pessoas que sofrem de baixa auto-estima e precisam desenvolver sua assertividade.

  • Eu tive resultados encorajadores com estas técnicas de enraizar ao trabalhar com pessoas beirando a esquizofrenia. Devido à natureza da doença, certos pacientes esquizofrênicos são pegos em um tumulto de percepções extrasensoriais que às vezes são genuínas mas completamente fora de controle, gerando assim uma ansiedade terrível, inclusive pânico. Ensinando os esquizofrênicos como se ancorarem vigorosamente ao sentirem um flash de delírio se aproximar, eles, às vezes, conseguem evitar que aconteça, mantendo a sanidade.

Pratica 18.8 Caminhando a partir da barriga


Releia a seção XII.8 com a descrição desta técnica. Com base no trabalho de ancoragem que acabamos de realizar, você deve agora ser capaz de caminhar a partir da barriga de forma muito mais convincente.

Pratica 18.9 Estimulando o fogo


Não é necessário estar em posição de meditação para este exercício em particular, mas é preferível estar sentado. Como sempre na vida, é melhor manter suas costas retas. Fique ciente no olho e no centro do livre arbítrio. Perceba sua respiração, e só respire no abdômen. Na respiração abdominal, quando você inala e exala, nada se mexe em seu tórax. Quando você inala, só seu abdômen se move para frente, e as costelas permanecem imóveis.

Permaneça atento na respiração e durante um ou dois minutos continue observando qualquer movimento no tronco, certificando-se de que nada se move além de seu abdômen.

Então proceda da seguinte forma: mantenha uma respiração puramente abdominal, sem qualquer movimento do tórax. Mas em cada inalação, contraia os músculos abdominais e fazendo uma pressão oposta. Ao exalar, relaxe tudo.

Respire de acordo com seu ritmo normal. A intensidade da respiração deve ser a de sempre ou um pouco mais profunda.

Cada vez que você inala, contraia os músculos da parede abdominal, e edifique a pressão na barriga. Ao exalar, relaxe todos os músculos.

Permaneça atento da vibração no olho e no centro do livre arbítrio, e continue com a mesma respiração por uma meia hora ou mais se desejar.


Dicas


  • Esta prática pode parecer simples contudo pode despertar uma energia considerável.

  • A prática regular deste exercício é recomendada para aqueles que acham difícil se abastecer da energia positiva do seu centro do livre arbítrio.

  • Tente este exercício logo antes de um exame, ele combate a ansiedade e desperta a energia que você precisa.

  • Ele é também bem eficiente depois de uma refeição pesada, ou sempre que estiver beirando uma indigestão. Por um lado, há uma ação mecânica, como uma massagem interna que acelera o esvaziamento do estômago e intestino, e por outro há uma excitação poderosa do fogo digestivo, através de uma ativação dos centros abdominais de energia.





1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   23


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal